#Artigo – Eleições 2020 e a questão racial, uma pauta menor? – Por Luciane Reis


O economista Elias Sampaio escreveu   sobre a candidatura da “Negona da cidade”, a pedagogo Olivia Santana para a prefeitura de Salvador.  Estamos falando de uma mulher negra com a nossa história e cara legitimada em convenção da sua legenda partidária como pré candidata a prefeita para  dirigir a cidade mais negra fora da África.  Militante histórica das causas negras, Olívia Santana foi titular da Secretaria de Educação e Cultura de Salvador, ganhando destaque pela implantação do Sistema Informatizado de Matrícula e do ensino da História da África e da Cultura Afro brasileira. Em 2012, foi candidata a vice-prefeita de Salvador, na chapa de Nelson Pelegrino (PT) naquele momento o partido entendeu que essa era  a forma de incluir a população negra, nos oferecendo o papel de coadjuvante no processo.

Estamos falando de uma mulher e negra que  se parece conosco e tem nossas histórias e trajetórias como marca de sua caminhada pela vida pública e profissional. Sim! Olivia, assim como uma parcela significativa da cidade é  filha de uma empregada doméstica com um marceneiro. Nascida nas periferias ao lado dos bairros ricos que nos ignora  a exemplo da  comunidade de Ondina, Olivia vem parafraseando Elias Sampaio “ com a tarefa de quebrar a hegemonia colonial intocada desta cidade”. Ouso a ir mais longe e dizer que ela como os demais nomes negros colocados no pleito,  vem como portadora da esperança negra de alteração de uma realidade que vem secularmente produzindo pobreza e dores em relação a uma cidade que nos explora enquanto identidade cultural, mas ignora interferindo em qualquer possibilidade de melhoria de vida ou do que as mulheres negras chamam de “Bem Viver”.

Este 20 de novembro vêm com o sabor e a certeza de “Desobediência racial como afirma a socióloga  e também candidata a prefeitura Vilma Reis. As candidaturas negras colocadas no pleito, traz o recado de que não estamos mais dispostos a ter “ nomes que não os nossos ” como portadores de nossas lutas, histórias e demandas. Não estamos mais dispostos a ter nomes que somente viram aliados  de 4 em 4 anos,  ainda que de  esquerda  e até mesmo de pele escura.  Os critérios mudaram e a  campanha “ EU QUERO ELA ” ,  nascida dentro do   bar de uma das matriarcas negras Alaíde do Feijão, tem uma participação singular sobre a conjuntura que vem   deixando um outro recado para a cidade e  partidos baianos  de alteração do que viemos construindo como parceria negra partidária até os dias de hoje. A campanha traz para o centro do debate do pleito de 2020,  o recado de que nós homens e mulheres negras,  não somos mais parceiras de  projetos políticos onde o protagonismo e o  centro do debate não é a população negra.

Foto Amanda Oliveira

 

 A campanha chega imbuída de apresentar à cidade de Salvador e aos  nascidos nas periferias vulnerabilizadas soteropolitanas que é preciso pensar uma cidade que inclua gente e neste sentido não existe case maior de sucesso do que o do Movimento social negro brasileiro que como bem afirma o vereador e também pré candidato a prefeito Silvio Humberto, é especialista em administrar gente. São as organizações negras que ao longo da história vem alterando a vulnerabilidade social, cidadã e econômica negra.

É neste cenário de lutas e experiência em potencializar o que as pessoas sabem fazer que, que Olivia como um dos primeiros nomes para a prefeitura com capacidade de  construir  “envolvimento”  e não desenvolvimento  social e econômico para  80% de uma população desrespeitada, violada e ignorada por um  aristocracia  branca, patriarcal e racista que governa o lugar mais negro fora do continente africano,  com toda sua arrogância por mais de 470 ininterruptos e longos anos.

Não será uma tarefa fácil seja para Olivia ou os demais nomes no pleito, mas, em princípio, Olivia que é o primeiro nome posto  não estará só como ressalta Elias.  E neste sentido fica como tarefa para cada pessoa que circula por essa cidade e  ver todas as gerações negras (crianças, jovens, adultos e idosos), circulando como farrapos humanos descartáveis,  a tarefa  de tornar cada espaço seu  digital ou não   espaço de reverberação dos nomes e história destes que temos certeza seja como candidato a prefeito ou vereador, ser  comprometidos com  nossa luta cotidiana.  Cabe a nós que não suportamos mais ver a população negra vivendo nas piores situações, fazer esses nomes  adentrar os bairros de Salvador,  como fio de esperança e possibilidade de construção de uma cidade humanizada onde os netos, filhos, sobrinhos, amigos e amantes destes que sempre nos exploraram acharam que podem governar não sejam os protagonistas e vencedores deste pleito.

 Olivia da mesma forma que os demais nomes posto,  surge com a  capacidade real de como debatemos no bar Mestiços, durante o dialogo puxado pelo mandato do vereador Silvio Humberto, mostrar que “ nos importamos com essa cidade e temos outro modelo de gestão que presa por  fazer o  “ mundo da branquitude que conta muito em Salvador ainda que seja minoria, se encontrar com o mundo negro ignorado” de uma maioria.

As campanhas negras para prefeito e em especial para vereador, traz para o centro do debate a possibilidade real de se construir desenvolvimento incluindo e compartilhando. Não estou aqui divagando sobre um mundo mítico, tenho plena consciência de que ela da mesma forma que os demais, caso tenha sucesso no pleito continuará sendo uma pessoa negra em qualquer movimento que faça enquanto gestora de uma cidade onde os brancos sempre enriqueceram  com os negros. Sei que consolidando sua vitória e de nossos vereadores e vereadoras presentes nas trincheiras de luta diária, virá a tona todos os problemas raciais invisibilizados até os dias de hoje quando se fala de pessoas  negra nesta cidade e neste sentido “ Querer Ela “ é romper com uma hegemonia que ousa nos ignorar dentro e fora dos partidos.