Festival de Música Negra do Ilê Aiyê chega à final no domingo (16)!


ileaiye

São 45 anos de Ilê Aiyê! E  no domingo (16) o bloco realiza a etapa final do Festival de Música Negra do Ilê Aiyê – Pássaro Preto o Cantador, elegendo seis canções que passam a fazer parte das apresentações do bloco afro mais antigo do Brasil. A apresentação das finalíssimas  será Senzala do Barro Preto (Curuzu), a partir das 14h, quando também haverá shows da banda de reggae Unidade Eu e Eu, Grupo Movimento e da anfitriã da casa, Band’Aiyê. Ingresso: 1 quilo de alimento não perecível.

Ao todo, são 17 canções finalistas, oito da categoria Poesia e nove da categoria Tema. As músicas da categoria Tema são inspiradas no tema do Ilê Aiyê para o Carnaval 2019: “Que Bloco é Esse? Eu quero saber”. Já as da Categoria Poesia são de livre inspiração. Durante o evento, enquanto as canções são apresentadas, os jurados têm o desafio de escolher as três melhores de cada categoria.

Shows – Quem for acompanhar e torcer na etapa final do Festival, vai poder curtir os shows da banda anfitriã da casa, Band’aiyê, da banda de reggae Unidade Eu e Eu e do Grupo Movimento. A ordem será assim: Unidade Eu e Eu abre a tarde; em seguida apresentações das músicas concorrentes do festival, intercaladas com apresentações da ala de canto do Ilê Aiyê, e depois show do Grupo Movimento para, então, chegar a hora mais esperada de anunciar os vencedores. Quem encerra a festa é a Band’Aiyê.

Entre os jurados, estão confirmados os cantores e regente da Band’Aiyê, Yana Marucha, Juarez Mesquita e Mario Pam, respectivamente, e o artista plástico Mundão, que assina a identidade visual do bloco. As canções vencedoras do festival já passam a ser a ser integradas ao repertório do Ilê Aiyê nos shows de verão e desfiles do Carnaval 2019.

O nome Pássaro Preto o Cantador, que batiza o festival de música do Ilê desde a sua primeira edição, é uma homenagem ao compositor Cesar Maravilha.

SERVIÇO:

45º Festival de Música Negra do Ilê Aiyê

Quando: 16 de dezembro (domingo)

Horário: a partir das 14h

Ingresso: Senzala do Barro Preto – Ladeira do Curuzu

Entrada: mediante um quilo de alimento não-perecível

Grupo Vilavox celebra 17 anos com show “Trilhas do Vilavox” este mês!


Divulgação

A celebração do encontro da música com o teatro. É assim que se define o show Trilhas do Vilavox, resgatando músicas do repertório dos espetáculos do Grupo Vilavox, com composições de Jarbas Bittencourt, Gordo Neto, Roberto Brito dos Santos e Marcio Marciano.

Assim como no passado, o Grupo Vilavox apresentará um show multimídia, que mistura “memória, sangue, suor e teimosia”, com direção musical de Leonardo Bittencourt. Além dos integrantes do Vilavox, convidados e ex integrantes do grupo, entre músicos e cantores cantam e tocam ao vivo e acompanhados por bases eletrônicas, ambientados por imagens em vídeo. Assim como na montagem de 2001, o show passeia pelas memórias e desemboca num álbum, que registrará as músicas e estará disponível nas plataformas streaming. O lançamento está previsto para o dia 15 de dezembro, após o show.

As apresentações acontecerão nos dias 6, 7, 8, 9, 13, 14, 15 e 16 de dezembro, de quinta a sábado, às 20h e aos domingos, às 19h, no Teatro da Janela, um dos novos espaços da Casa Preta (Rua Areal de Cima, nº 40 Largo Dois de Julho) , com ingressos a R$10,00 (inteira) e R$5,00 (meia entrada).

Além do show  e do álbum musical, o grupo lança também, dentro deste mesmo universo da música e do teatro, na nova edição da revista Vox da Cena. Em formato digital, com clips criados por editores de vídeo convidados, o repertório musical e cênico do grupo encontra na criação de cada editor uma nova plataforma para a fruição destes conteúdos, além de resignificá-los, somando aí música, teatro e audiovisual.  Além dos clipes, textos curtos, depoimentos e entrevistas estarão presentes na revista. O projeto é apoiado pelo Edital Setorial de Teatro da Fundação Cultural do Estado (Funceb/SecultBa).

Serviço

Show TRILHAS DO VILAVOX

Dias 6, 7, 8, 9, 13, 14, 15 e 16 de dezembro, de quinta a sábado, às 20h e aos domingos, às 19h

No Teatro da Janela – Casa Preta (Rua Areal de Cima, nº 40 Largo Dois de Julho)

Com ingressos a R$10,00 (inteira) e R$5,00 (meia entrada)

PREPARA que vai ter Marcha do Empoderamento Crespo em Salvador!


marcha_empoderamento_crespo2
Contagem regressiva para a IV Marcha do Empoderamento Crespo de Salvador, em Salvador! Será neste domingo (9), com concentração na Praça do Campo Grande, seguindo para a Praça Castro Alves.
Este ano, a Marcha traz como tema “Feminismos e Masculinidades: por uma agenda de Emancipação Crespa”, um movimento político, referenciando os movimentos negros de outrora que possuíam o cabelo natural como expressão de resistência e luta política.  A Marcha foi fundada e potencializada nas redes sociais a partir de um grupo de discussão na rede Facebook. Já conta com quase 13 mil membros participantes e a página do Facebook já obtém mais de 11 mil curtidas.
marchadoempoderamentocrespo
Por sua atuação, a Marcha recebeu, no último dia 2 de dezembro, o Troféu Periferia – premiação que promove o trabalho de empreendedores culturais, sociais e artistas que atuam nas periferias do Brasil. Também chamada de Oscar das Quebradas, a premiação existe desde 2005 e vem se consolidando com uma das principais premiações do Brasil. O Troféu  é concedido anualmente pela ONG paulista ORPAS – Obras Recreativas, Profissionais, Artísticas e Sociais.
SERVIÇO:
O QUE: IVª Marcha do Empoderamento Crespo Salvador;
QUANDO: 09/12/2018, às 13h
ONDE: Concentração na Praça do Campo Grande;

#PretasHackers – Fuxicos Futuros encerra 2018 com debate sobre a Cultura Hacker no Goethe!


pretas_hackers
Helen Nzinga

O projeto Fuxicos Futuros tem sua oitava e última edição de 2018 no dia 11 de dezembro (terça-feira), no Pátio do Goethe-Institut Salvador-Bahia e, desta vez, as Pretas Hackers Hellen Nzinga e Mari Queiroz apresentam seus processos criativos em “Tecnologias São Muitas! A Cultura Hacker Como Agente de Transformação Social”. Elas também terão como convidada a premiada diretora de cinema queniana Ng’endo Mukii, residente do Programa de Residência Artística Vila Sul do Goethe-Institut. A entrada é gratuita e a classificação é livre.

“Ser hacker é conhecer bem um sistema por experimentação. É extrapolar a norma pela excelência, saber pela prática e ressignificar pela engenhosidade, criatividade e questionamento”, explicam as Pretas Hackers. “A partir dessa definição, podemos dizer que, sendo a vida um sistema, somos hackers ao aplicarmos a ela esses conceitos. Nos tornamos hackers ao reinventarmos a vida”, concluem.

 

Com compartilhamento de conteúdos e realização de dinâmicas para estimular um debate horizontal, as Pretas Hackers propõem então apresentar pessoas e processos, e pensar como as variadas tecnologias possíveis, incluindo tecnologias digitais, podem ser ferramentas para potencializar iniciativas hackers sociais.

pretas_hackers
Mari Queiroz

NG’ENDO MUKII

Além de participar da roda de conversa, a cineasta convidada exibirá dois curtas de animação resultantes de workshops realizados por ela: “Retrato de Marielle Franco”,  produzido em agosto deste ano em Nairóbi, capital do Quênia, junto a jovens artistas que homenagearam a socióloga, ativista e vereadora brasileira, assassinada em março passado; e “Retrato de Wangarĩ Maathai”, que reverencia a queniana ativista de direitos humanos, ambientalista e feminista, ganhadora do Prêmio Nobel da Paz em 2004, resultante de oficina em Salvador, como uma demonstração de solidariedade em resposta ao primeiro filme.

FUXICOS FUTUROS

Tecnologias São Muitas! A Cultura Hacker Como Agente de Transformação Social”.

Pretas Hackers Hellen Nzinga e Mari Queiroz convidam Ng’endo Mukii

Quando: 11 de dezembro (terça-feira), 19h

Onde: Pátio do Goethe-Institut Salvador-Bahia (Av. Sete de Setembro, 1809, Corredor da Vitória)

Quanto: Gratuito

Classificação indicativa: Livre

Editora N-1 lança, em Salvador, livro escrito por Marielle Franco!


marielle_franco

Neste sábado (8), a Casa Preta (Rua Areal de Cima, 40, Dois de Julho), receberá o lançamento do livro  “UPP – Redução da favela a três letras: uma análise da política de segurança pública do estado do Rio de Janeiro. A edição retoma – integralmente – com pequenas adaptações, a dissertação de mestrado de Marielle Franco, defendida na Universidade Federal Fluminense. Com lançamento nacional previsto para 19 cidades, o lucro obtido com as vendas deste livro será inteiramente revertido para a família de Marielle.

O evento tem entrada franca e o público poderá conferir extensa programação cultural:

Ybitu-Emi – Aldria Coletivo Cênico

Um show cênico musical que mistura ritmos e histórias a fim de louvar e saudar todos aqueles que vieram antes de nós. O show recebeu três indicações ao prêmio Caymmi de música 2a edição.

Denise Carrascosa
Ativista do Movimento de Mulheres Negras. Professora da UFBA. Integrante do Coletivo Corpos Indóceis e Mentes Livres, que constrói oficinas de criação literária com mulheres encarceradas.

Isadora Salomão

Feminista negra, Arquiteta e Urbanista, Mestra em Desenvolvimento e Gestão Social pela UFBA, Coordenação da Frente Povo Sem Medo Bahia e ex-candidata a Dep. Estadual pelo PSOL-BA.

Tânia Palma

Assistente Social, Ativista  do movimento de mulheres Negras, dos direitos humanos  e especialista em gênero e raça. Liderança do nordeste de Amaralina, trabalha com mulheres no Centro de Referência de Atenção à Mulher Loreta Valadares.

Mario Soares Neto

Advogado, Militante Político e Pesquisador da Pós-Graduação em Direito da UFBA. Coordenador do Curso de Extensão: Marxismo e Pan-Africanismo.

Silvio Humberto

Doutor em Economia pela UNICAMP, Mestre em Economia pela UFBA. É professor  da Universidade Estadual de Feira de Santana-UEFS. É um dos fundadores e atual Presidente de Honra do Instituto Cultural Steve Biko. Tem experiência nas áreas de Economia, Desenvolvimento Econômico, Políticas Públicas, Ações afirmativas, Relações raciais, Relações Internacionais com foco nas relações Brasil-África.  Vereador da cidade de Salvador,  eleito em 2012 e 2016.

Márcia Limma

A atriz apresentará fragmentos do espetáculo Medeia Negra, um grito épico, lírico e musical. Nesta montagem, o mito grego é revisitado pelo processo de descolonização do pensamento patriarcal e, através dele, questiona o condicionamento social que marginaliza, julga e condena corpos considerados inadequados, estrangeiros, estranhos.

Mariella Santiago

Baiana nascida em Salvador, a cantora e compositora Mariella Santiago tem um estilo próprio. Na sua voz, a musicalidade brasileira encontra o Soul e outras músicas do mundo, de forma original. O álbum foi contemplado com o Prêmio Braskem de Música. Nos anos 90,integrou as bandas de Gilberto Gil, Carlinhos Brown, Luis Galvão (Novos Baianos), Roberto Mendes e Jorge Portugal, como vocalista e cantora convidada.

Coletivo Vira-Lata
O Coletivo Vira-Lata é um coletivo de arte e poesia marginal formado pelas mcs e poetas Victória Campos (DelaRua), Pollyanna Menezes (Suja) e Elana Christini (Laela). Mulheres baianas, artistas, periféricas, poetas, MC’s e grafiteiras que se conheceram vivenciando a cidade de diferentes formas.

Panteras Negras

Uma produção da Estação Zinha que reúne bandas com instrumentistas negras. Com intervenção poética de Dedê Fatuma.

Vj Selene

Cineasta de formação, artista visual e ativista. Desenvolve trabalhos como VJ desde 2007, tendo participado de eventos internacionais como VJ Torna, principal festival mundial de Vj’s, e realizado projeções mapeadas nos mais diversos espaços culturais da cidade de Salvador. Como cineasta, realizou o premiado documentário “Xukuru Ororubá” e agora produz o “Cosmovisões Indígenas”, filme documentário sobre as mulheres indígenas do nordeste.

Clara Domingas

Artista visual atua em contextos de mobilidade e intercâmbio transnacionais, além de investigar o que chama de Artes e Tecnologias do Corpo: processos criativos que articulam diversos saberes (como antropologia, artes e urbanismo), nos quais se insere o projeto Nativa Relativa.

Trilhas do Vilavox

O show celebra os 17 anos do grupo teatral Vilavox, que nasceu como coro performático no espetáculo “Trilhas do Vila” reunindo as composições de Jarbas Bittencourt compostas para as peças do Teatro Vila Velha. Um show multimídia, que mistura “memória, sangue, suor e teimosia”, para rememorar espetáculos como Primeiro de Abril e O segredo da Arca de Trancoso, com direção de Gordo Neto e direção musical de Leonardo Bittencourt.

Sophia Araújo

Mãe, Poeta, MC e Ativista feminista, Sophia Araújo teve seu despertar para poesia ao ver Fabiana Lima NegaFya recitar, durante a ocupação no MINC (Ministério da Cultura) começou a escrever suas primeiras poesias e com a UDP (Universidade Descolonial Periférica) teve o impulso que precisava para mostrar sua arte e pensamento em forma de poesia, ex-integrante do Coletivo Vira-Lata Sophia faz parte da Lápide Rec. hoje com 21 anos de idade Sophia ocupa por direito um espaço conquistado pela luta da mulher dentro do cenário do Hip-Hop e do Rap na Bahia.

A organização do livro é de Lia de Mattos. Os livros estarão à venda no site da N-1 e poderão ser adquiridos também no dia do lançamento.

Serviço:

Lançamento“UPP – Redução da favela a trêsletras”

Data e Local:08 de dezembro, das 17h às 22h, na Casa Preta, Rua Areal de Cima, Dois de Julho – Salvador

ENTRADA FRANCA

Artistas se reúnem na Virada Cultural do Nordeste de Amaralina – 12h de cultura na comunidade!


virada_cultural_nordeste

Um encontro das manifestações artísticas que se fazem presentes nos quatro bairros que formam a comunidade, a Virada Cultural do Nordeste de Amaralina terá uma programação com 12h de cultura, agregando no mesmo espaço shows musicais, economia criativa, batalha de mc´s, apresentação de capoeira, dança afro, desfile de moda, artes visuais e muito mais.

O final de linha do Nordeste, será o espaço ocupado pelo festival, onde vão acontecer shows de estilos musicais como Afro, Rap, Afoxé, Samba, Funk. Além de apresentações de grupos culturais de Dança Afro, Dança de Rua, Capoeira, compondo um ambiente que também vai contar com uma feira empreendedora com negócios da região. Tudo isso gratuito, das 10h às 22h.

O Projeto foi contemplado pelo Edital Arte Todo Dia 2018 da Fundação Gregório de Matos (FGM) vinculada a Prefeitura  Municipal de Salvador, e é uma realização da Ação H2.NA.

“O Foco da Ação H2.NA é e mostrar toda potência que a comunidade do Nordeste de Amaralina possui, saindo desse discurso de carência, revelando o que pode nos fortalecer e trazer possibilidades de crescimento pra nós. A cultura é de extrema importância pra esse reconhecimento”, afirma o rapper e empreendedor social Mr. Armeng, que é idealizador do projeto e se apresenta na virada.

Serviço:

I Virada Cultural do Nordeste de Amaralina
Data:08 de Dezembro de 2018
Hora : Das 10h às  22h
Local: Final de Linha do Nordeste
Gratuito

Espetáculo “Amarelo Ouro Mi Maió” integra programação do FESTAC esta semana!


Amarelo_Ouro_Mi_Maio

A Cia da Mata, grupo de dança do bairro Mata Escura, em Salvador, vai apresentar na 3ª edição do Festival Estudantil de Artes Cênicas (FESTAC) o espetáculo Amarelo Ouro Mi Maio, nos dias 06 de dezembro, às 17h, no Teatro Martim Goncalves; e 07 de dezembro, às 18h, no Centro Cultural de Plataforma. O espetáculo, que tem coreografia de Cleverton Santos, traz a yabá Oxum, deusa negra africana detentora da beleza, fertilidade e feminilidade, para o debate contemporâneo acerca do papel da mulher na sociedade.

A 3ª edição do Festival Estudantil de Artes Cênicas (FESTAC) é uma realização dos Coletivos COATO, COOXIA e a Escola de Teatro da UFBA, e contará com obras do interior e da capital baiana.  O Festival Estudantil de Artes Cênicas é um espaço de encontro entre artistas criadores das artes aplicadas dentro das Escolas Secundaristas e das Escolas de Artes Cênicas do Estado da Bahia.

O FESTAC ocorre de 01 e 09 de dezembro com propostas de trabalho nas áreas de Teatro, Dança, Performance, Circo, ocupando diferentes espaços culturais da cidade do Salvador – Teatro Castro Alves, Teatro Martins Gonçalves, Teatro Gamboa Nova, Teatro Sesc Senac Pelourinho, Casa Evoé (Largo dos Aflitos), Centro Cultural Plataforma e o Laboratório de Experimentação Estética do Museu de Arte da Bahia.

 

Serviço

O quê: Amarelo Ouro Mi Maió – Festac ano 3

Quando e Onde: 06 de dezembro, às 17h, no Teatro Martim Goncalves; e 07 de dezembro, às 18h, no Centro Cultural de Plataforma

Ingresso: R$20 (inteira) e R$10 (meia)

Culinária Musical estreia casa nova com Partido Afro, Carla Gentil e anduzada do Afrochef! 


jorge_washington_culinaria_musical
No próximo sábado (8), o Culinária Musical estará de casa nova – o restaurante Jardim das Delícias, no Pelourinho. Nesta primeira edição no novo espaço terá a música do grupo Partido Afro, participação de Carla Gentil e desfile da grife Nega Negona.
O novo endereço fica localizado na rua João de Deus, nº 12, e o evento acontece das 12h às 17h .A entrada custa R$15 (em espécie) e o prato individual R$30 (em espécie e no débito). Para arrematar o domingo, o afrochef Jorge Whashington irá fazer uma anduzada.
Partido Afro
Idealizado em 2011, o grupo  Partido Afro traz inovação com repertório autoral aliado a releituras de composições dos blocos tradicionais afro, afoxé e de índio do carnaval.
Para completar a roda de samba, o Culinária vai contar com Carla Gentil que é sobrinha do cantor e compositor Ederaldo Gentil. Apesar do DNA musical, a artista começou a carreira por influência de Carlos Batatinha, filho do também sambista Batatinha. No repertório ela traz nomes como Clara Nunes, Edil Pacheco, Batatinha, além das canções que fizeram sucesso com seu tio.
SERVIÇO
O que:  Culinária Musical
Quando:  8 de dezembro de 2018, das 12h às 17h
Onde: Restaurante Jardim das Delícias, rua João de Deus, nº 12, Pelourinho
Quanto: R$15 (entrada em espécie) e prato R$ 30 (em espécie e no cartão de débito)
Atrações: Partido Afro, participação de Carla Gentil e desfile da grife Nega Negona
Cardápio: Anduzada

Expo “Mulheres do Mar” registra trabalho de marisqueiras em Itapuã!


mulheres_do_mar

Exposição Fotográfica “Mulheres do Mar” reuniu registros fotográfico do trabalho de marisqueiras –  muitas mães e chefes de família, durante o ano de 2018. Elas são participantes do Programa Clube de Pescadores da Humana Brasil, que funciona em parceria com a Bahia Pesca e a Secretaria da Agricultura, Pecuária, Irrigação, Pesca e Aquicultura do Estado da Bahia.

O lançamento da exposição será no dia 10 de dezembro durante o sarau mensal do Casa da Música em Itapuã, a partir das 18h e estará aberta para visitação até o dia 7 de janeiro. Os registros das 23 imagens foram feitos através de celulares pelos próprios técnicos e coordenadores do Programa, os idealizadores desta exposição.

Além da exposição fotográfica, as marisqueiras também irão expor seus produtos de artesanatos e culinária, como flores artesanais feitas com conchas e os famosos bolinhos, quibes e hambúrgueres de peixes e mariscos.  

Atualmente são mais de 1.250 famílias participando do Programa Clube de Pescadores, entre pescadores artesanais, marisqueiras e aquicultores familiares, de 9 municípios da Região Metropolitana de Salvador e Recôncavo Baiano, promovendo a inclusão social e produtiva das famílias participantes, melhorando a renda familiar e auxiliando no desenvolvimento sustentável da pesca e aquicultura no Estado.

O quê? Exposição Mulheres do Mar.

Quando? 10 de dezembro (lançamento), às 18h.

Onde? Casa da Música em Itapuã.

Valor? Gratuito

Exposição “Ancestralidade e Novas Narrativas” estará no IFBA!


Ancestralidade e Novas Narrativas

Ainda é possível ver a expo Ancestralidade e Novas Narrativas. Após sua primeira passagem no Centro Cultural Plataforma, as obras que propõem um diálogo entre o grafite e o universo do candomblé estarão expostas ao público no Instituto Federal da Bahia – IFBA, no Barbalho. Estudantes do Instituto e público em geral poderão apreciar as produções nos dias 05 e 06 de dezembro, das 8h às 15h.

As obras são resultado das oficinas de grafite realizadas com jovens negros e negras de vários bairros e regiões periféricas da cidade de Salvador. Além das oficinas, também foram realizadas rodas de diálogos sobre a relação entre as artes contemporâneas e as referências iconográficas das religiões de matriz africana.

“Por onde as obras passam a recepção é intensa e reveladora, inclusive nas redes sociais. Já temos vários convites e pedidos para expor em diversos locais da cidade, o que só demonstra a importância do trabalho que esses e essas jovens produziram”, revelou Leandro Vilas Verde, coordenador do Projeto.

Durante a exposição as pessoas também poderão dialogar com jovens que fazem parte do projeto e que produziram algumas das peças expostas. Após o IFBA, a exposição seguirá para outro território da cidade.

Serviço:

O Quê? Exposição de artes visuais Ancestralidade e Novas Narrativas

Quando? 05 e 06 de dezembro, das 08 as 15 horas

Onde? Instituto Federal da Bahia – IFBA (no Barbalho)

Informações: 9 9275-8751 / [email protected]