Sergio Laurentino e Jean Pedro apresentam “Se Deus fosse Preto”, no Teatro Gamboa


sergio laurentino
Foto – Guilherme Malaquias/Max Fonseca

E se Deus fosse PRETO? Com essa indagação, o ator Sergio Laurentino (Bando de Teatro Olodum) e o ator e diretor, Jean Pedro pretendem inquietar quem for ao Teatro Gamboa Nova (Aflitos) até sábado (3) para conferir a peça Se Deus Fosse Preto – O Legado de LOID.

Com apresentações às 20h, a peça tem como personagem central LOID, homem negro preso injustamente pelo assassinato de sua filha e de sua esposa.

Na trama, LOID está preso, escreve textos que, após a sua morte, criarão uma nova religião universal. Sua escrita descreve um percurso até os anos 3.000, num misto de ficção e realidade, revelando surpresas de um mundo que viu a queda das religiões vigentes e o surgimento de um novo messias.

“Falo da criação e imagem de Deus, um problema mundial. Esta imagem, este nome que baseou muitas guerras, mortes e que não nos representa. A ideia é falar de uma ancestralidade, nossa herança energética, espiritual. Chegou a hora de sabermos dessa verdade, que é nossa”, enfatiza Laurentino.

O solo apresenta reflexões sobre a vida, a fé, a humanidade e questiona: Como seria se o deus cristão, ocidental, cultuado pela maior parte das religiões, desaparecesse? No lugar dele, um deus negro, com outros valores, outra doutrina e outro templo. 

Sérgio Laurentino

Sergio Laurentino integra o Bando de Teatro Olodum e, em maio deste ano, deu vida ao personagem Paulo Sultão na minisérie “O Caçador”, seu segundo trabalho na Rede Globo, após a série “Ó  Paí, Ó!”. No cinema, atuou no filme “Besouro, de João Daniel Tikhomiroff, e “Jardim das Folhas Sagradas”, de Pola Ribeiro, além do longa “Tropikaos”, do diretor Daniel Lisboa, que será lançado em breve.

Sergio Laurentino segue em novos voos. Ele acaba de gravar o filme “Tungstênio”, de Heitor Dalia, história originada de HQ está escrevendo “Exus: o menino da cabeça de fogo”, segundo solo que pretende estrear no primeiro semestre de 2017.

se deus fosse preto
Foto: Max Fonseca