Coleção Contemporaneidades Periféricas terá novo livro do poeta e performer, Alex Simões!


Alex Simões
Foto Meredith Lackey

 

A coleção ‘Contemporaneidades Periféricas, da editora soteropolitana Organismo, será aberta com o lançamento do mais novo livro do poeta e performer, Alex Simões – ‘Trans formas são’. O evento contará com performance do DJ e pesquisador musical, André Oliveira, e outras intervenções artísticas. A entrada gratuita.

O livro conta com 38 poemas, distribuídos em três partes, que questionam a poesia, as palavras, as pessoas, os animais, as coisas e o próprio poeta o que virão a ser. A obra também fala sobre distintas temporalidades convivendo aqui e agora, nem sempre pacificamente. Para isso, o poeta lança mão de diversos procedimentos estéticos, principalmente a apropriação, para deixar refletir sobre estar vivo, apesar da necropolítica, contra a qual ele se insurge por meio da poesia.

“Neste livro está o que bate na memória de uma pele – neste caso, preta, gay, cis, entre outras circunstâncias –  e que assombra pela beleza, pelo horror, pelo afeto, pelo susto mesmo. Os poemas se apropriam de discursos da mídia, da historiografia, da teoria da literatura, das enciclopédias, e os copia e cola, propondo composições e recortes como formas poéticas, um bordado poético”, revela Simões.

A publicação conta com prefácio do escritor, Allan da Rosa; orelha do poeta e performer, Ricardo Aleixo; e projeto gráfico da designer, Thais Geckseni. O livro custará R$30.

Sobre Alex Simões – Poeta e performer. Publicou ‘Quarenta e uns sonetos catados’ (Domínio Público, 2013), ‘(hai)céufies’ (Esquizo Editora, 2014) e ‘Contrassonetos catados & via vândala’ (Mondrongo, 2015).  Seus escritos também podem ser acompanhados no blog!

Serviço:

O quê: Lançamento do livro ‘Trans formas são’, do poeta e performer, Alex Simões.

Quando: 18/08/2018, das 15h às 21h.

Local: Casa Rosada (Travessa dos Barris, 30, Barris).

Entrada gratuita no evento.

Preço do livro: R$ 30

Encontro “Circuito Contos e Cantadores” homenageia legado do Mestre Gato Preto em Salvador!


Mestre_GatoPreto
Mestre Gato Preto

 

A partir do próximo dia 18 (sábado), Salvador recebe projeto inédito de resgate à memória musical e lúdica da capoeira a partir da valorização da oralidade de mestres dessa arte. O Circuito Contos e Cantadores acontece em quatro datas em diferentes museus da cidade

Contos e Cantadores tem sua estréia no dia 18, sábado, 11h, no Solar Ferrão, quando a programação tem como tema “Homenagem a Gato Preto” e reúne os mestres Góes e Zeca – filhos do homenageado -, Mestre Negoativo (BH) e Mestre Plínio (SP) para falar do legado do Mestre Gato Preto, nascido em 1929 em Santo Amaro (BA) – ,um dos maiores mestres tocadores de berimbau da história da capoeira no Brasil, falecido em 2002. O circuito volta a acontecer no dia 1° de setembro, no Museu Udo Knoff; 26 de outubro, no Museu Tempostal, e 18 de novembro, no Museu Rodin.

Entre os mestres de capoeira que terão seu legado musical visitado pelo circuito Contos e Cantadores também estão Waldemar, Mestre Bimba e João Pequeno. Em cada encontro, outros mestres, historiadores e músicos estarão dedicados a trazer à tona a ancestralidade que costura a tradição da capoeira através da música. Ao fim de cada sessão, o bate papo será aberto para o público dar sua contribuição e tirar dúvidas. Cada encontro terá uma temática e duração de 90 minutos.

O projeto tem realização assinada pelo Projeto Mandinga e Aú Marketing com Propósito e apoio financeiro do Governo do Estado da Bahia através do Fundo de Cultura – Setorial de Museus, Secretaria da Fazenda e Secretaria de Cultura da Bahia.

SERVIÇO:

Contos e Cantadores – 1° encontro

Quando: 18 de agosto (sábado)

Horário: 11h

Onde: Centro Cultural Solar Ferrão – R. Maciel de Baixo, 43 – Pelourinho

Entrada franca

Afro Hip Hop terá Poesia Preta, Banda Zuhri, Versu2 e expo de Salamanda!


Rool Cerqueira – Fto Olívia Pimentel

 

No mês em que se comemora a Revolta dos Búzios, o projeto Afro Hip Hop traz ao público diversas manifestações artística, como: a dança, música, moda e poesia. Todas as atrações são gratuitas. O segundo momento do projeto acontece na sexta, dia 17 de agosto, no Largo Tereza Batista (Centro Histórico de Salvador). A partir das 19h, algumas marcas soteropolitanas irão expor suas peças em um desfile de moda, mostrando o que tem sido produzido de forma independente na cidade.

O grupo de dança Afroragga interpreta, através da expressão corporal, as batalhas que aconteciam entre grupos de bairros rivais e demais disputas de poder. Saindo da dança para a poesia, o comando do palco fica por conta do Poeta com P de Preto e a poeta Rool Cerqueira, do coletivo Zeferinas., que trazem mais este elemento expressivo para retomar este momento histórico das lutas pela independência da Bahia.

Ainda no dia 17, o Afro Hip Hop vai promover a Batalha Slam Poesia. A partir do dia 6 de agosto estarão abertas as inscrições para curadoria da batalha.  Dois shows vão encerrar a noite da primeira edição do projeto.

salamanda
Salamanda – Reprodução facebook

O primeiro será da Banda Zuhri, que traz a proposta inusitada baseada no diálogo do Rap com o Jazz, dois gêneros nascidos dos guetos. Em seguida, o grupo de rap Versu2 se apresenta. Durante todo o evento estará exposta artes da ilustradora Salamanda. O projeto é realizado pela Kalifa e Gabriele Jessi e financiado pela Fundação Gregório de Mattos, através do edital Arte Todo Dia.

 

SERVIÇO

Afro Hip Hop – 17 de agosto

Atrações: Apresentação do grupo de dança Afroragga | Poesia com Poeta com P de Preto e Rool Cerqueira, do coletivo Zeferinas | Batalha Slam Poesia (A partir do dia 6 de agosto estarão abertas as inscrições para curadoria da batalha) | Shows das bandas Zuhri e Versu2

Local: Largo Tereza Batista (Centro Histórico de Salvador)

Data/Hora: 17 de agosto (sexta), a partir das 19h

GRATUITO

 

ABERTAS inscrições para a 4ª chamada do Edital de Mobilidade Artística e Cultural!


negros_empreendedorismo

 

A Secretaria de Cultura do Estado da Bahia torna público o prazo de inscrições para a 4ª chamada do Edital de Mobilidade Artística e Cultural. Os interessados podem realizá-las no período de 13 de agosto a 11 de setembro de 2018. O edital será publicado na edição de sábado (11), do Diário Oficial do Estado.

Com recursos do Fundo de Cultura da Bahia, o valor para a quarta chamada é de R$ 400.000,00 (quatrocentos mil reais), a serem investidos em projetos nas áreas de Intercâmbio e Difusão; Residência Artística; e Formação Cultural; para atividades que podem ocorrer fora do estado ou país.

Nesta edição, as propostas devem ter como data de início do cronograma a partir de 01 de fevereiro de 2019, até 30 de abril de 2019. O edital potencializa que artistas, produtores e agentes culturais realizem diálogos interculturais a partir de ações, cursos e/ou atividades nos âmbitos, nacional e internacional. O valor limite de apoio por proposta é de até R$ 50 mil para as linhas de Intercâmbio e Difusão e até R$ 25 mil para projetos de Residência Artística e de Formação Artística e Cultural.

Para realizar as inscrições o proponente deve acessar o sistema Clique Fomento, disponível no endereço http://siic.cultura.ba.gov.br  e após a inscrição, clicar no botão ENVIAR. É importante que antes de ENVIAR o candidato cheque todas às exigências dos documentos necessários, devendo se atentar a inclusão dos anexos na formatação exigida.

#Flipelô – Casa do Benin terá várias atividades sobre Literatura Negra e Periférica!


Foto: PalomaCarvalho

 

Entre os dias 09 e 12 de Agosto, a Casa do Benin (Pelourinho) se junta à movimentação da 2ª FLIPELÔ e oferece ao público uma programação que envolve literatura, culinária, música e muito mais. Com destaque para a produção literária negra e da periferia da cidade, a mesa da Casa do Benin terá comida afrodiáspórica da chef Angélica Moreira, do Ajeum da Diáspora, e conversas literárias, performances poéticas, apresentações musicais, além de um encontro de saraus e de um slam (batalha poética). Também acontece uma feira livre com livros e produtos afins.

Nos quatro dias de programação, o acervo da Casa do Benin, com obras coletadas por Pierre Verger em expedições à África, estará aberto à visitação sempre das 10 às 17h. No primeiro dia, 09, quinta-feira, o grupo Gangara realiza uma roda de capoeira. Já na sexta, dia 10, às 19h, as editoras Organismo e Segundo Selo realizam a primeira roda de conversas sobre Literatura Negra Contemporânea e Processos Criativos, coordenada por Silvânia Carvalho e que contará a participação dos autores baianos Davi Nunes, Vânia Melo e Alex Simões.

SERVIÇO

O que: Programação da Casa do Benin na Flipelô

Quando: 09 a 12 de Agosto

Onde:  Casa do Benin

Quanto: Programação Cultural e Visitação – Gratuita, Feira Literária – Livro com preços acessíveis, Ajeum da Diáspora – R$30,00 – Entrada e Prato Principal

 

sandro sussuarana
Sandro Sussuarana

CASA DO BENIN NA 2ª FLIPELÔ

PROGRAMAÇÃO COMPLETA

 

– QUINTA, dia 09/08

10 às 17h – Visitação à Exposição Permanente do Acervo da Casa do Benin

19h – Roda de Capoeira com o Grupo Gangara

 

– SEXTA, dia 10/08

10 às 17h – Visitação à Exposição Permanente do Acervo da Casa do Benin

19h – Roda de Conversas: Literatura Negra Contemporânea e Processos Criativos – Roda de Conversas coordenada por  Silvânia Carvalho, com a participação dos autores: Davi Nunes, Vânia Melo e Alex Simões. Organizado pelas editoras Organismo e Segundo Selo.

– SÁBADO, dia 11/08

10 às 17h – Visitação à Exposição Permanente do Acervo da Casa do Benin e PeriFeirAfro Literária – Exposição e venda de livros e produtos afins, com sessão de autógrafos de escritores e escritoras da periferia. Editoras convidadas: Organismo, Segundo Selo, Malê, Galinha Pulando e outras.

A partir de 11h – Ajeum Lítero-Sonoro – A chef Angélica Moreira e seu Ajeum da Diáspora – apresenta e serve o prato do dia: Cozido. DJ Gug Pinheiro discoteca Música Periférica Brasileira

Vania_melo

A partir de 13h – Ocupação Poéticas Periféricas  organizada por Valdeck Almeida e pela Editora Galinha Pulando

13h – Sarau e lançamento do livro Poéticas Periféricas: A nova voz da poesia Soteropolitana, com a participação de poetas da coletânea.

14h – Roda de Conversas: A Poesia Periférica no Centro da Literatura Sorteropolitana, com a participação dos poetas Gisele Soares, Sandro Sussuarana, Samuel Lima, Luz Preta Marques, Fabrícia de Jesus e Rilton Júnior.

15h – Encontro de Saraus – Roda poética com representantes de importantes saraus e coletivos poéticos da cidade – Sarau Bem Black, Sarau da Onça, Sarau do Cabrito, Sarau do JACA, Sarau da Raça, Sarau Bairro da Paz Vive e Coletivo Pé Descalço.

ajeum_diaspora
Angélica Moreira – Ajeum da Diáspora Foto Juh Almeida

– DOMINGO, dia 12

10 às 17h – Visitação à Exposição Permanente do Acervo da Casa do Benin PeriFeirAfro Literária – Exposição e venda de livros e produtos afins, com sessão de autógrafos de escritores e escritoras da periferia. Editoras convidadas: Organismo, Segundo Selo, Malê, Galinha Pulando e outras.

A partir de 11h – Ajeum Lítero-Sonoro – A chef Angélica Moreira e seu Ajeum da Diáspora – apresenta e serve o prato do dia: Efó, com peixe ou com frango. DJ Gug Pinheiro discoteca Música Preta Brasileira

13h – CandomBlackesia: Axé e Poesia na Batida – Performance afro-poética e musical com Nelson Maca & Afro-Power-Trio: Dj Gug, João Teoria e Mestre Jorjão Bafafé e convidados: Alexandra Pessoa, Lee27, Vera Lopes e Netas de Francisca: Lucia Santos e Luiza Gonçalves

14h – Letras e Vozes de Mulheres Negras – Vera Lopes e Emile Lapa apresentam performance com diálogo entre poemas de Carolina Maria de Jesus e Conceição Evaristo

15h – Roda de Conversas: Escrita Atual da Bahia Preta – Roda de conversa com escritores e escritoras que participam da PeriFeirAfro Literária

16h: Free Pelô: Slam dos Slans – Slam de poesia com representação de slams pioneiros de Salvador – Slam da Onça, Slam Lonan, Slam das Minas e Slam da Raça

Prepara, comunidade! Nordeste de Amaralina vai receber mais um Vale Hip Hop!


vale_hip_hop_nordeste_amaralina
Foto Bruno Swave

 

A comunidade do Nordeste de Amaralina vai receber, no dia 11 de agosto, o Vale Hip Hop, evento que reunirá os elementos da cultura Hip Hop, basquete de rua, distribuição de livros, poesia, batalha de mc´s e muito mais. Será na praça localizada no final de linha do Vale das Pedrinhas, onde terá shows de Mr. Armeng, Yuri Loppo, Ativa71, Coletivo Nós Chegou , Grandão e discotecagem com os Dj´s Bennet, Peluzu, AM e TAU. No vale, ao todo 16 Mc´s vão disputar o prêmio de primeiro lugar – que levará pra casa o valor de R$100.

Tudo começa a partir das 16h, quando jovens, crianças e adultos já terão acesso aos bens culturais oferecidos por artistas da comunidade e de outros bairros.

Essas ações são para dar acesso à cultura e estimular o contato com variadas manifestações sócioculturais que se movimentam de forma independente na comunidade, propondo uma vida digna, composta por objetivos positivos e transformadores”, afirma o rapper e empreendedor social Mr. Armeng.

O projeto é mais uma realização da Ação H2.NA, que atua desde 2016 nos bairros do Nordeste de Amaralina tendo como foco cultura, arte educação e empreendedorismo.

Foto Bruno Swave__.jpeg

Vale Hip Hop II
Data: 11 de Agosto
Horas: 16H
Local : Final de Linha do Vale das Pedrinhas
Gratuito.

Sadé: Disney terá sua primeira princesa africana!


princesa_africana_disney_sade

Disney terá sua primeira princesa africana, baseada em um conto de fadas, nas telas. O estúdio anunciou ter adquirido os direitos para transformar a história de Sadé em um filme live-action. O longa será baseado no trabalho original de Ola Shokunbi e Lindsey Reed Palmer.

Shokunbi e Palmer, inclusive, irão co-escrever o roteiro. A produção ficará por conta de Rick Famuyiwa, enquanto a produção executiva ficará a cargo de Scott FalconerNenhum diretor foi nomeado até o momento. Sadé irá marcar o primeiro conto de fadas original da Disney liderado por uma personagem feminina africana. Não está claro se esse filme será desenvolvido para lançamento nos cinemas ou para o próximo serviço de streaming da Disney.

A história gira em torno de uma jovem garota africana chamada Sadé, que quando vê seu reino ser ameaçado por uma misteriosa força maligna, aceita seus recém-descobertos poderes guerreiros mágicos para proteger a si mesma e seu povo. Com a ajuda de um príncipe, Sadé embarca numa aventura que lhe permitirá abraçar o que a torna especial e salvar seu reino.

Como anunciado, o filme será em live-action, ou seja, com atores reais, o que decepcionou alguns fãs, que esperavam por uma animação no estilo dos clássicos musicais do estúdio, como A Pequena Sereia e Frozen.  Ainda não houve anúncio de nenhum nome no elenco.

Importante lembrar que essa não será a primeira princesa negra do estúdio. Esse título cabe à Tiana, da animação A Princesa e o Sapo, lançada em 2009. Além disso, Tiana é afro-americana, ou seja, americana descendente de africanos. Portanto, Sadé marcará a primeira vez que veremos uma princesa negra em carne e osso e africana nativa.

Sadé ainda não possui data de lançamento.

Fonte: Geledés

Teatro Jorge Amado celebra 22 anos com o espetáculo Identidade Ancestral!


teatro_escola_jorge_amado

O Teatro Jorge Amado celebra 22 anos com o espetáculo Identidade Ancestral, produzido pelos alunos do Teatro Escola.O Espetáculo aborda a cultura negra e indígena, traz uma visão de ancestralidade e destaca a atualidade dos povos indígenas e africanos.

Em 22 anos de atuação no cenário cultural de Salvador, o Teatro Jorge Amado trouxe ao público grandes espetáculos nacionais como Três Dias de Chuva, Gonzagão, a lenda, Doce de Leite, A cabra ou quem é Sylvia?, Caixa de Areia, entre outras.

PROGRAME-SE!

ESPETÁCULO IDENTIDADE ANCESTRAL

Local: Teatro Jorge Amado

Data: 09 de Agosto

Horário: 20h

Ingressos: Pague quanto puder

 

Profissionais de Comunicação: está aberto cadastro da Rede Afronte, participe!


negros_empreendedores

Jornalistas negros e negras, e outros profissionais de Comunicação de Salvador se reuniram nesta semana por meio do aplicativo de mensagens WhatsApp, para dar início à Rede Afronte a Comunicação, um cadastro colaborativo que será divulgado amplamente nas Redes Sociais para reunir mais destes profissionais, elencar suas especialidades e serviços que disponibilizam na área.

Jornalistas, Publicitários, Designers, Relações Públicas, Webdesigners e demais profissionais da área poderão se cadastrar gratuitamente por meio de Formulário Online disponibilizado a partir desta terça-feira (7/8). O grupo de WhatsApp – denominado Afronte a Comunicação -, foi criado em novembro de 2015 e, hoje, reúne 51 participantes.  O intuito é aproximar estes profissionais, trocar contatos, indicações e informações sobre eventos, ações, atos e pautas variadas em torno das questões raciais, além de servir como fonte de indicação de profissionais negros e negras para oportunidades de trabalho.

“Na mesa do bar, eu, Juliana Dias e Alane Reis (Revista Afirmativa) discutíamos como faltava um grupo de comunicação entre nós, pra trocarmos pautas, nos ajudarmos de forma colaborativa. E assim criamos o grupo Afronte. A ideia é um contribuir com o trabalho do outro, fazer essa mesa girar e combater o racismo com nosso trabalho, que é a disseminação de conteúdo”, lembra Midiã Noelle, jornalista, criadora do Site Lista Negra, que pauta o empreendedorismo negro. 

O resultado do cadastramento – a Rede Afronte a Comunicação – será lançada em evento durante o mês da Consciência Negra – dia 6 novembro, quando completa três anos do grupo de WhatsApp. É profissional de Comunicação, negro ou negra?

Mais informações, mande email para [email protected]!

 

PARTICIPE DO CADASTRAMENTO:

ACESSE FORMULÁRIO AQUI. 

Instituto Steve Biko celebra 26 anos e apresenta avanços na obra de sua nova sede!


Ao longo destes 26 anos – completados em 31 de julho de 2018 – o Instituto Steve Biko já passou pelos bairros da Piedade, Barris, Barra, Nazaré, locais de Salvador em que o sonho se instalou para chegar até aqui: Edifício Joe Beasley, localizado no Campo Grande – logo ali, na curva da Casa D’Itália. A lembrança veio à tona nesta manhã (31), durante a entrega da primeira etapa da construção da nova sede do Instituto, uma sede própria que abrigará também um outro sonho:  a Faculdade Steve Biko.

A previsão é de que a Faculdade abrigue quatro salas de aula, uma Biblioteca, Brinquedoteca e salas administrativas, além de uma área verde. Ao todo, a Faculdade poderá receber 200 estudantes por dia e, dentre os pilares que guiarão a unidade, está a promoção de iniciativas que valorizem a diversidade étnicoracial, que contemplem os saberes e fazeres da cosmovisão africana e suas diásporas na produção de conhecimento. “A Biko é um patrimônio do movimento negro. Nosso trabalho e história são verdadeiros. Não podemos deixar a Biko sem um legado concreto, firme, pra que nossa juventude possa dizer que lutamos e que nossa luta vai continuar, pois essa cidade é nossa”, afirmou a diretora executiva da Biko, Jucy Silva.

O prédio de três andares e 630m² foi nominado hoje em homenagem ao seu principal patrocinador – o afro-americano, Joe Beasley (Coca Cola Foundation), presente no ato junto a familiares e ao amigo e também apoiador da Biko, o advogado, Richard Freeman. Para esta primeira etapa foram investidos R$1 milhão e precisarão ser investidos mais R$1milhão para finalizar a obra e R$ 500mil para móveis e equipamentos. “A missão da Biko é tornar sonhos possíveis e a gente precisa cada vez mais ter mãos para dar continuidade a este sonho. Já levantamos o prédio, mas não significa que eu tenha que estar aqui dentro. Tenho a certeza que outras mãos pela Biko lapidadas darão continuidade a esta história, passaremos este bastão, disse Tarry Cristina, diretora pedagógica. “Me formei educadora não na Universidade, mas no Instituto Steve Biko!” – Sandra Souza, professora de Linguagens do Pré-Vestibular.

A continuidade se une ao agradecimento. Na ocasião, professores e ex alunos também puderam expor a importância da Biko sem suas vidas. Como os ex-alunos Indira Nascimento e Augusto Cardoso, os professores Maria Durvalina Cerqueira, Sandra Souza e Antonio Lourival, que chegou na Biko em 1996, 4 anos após sua criação e passou por todas as diretorias. “Foi a Biko que me deu régua e compasso, marcou meu trabalho e, hoje, minha dissertação de Mestrado reflete essa vivência, pois ela aborda, justamente, a resignificação do discurso hegemônico pelos estudantes da escola pública. Quando a Biko me convida para lecionar naquela sala, me deixa lisonjeado pela contribuição que sempre posso fazer”, diz Lourival, que foi professor de Português no Pré-Vestibular.

O Instituto iniciará ainda este ano campanha para arrecadação de recursos com este fim, mas já aceita contribuições. 

Mais informações no telefone (71) 3241-8708 ou AQUI!

Fotos Jamile Menezes