Sulivã Bispo retorna com seu solo “KAIALA” no Teatro Sesi!


kaialasulivabispo

Completando quatro anos de seu solo KAIALA, o ator Sulivã Bispo remonta a obra com novas cenas e faz curta temporada no Teatro SESI Rio Vermelho, aos sábados e domingos, sempre às 20h, de 09 à 23 de novembro de 2019, justo no mês em que é celebrado o Dia da Consciência Negra (20) e muito se discute as questões raciais.

O espetáculo volta a cartaz com a marca de proporcionar ao público risos e importantes reflexões. Entre realidade e ficção, Kaiala conta a história de uma menina de 10 anos, iniciada no candomblé de tradição angola, que foi assassinada em um ato de intolerância religiosa, quando seu terreiro foi invadido por um grupo de evangélicos que quer por fim aos cultos de matriz africana.

Na narrativa, o ator Sulivã Bispo que atualmente integra o elenco da série Férias em Família no canal Multishow e também é conhecido pelo personagem Mainha, na web série Na Rédea Curta, mergulha em um novo universo cênico e se divide em três personagens: um irmão de santo da menina, a avó dela que também é sua ialorixá e a evangélica que lidera a invasão e é responsável pelo assassinato. Essas três visões auxiliam na construção do relato que é fragmentado em flashs e o público vai conhecendo um pouco da religião e da resistência do povo negro.

“Os Iaô, iniciados no candomblé, passam por toda uma ritualidade após a feitura do santo, com uso de roupas brancas, contregum, ojá, umbigueira, utensílios e gestos que fazem parte do processo de resguardo. Nesse período, nós costumamos a sofrer algumas piadas e violências. Com isso, para essa nova e última temporada de Kaiala, retrato algo que também tenho vivenciado nos últimos meses”, explica o ator.

kaiala sulivã bispo

Segundo Sulivã, que também é Iaô (iniciado no candomblé) a motivação para construção do espetáculo é resultado de uma inquietação pessoal. “Surge de uma revolta minha com relação a esse tema. O surto que adentrou a periferia de preconceito racial, a migração do povo de santo para a religião evangélica e as centenas de ataques e perseguições que os templos religiosos de matriz africana continuam a sofrer me instigaram a falar sobre isso”. Os ingressos custam R$ 15 (meia) e R$ 30 (inteira) e podem ser adquiridos na bilheteria do teatro ou através do www.sympla.com.br.

I SERVIÇO I
Espetáculo KAIALA
Quando: 9 à 23 de Novembro (Sáb e Dom)
Horário: 20h
Onde: Teatro SESI – R. Borges dos Reis, 9 – Rio Vermelho, Salvador – BA,
41950-600
Ingressos: R$ 30 e R$ 15
Vendas: Bilheteria do teatro e www.sympla.com.br
Classificação: LIVRE

Fotos Adeloyá Magnoni

“Encontro de Oris” com Emillie Lapa e Elinaldo Nascimento no Teatro Gamboa Nova!


Emillie Lapa

A cantora, percussionista e compositora Emillie Lapa e o músico e compositor Elinaldo Nascimento (Elinas), unem suas trajetórias num encontro ancestral. O show intitulado “Encontro de Orís” fica em cartaz na programação do novembro negro, todas as quartas-feiras (06 / 13 / 20 / 27), às 19h, no Teatro Gamboa Nova. Os ingressos estão nos valores de R$20,00 (inteira) e R$10,00 (meia).

Suas criações retratam o sagrado, a ancestralidade, além de temáticas negras contemporâneas, políticas e de afirmação identitária, uma ponte entre África – terra mãe e o Brasil. Além dessas similaridades entre os dois, os seus trajetos são demarcados por outra linguagem artística – o teatro – que assim como a música, impulsiona o fazer criativo desses múltiplos artistas. Desta incidência, faz nascer o show, “Encontro de Oris”, que se equilibra na conexão e na pluralidade artística de ambos, onde contam essa linda história de resistência e compromisso com a vida em sua totalidade. Para somar musicalmente nessa contação, a baixista cachoeirana Riane Mascarenhas e o percussionista soteropolitano Dainho Xequerê, artistas comprometidos com a cena musical baiana, farão parte do show “Encontro de Oris”.

 

SERVIÇO

O Quê: Encontro de Oris com Emillie Lapa e Elinaldo Nascimento

Quando: Todas as quartas-feiras de novembro de 2019 (06 / 13 / 20 / 27), 19h

Local: Teatro Gamboa Nova (Largo dos Aflitos)

Ingressos: R$20,00 (inteira) e R$10,00 (meia)

Classificação: Livre

 

 

Consciência Negra ganha homenagem no Solar Music Festival de Novembro!


No mês da Consciência Negra, a edição de novembro do Solar Music Festival traz grupos e bandas que pesquisam a mistura do jazz com ritmos afro-brasileiros, além de representantes da música black na Bahia, com destaque para as mulheres.

Pensando nessa celebração, a curadoria da chef buscou grupos que trabalhavam com ritmos afro-brasileiros misturados ao jazz, a exemplo da Saravá Jazz Bahia. Além disso, cantoras como Mariella Santiago e TAINAH mostram o celeiro de talentos que é Salvador, com gerações diferentes e vozes marcantes.

Em Novembro, o Festival continua no Solar Graça às 18h do dia 07 com Thiago Trad Trio. No dia 14 é a vez de Alexandre Montenegro Trio. Na quinta, dia 21/11, Luiza Britto retorna com o pai Cinho DaMatta para apresentar seu repertório de MPB Pop. No dia 28/11 é a vez de Mariella Santiago e Trio com seu belíssimo show Nouvelle Vague. No Solar Graça, as sessões começam a partir das 18h, sempre às quintas-feiras.

Já no Solar Rio Vermelho, as apresentações acontecem às quintas e sextas-feiras, a partir das 20h30. Em Novembro, a programação segue com Júlio Caldas, Gilmário Celso e Uirá Nogueira que fazem um Tributo a BB King no dia 07/11, quinta-feira. Na sexta do mesmo fim de semana (08/11), o Festival segue com Ivan Huol, Cinho DaMatta e Ivan Bastos.

Sarava Jazz Bahia

No dia 14/11 é a vez da prata da casa: a banda Bago de Jazz com sua bossa jazz. Na sexta (15/11), Artur Carneiro e Banda trazem jazz, R&B, soul e m&uacute ;sica brasileira. Na quinta (21) e sexta (22/11) apresentam-se, respectivamente, Triat’ Uan Quarteto e a Saravá Jazz Bahia. Encerrando o mês, o Solar Music Festival traz o talento de TAINAH acompanhada de Jelber Oliveira e Will Wagner no seu show Standard, na quinta (28). Na sexta (22), o Festival encerra com a apresentação de PocketSound.

Além do Festival de Jazz, os ouvintes poderão consumir as iguarias produzidas pela chef Andréa Nascimento, como o seu novíssimo cardápio de Primavera, que participa da Restaurant Week, além de bebidas com vinhos importados, cervejas artesanais e drinks autorais, com o conforto e o atendimento que são marcas do Solar.

Nas duas unidades do Solar, Rio Vermelho e Graça, o couvert artístico do Solar Music Festival é de R$15 (quinze reais) por pessoa. O Festival acontece às quintas e sextas, a partir das 20h30, no Rio Vermelho e às quintas, a partir das 18h, no Solar Graça.

Solar Music Festival – Programação Novembro (na grade):

Solar Graça – 18h
07/11 quinta – Thiago Trad Trio (jazz)
14/11 quinta – Alexandre Montenegro Trio (jazz)
21/11 quinta – Luiza Britto e Cinho DaMatta (MPB Pop)
28/11 quinta – Mariella Santiago e Trio com o show Nouvelle Vague

Solar Rio Vermelho
01/11 sexta – Candice Fiais e Soulshine Blues Band (blues)
07/11 quinta – Júlio Caldas com Gilmário Celso e Uirá Nogueira (BB King Sessions)
08/11 sexta – Ivan Huol, Cinho DaMatta e Ivan Bastos (MPB Pop)
14/11 quinta – Bago de Jazz (jazz e bossa jazz)
15/11 sexta – Artur Carneiro e Banda (jazz, R&B, soul e música brasileira)
21/11 quinta – Triat’uan Quarteto (jazz instrumental)
22/11 sexta – Saravá Jazz Bahia (afro jazz)
28/11 – TAINAH com Jelber Oliveira e Will Wagner no show Standart (jazz e música brasileira)
29/11 – PocketSound (clássico rock e pop)

Fórum propõe debate sobre racismo nas mídias sociais!


Midã Noelle

No dia 20 de novembro acontece o Fórum “Comunicação e Racismo: A representatividade negra nas mídias digitais”. A atividade de extensão é uma iniciativa dos estudantes de Publicidade e Propaganda da Universidade Católica do Salvador. O evento contará com a participação de profissionais da área de comunicação e ativistas do movimento, as inscrições são online e gratuitas, através do Sympla.

O fórum propõe reflexões em torno da temática do racismo nos meios de comunicação, com foco na afetação dos influenciadores digitais sobre esse assunto. Temas como: racismo institucional, influenciadores digitais negros e ativismo por igualdade estarão no centro da discussão do evento, que contará com a presença de Midiã Noelle, Jornalista, Mestre em Cultura e Sociedade pela UFBA e colunista do Jornal Correio para pautas raciais  e Yuri Silva, Jornalista e coordenador-geral do Coletivo Entidades Negras (CEN).

A atividade é aberta à comunidade externa e as vagas são limitadas, acesse o site para se inscrever, os inscritos terão direito a certificado de participação.

SERVIÇO

Evento: Fórum –  Comunicação e Racismo – A representatividade negra nas mídias digitais

Data: 20/11/2019

Local: Ucsal – Campus Pituaçu – Av. Prof. Pinto de Aguiar, 2589 – Pituaçu, Salvador – BA.

Horário: 18:30 às 21:00

Inscrições:

https://www.sympla.com.br/forum—a-representatividade-negra-nas-midias-digitais__704434

#FLIN – Lázaro Ramos e Luedji Luna abrem Festival Literário Nacional!


Foto Bob Wolfenson

 

Um bate-papo informal intercalado por música com o ator e escritor Lázaro Ramos e a cantora Luedji Luna abre o Festival Literário Nacional (Flin): Diversas Leituras & Novos Caminhos, primeiro festival literário do Governo do Estado da Bahia. No dia 12 de novembro, às 10h, o Ginásio Poliesportivo de Cajazeiras, receberá essas duas gerações de artistas para falar de suas trajetórias, processos criativos e inspirações.

Lázaro lembra que quando era adolescente, os eventos culturais de Salvador sempre transformavam seu olhar sobre a realidade. “Eu sou fruto disso. Quando eu vivia na Fazenda Garcia, os eventos culturais que aconteciam na cidade, onde eu podia interagir com outros temas que não estavam no meu dia-a-dia, e ter acesso a mais conhecimento, transformavam minha vida. Sei que será assim para Cajazeiras”.

O ator, apresentador, cineasta e escritor baiano, iniciou a carreira artística no Bando de Teatro Olodum, em Salvador, e ganhou visibilidade nacional ao participar de diversos programas de TV, novelas e peças de teatro. Já atuou em filmes nacionais, como Madame Satã (2002), O Homem que Copiava (2003) e Ó Paí, Ó (2007). Na literatura, se dedica a escrita infantil desde os anos 2000. Em 2017 lançou o livro Na Minha Pele, voltado ao público jovem e adulto, com quem compartilha reflexões e experiências pessoais, envolvendo questões raciais, gênero e família.

Foto Pablo Saborido

A cantora Luedji, que divide espaço com Lázaro, iniciou seus estudos em música na Escola Baiana de Canto Popular. Também é natural de Salvador e é co-fundadora do projeto Palavra Preta – mostra que reúne compositoras e poetisas pretas de todo o Brasil. Foi membro do Bando Cumatê, coletivo engajado na pesquisa, difusão e fomento das manifestações artísticas tradicionais da cultura brasileira.

Confira aqui a programação completa.

Exposição fotográfica “Baianas: iê acarajé, iê abará” chega no Teatro Gregório de Mattos!


Isolda Macedo

A exposição fotográfica “Baianas: iê acarajé, iê abará” revela a beleza, a riqueza e os encantos da baiana de acarajé, considerada símbolo histórico do Brasil. A mostra, inteiramente concebida e realizada por mulheres, reúne 35 imagens, de 15 fotógrafas que se debruçaram sobre essa personagem, realizadas durante eventos religiosos e festas populares de Salvador. A exposição entra em cartaz no Teatro Gregório de Mattos, nos dias 08 de novembro a 01 de dezembro, com visitação gratuita, de terça a domingo, das 14h às 18h. A vernissage para convidados será realizada no dia 07 de novembro, às 18h.

Com a curadoria e expografia de Júlia Bitencourt, a mostra tem o objetivo de valorizar e preservar a memória das baianas, reconhecidas como patrimônio cultural do Brasil, pelo olhar das fotógrafas: Ana Kruschewsky, Ivana Coutinho, Isolda Macedo, Janaina Saraceno, Jane Olliosi, Lu Brito, Magali Abreu, Márcia Pinheiro, Marina Lordelo, Marta Suzi, Nayara Rangel, Nilvane Machado, Rejane Alice, Sandra Coelho e Vânia Viana.

Às vésperas da data comemorativa de oficialização da profissão, a presença da baiana de acarajé representa um legado histórico da luta feminina que não pode ser esquecido. “As vestimentas brancas, os panos coloridos, os colares de contas, os detalhes e o movimento estão presentes nas imagens de mulheres registradas por mulheres”, conta Júlia Bitencourt.

Para a fotógrafa Vânia Viana, cada baiana é uma página viva do grande livro da nossa história. “Já vemos muitas baianas de acarajé trabalhando sem a vestimenta típica. Se não nos unirmos para refletir e agir sobre este tema, com a passagem do tempo essa personagem pode se perder”, comenta Vânia.

Serviço:

Exposição: “Baianas: iê acarajé, iê abará”
Fotógrafas: Ana Kruschewsky, Ivana Coutinho, Isolda Macedo, Janaina Saraceno, Jane Olliosi, Lu Brito, Magali Abreu, Marcia Pinheiro, Marina Lordelo, Marta Suzi, Nayara Rangel, Nilvane Machado, Rejane Alice, Sandra Coelho e Vânia Viana.
Curadoria e expografia: Júlia Bitencourt
Vernissage para convidados: 07 de novembro às 18h.
Visitação08 de novembro a 01 de dezembro. De terça-feira a domingo, das 14h às 18h.
Local: Teatro Gregório de Mattos
Endereço:
 Praça Castro Alves, s/n – Centro, Salvador – BA
Telefone:
 (71) 3202-7888

Classificação indicativa: livre
Entrada franca

#FLIN – Joel Zito Araújo participa de evento literário em Salvador!


Um dos nomes de maior destaque do cinema nacional estará em Salvador no próximo dia 12 de novembroJoel Zito Araújo participa a partir das 15 horas da primeira mesa do Festival Literário Nacional (Flin), que acontece dos dias 12 a 15 de novembro no Ginásio Poliesportivo de Cajazeiras.

Batizado de “Rupturas que fizeram da minha vida um filme”, o encontro que trata da força narrativa do cinema e de suas infinitas formas de abordagem, também contará com Larissa Fulana de Tal Tuca Siqueira. A mediação será conduzida por Wesley Correia.

Cineastaescritor pesquisador Joel Zito Araújo é doutor em Ciências da Comunicação, pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (USP). Concluiu o pós-doutorado e foi professor convidado no departamento de Rádio, TV e Cinema da Universidade do Texas, em Austin, nos Estados Unidos. Dirigiu 31 obras (filmes, documentários e curtas).

Empenhado na compreensão e denúncia do racismo na sociedade, o cineasta se destaca por  meio de uma produção cinematográfica e acadêmica, paralela a atuação militante que, há décadas, põe em pauta a desigualdade racial no país e dá voz para quem vive o racismo.

De 12 a 15 de novembro, nomes locais e nacionais irão pautar as rodas, mesas e conversas sobre diversas leituras em Salvador. Durante os quatro dias, o público participará de uma série de discussões contemporâneas a partir de mesas temáticas construídas pela e para a juventude. Neste mesmo sentido, o Flin apresenta uma programação que mescla nomes que conectam várias linguagens artísticas. Nomes como Lázaro Ramos, Regina Navarro, Ryane Leão, Jarrid Arraes, Luedji Luna e Larissa Luz foram confirmados.

 

Serviço

I Festival Literário Nacional – FLIN
Quando: 12 a 15 de novembro (terça-feira até sexta-feira)
Horário: a partir das 8h30min
Onde: Ginásio Poliesportivo de Cajazeira
Endereço: Estr. do Coqueiro Grande, 127 – Fazenda Grande 2, Salvador – BA, 41340-050

Atriz baiana Telma Souza estreia na Netflix com a série Ninguém Tá Olhando!


A atriz baiana Telma Souza estreia na Netflix com a série Ninguém Tá Olhando, uma nova produção brasileira, uma parceria da plataforma de streaming com a produtora Gullane. Os oito episódios da série, criada e dirigida pelo premiado diretor Daniel Rezende (Bingo: O Rei das Manhãs, Turma da Mônica – Laços), contam uma história sobre anjos da guarda de maneira bem-humorada e inusitada.
A série original brasileira Ninguém Tá Olhando estreia no dia 22 de novembro e seu elenco conta também com os atores Kéfera Buchmann, Projota, Victor Lamoglia, Júlia Rabello, Danilo de Moura, Telma Souza, Augusto Madeira, Leandro Ramos.
Telma Souza começou sua carreira no teatro em 2001, junto ao Bando de teatro Olodum esteve em espetáculos como Cabaré da Rrrrraça, Ó Paí, ó, O Sonho de uma Noite de Verão, Áfricas, no cinema Jardim das Folhas Sagradas, Ó Paí, Ó e Joelma, na TV o Seriado Ó Paí, ó, a novela Gabriela e o seu último trabalho a novela O outro Lado do Paraíso (TV Globo).

Mostra Itinerante de Cinemas Negros – Mahomed Bamba acontece na Virada Sustentável!


Filme “Resgate”

 

A Mostra Itinerante de Cinemas Negros – Mahomed Bamba (MIMB) é atração confirmada na Virada Sustentável, que aporta em Salvador de sexta a domingo (dias 08, 09 e 10).

“Participar da Virada, pra gente, é uma janela muito importante de fortalecimento, de trazer essas discussões ao centro dos debates dentro de um Festival com esse respaldo, ainda mais no mês da Consciência Negra. Então, a nossa curadoria traz filmes que têm essa conexão: falam de racismo, identidade negra, estética afro, e vamos costurando as adversidades e diversidades que a população negra e baiana, no geral, tem para que seja algo receptivo, alegre e que as pessoas se conectem”, pontuou a idealizadora da MIMB, Daiane Rosário.

“E será a primeira exibição do filme moçambicano ‘Resgate’ no Brasil, com lançamento dentro da programação da Virada, pra gente conseguir dialogar sobre essas conexões negras, sobre o quanto a gente existe cá e lá, o quanto as nossas vidas e vivências se atravessam, mesmo em contextos culturais diferentes”, endossou.

O filme, com direção de Mickey Fonseca, será exibido no dia 10, no Teatro Vila Velha, seguido de um bate papo sobre sua construção narrativa, com a participação de roteiristas e pesquisadores baianos. O primeiro longa metragem inteiramente moçambicano é uma produção independente e foi recorde de bilheteira em Maputo – capital e maior cidade do país.

A programação da Mostra ainda conta com quatro curtas: “Sem Asas”, da paulista Renata Martins, e três produções baianas – “Rebento”, de Vinicius Eliziário; “Motriz”, de Taís Amor Divino; e “Tempo”, de Victor Uchôa, premiado como Melhor Curta Baiano no Panorama Internacional Coisa de Cinema (2018) pelo Júri da Associação de Produtores e Cineastas da Bahia. E ainda o curta “Sem Asas”, da paulista Renata Martins. As projeções serão dia 09, das 18h às 21h, na Praça Lord Cochrane (Garibaldi).

E a MIMB também traz uma programação voltada, especialmente, para as crianças com a Sessão Mostrinha e a exibição de três curtas: “Nana & Nilo e os Animais”, de Sandro Lopes; “Guri”, de Adriano Monteiro; e “Lily’s Hair”, de Raphael Gustavo da Silva. Também será realizada uma oficina de Abayomi (bonecas negras) e contação de estóricas com Caroline de Jesus Adesewa. Dia 10, das 10h às 12h, no Teatro Vila Velha.

 

Serviço:

Virada Sustentável Salvador 2019 – de 08 a 10 de novembro

Mostra Itinerante de Cinemas Negros – Mahomed Bamba (MIMB)

Programação:

Dia 09 – 18h às 21h: “Sem Asas” (Renata Martins), “Rebento” (Vinicius Eliziário), “Motriz” (Taís Amor Divino) e “Tempo” (Victor Uchôa)

  • Local: Praça Lord Cochrane (Garibaldi)

Dia 10 – 10h às 12h: oficina de Abayomi (bonecas negras) e contação de estóricas com Caroline de Jesus Adesewa + Sessão Mostrinha: “Nana & Nilo e os Animais” (Sandro Lopes), “Guri” (Adriano Monteiro) e “Lily’s Hair” (Raphael Gustavo da Silva)

  • Local: Teatro Vila Velha

Dia 10 – 17h às 20h: “Resgate” (Mickey Fonseca / Moçambique) + bate papo roteiristas e pesquisadores baianos

  • Local: Teatro Vila Velha

Gratuito

Casa do Hip-Hop Bahia realiza Mostra Hip-Hop Consciência na Virada Sustentável!


Amanda Rosa

Em parceria com a Virada Sustentável Salvador a Casa do Hip-Hop Bahia realiza a Mostra Hip-Hop Consciência, no dia 08 de novembro (sexta-feira), às 16h, no Largo Quincas Berro D’Água, Pelourinho, com entrada gratuita. O evento reunirá diretamente mais de 40 artistas da cultura hip-hop em uma celebração antecipada do Dia Mundial do Hip-Hop (comemorado no dia 12 de novembro).

A programação irá contar com uma grande Roda de Breakdancing (Dança de Rua), Pocket Show’s com os grupos de RAP Visi00nárias, Áurea Semiseria, Cronista do Morro, Kainná Tawá, Janaina Noblat e Amanda Rosa, o Salva’Rima – Duelo de Mc’s, uma batalha de mc’s no formato conhecimento com 16 mc’s de Salvador e região metropolitana que irão batalhar a partir dos temas dos ODS definidos pela ONU e terá premiação em dinheiro para o 1º e 2º lugar, Pintura de 10 Telas de Graffiti dos temas dos ODS, com os/as [email protected] Bigod, Str.As, Drico, Cris Leal, Dk, Julio, Sah, Ixlutx, Artsoliver, LdDoiz e discotecagem com Dj Nai Kiese e Dj Jarron.

Áurea Semiseria Foto: Rafael Rodrigues

 

A ação terá intervenções urbanas utilizando os elementos da cultura hip hop (rap, break, graffiti, Dj e o conhecimento), tendo como foco os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), definidos pela ONU, temas humanitários que devem servir como prioridade nas políticas públicas internacionais até 2030.

Essa será a primeira ação da Casa do Hip-Hop Bahia antes mesmo de sua inauguração (neste momento encontra-se em processo de reforma), um espaço de referência da cultura, movimento hip-hop e da juventude negra do estado da Bahia. Um Pólo de Formação e Produção Cultural que vai trabalhar com arte-educação, empreendedorismo e tecnologia da informação e inovação.  A estrutura da Casa será composta por estúdio de multimídia, sala multiuso para oficinas, reuniões e exibição de vídeos, uma loja colaborativa, um memorial do hip-hop baiano e etc. 

Kainná Tawá

SERVIÇO

O que: Mostra Hip-Hop Consciência celebra o Dia Mundial do Hip-Hop

Quando: 8 de novembro, às 16h

Quanto: aberto ao público

Onde: Largo Quincas Berro D’Àgua, Pelourinho
Com:  Roda de Breakdancing (Dança de Rua), Pocket Show’s com os grupos de RAP Visi00nárias, Áurea Semiseria, Cronista do Morro, Kainná Tawá, Janaina Noblat e Amanda Rosa, Salva’Rima – Duelo de Mc’s, Pintura de 10 Telas de Graffiti dos temas dos ODS, com os/as [email protected] Bigod, Str.As, Drico, Cris Leal, Dk, Julio, Sah, Ixlutx, Artsoliver, LdDoiz e discotecagem com Dj Nai Kiese e Dj Jarron.