Gilberto Gil, Letieres Leite & Orkestra Rumpilezz juntos em show


Letieres_e_Gil
foto: divulgação

 

Essa é pra tocar no rádioBalafon, Aqui e agora, A Raça Humana, e Professor Luminoso, são algumas das canções que Gilberto Gil e Maestro Letieres Leite e a Orkestra Rumpilezz apresentarão na 4ª edição do Show Música e Direitos Humanos. O evento acontece no próximo 14 de abril, no Teatro Castro Alves, a partir das 21 horas. Os ingressos já estão a venda aqui, nos postos do SAC e na bilheteria do Teatro (Campo Grande).

Esta é quarta edição do projeto e o início das comemorações pelos 45 anos de fundação da CESE – Coordenadoria Ecumênica de Serviço, entidade baiana que já beneficiou mais de 11 milhões de pessoas de projetos sociais em todo o Brasil. Toda renda do espetáculo será revertida para os projetos sociais que a CESE apoia.

As apresentações de Gil e da Orkestra Rumpilezz vão emocionar o público, ao mostrar o repertório de grandes sucessos que marcaram a carreira do artista aliado à genialidade do compositor e arranjador Letieres Leite, que criou a Rumpillezz em 2006. O grupo orquestral reúne percussão e sopros, dando protagonismo à música ancestral baiana, vindas dos terreiros de candomblé, acrescentando uma roupagem harmônica, sob influência do jazz moderno. Além de produzir composições primorosas, a Orkestra Rumpilezz trabalha ativamente na valorização da cultura afrobaiana e em ações sociais, criando o grupo Rumpilezzinho, especificamente voltando para inclusão sócia ativa de crianças e jovens, através da música.

 

Serviço

Show: “Música e Direitos Humanos” – 4ª EDIÇÃO

Gilberto Gil, Letieres Leite & Orkestra Rumpilezz

Local: Sala Principal do Teatro Castro Alves

Horário: 21h

Vendas www.ingressorapido.com.br

Postos do SAC e na bilheteria do Teatro

Ingressos de R$ 50,00 a R$ 200,00

Informações: 71 21045457 I www.cese.org.br

I Mostra Itinerante de Cinema Negro celebra produção brasileira e africana!


mohamed_bamba
Mohamed Bamba   Foto Virginia Yunes

 

Entre os dias 11 e 15 de abril de 2018, acontece, em Salvador, a I Mostra Itinerante de Cinema Negro – Mahomed Bamba, que terá exibições regulares na Sala Walter da Silveira (Barris), e itinerantes nos bairros do Pelourinho, Cabula, Uruguai e Garcia. A Mostra reunirá mais de 35 obras de longas e curtas metragens produzidos por cineastas negra(o)s do Brasil e de países africanos de língua portuguesa entre 2015 e 2017. Com uma equipe formada por mulheres negras, o evento pretende visibilizar, difundir e debater a produção audiovisual realizada por cineastas negras(o)s de África e de sua diáspora. São obras de países como Guiné-Bissau, Moçambique, Angola, Cabo Verde, São Tomé e Príncipe e Guiné Equatorial. Em sua primeira edição, além da exibição de filmes de diversos gêneros–ficções, documentários, animações e experimentais.


A programação contará com mesas de debates, oficinas de animação e audiovisual para crianças, minicurso de cinema africano e oficina de elaboração e desenvolvimento de projetos audiovisuais. Diálogos sobre gênero e sexualidade também estarão presentes, a fim de estimular processos afirmativos de identificação.

O evento homenageia o professor e pesquisador de Cinema da Faculdade de Comunicação (FACOM/UFBA), Mahomed Bamba. Doutor em Cinema, Estética do Audiovisual e Ciências da Comunicação pela Universidade de São Paulo (ECA-USP), o estudioso, nascido na Costa do Marfim, propunha em seus ensaios uma nova leitura sobre as narrativas fílmicas produzidas nas periferias globais, sobretudo as realizadas no continente africano.

A Mostra é realizada por cineastas e produtoras audiovisuais tendo como idealizadora, Coordenadora geral e de produção Daiane Rosário; na Coordenação de Curadoria de Filmes Nacionais e Produção Julia Morais e Tais Amor Divino; na Coordenação de Curadoria de Filmes Africanos e Produção Kinda Rodrigues; Coordenação de Produção Loiá Fernandes e na Coordenação de Comunicação e Produção Inajara Diz.

Tem como parceiros, a Fundação Cultural do Estado da Bahia (FUNCEB), por meio de sua Diretoria de Audiovisual da Bahia (DIMAS), a Diretoria de Espaços Culturais, o Espaço Cultural de Alagados, a Secretaria Municipal de Cultura e Turismo de Salvador, o Centro Cultural Casa de Angola na Bahia, o Ponto de Cultura Boiada Multicor (UNIRAAM), a Aliança Francesa e Centro de Comunicação Democracia e Cidadania.

 

PROGRAMAÇÃO MOSTRA ITINERANTE DE CINEMA NEGRO – MAHOMED BAMBA

11/04 – Quarta I 1° Dia – 17h I Abertura

Apresentação da Mostra

-Sessão de filmes africanos  62 min

  • Os Pestinhas e os Ladrões de Brinquedos – 13min / 2017  | Animação | Realização: Nildo Essá | País: Moçambique
  • A Boneca – 8min / 2015 | Ficção| Realização: Hélder Doca | País: Cabo Verde
  • A Carta – 26min / 2010 | Ficção | Realização: Michelle Mathison | País: Moçambique
  • Bom dia África! – 9min / 2009 | Ficção | Realização: Zezé Gamboa | País: Angola
  • A pegada de todos os tempos – 5min / 2009 | Ficção | Realização: Flora Gomes | País: Guiné-Bissau

Show de Luedji 20h

12/04 – Quinta I 2° Dia – DIMAS

 Minicurso de Cinema Africano (Dimas)  

  1° sessão às 14h

  • Sujeito Objeto – 14 min – Ficção Z Direção: Djalma calmon – BA
    Cabeças Falantes – 20  min – Documentário | Direção:Natasha Rodrigues -SP
  • Em Busca de Lélia – 15 min – Documentário | Direção: Beatriz Vieirah -BA
  • O lá e o aqui – 22 min – Documentário | Direção: Sandro Lopes  – RJ
  • Afripedia (Angola) – 30min |  Documentário |  Realizador: Teddy Goittom | País: Angola / Suécia | Legendado

2° sessão às 16:30h

  • Cabelo bom – 15 min – Documentário | Direção: Swahili Vidal; co-direção: Claudia Alves – RJ
  • Desaparecidos – 15 min – Ficção/Drama | Direção: Danddara – SP
  • Anamnese – 15 min – Documentário | Direção: Clementino Junior- RJ
    Deus – 25 min – Híbrido| Direção: Vinícius Silva – SP
  • Peripatético – 15 min – Ficção | Direção: Jessica Queiroz – SP

3° sessão às 18:30h (longa convidado)

  • Filhas do Vento – 85 min – Ficção | Direção: Joel Zito Araújo

12 / 04 Quinta l 2° Dia – Garcia 17h30

Show de Lucas – 17h30 –  Duração: 30 min

Fala de representante da Mostra – 18h10 – Duração: 10 min

Sessão das 18h30 às 20h

  • Travessia – 5 min – Documentário | Direção: Safira Moreira – RJ
  • Deus – 25 min – Híbrido| Direção: Vinícius Silva – SP
  • O vendedor de estórias (Bindidurdi passada) – 11 min / 2017 | Ficção | Dir: Flora Gomes | País: Guiné-Bissau
  • Peripatético – 15 min – Ficção | Direção: Jessica Queiroz – SP
  • Afronte – 16min – Documentário | Direção: Bruno Victor e Marcus Azevedo – DF
  • Do que aprendi com minhas mais velhas – 26 min – Doc | Onisajé e Susan Kalik – BA
  • Òrun Àiyé – A criação do mundo – 12 min – Anim | Direção: Jamile Coelho e Cintia Maria – BA
  • 13/04 – Sexta I 3° Dia  – DIMAS

Minicurso de Cinema Africano (Dimas)

4° Sessão às 14h

  • A pequena luz – 15min | Ficção | Realizador: Alain Gomis | País: Senegal / França
  • O lá e o aqui – 22 min – Documentário | Direção: Sandro Lopes  – RJ
  • Quimera – 14 min – Ficção – Bruno César – SP
  • Retrato sem retoques – A África na UFPE – 11 min – Docu| Direção: Leandro Wagner e Edmilton Hora – PE
  • Jesus Bird – 10min – Experimental | Direção: Mayara Mascarenhas – MG
  • Mãe(s) – 20min | Ficção | Realizadora: Mamouna Docouré | País: França

5° Sessão às 16:30h

  • Casca de Baobá – 12 min – Ficção | Direção:  Mariana Luiza – RJ
  • Travessia – 5 min – Doc | Direção: Safira Moreira – RJ
    Tia Ciata – 25 min – Doc| Direção: Mariana Campos e Raquel Beatriz – RJ
  • Hic – 14 min – Ficção | Direção:  Alexander S. Buck – ES
  • Do que aprendi com minhas mais velhas – 26min – Doc| Onisajé e Susan Kalik – BA
  • O Olhar Das Estrelas – 26min / 1997 | Ficção | Realizador: João Ribeiro |  País: Moçambique

Roda Mulher Negra em Foco: Narrativas Construídas por Mulheres Pretas 19:30h

Larissa Fulana, Solange Lima, Fabíola Silva e Ana do Carmo

 

13/04 – Sexta I 3° Dia  – Alagados

Apresentação – 17h

 

1° Sessão das 17h30 às 20h

A Bola – 5min / 2001 | Ficção | Realizador: Orlando Mesquita |País: Moçambique
Desaparecidos – 15 min – Ficção/Drama | Direção: Danddara – SP
Deus – 25 min – Híbrido| Direção: Vinícius Silva – SP
Hic – 14 min – Ficção | Direção:  Alexander S. Buck – ES
Nascida para matar – 5min – Drama |  Direção: Rogério Henrique Gonçalves – SP
Raízes –  70min – Documentário | Direção: Simone Nascimento e Wellington Amorim – SP

14/04 – Sábado I 4° Dia  – DIMAS

Curso de Elaboração de projetos das 9h as 17h

6° Sessão às 14h

  • Afronte – 16min – Doc | Direção: Bruno Victor e Marcus Azevedo – DF
  • Bicha preta –  23min – Doc | Direção: Thiago Rocha – RJ
  • Raízes – DIÁSPORA – 70min – Doc | Direção: Simone Nascimento e Wellington Amorim – SP

 7° Sessão às 16:30h

O Caso do homem errado –  77min – Documentário | Direção: Camila de Moraes – BA

Tatana – 14min / 2005 | Direção: João Ribeiro |  País: Moçambique

8° Sessão às 18:30h

  • Pele suja minha carne – 13min – Ficção/drama | Direção: Bruno Ribeiro – RJ
  • Nascida para matar – 5min – Drama |  Direção: Rogério Henrique Gonçalves – SP
  • Teto – 15min – Experimental | Direção: Darwin Marinho – CE
  • A pequena vendedora do Sol – 44min | Realizador: Djibril Diop Mambety | País: Senegal
  • Bom dia África! – 9min / 2009 | Ficção | Realização: Zezé Gamboa | País: Angola

14/04 Sábado I 3° Dia – Cabula

Oficina de audiovisual para crianças – 13h às 16h

1 sessão das 17h30 às 20h

Phatyma – 10min | Ficção |  Realizador: Luiz Chaves | País: Moçambique
Deus – 25 min – Híbrido / Direção: Vinícius Silva – SP
Òrun Àiyé – A criação do mundo – 12 min – Animação / Direção: Jamile Coelho e Cintia Maria – BA

Maestrina da Favela –  80min – Documentário | Direção: Falani Afrika – BA

14/04 l 4° Dia  – Pelourinho ( Espaço Ponto de Cultura Boiada Multicor)

Oficina para crianças 14h

15/04 – Domingo l 5° Dia – DIMAS

9° Sessão Mostrinha às 10h

  • A pegada de todos os tempos – 5min | Ficção | Realização: Flora Gomes | País: Guiné-Bissau
  • Os Pestiinhas e os Ladrões de Brinquedos – 13min| Animação | Realizador: Nildo Essá
  • Nana & Nilo e os animais – 22 min – Animação | Direção: Sandro Lopes – RJ
  • A piscina de Caíque – 15 min – Ficção | Direção: Raphael Gustavo da Silva – GO
  • A câmera de João – 21 min – Drama |  Direção: Tothi Cardoso – GO
  • Òrun Àiyé – A criação do mundo – 12 min – Animação | Direção: Jamile Coelho e Cintia Maria – BA

10° Sessão longa convidado às 14h

A Cor do Trabalho – 75 min l Direção: Antonio Olavo – BA

Roda de Conversa: Cinema Negro: Trajetórias, resistência e positivação 16h00

Urânia Munzanzu, Emerson Dindo, Ailton Pinheiro, Cintia Maria

Premação 17:30

Festa de Encerramento às 19h – ZEFERINAS

 

Noite Preta: Dão convida Verciah, Manuela Rodrigues e Serginho (Adão Negro)!


verciah
Verciah   Foto: Adeloyá Magnoni

 

Vai rolar mais uma edição da “Noite Preta”, projeto idealizado pelo cantor e compositor Dão com um único objetivo: fazer as pessoas dançarem até o último momento! O show acontece no Groove Bar, a partir das 23h e vai contar com participação do cantor Verciah da banda Muriquins, a cantora Manuela Rodrigues  e Serginho, do Adão Negro.

Representante da musicalidade negra baiana e brasileira, Dão tem foco na Black Music universal, passando pelo rock n’ roll, soul funk, samba, reggae e blues. O mais recente trabalho do artista é o disco “Nobre Balanço”, que também passeia por elementos pulsantes da música africana, a exemplo do Kilapanga.

manuela_rodrigues
Manuela Rodrigues FtoJoão Milet Meirelles

A Noite Preta acontecerá neste sáabdo (07) e tem a intenção de  produzir encontros entre gerações musicais e reviver a era das Discotecas. O evento será  recheado de Samba-Soul, Samba-Funk, Samba-Reggae e muito Soul.  “Como diz Taíde e Dj Hum: “vamo que vamo, que o som não pode parar…”, diz Dão.

INGRESSOS!

Os ingressos estão sendo vendidos a R$20 reais NO SYMPLA  e R$30 reais na portaria.

Portal Soteropreta realiza II Edição da Festa Les’Pretas em abril!


lespretas

O Portal Soteropreta dá continuidade ao seu calendário de eventos culturais que propagam a marca pela cidade e, neste mês de abril, repetirá a dose de um de seus projetos de maior repercussão: a Festa Les’Pretas! Tendo reunido mais de 300 pessoas na primeira edição, em janeiro, a Festa ganha agora novo espaço e programação, e acontecerá no dia 14 de abril, sábado, no Pátio da Igreja do Santo Antônio. O esquema é Pague Quanto Puder!

Ocupando um lugar nada convencional, a segunda edição da Festa Les’Pretas terá co-realização da Junbai Comunicação e Estratégia, produção de Taimara Liz, apoio de produção de Beth Dantas, apoio financeiro dos Mandatos do Vereador Sílvio Humberto (PSB) e da Vereadora Marta Rodrigues (PT) e do Instituto de Beleza Essência dos Cachos (IBEC).

coletivo_zeferinas
Kuma França e Rool Cerqueira

A Festa Les’Pretas é um evento artístico criado pelo Portal Soteropreta no intuito de manter um espaço voltado para a celebração da mulher negra na Música, na Poesia, Artes Visuais e Performance, além da Gastronomia. A segunda edição terá a participação especial de poetas do Coletivo ZeferinaS, Rool Cerqueira e Kuma França.

Festa Les’Pretas terá Poesia Marginal do Coletivo Zeferinas e performance de Jenny Muller!

E nesta edição, a programação cresceu, veja as novidades:

 

lespretas
Dj Nai Sena

DJ Nai Sena

A preta vai abrir a festa, com um repertório especial de Discotecagem Afro, trazendo sua pesquisa musical de artistas negros, tendo em sua vertente principal a valorização da mulher negra. Esta é a primeira participação da DJ no Les’Pretas!

Jenny Muller

Jenny Müller é performer, atriz, produtora, diretora e diretora de arte, roteirista, modelo, maquiadora e o que surgir. Nascida na cidade mais energética e negra do país, ela busca em seus trabalhos discutir questões sociais como o transfeminicídio, a violência contra as minorias sociais e a liberdade da mulher. Transforma seu corpo na sua ferramenta amplificadora dos seus discursos e não teme debater política em seus trabalhos, afinal, arte é e deve ser política.

Jenny Muller – Fto Adeloyá Magnoni

 

Musicalidade de Preta

A Festa Les’Pretas se caracteriza por ser uma união de talentos do cenário musical independente de Salvador – representada por mulheres negras que atuam com trabalhos autorais. Nesta segunda edição, a banda base da primeira será mantida, com a percussionista, Juliana Almeida e a baterista, Line Santana, além da guitarrista, Verona Reis e a violonista Zinha Franco – ambas também cantoras com trabalhos autorais – e a baixista Gleise Reis. Além das vozes de Verona Reis e Zinha Franco, nesta edição a Les’Pretas terá a participação das cantoras e compositoras soteropolitanas, Jadsa Castro, Savannah Lima e Aline Lobo. Conheça as manas:

Jadsa Castro 

A compositora multi-instrumentista Jadsa Castro, é uma soteropolitana que traz em suas canções um apelo baiano com timbres experimentais ditados por poemas que saem da zona literal da escrita e escuta. Desde os seus primeiros passos como musicista (aos 13), já tem consigo a experiência de 3 bandas e um coletivo ditado por “Outros Diversos”.  Além de solista,  Jadsa Castro, sem apelo e apego, vive em busca da sua musicalidade 
perfeita a cada métrica quebrada, consertada, arrastada ou acelerada, sabe o quão delirante é viver evoluindo com os compostos sonoros se formando aos sentidos.

savannah_lima
Savannah Lima

Savannah Lima

Nascida e crescida no berço da cultura negra brasileira, a cantora e compositora revelação da música afro-alternativa baiana Savannah Lima desponta no cenário musical da música negra e alternativa de Salvador. Suas composições têm repertório diversificado, com canções no estilo Samba, Black Music, Black Soul, além de seu trabalho autoral. Savannah liderou os vocais da banda feminina Didá, já puxou o Bloco Filhas de Gandhy por três anos no carnaval de Salvador e, recentemente, excursionou pela Ásia e Europa.

 

Aline Lobo

Aline Lobo

Nascida em Salvador, Aline é cantora e compositora. Suas canções passeiam pelo reggae, blues , MPB e compartilham inquietações existenciais e sociais que marcaram diversas fases de sua vida. Já participou de algumas bandas em Salvador, como Ronco da Madrugada(MPB e Poesia), banda Massa Real(Música baiana) e Coisa Mandada(Samba). Já cantou músicas de Gilberto Gil , Djavan e atualmente, está voltada para um trabalho mais autoral.

PROGRAME-SE!

Les’Pretas II – A Festa

Onde: Pátio da Igreja do Santo Antônio

Quando: Dia 14 de abril (sábado), a partir das 19h

Quanto: Pague Quanto Puder.

Sarau “Ajuda A Mana” reunirá drag queens em prol de campanha para Jenny Muller!


Jenny Muller – Fto Adeloyá Magnoni

O sonho de Jenny Muller, estudante de Artes (Ufba) e ativista da causa de pessoas transexuais, está um passo de acontecer e  conta com sua participação nesta realização. No sábado 07 de Abril, às 16h , a Casa de Artes Sustentáveis (CAS), localizada na rua Democratas, nº 21, no Dois de Julho, recebe o Sarau Ajuda A Mana.O evento busca arrecadar recurso para a cirurgia de mamoplastia de Jenny.

Alguns amigos de vários setores artísticos me falaram que estavam querendo fazer um show. Eles então se reuniram e me falaram que fariam o evento para me ajudar a bater a meta da cirurgia. Pra mim, a maior significação é o fato de saber o quanto sou querida por essas pessoas que tem trabalhos maravilhosos, e estão entregues nessa campanha“, conta Jenny. 

O evento conta com a colaboração e parceria de drag queens renomadas na cena LGBT+ da cidade como Kaysha Kutnner, Aimée Lumière, Nágila Goldstar, Malayka SN, Ela Vargas, Maria Gabriela, Rainha Loulou, Mila kokaev, DesiRée Beck, Duda Johnson, Sasha Heels e Glenda Electra Jackson. O ator Gleisson Richelle e o poeta Pareta Calderash também estarão no palco do Sarau como colaboradores.

Contar uma nova narrativa sobre si é o que está por trás do processo de transição da estudante. “É bem bacana ver que muitos artistas são empáticos às demandas de pessoas trans. Sabemos que o Brasil lidera o ranking de país que mais mata pessoas trans e travestis, assim fica evidente que as políticas públicas para esse tipo de cirurgia serão precárias. Por isso,  vejo essa união como pulsão mobilizadora. Hoje, ser noticiada na cidade por essa campanha me coloca em uma moldura diferente da visão marginalizadas“, aponta.

SERVIÇO

O QUE: SARAU AJUDA A MANA

QUANDO: 7 de Abril, às 16h;

ONDE: Casa de Artes Sustentáveis (CAS), rua democrátas, nº 21 – Dois de Julho;

INGRESSO: R$ 5 (valor será revertido na cirurgia de mamoplastia de Jenny)

Espaço Cultural Alagados recebe I Mostra Negra de Artes Cênicas!


sobejofestivalacenatapreta
Sobejo Foto: Andréa Magnoni

 

O Espaço Cultural Alagados receberá, de 10 a 15 de abril, a I Mostra Negra de Artes Cênicas, que trará espetáculos produzidos, encenados por negros e negras. Será de terça a domingo, sempre às 18h.

se deus fosse preto
Se Deus Fosse Preto Foto: Max Fonseca

 

Na programação estarão os espetáculos “GRILO GRIÔ”, com Raimundo Moura, “EN(CRUZ)ILHADA”, com Leno Sacramento, “SOBEJO”, com Eddy Verissimo,  “MULHERES DE ALAGADOS”, com o Grupo Biogênese, “MALOQUERO”, com Jhoilson de Oliveira e “SE DEUS FOSSE PRETO”, com Sergio Laurentino. Também haverá apresentações de artistas e grupos locais. A classificação é de 12 anos e os ingressos serão vendidos – no local – a R$4/2. 

encruzilhada
Encruzilhada Fto Rodrigo Veloso

Programe-se – sempre às 18h!

 

Dia 10/4
GRILO GRIÔ, com Raimundo Moura;
Dia 11/4
EN(CRUZ)ILHADA, com Leno Sacramento;
Dia 12/4
SOBEJO, com Eddy Verissimo;
Dia 13/4
MULHERES DE ALAGADOS, com o Grupo Biogênese – Apresentação gratuita!
Dia 14/4
MALOQUERO, com Jhoilson de Oliveira;
Dia 15/4
SE DEUS FOSSE PRETO, com Sergio Laurentino.
Local: Espaço Cultural Alagados – Rua Direta do Uruguai S/N – Uruguai
Informações: (71) 3317-6518 / 71 98826 8061

Jornalista Rita Batista é a nova apresentadora do TVE Revista!


rita_batista_tve
Fto Divulgação

Uma comunicadora antenada com a população baiana: Rita Batista é a nova apresentadora da TVE. Uma jornalista reconhecida em todo estado pela qualidade do trabalho, pelo carisma e por representar as mulheres negras.

Rita estará à frente do TVE Revista, veiculado diariamente às 12h15. A estreia da preta no canal será nesta segunda-feira (26).

Rita já passou pelos mais importantes veículos de comunicação do estado como a TV Aratu (SBT), Band Bahia, BandNews FM e no Grupo Metrópole. Depois do sucesso de sua atuação na cobertura da emissora pública no Carnaval deste ano, Rita recebeu o convite e levará informação e cultura ao vivo na TVE e nas redes sociais – direto para a casa dos baianos  na hora do almoço.

“A TVE é a TV da Década Afro-Descendente. Acho que estou no lugar e hora certos”, disse a apresentadora.

TVE REVISTA com Rita Batista

De segunda a sexta, às 12h15

Acompanhe a TVE nas redes sociais:

www.facebook.com/tvebahia

www.twitter.com/tvebahia

www.instagram.com/tvebahia

www.youtube.com/tvebahia

#OpiniãoPreta #OlhandoPraMimVejoNos – Por Larissa Fulana de Tal!


cineclube_tela_preta
Fto Fanny Oliveira

 

Como você se vê? Você se olha? São perguntas pra você que está lendo essas palavras! Mas aliás, você realmente se vê? Onde mesmo? Diante dessas questões que refletem como olhamos o mundo e a nós, e leia-se Nós, enquanto População Negra, lançamos o Cineclube Tela Preta com o propósito de provocar e inquietar os encontros de olhares de mundo que interligam o individual ao coletivo, o pessoal ao político e por fim, o cotidiano à história.

Cineclube Tela Preta promove sessões gratuitas de cinema negro!

Partimos do pressuposto que nossa cabeça é uma sala de cinema ambulante. Onde foi imposto as imagens de medos, negações violências… e nós, População Negra, com nossa existência, contrapomos com movimento de imagens de sonhos, desejos, vontades e futuros!

Nesta sala de cinema ambulante ainda há vídeos acumulados e envelhecidos com nossas imagens tão rasas. São todos esses vídeos que queimaremos e apagaremos o que nos é negado ao direito de existir em campo ou que nos empurra para o canto da tela, ou podemos dizer que extrapola a “margem da imagem”, mas é real e concreto. É necessário mover-se para desconstruir e olhar para construir.

E neste espaço que o criar re-existe, desta forma, temos como direito sim ao ensaioao erro, e por quê não, ao experimental? O Cineclube promove encontros de um espaço de reflexão sobre a nossa presença nas imagens e atrás das câmeras com o Cinema Negro, e o nosso processo criativo que parte da ruptura do sujeito que filma e o sujeito filmado. Provocando as reflexões da construção da imagem que queremos de nós, a partir do olhar de quem olha e de quem se ver, afinal somos “Nós por Nós”!

Referência:  O olhar opositivo – a espectadora negra , por Bell Hooks

larissa fulana de tal
Larissa Fulana de Tal

Larissa Fulana de Tal é Coordenadora do Cine Tela Preta e integrante do coletivo de cinema negro, Tela Preta, sócia da produtora Rebento Filmes, graduada em Cinema e Audiovisual na UFRB. 

Projeto “Terças Pretas” terá feira, performance e “As Feministas de Muzenza no Vila!


terças_pretas_feministas_de_muzenza
Foto Divulgação

O Bando de Teatro Olodum está ação com o projeto ‘Terças Pretas’, ocupando o Teatro Vila Velha, em Salvador, com poesia, literatura e espetáculos teatrais. Na próxima terça-feira (27) – Dia Mundial do Teatro – vai ter de novo, com feira afro, performance e espetáculo de dança, a partir das 18h.

No Vila vai ter diversos artistas e afro-empreendedores expondo e vendendo roupas, acessórios e artesanatos e a performance será com a Banda Los Perífas, que tocará ritmos afro-cubanos, brasileiros e africanos.

Já na Sala Principal, terá o espetáculo “As feministas de Muzenza – Uma Comédia Afro-Baiana”, às 19hs, um espetáculo da Cia Gente de Teatro da Bahia. A história se passa na cidade de Muzenza, onde um grupo de mulheres se une para fazer um movimento feminista. Nele, elas avaliam o comportamento machista no crescimento turístico da cidade, porém encontram resistência de outras mulheres da própria comunidade que defendem os homens.

Chegue Lá….

O que: Projeto Terças Pretas – Bando de Teatro Olodum
Onde: Teatro Vila Velha

Quando: Dia 27 (terça-feira), 18h
Valor: R$20 inteira e R$ 10 meia..