FÓRUM OBÌNRIN lança convocatória residência artística para mulheres negras


Laís_Machado
foto: banco de imagens

O Fórum OBÌNRIN – Ancestralidade, Residência Artística e Performance Negra Feminista promove um intercâmbio artístico entre mulheres negras da América Latina e Caribe e lança uma convocatória para a residência artística que será sediada no Espaço Cultural da Barroquinha em Salvador, Bahia, Brasil de 16 de maio a 25 de julho de 2018. Até o dia 24 de abril, as artistas poderão se inscrever em formulário disponível no site do projeto (plataformaaraka.wix.com/obinrin), que deverá ser enviado para o email [email protected] A iniciativa é uma realização de ÁRÀKÀ – Plataforma de Criação Artística e Giro Planejamento Cultural, viabilizada por meio do Edital Setorial de Dinamização de Espaços Culturais – 2017, do Fundo de Cultura da Secretaria de Cultura e Secretaria da Fazenda do Estado da Bahia e conta com o apoio institucional da Fundação Gregório de Mattos.

Idealizado pela atriz e performer Laís Machado, o Fórum OBÌNRIN busca visibilizar as produções artísticas experimentais de artistas afro-diaspóricas, além de discutir questões sobre o apagamento histórico de mulheres negras relevantes ao cenário cultural e político da cidade de Salvador.  A residência artística terá carga horária total de 150 h e visa articular um grupo de mulheres das artes cênicas (dança, teatro, circo, performance, etc.) e que em suas trajetórias dialoguem com outras linguagens artísticas. Serão selecionadas 10 artistas negras, residentes de países latino americanos e caribenhos, sendo seis vagas disponibilizadas para artistas soteropolitanas, duas vagas para artistas oriundas de todo o território brasileiro e duas vagas para criadoras de países estrangeiros.

Para participar da residência artística, as artistas devem estar inseridas num processo artístico em desenvolvimento, independente da etapa na qual este trabalho se encontre. A intenção é que a as artistas residentes interfiram nas obras umas das outras e que a partir disso possam absorver as metodologias, os conceitos e a vivência do período da residência artística.

A escolha de ocupar o Espaço Cultural da Barroquinha se deu pelo desejo de que a residência artística possa reinventar a memória das fundadoras do primeiro candomblé de Salvador, utilizando-se das experiências performáticas e biográficas das residentes selecionadas como mote para uma criação artística de caráter experimental.  A residência, assim como todas as ações do projeto, será aberta ao público interessado que poderá também conferir – como um dos resultados – uma revista que reunirá textos ensaísticos os quais refletem a produção artística das residentes selecionadas, bem como produções de outras mulheres negras que produzam conteúdo para publicação. Integram ainda a programação do Fórum OBÌNRÍN, apresentações artísticas, conferências e videoconferências abertas.
Todo detalhamento da convocatória, critérios e documentos necessários para inscrição estão disponíveis no site: http://plataformaaraka.wix.com/obinrin.

Serviço
Convocatória Residência Artística – Fórum OBÌNRIN – Ancestralidade, Residência Artística e Performance Negra Feminista
Para mulheres artistas afro-diaspóricas da América Latina e Caribe, com idade acima de 18 anos.
Inscrições: 10 a 24 de abril
Período da Residência Artística: 16 de maio a 25 de julho de 2018
Inscrições e maiores informações no site: http://plataformaaraka.wix.com/obinrin
Realização: ÁRÀKÀ – Plataforma de Criação Artística e Giro Planejamento Cultural

Terça tem reestreia de Gerônimo no Pelourinho


Geronimo_cantando
Foto: banco de imagens

O cantor e compositor Gerônimo Santana volta com seus ensaios no Pelourinho, na próxima terça-feira, 10 de abril. Seu tradicional Projeto “O Pagador de Promessa” continua sempre às terças-feiras. Ele sobe ao palco com sua Banda Mont Serrat, às 20h. Uma das novidades nesta temporada é que os ensaios vão acontecer no Largo Tereza Batista. No evento de reabertura, os convidados especiais são a cantora Divina Valéria e a Banda Mambolada.

Realizado há cerca de 15 anos, no Centro Histórico, o projeto criado por Gerônimo é um dos poucos eventos musicais recorrentes na agenda cultural de Salvador. “Nesta temporada, estaremos no Largo Tereza Batista, que é totalmente coberto e também conta com toda a infraestrutura necessária para nossos ensaios”, afirma Gerônimo. O Largo é um dos principais espaços de eventos do Pelourinho, localizado na Rua Gregório de Matos.

No novo espaço, será mantida a proposta de levar ao palco uma diversidade de estilos musicais e artistas, dos mais renomados aos novos talentos. Ambiente de muito axé e animação, o ensaio de Gerônimo também é um destino certo para o trade turístico. Os eventos agradam os visitantes da cidade, além de um fiel público local.         A cantora e atriz Divina Valéria, de passagem por Salvador, será uma das grandes atrações da noite de reestreia do Projeto. Ela tem feito inúmeros shows pela América Latina, celebrando o sucesso do longa-metragem Divinas Divas.  O documentário dirigido por Leandra Leal traz Valéria como uma das estrelas principais. Ingressos promocionais no valor de R$ 20,00 (inteira) e R$ 10,00 (meia). Mais informações pelos telefones: (71) 3016-3330/ 99327-2724 ou pelo site.

A reestreia do projeto de Gerônimo no Pelourinho também vai contar com o “swing caliente” da Banda Mambolada. Liderado pelo cantor Rafique, o grupo é conhecido por mesclar músicas baianas com ritmos latinos, como salsa, lambada, rumba, carimbó e merengue. No palco do Projeto, a banda vai apresentar músicas autorais e releituras de vários hits. Entre os sucessos gravados pela Mambolada estão “Larica Maria” e “Voarei”, uma versão para o clássico da música italiana “Volare”.

O Pagador de Promessa se consagrou como um dos mais importantes palcos da Bahia e fez com que Gerônimo se tornasse uma espécie de embaixador do Pelourinho. Segundo o Catálogo das Referências Culturais do Centro Histórico de Salvador, no Projeto de Gerônimo, “ocorre um encontro musical entre diversos artistas, consagrados e novos. É considerado por várias pessoas como o espetáculo mais pulsante que ocorre no Centro Histórico de Salvador”.

Música, gastronomia e outras artes: JosyAra e Jadsa Castro fazem show no 7ªComida Sonora!


Josyara
foto: divulgação

 

“Uma ocupação artística itinerante, movida pela cozinha e pela música”: assim pode ser descrito o projeto Comida Sonora, evento que será realizado no dia 15 de abril. Essa é a sétima edição do projeto e a segunda vez que ele aporta em Salvador, tendo o tema “Memória das Águas” como o fio condutor de tudo que será servido ao público – dos shows à culinária.

O evento acontecerá na Maison – Casa & Aconchego, no Rio Vermelho e a idealizadora da proposta, a cozinheira Jéssica Cardozo pretende reunir artistas de diversas áreas, alimentando uma rede autônoma de trabalhos com destaques na cena contemporânea baiana, brasileira e latino-americana.

A casa abre as portas ao meio dia, com a cozinha e o bar funcionando a pleno vapor. Na ala gastronômica, Jéssica Cardozo convida Hosana Menezes, Thay Borba e Salete Alves, ofertando um passeio gustativo com pratos criados especialmente para este dia. Integrando o domingo com muita música, as cantoras, musicistas e compositoras JosyAra e Jadsa Castro, que têm ganhado cada vez mais destaque na cena musical baiana e nacional, se apresentam a partir das 17h e costuram a ocupação com seus shows voz e violão.

O encontro ainda terá as exposições da artvista Annie Ganzala e das marcas Vixe Vixi Camiseteria e Gabi Faz e Acontece, além da performance de Leona do Pau e o lançamento da coleção Xaréu, por Aruá Estúdio.

Jadsa Castro

Das seis edições já realizadas do Comida Sonora, cinco foram em casas e galerias de São Paulo (SP), desde a estreia em 2014, e uma foi em Salvador, em 2015, também na Maison – Casa & Aconchego, casa que abre novamente as portas para esta sétima ocupação.

O tema Memória das Águas foi escolhido a partir de uma canção homônima de Roberto Mendes, que remete às memórias ancestrais que trazemos conosco, esse conjunto de lembranças gustativas, olfativas e sensoriais que nos fazem ser exatamente quem somos. Assim, das margens da poesia do Recôncavo às marés da Baía de Todos os Santos, com todos os sabores e ritmos que elas evocam, nasce mais um Comida Sonora soteropolitano.

SERVIÇO

Comida Sonora – “Memória das Águas”

Quando: 15 de abril (domingo), a partir de 12h
Onde: Maison – Casa & Aconchego
Rua Alagoinhas, 61, Parque Cruz Aguiar – Rio Vermelho
Quanto: R$ 10 antecipado; R$ 15 na hora.
*Para garantir o ingresso antecipado, é só mandar seu nome completo para <[email protected]> até às 00h do dia 14/04 (sábado).

Carlinhos Brown recebe título de Embaixador Ibero-Americano para a Cultura


Carlinhos_Bronw
Foto: _CaioGallucci_II

Próximo dia 11 de abril (quarta-feira), às 12h30, no Candyall Guetho Square, o artista baiano Carlinhos Brown recebe o título de Embaixador Ibero-Americano para a Cultura em solenidade a ser presidida pela Secretária-Geral Ibero-Americana, Rebeca Grynspan, que vem a Salvador (BA) especialmente para a ocasião. O título é concedido pela Secretaria-Geral Ibero-Americana (SEGIB), organismo internacional a serviço da Ibero-América, que atua como único espaço oficial de convergência, diálogo, trabalho, acompanhamento e acordo da região ibero-americana, que reúne 22 países de línguas portuguesa e espanhola, situados em ambos os lados do Atlântico.

Criada em 2005 com o objetivo de fortalecer a Comunidade Ibero-Americana e lhe assegurar projeção internacional, a SEGIB tem entre as suas práticas a nomeação, como Embaixadores Ibero-Americanos, de personalidades de renome no mundo da cultura, esportes, música ou literatura para atrair atenção pública para as questões relacionadas às suas atividades e missão.

Carlinhos Brown passa a ser o único músico brasileiro a desempenhar a função de Embaixador Ibero-Americano para a Cultura, hoje ocupada por nomes como o do cantor e compositor uruguaio Jorge Drexler, autor da única canção em espanhol (Al otro lado del río) a conquistar o Oscar de Melhor Canção Original, e pela escritora brasileira Nélida Piñon. Drexler, que recebeu o título em 2016, está numa das faixas do último álbum lançado por Brown ano passado, Semelhantes.

“Essa nomeação é a primeira para um artista afrodescendente e brasileiro e representa o desejo de dar visibilidade a tudo o que Carlinhos Brown representa: a importância da valorização da cultura afro-brasileira, o uso da cultura como instrumento de transformação social, a promoção da língua portuguesa na Ibero-América e o compromisso com a juventude ibero-americana”, realça a secretária Rebeca Grynspan.

A visita a Salvador da comitiva da SEGIB prevê um tour pelo bairro do Candeal, onde Carlinhos Brown nasceu, incluindo visitas à Creche La Almudena, à Escola de Música da Pracatum, a espaços simbólicos do bairro, como a Bica e a Escadaria do Zé Botinha, além de apresentações de grupos musicais como Lactomia, Filhos de Gandhy, Banda Didá, Bateria de Rua do Candeal, Timbalada e Electrotimba, sendo esta última uma prova do desejo do artista de fundir ritmos e culturas e romper barreiras lingüísticas através da música.

Escritora Lívia Natália lança livro “Sobejos do Mar”, com sessão de autógrafos!


Lívia Natália
Lívia Natália – Foto Andreia Magnoni

 

Na próxima quarta-feira (11), a poetisa e escritora baiana, Lívia Natália, lança seu quinto livro Sobejos do Mar. Publicado pela editora Caramurê,  a obra apresenta poemas que misturam fortes tons de militância poética, algo que vem caracterizando a escrita.

O livro é dividido em duas partes, Maré vermelha e Maré cedeira. Maré vermelha, em remissão à tragédia que se abateu sobre pescadores,marisqueiras e outros profissionais que vivem do mar, no ano de 2007, traz poemas de maior densidade subjetiva. Lembram, em alguns tons, o universo representacional de Água Negra, seu livro de estreia.

A segunda parte, Maré cedeira, faz uma referência a um dos falares da população que vive às margens do mar em Salinas das Margaridas, localidade que faz parte da infância da autora. Foi para onde ela se dirigiu a fim de isolar-se para escrever o livro.

Cedo a maré avança sobre a praia, cedo as vidas de jovens negros são ceifadas. Este é o grande tema de Maré Cedeira: registrar e denunciar, pela força poética, o genocídio sistemático da juventude negra.

Vilma_Reis
foto: banco de imagens

Por isso, na noite do lançamento haverá um recital com o Coletivo Zeferinas, composto por jovens negras.

Na ocasião, ocorrerá um debate sobre Poesia e Resistência entre a poetisa Lívia Natália, Vilma Reis, Ouvidora da Defensoria Pública da Bahia, o Policial Civil, Kleber Rosa, do Movimento de Policiais Antifascismo e o escritor Wesley Correia, que fez a apresentação do livro e mediará o debate.

Serviço

Lançamento do livro Sobejos do Mar – Lívia Natália

Local: Espaço Cultural Barroquinha
Data: 11/abril
Hora: 18h

Espaço Cultural Alagados recebe 1ª Mostra Negra de Artes Cênicas


_Encruzilhada - RODRIGO VELOSO
Foto: divulgação

Entre os dias 10 e 15 de abril, o Espaço Cultural Alagados, administrado pela Secretaria de Cultura do Estado da Bahia (SecultBA), recebe a Mostra Negra de Artes Cênicas: Edição Solos, que trará espetáculos produzidos e encenados por pessoas negras. O projeto foi inspirado pelo I Fórum Negro de Artes Cênicas, promovido pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), em fevereiro de 2017, na Escola de Teatro. A mostra nasce com o intuito de oportunizar o protagonismo negro na cena artística de Salvador e pretende, nesta primeira edição, levar ao Espaço Cultural Alagados espetáculos voltados à temática das dinâmicas sociais e culturais negras no Brasil, para que a partir deles, suscite discussões que visem resgate e fortalecimento do tema.

O primeiro espetáculo, “Grilo Griô” acontece na terça-feira (10), e traz Raimundo Moura em performance solo. Grilo Griô é inspirado na personagem Totonha de José Lins do Rego, uma espécie de contador de histórias que sai pelas ruas de Salvador, cantando e contando causos em troca de moedas e alimentos. Além da atuação, Raimundo Moura assume a direção e dramaturgia. A peça conta com a participação a atriz e cantora Teresa Cristina Vieira.

Na quarta-feira (11), o público confere o espetáculo “En(cruz)ilhada”, com atuação de Leno Sacramento. Na trama, o ator discute o racismo e as várias mortes simbólicas que envolvem o negro na sociedade. “Assim que nascemos, nossas cabeças são colocadas na mira de uma bala que segue nos matando lentamente: a morte social, cultural, financeira, estética e psicológica”, explica Leno Sacramento. A direção é de Junior Roquildes.

O espetáculo “Sobejo” traz a atuação solo de Eddy Veríssimo, e retrata a biografia fictícia da personagem Georgina Serrat: uma dona de casa que depositou a fé sobre sua felicidade no casamento e tem seus sonhos frutrados pelas agressões de um marido violento. A peça acontece na quinta-feira (12), e é escrita e dirigida por Luiz Buranga.

MostraNegra_Maloquêro_CaíqueBouzas
Foto: divulgação

A programação da sexta-feira (13) é gratuita e traz o coral das Mulheres de Alagados interpretando canções famosas da música popular brasileira. O público confere no sábado (14) a peça “Maloquêro”, com solo de Jhoilson de Oliveira. Na trama, o ator dá vida à personagem Chumbinho. Controverso, Chumbinho aproveita a presença da plateia para compartilhar os preconceitos e desafios enfrentados pelas pessoas que estão em situação de rua. A direção é de Merry Batista.

Para finalizar a Mostra, no domingo (15), “Se Deus Fosse Preto” traz Sergio Laurentino em um solo que reflete sobre a vida, a fé e a humanidade em torno do protagonismo de um deus negro, com outros costumes e valores. A personagem central da trama é Loid, um homem negro que foi preso injustamente pela morte da filha e esposa. Na prisão, ele escreve textos que, após a sua morte, se revelam como base de criação de um novo paradigma mundial. O espetáculo é dirigido por Jean Pedro.

A programação acontece de terça-feira a domingo, sempre às 18h. Os ingressos, que serão vendidos no local, custam R$ 4 (inteira) e R$ 2 (meia), com exceção da sexta-feira (13), que terá programação gratuita. A classificação é indicada para maiores de 12 anos.

Dandê leva diálogo entre ancestralidade e futurismo ao Oliveiras


Dande
Crédito: Flora Rodrigues/Divulgação

O músico Daniel Dandê chega ao Santo Antônio Além do Carmo no terceiro show da série Live Set. Depois de passar pelo Porto dos Livros (Barra) e Tropos (Rio Vermelho), é a vez do Oliveiras receber o projeto autoral. A apresentação acontece nesta sexta (06), às 20h. A entrada custa R$ 10. Os percussionistas Anderson Petti e Gabriel do Jeje e a poetisa Letícia Argolo participam do show. Dandê toca acompanhado por Ricardo Flocos nos bits de bateria eletrônica.

Com single disponível nas plataformas de streaming, como Spotify e Deezer, Dandê prepara o lançamento do seu primeiro EP, previsto para abril. O músico apresenta um som que cria um diálogo entre a ancestralidade e o futurismo, ambos enraizados nas matrizes afrobaianas. A proposta conceitual e estética está colocada na temática das letras, na mescla entre tambores, guitarras e sons eletrônicos e na estrutura rítmica das canções, baseadas nas claves do universo percussivo baiano. Na série Live Set, a ideia é experimentar sonoridades em um formato reduzido, na qual ele se divide entre violão, pandeiro e bits eletrônicos criados no instrumento digital conhecido como Ableton Push.

Daniel Dandê

Soteropolitano de Itapuã, Daniel Dandê é compositor, multi-instrumentista, produtor cultural e poeta. Desde 2012 se debruça sobre o entendimento da música popular brasileira, colocando-se profissionalmente nas diversas expressões da arte. Todavia, foi em 2016 quando começou a estudar o método Universo Percussivo Baiano (UPB), de Letieres Leite, que ocorreu seu mergulho musical nas claves rítmicas.

Apesar do violão ser o seu principal instrumento, Dandê aprofundou nos estudo percussivos e eletrônicos, que trouxe à sua arte o rigor técnico e sofisticado das polirritmias e seus signos culturais. Após fomentar a cena de Salvador com projetos como “Ocupação Coaty” e o espetáculo/coletivo de arte marginal “Clicheria”, como artista e produtor cultural, Dandê lança seu primeiro disco no início deste ano (2018), o primeiro-grande-marco de sua carreira de raiz autoral influências de um universo de ritmos afro futurísticos.

SERVIÇO

O quê: Dandê Live Set, com Anderson Petti, Letícia Argolo e Gabriel do Jeje

Quando: Sexta-feira, 06 de abril, às 20h.

Onde: Oliveiras – Santo Antônio Além do Carmo

Quanto: R$ 10

ÀTTØØXXÁ se apresenta em mais uma edição do Bailaum Black Bang no Pelourinho


No dia 7 de abril (sábado), ÀTTØØXXÁ promove mais uma edição do Bailaum #BLVCKBVNG (leia Black Bang), no Largo Tereza Batista, no Pelourinho). O cantor Pedro Pondé fará uma participação especial e os ingressos serão vendidos por R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia).

O show está agendado para 21h e apresentará no seu repertório, músicas como “Elas Gostam”, “Bota Mão”, “Role”, “Tá Batenu” e “Rebola Raba”, além de algumas faixas do próximo disco que será lançado ainda este ano. ÀTTØØXXÁ tem se destacado na cena local e nacional, fazendo shows em cidades como: São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte. Com “Elas Gostam (Popa da Bunda)”.

SERVIÇO 

BAILAUM #BLVCKBVNG NO PELOURINHO 

Atração: 

ÀTTØØXXÁ com participação especial de Pedro Pondé

Local: Praça Tereza Batista (Pelourinho)
Data/Hora: 07 de abril, a partir das 21h

Ingresso: R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia)

Vendas no Sympla: https://bit.ly/2IT5CrD 

Culinária Musical apresenta Wilson Carvalho, Inaicyra Falcão e Brena Gonçalves


O cantor, compositor e instrumentista Wilson Carvalho, as cantoras Inaicyra Falcão e Brena Gonçalves são ‘ingredientes’ especiais na mistura do próximo Culinária Musical que acontece no dia 7 de abril, além das participações do violonista Maurício Lourenço e do percussionista Gabi Guedes.

O evento idealizado pelo afrochef Jorge Whashington retorna ao Casarão Barabadá (Rua Direita do Santo Antônio, 65), no Santo Antônio Além do Carmo, a partir das 13h, com os pratos maxixada e moqueca de carne seca. A entrada custa R$15 (em espécie) e o prato R$30 (em espécie e no débito).

brena_gonçalves
Brena Gonçalves

Com um repertório composto por MPB, samba, funk, salsa e blues. O repertório de Wilson Carvalho é composto com criações de nomes como Caetano Veloso, João Bosco, Gilberto Gil, Chico Buarque e Adriana Calcanhoto. A assinatura do artista fica por conta da interpretação e arranjos que conquista o público, sem contar as canções autorais que incrementam seus shows.

“Fiquei muito feliz com o convite de Jorge Washington. A minha primeira vez no Culinária foi maravilhosa e alegre. Espero que seja mais uma tarde mágica”, disse Wilson.

CulinariaMusical
Foto: divulgação

Intérprete soprano Inaicyra Falcão também estará na próxima edição do Culinária, acompanhada pelo violonista Maurício Lourenço e do percussionista Gabi Guedes. E, a cantora e multi-instrumentista Brena Gonçalves, que participou do The Voice Brasil, também estará no palco do Casarão Barabadá.

Neste encontro, o afrochef Jorge Whashington irá apresentar e preparar dois pratos: maxixada e moqueca de carne seca. Tudo aprendido com base no aprendizado desde a infância nos almoços em família – daqueles que ficam eternizados na memória afetiva– quando recebia as notas para ir à feira comprar os ingredientes para a mãe, Georgina Rodrigues da Silva.

 

SERVIÇO
O que:  Culinária Musical
Quando: 7 de abril de 2018, das 13h às 17h
Onde: Casarão Barabadá, Rua Direita do Santo Antônio 65
Quanto: R$15 (entrada em espécie) e prato R$ 30 (em espécie e no cartão de débito)
Atrações: Wilson Carvalho, Inaicyra Falcão, Brenda Gonçalves, Maurício Lourenço e Gabi Guedes
Cardápio: moqueca de carne seca e maxixada

Cineclube Tela Preta promove sessões gratuitas de cinema negro!


01

 

A partir do dia 28 de março, acontece  no Centro Cultural Plataforma, a primeira edição do CineClube Tela Preta. O projeto visa promover a reflexão do processo criativo do cinema negro e a circulação das obras produzidas por sujeitos afrodescendentes e exibirá dez sessões de curtas e longas, voltadas para jovens e adultos.

O CineCulbe Tela Preta acontece no período de março a maio deste ano e com das sessões gratuitas e seguidas de debates com os realizadores e com participação dos cineastas. Este encontro possibilitará a construção de um olhar para as obras sob uma outra perspectiva a de quem produz e para quem é produzido.

Na abertura do projeto, será apresentado o longa Maestrina da Favela (2017), direção da norte americana Falani Afrika. Ao total, são mais de vinte filmes que serão exibidos. O projeto é realizado pelo Coletivo de Cinema Negro Tela Preta, uma organização que pauta a representatividade negra no campo do cinema e audiovisual e produzido pela Rebento Filmes, uma produtora de mulheres negras. “Pensar cinema negro é literalmente romper a fronteira entre o sujeito que filma e quem é filmado.”, reitera a cineasta Larissa Fulana de Tal e ressalta a importância de refletir as relações cotidianas sobre o efeito do que passa nas telas e como esse olhar crítico está sendo construído.

“A relação em como os outros nos ver já sabemos está no cinema, na TV, na propaganda, na rua, é estereótipo e esta é uma palavra que reduz e sintetiza muito como os outros nos ver, mas como a gente se ver?  é uma pergunta que impulsiona pois possibilita novas narrativas novos olhares, uma nova estética novas linguagens  direcionados  a este espelho da auto representação”, destaca Larissa Fulana de Tal

larissa fulana de tal
Larissa Fulana de Tal

#OpiniãoPreta #OlhandoPraMimVejoNos – Por Larissa Fulana de Tal!

Durante os encontros serão promovidos quatro rodas de conversa: “Fotografia Negra” que refletirá sobre fotografia em pele negra; “Políticas Afirmativas”,  que falará das políticas públicas no campo do cinema; “Circulou” discorrendo sobre a criação de espaços circulação dos filmes; e por fim, “Cineclubismo”, mesa especial que homenageará o cineclubista baiano, Luís Orlando.

 

CONFIRA AQUI A PROGRAMAÇÃO COMPLETA!

 

SERVIÇO:

O QUÊ: CINECLUBE TELA PRETA

QUANDO:  De 28 de Março a 11 de Maio

ONDE: CENTRO CULTURAL DE PLATAFORMA

QUANTO CUSTA? #0800.