“Xirê dos saberes: (Re) Conhecer, Existir” será o tema do 3° Fórum Negro de Arte e Cultura na UFBA!


Afronte
Afronte – Foto Mayara Ferrão

 

Em 2019, o Fórum Negro de Arte e Cultura (FNAC) chega à terceira edição entre 18 a 22 de março em vários pontos da UFBA. O tema?  Xirê dos saberes: (Re) Conhecer, Existir, uma relação à festa pública do Candomblé, onde os Orixás são homenageados ao mesmo tempo.

Deflagrado em 2017, pela Escola de Teatro, emerge de uma insatisfação coletiva – dos estudantes da graduação, estudantes da pós-graduação e alguns professores engajados – referente ao recalcamento dos conhecimentos afro-referenciados na Universidade Federal da Bahia e práticas de um racismo institucional em suas instâncias.

Travessias
Travessias – Foto – Victor Hugo Sá

 

Nesta terceira edição, o Fórum contará com várias ações durante os cinco dias de evento, como oficinas, conferências, ciclos de leituras dramáticas, Feira Afro, exposição de trabalhos acadêmicos, mesas de discussão, painéis de artes, cinema negro e lançamentos de livros.

A homenagem desta edição é os 75 Anos do Teatro Experimental do Negro, de Abdias Nascimento, que ocorrerá no dia 22 de março, com o performer Milsoul Santos do Instituto de Pesquisas e Estudos Afro Brasileiros (IPEAFRO), do Rio de Janeiro.

As inscrições para participar destas ações ocorrerão pelo site. Já o credenciamento presencial para o FNAC ocorrerá no dia 18 de março, das 8h às 16h, no Foyer do Teatro Martim Gonçalves, mediante a doação de 1kg de alimento.

Ziriguidum
Ziriguidum – Divulgação

QUEM VAI…

Aqueles que queiram participar das Rodas de Pesquisadores devem submeter seus trabalhos para uma comissão. As pesquisas devem ser enviadas para o e-mail [email protected]. Dentre os nomes que estarão no FNAC e podemos destacar é Emanuel Aráujo, artista plástico baiano e diretor do Museu AfroBrasil (SP), que participará da Conferência de Abertura do fórum no dia 18 de março, ao lado da antropóloga Ana Lúcia Lopes e do psicólogo Márcio Farias.

Um outro convidado é o filósofo carioca Renato Noguera – professor da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ) – que discutirá no dia 19 de março, a partir das 10h, a respeito de uma tendência na filosofia brasileira chamada Afroperspectividade, que busca formular conceitos recorrendo às tradições africana e afro-brasileira. Esse conceito norteará as discussões do FNAC.

Pele Negra, Máscaras Brancas – espetáculo dirigido por Onisajé (Fernanda Júlia) estreia em março!

PROGRAMAÇÃO…

Referências baianas em discussões sobre negritude também fazem parte da programação, entre eles, Antônio Olavo, Jaime Sodré, Lindinalva Barbosa (CEAO, Pós-Afro), Iraildes Nascimento (dir. Escola Ilê Axé Opo Afonja) e artísticas como Gabi Guedes e Nara Couto.

Alguns espetáculos fazem parte da programação: Pele Negra, Máscaras Brancas, montagem da Cia de Teatro da UFBA, que faz a abertura artística do FNAC, no dia 18 de março, às 19h, no Teatro Martim Gonçalves; Ziriguidum, da Cia de Dança da UFBA, no dia 19 de março, às 19h, no TMG; tem ainda nos dias 22 e 23 de março a montagem Afronte | Akulobee, espetáculo de formatura em direção teatral de Thiago Romero (Teatro da Queda), na Casa Rosada.

O experimento cênico TRAVESSIAS … ciclos transatlânticos é a quarta montagem que faz parte da programação do evento com apresentação marcada para o dia 21 de março, às 19h, no Teatro Martim Gonçalves. A encenação e direção é de Tássio Ferreira (Grupo de Pesquisa e Extensão AFRO(en)CENA, da Universidade Federal do Sul da Bahia – UFSB).

 

Quer saber mais?

Visita o site do FNAC!

#PréBiko – Aula Inaugural com Edson Cardoso será aberta ao público!


Instituto Steve Biko
Divulgação

“Ações afirmativas sob ataque: os desafios para a democratização do ensino superior na atual conjuntura política brasileira” . Esse será o tema da Aula Inaugural do Pré-Vestibular do Instituto Steve Biko, Turma 2019, que acontece nesta quarta-feira, dia 13 de março, às 18h30, no IFBA (Barbalho).

Aberta ao público, a aula será ministrada pelo patrono da Turma, o militante e Dr. em Educação (USP), Edson Lopes Cardoso. 

Este ano, o processo seletivo reuniu mais de 150 candidatos, dos quais 75 formarão a turma. Conforme edital, após prazo de matrícula (11 de março), havendo vagas remanescentes, serão feitas: Segunda chamada: 14/03; Terceira chamada: 02/04; Quarta Chamada: 02/05.

As aulas do Pré Vestibular acontecem na sede da Biko (Largo do Carmo – Pelourinho) de segunda a sexta-feira, das 18h30 às 21h45, aos sábados das 13h30 às 17h e domingos e feriados – em horários e locais a serem informados pela coordenação do Curso. O Pré Vestibular tem aulas até o mês de novembro de 2019.

Sobre o Patrono Edson Lopes Cardoso

Edson Lopes Cardoso nasceu em Salvador em 1949. Militante dos Movimento Negro desde os anos 70, é Mestre em Comunicação pela UnB e Doutor em Educação (USP). Sua atuação e reconhecida militância contra o Racismo, a favor da Educação, da Comunicação, dos Direitos Humanos e Cidadania, da Política e da Literatura. Foi editor de algumas importantes publicações como Raça & Classe, da Comissão do Negro do PT-DF(1987), o Jornal do MNU (1989-1994), e o Jornal Ìrohìn, que editou entre 1996 e 2010. Também é autor de livros de Poesia e Prosa, escritos entre 1977 e 1999, dentre diversos artigos sobre a condição dos afrodescendentes no Brasil.

Espetáculo AFRONTE | AKULOBEE em cartaz dias 21 e 22 de março na Casa Rosada!


Afronte - Diney Araujo (
Afronte – Foto Diney Araujo

 

Sucesso em sua primeira temporada no mês de fevereiro, o espetáculo Afronte – Akulobee volta a cartaz nos dias 21 e 22 de março pela programação do 3° Fórum Negro de Arte e Cultura, realizado pela Escola de Teatro e Pró-Reitoria de Extensão Universitária da UFBA. A montagem dirigida por Thiago Romero e dramaturgia de Daniel Arcades traz dois espetáculos/percursos em uma única montagem para discutir gênero e raça.

Pele Negra, Máscaras Brancas – espetáculo dirigido por Onisajé estreia em março!

Com estéticas totalmente diferentes, quem optar pelo percurso interno da Casa Rosada encontrará uma dramaturgia mais opinativa e cotidiana, em que traz as “BIXAS PRETAS” contemporâneas. As personagens contemporâneas têm um perfil mais para o teatro documental, comédia e humor. Interpretadas pelos atores Anderson Danttas, Diogo Teixeira, Igor Nascimento e Rafael Brito, as personagens moram em uma casa denominada Cuierlombo/Queerlombo. Nesse espaço, contam suas histórias de vida; como se sentem sendo bichas e pretas; provocando debates e questionamentos.

Afronte
Afronte – Diney Araujo

Já o segundo percurso é uma dramaturgia mais lírica, do teatro ritual, poucos diálogos e investimento em poesia. Esta composição cênica que traz os atores Teodoro, Diego Alcântara, Ricardo Andrade e Antônio Marcelo inspira-se nas histórias das Quimbandas, grupos de negros escravizados da região do Congo e Angola, que foram trazidos e existem registros deles entre os séculos XVI e XIX. Com duas trajetórias, o público terá que escolher qual o percurso do espetáculo assistirá, sendo que, o limite por espaço é restrito, 25 pessoas por cada espaço.

Serviço

O quê? Afronte – com direção de Thiago Romero e dramaturgia de Daniel Arcades

Quando: 21 e 22 de março, às 19h

Onde: Casa Rosada – Travessa dos Barris, n° 30, em frente a Biblioteca dos Barris

Ingressos: $30/15

Projeto Ocupa Lages inscreve para oficinas gratuitas de fotografia!


fotógrafa negra

Para pessoas acima de 15 anos, o projeto Ocupa Lajes está com as inscrições abertas para oficinas gratuitas de “Fotolivros com arquivos” e “Olhar digital: fotografando com o celular”. As atividades vão acontecer nos dias 13, 14, 15, 20 e 21 de março, das 14h às 18h, na Casa da Música (Alto do Abaeté, s/n, Itapuã).

COMO SERÃO…

A oficina “Fotolivros com arquivos” será ministrada pela fotografa, editora e artista visual Lara Perl, e consiste em um exercício coletivo de edição de fotolivros a partir de arquivos, textos e imagens trazidos pelos participantes. A ideia é que cada um construa a sua própria narrativa, em uma imersão que vai trabalhar a relação com a memória, o tempo e o espaço onde estão inseridos.

A oficina “Olhar digital: fotografando com o celular” será ministrada pela fotógrafa Isabel Gouvêa e propõe a descoberta e aprofundamento das possibilidades da linguagem fotográfica através do celular. Serão desenvolvidas noções de edição e tratamento das imagens produzidas, além da finalização das imagens em uma exposição fotográfica a ser apresentada um uma laje de Itapuã, transformada em Galeria de Arte Comunitária

Ocupa Lajes – É um projeto de formação, democratização e circulação das artes visuais em Salvador que está na segunda edição. A iniciativa é do Acervo da Laje, espaço de memória artística, cultural e de pesquisa sobre o Subúrbio Ferroviário de Salvador.  Sua galeria é composta por biblioteca, coleção de discos, fotografias, manuscritos, tijolos, azulejos e porcelanas antigas, artefatos históricos, quadros e esculturas, entre outras peças.

Serviço

O que: Oficinas de “Fotolivros com arquivos” e “Olhar digital: fotografando com o celular”

Quando: 13, 14, 15, 20 e 21 de março, das 14h às 18h

Onde: Casa da Música (Alto do Abaeté, s/n, Itapuã)

Quanto: Gratuito

Inscrições: Formulário online – https://goo.gl/forms/yOMYSelDUQG6ZUnx2  ou presencialmente na Casa da Música

MUSSAMBÊ: Filmes brasileiros são exibidos em Mostra de Cinema na Colômbia!


Filme Café com Canela

O mês de março será o grande momento para o público colombiano conhecer a produção de cinema afrobrasileiro dos últimos anos. Entre os dias 1 e 15, cinco sessões irão apresentar  filmes na sala de cinema da Câmara de Comercio em Medellin.

Trata-se da Mussambê Mostra de Cinema Afrobrasileiro (Mussambê Muestra de Cine Afrobrasileño), uma parceria entre o coletivo Flor de Milho Quilombo de Artes (Brasil) e o Festival Internacional de Cine Comunitario Afro «Kunta Kinte» (Colômbia), com o objetivo de expandir as fronteiras territoriais do cinema negro produzido no Brasil, trazer ao público colombiano um outro olhar sobre a identidade brasileira, difundir o cinema negras (os) nacional.

Serão exibidos 15 obras de longa, curta, média metragem entre documentários e ficções, produzidos em todas as regiões do País. Dentre os quais, os premiados Café com Canela (BA) de Glenda Nicácio e Ari Rosa, e Filhas do Vento (SP), de Joelzito Araújo. Dentre os curtas escolhidos, Motriz (BA), de Thaís Amordivino, Rainha (RJ) de Sabrina Fidalgo e Monga – retrato do café (SE), de Everlane Moraes.

Além da temática racial, a mostra buscou evidenciar a produção de mulheres, neste caso, mulheres negras, um segmento marginalizado durante muitos anos na produção cinematográfica. O filme Café com Canela, por exemplo, retrata com beleza e suavidade a história de superação do luto de Margarida, uma mulher que perdeu o filho e foi abandonada pelo marido, e encontra em uma ex-aluna (Violeta), uma luz possível para o escuro túnel da solidão.

A Mostra Mussambê contou com a curadoria de Inajara Diz. Licenciada em Ciências Sociais pela Universidade Federal da Bahia e mestranda em Comunicação e Cultura Contemporânea, Inajara é pesquisadora do Laboratório de Análise Fílmica – Nanook, onde investiga performance, autorrepresentação, cinema negro e subalternidades no documentário.

SERVIÇO

O QUE? Mussambê Mostra de Cinema Afrobrasileiro

QUANDO? De 1 a 15 de março, às quartas e sextas, ás 18:30

ONDE? Câmara de Comércio Medellín para Antioquia

QUEM? Flor de Milho Quilombo de Artes (Brasil) e FICCA Kunta Kinte (Colômbia)

Escola de Dança da Funceb abre vagas para mais de 40 Cursos de Dança a partir de março!


escola_de_dança
Fto Ravena Maia

 

A Escola de Dança da Fundação Cultural do Estado da Bahia (Funceb/Secult) abrirá vagas para 44 modalidades dos Cursos Livres 2019. As aulas começam dia 11 de março e são direcionadas a todos os públicos, com ou sem experiência na dança.  As inscrições vão de 11 a 15 de março, a partir das 13h, e as aulas começam neste mesmo dia.

Os encontros acontecem uma vez na semana, de segunda a sábado, nas salas da Escola de Dança (Rua da Oração, nº 1, Pelourinho). Os interessados devem se inscrever presencialmente na Escola e a mensalidade custa até R$ 70.

Os alunos devem ser maiores de 18 anos e apresentar, na inscrição, documento de identidade (RG). 

Nos dias 14 e 15 de março serão disponibilizadas 150 bolsas integrais na sede da Escola de Dança – saiba mais aqui.

Cursos Livres – Os Cursos Livres da Escola de Dança da Funceb são um espaço aberto para quem busca uma oportunidade para o desenvolvimento de técnicas em modalidades diversas.  Há quase 15 anos os Cursos Livres vêm ampliando a sua programação com cursos diversos, entre eles: dança afro-brasileira, dança popular, percussão, dança moderna, ballet clássico, street jazz, dança do ventre, dança de salão, pilates, dança contemporânea, entre outros, oferecendo à comunidade uma iniciação em dança, e qualificação para artistas com formação técnica e/ou acadêmica.

CURSO PROFESSOR DIA SALA HORÁRIO VALOR (R$)
1 AFRO CONTEMPORÂNEO – AVANÇADO AMILTON LINO SEGUNDA-FEIRA SALA 05 18H30 ÀS 20H30 R$ 70,00
2 AFRO CONTEMPORÂNEO – INICIANTE DUDÉ CONCEIÇÃO QUARTA-FEIRA SALA 01 10H ÀS 12H R$ 70,00
4 BALLET CLÁSSICO – BÁSICO EBERTH VINÍCIUS SEGUNDA-FEIRA SALA CÉU 18H30 ÀS 20H30 R$ 70,00
5 BALLET CLÁSSICO – INICIANTE EBERTH VINÍCIUS SÁBADO SALA 02 10H ÀS 12H R$ 70,00
6 CANTO E DANÇA DOS ORIXÁS EM YORUBÁ DENILSON OLUWAFEMI TERÇA-FEIRA SALA CÉU 18H30 ÀS 20H30 R$ 70,00
7 DANÇA AÉREA EM TECIDO DOUGLAS RODRIGUES SÁBADO SALA CÉU 10H ÀS 12H R$ 70,00
9 DANÇA AFRO BRASILEIRA – INICIANTE TATIANA CAMPÊLO QUARTA-FEIRA SALA 01 18H30 ÀS 20H30 R$ 70,00
10 DANÇA AFRO BRASILEIRA – INTERMEDIÁRIO TATIANA CAMPÊLO QUINTA-FEIRA SALA 04 18H30 ÀS 20H30 R$ 70,00
11 DANÇA CIRCULAR SAGRADA JASIMMAY DANDARA SEGUNDA-FEIRA SALA DO CFA 18H30 ÀS 20H30 R$ 70,00
12 DANÇA CONTEMPORÂNEA ERON PIMENTA QUARTA-FEIRA SALA 03 18H30 ÀS 20H30 R$ 70,00
14 DANÇA DE SALÃO INICIANTE JOCÉLIA FREIRE TERÇA-FEIRA SALA DO CFA 18H30 ÀS 20H30 R$ 70,00
15 DANÇA DE SALÃO INTERMEDIÁRIO JOCÉLIA FREIRE QUINTA-FEIRA SALA CFA 18H30 ÀS 20H30 R$ 70,00
16 DANÇA DO VENTRE RITA CARNEIRO SEGUNDA-FEIRA SALA 03 18H30 ÀS 20H30 R$ 70,00
17 DANÇA FLAMENCA – INICIANTE EMANUELA TOSTA SEXTA-FEIRA SALA 03 18H30 ÀS 20H30 R$ 70,00
18 DANÇA MODERNA SIVALDO TAVARES QUINTA-FEIRA SALA 05 18H30 ÀS 20H30 R$ 70,00
20 DANÇA MODERNA HÍBRIDA PACO GOMES QUARTA-FEIRA MULTIUSO 18H30 ÀS 20H30 R$ 70,00
21 DANÇA REIS E RAINHAS DOS BLOCOS AFRO GISELE SOARES SÁBADO SALA 04 10H ÀS 12H R$ 70,00
22 DANÇAS AFRICANAS PAULO CÔRTES SEGUNDA-FEIRA SALA 04 18H30 ÀS 20H30 R$ 70,00
23 DANÇAS BRASILEIRAS ISIS CARLA SEXTA-FEIRA SALA 04 18H30 ÀS 20H30 R$ 70,00
24 DANÇAS POPULARES THIAGO FERRAZ QUINTA-FEIRA MULTIUSO 18H30 ÀS 20H30 R$ 70,00
25 HIP HOP DAVE BARROS SEXTA-FEIRA SALA 02 18H30 ÀS 20H30 R$ 70,00
26 JAZZ DANCE LUCIENE MUNEKATA SEGUNDA-FEIRA SALA 02 18H30 ÀS 20H30 R$ 70,00
27 JAZZ DANCE – INICIANTE RAFAEL ALEXANDRE QUARTA-FEIRA SALA 05 18H30 ÀS 20H30 R$ 70,00
29 PERCUSSÃO FÁBIO ALEXANDRE TERÇA-FEIRA SALA DO CFA 18H30 ÀS 20H30 R$ 70,00
31 PILATES SOLO – INTEREMEDIÁRIO IRACEMA ALMEIDA QUINTA-FEIRA SALA DO CFA 18H30 ÀS 20H30 R$ 70,00
32 POLE DANCE CIRCUS ODRE CONSIGLIO SEXTA-FEIRA SALA CÉU 18H30 ÀS 20H30 R$ 70,00
33 POWER HEAT – CONDICIONAMETO FÍSICO ÁGATHA SIMAS E LUANA FRANÇA SEGUNDA-FEIRA MULTIUSO 18H30 ÀS 20H30 R$ 70,00
35 SAPATEADO ROBERTO GOMES SEXTA-FEIRA MULTIUSO 18H30 ÀS 20H30 R$ 70,00
36 STILETTO DEKO ALVES QUINTA-FEIRA SALA 03 18H30 ÀS 20H30 R$ 70,00
37 STILETTO DANCE ANA TALITA TERÇA-FEIRA SALA 04 18H30 ÀS 20H30 R$ 70,00
38 STREET JAZZ – INICIANTE HÉLIO OLIVEIRA TERÇA-FEIRA SALA 02 18H30 ÀS 20H30 R$ 70,00
39 STREET JAZZ – INTERMEDIÁRIO HÉLIO OLIVEIRA QUINTA-FEIRA SALA 02 18H30 ÀS 20H30 R$ 70,00
40 SWING BAIANO E SUAS CONEXÕES DANILO DOS SANTOS SEXTA-FEIRA SALA 01 18H30 ÀS 20H30 R$ 70,00
41 TÉCNICA EM DANÇA AFRO BRASILEIRA DENILSON OLUWAFEMI QUINTA-FEIRA SALA CÉU 18H30 ÀS 20H30 R$ 70,00
42 TÉCNICA SILVESTRE DEKO ALVES QUARTA-FEIRA SALA 04 18H30 ÀS 20H30 R$ 70,00
43 TRIBAL FUSION CAÍQUE MELO SEXTA-FEIRA SALA 05 18H30 ÀS 20H30 R$ 70,00
44 TWERK PRISCILA ZANONI TERÇA-FEIRA MULTIUSO 18H30 ÀS 20H30 R$ 70,00

 

Serviço:

Inscrições para 44 modalidades Cursos Livres 2019
Quando: De11 a 15 de março, 13h
Onde: Escola de Dança ( Rua da Oração, nº 1, Pelourinho)

Carnaval – Projeto “Black Folia” leva show de Daúde, Dja Luz e Okwei Odili ao Largo do Pelourinho!


Daúde
Daúde

 

Neste domingo (3), será a vez do Black Folia levar para o Carnaval do Pelô 2019 a World Black Music nas vozes de Daúde, Dja Luz e Okwei Odili.

A cantora Daúde, que desde os anos 80 mantém um destaque importante na cena da música nacional, traz a sua experiência com música negra brasileira para construir um repertório cheio de nuances de samba e MPB, com influências do Jazz e soul.

Dja Luz
Dja Luz

 

O cantor Dja Luz, de família musical, possui grande experiência por ter iniciado a carreira ainda adolescente e ter formado uma banda junto aos seus irmãos, ganhando destaque com shows e músicas na playlist das mais populares rádios da Bahia, e, posteriormente, tendo feito parte de bandas importantes e de destaque ainda maior, como a Filhos de Jorge. A sua contribuição engloba desde a MPB até o reggae.

A cantora nigeriana Okwei Odili, traz o olhar experiente internacional, com a proposta de levar o público para viajar em músicas com influência do Jazz, Soul, Funk e Afrobeat.

Okwei Odili
Okwei Odili – Matias Traut

 

O repertório do show BlackFolia foi montado pensando em agregar todos esses estilos e, ainda,  fazer releituras dessas músicas criteriosamente selecionadas há três mãos e rearranjadas para a ocasião do Carnaval. Hits como Pata Pata, La Vida és um Carnaval, One Love, Toda Menina Baiana, Get Luck, Mas que Nada e Alegria da Cidade, são apenas alguns dos exemplos de canções que comporão o repertório.

Serviço

O que: Show Black Folia com Daúde, Dja Luz e Okwei Odili

Onde: Largo do Pelourinho

Quando: 3 de março (domingo de carnaval) às 23h

 

Carnaval – Grupo Opanijé faz show em homenagem a Moa do Katendê no Pelô!


Com repertório autoral, o grupo de rap baiano Opanijé subirá no palco do Largo Tereza Batista, Pelourinho, nesta terça de Carnaval (05). Durante o show o grupo fará homenagem ao Mestre Moa do Katendê, cantando “Moço Lindo do Badauê”, além de apresentar o projeto Coletivo Obi’Ebó” com músicas que fazem referência aos orixás Exú e Ogum.

O maestro Mestre Mario Pam do Ilê Aiyê irá comandar a percussão durante o show, que terá as participações dos rappers Vagabundo Prodígio, Fernandez, Aspri (RBF), Xarope Mc e Wall.

Formado por Lázaro Erê, Rone DumDum e Dj Chiba, o Opanijé inova ao unir o que existe de mais tradicional na cultura afrobaiana, como o uso de instrumentos percussivos, berimbaus e cânticos de candomblé. A galera une aos samples, efeitos e batidas eletrônicas, traçando uma encruzilhada entre as experiências musicais da diáspora, utilizando o rap como base.

 

SE LIGA!
O que:
 Show do OPANIJÉ com Mestre Mario Pam e participações de Vagabundo Prodígio, Fernandez, Aspri, Xarope Mc e Wall.

Onde: Largo Tereza Batista, Pelourinho

Quando: Dia 5 de março (terça-feira), 15h

Aberto ao público

Sábado de Carnaval é dia de Negrada: vai ter Ilê Aiyê, Bankoma, Muzenza e Malê na Avenida!


Deusa do Ébano 2019 – Fto André Frutuoso
O Circuito do Campo Grande hoje é da negrada! No sábado de Carnaval já é esperada a beleza negra com a passagem dos mais tradicionais Blocos Afros da folia em Salvador. O mais esperado, com certeza é o Ilê Aiyê, que tem sua consagrada saída lá da ladeira do Curuzu.
O tradicional cortejo acontece às 21h, com concentração a partir das 20h, em meio a uma cerimônia religiosa presidida pela mãe de santo Hildelice Benta, ialorixá do Terreiro Ilê Axé Jitolu. Logo após a chegada no Plano Inclinado, o bloco segue para o Corredor da Vitória, onde inicia o seu primeiro desfile no circuito Osmar (Campo Grande), às 2h da madrugada do domingo (3/3), em direção a Praça da Piedade. Neste ano, o Ilê será conduzido por sua majestade, a Deusa do Ébano, Daniele Nobre.
ileayie_frutuoso
Ilê Aiyê – Foto André Frtuoso
Comemorar os 45 anos do bloco na avenida é também celebrar a história do primeiro bloco afro do Brasil e todas as conquistas alcançadas desde o seu primeiro desfile em 1974. Não à toa o tema do Carnaval 2019 da entidade é “Que Bloco é Esse?”, numa referência à canção de Paulinho Camafeu que embalou sua primeira aparição.
Pra mim é muito gratificante colocar o bloco na rua mais um ano. Somos o primeiro bloco afro e há 45 anos ininterruptos estamos desfilando no Carnaval mesmo com toda dificuldade que a gente enfrenta, então é hora de celebrar as conquistas que acompanham o surgimento do Ilê Aiyê, essa transformação que a cidade sofreu na musicalidade, na estética, no resgate da autoestima do povo negro e, sobretudo, no despertar desse sentimento de negritude, que fez com vários outros blocos afro surgissem na Bahia, no Brasil e até no mundo”, realça Antônio Carlos Vovô, fundador e presidente da entidade.
Muzenza
Muzenza Foto Alfredo Filho_Secom
A noite deste sábado (02) também terá desfiles do Bankoma, Muzenza, Malê Debalê e Ilê Aiyê, que vão enegrecer a passarela Nelson Maleiro. Com uma rainha mais do que especial desfilando em 2019, o bloco afro Muzenza, que comemora 38 anos, desfila com o tema “Afrofuturismo” – acompanhado da rainha Josy Brasil, de 33 anos. A jovem é cadeirante e foi surpreendida durante o ensaio do bloco com o título, dividido com o rei, Siry Brasil, que há 14 anos está no posto.
“Debalê: Uma nação africana chamada Malê” será o o tema do Bloco Malê Debalê, que chegará diretamente do Abaeté, comemorando 40 anos de história. Terá seu desfile conduzido pela rainha Quênia Santos e pelo rei Tony Ferreira.
Male debale_
Foto Afredo Filho_Secom04

Com o tema “Uma nação africana chamada Bahia, onde se pratica reggae, futebol e paz”, o Muzenza levará por dois dias para a Avenida: percussionistas, alas de dançarinos, capoeiristas, baianas, além dos  rastafaris, em uma ala que homenageia o artista jamaicano, Bob Marley, divulgador da cultura rastafári pelo mundo.

O Bloco Bankoma traz, em 2019, o tema “Katendê Mukua-Xi Nsaba” – Katendê – O habitante das folhas, e desfila  sábado no Campo Grande, segunda e quarta em Lauro de Freitas, de onde se origina. Durante a transmissão de seu desfile pelas redes sociais o bloco sofreu uma série de ataques racistas e de ódio religioso, reforçando a importância e a necessidade de se fortalecer estas agremiações durante o Carnaval.

bankoma
Bankoma – Foto André Frutuoso

SERVIÇO ILÊ:

1º Dia – 2/03/19 (Sábado) | Circuito Mãe Hilda.

Concentração no Curuzu (20h às 21h), seguindo até Plano Inclinado da Liberdade.

A partir de 2h da madrugada de domingo (3/03), saindo da Vitória  em direção a Piedade.

2º Dia – 4/03/19 (Segunda) | Circuito  Campo Grande

Concentração às 18h na Araújo Pinho (Canela) | Saída prevista: 19h

3º Dia – 5/03/19 (Terça-feira) | Circuito Campo Grande

Concentração às 18h na Araújo Pinho (Canela) | Saída prevista: 19h

 

SERVIÇO BANKOMA:

2º Dia – 2/03/19 (Sábado) | Circuito Campo Grande

3º Dia – 4/03/19 (Segunda) | Lauro de Freitas 

4º Dia – 6/03/19 (Quarta) | Portão/Lauro de Freitas

SERVIÇO MUZENZA:

1º Dia – 2/03/19 (Sábado) | 20h | Circuito Campo Grande

2º Dia – 4/03/19 (Terça) | 15h45 | Circuito Campo Grande

Foto destaque: Fafá Araújo

#OuroNegro – Samba, Afoxé e 40 anos do Olodum resumiram os dois primeiros dias de folia!


amor_e_paixao
Fotos Fafá Araújo Divulgação SecultBA

 

O samba tomou conta dos dois primeiros dias no circuito tradicional – Campo Grande!

E foi assim na quinta…

Com apoio do Governo do Estado por meio do Programa Ouro Negro, chapéu panamá na cabeça e alegria da velha e da jovem gurda, os Blocos de Samba deram o tom na Avenida. Em sua maioria frequentado por negros e negras oriundos de diversas comunidades de Salvador, blocos como o Alerta Geral, Pagode Total, Amor e Paixão e Samba e Folia foram alguns dos que abriram os desfiles na quinta, quando tudo começou.

No mesmo caminho de fortalecer o samba, também desfilou o bloco Amor e Paixão, com o sambista Nelson Rufino, o grupo Fora da Mídia e o Batifun. “Viemos fortalecer esse ritmo tão importante para a nossa cultura. O samba é a prata da casa”, acredita Fernando Rufino, presidente do bloco.

bloco_na_moral
Foto Lucas Rosários/ Divulgação SecultBa

Teve ainda desfile do Bloco Na Moral, fundado em 2009, na Liberdade, reunindo moradores de bairros vizinhos como Caixa D água e Fazenda Grande do Retiro. A maioria deles atendidos pelos projetos sociais do Instituto Vivanamoral , que oferece à comunidade aulas de teatro, esportes radicais como skate e também trabalha a consciência ecológica, promovendo a limpeza do lugar.

Ao misturar a contemporaneidade da DJ gaúcha, radicada no Rio, Bieta e o samba de roda do Balaio de Gato e do Gera Samba, o Namoral transformou a Praça Castro Alves em um grande quintal da Tia Ciata. Em seguida, o Bloco Cultural encheu o contra fluxo de beleza, misturando Samba de Roda e Afoxé. A entidade, que completa. Para sair no Bloco Cultural, o folião necessitava trocar um quilo de alimento não perecível pela fantasia. Os donativos arrecadados serão doados ao Hospital Martagão Gesteira e outras entidades beneficentes.

A festa continuou no Contrafluxo do Circuito Osmar com a apresentação dos Blocos Corrente do Samba, formado por moradores do Engenho Velho de Brotas e da Avenida Vasco da Gama, e Fogueirão, que reúne moradores da Rua 11 de agosto, na Federação.  Ambas agremiações prestam serviços de assistência social em suas comunidades  e estão vinculadas a associações de moradores.

Afoxe_Laroye_Arriba
Fotos: Lucas Rosário / Divulgação SeculBA

Teve ancestralidade com o Afoxé Laroyê Arriba…

Com o tema Rei Oni guardião do povo iorubá,  o bloco Afoxé Laroyê Arriba saiu pelas ruas do Centro de Salvador, na noite dessa quinta-feira (28). O desfile aconteceu no contra fluxo de Circuito Osmar e encantou os foliões presentes.  O homenageado Oni Ofé nasceu em 1974, na Nigéria, e é considerado o líder espiritual do povo yorubá. Ele tem a responsabilidade de fazer súplicas a Olódùmarè (Deus) e aos Òrìṣà (Orixás) em nome do seu povo e do mundo, durante os festivais sagrados.

O Afoxé Laroyê Arriba nasceu no Centro Histórico de Salvador e desfila desde 2006 e leva para a avenida os valores do Candomblé da nação Ketu. A agremiação oferece aulas de Iorubá, dança afro e percussão, em sua sede no Largo do Pelourinho.

Alvorada
Foto: André Frutuoso/Divulgação SecultBA

E sexta teve mais samba com Alvorada…

Nesta sexta (1º/03), teve ainda mais: os blocos Alerta Folia com Denny Denan, Reduto do Samba com Harmonia do Samba, Filhos de Marujo, Milena. ]

E teve o Bloco Alvorada, celebrando 44 anos e homenageando os 333 anos da Irmandade dos Homens Pretos, com as vozes de Valdélio França, Bira (Negros de Fé), Tiago (Relicário Samba Meu), Marco Poca Olho (Samba Tororó), Arnaldo Rafael (Samba de Cozinha), Romilson (Partido Popular), Roberto Mendes e Aloísio Menezes conduzidos pelo grupo Bambeia. Para embalar os foliões, além da ala de canto, o bloco trouxe como convidados o paulista Marquynhos Sensação e o carioca Beleleu. O Alvorada embalou seus cerca de 2 mil foliões na Avenida, com o seu tradicional “sacode o lencinho”..vermelho este ano, dando destaque na ala das baianas.

olodum
Foto Alexandra Martins/Divulgação SecultBAa

Teve Olodum 40 anos…

Esbanjando o ‘perfume das rosas’, em alusão ao tema ‘As Duas Histórias: O Perfume das Rosas – Olodum 40 Anos’, eleito para celebrar as quatro décadas de existência, o bloco Olodum realizou, nesta sexta-feira (01), a tradicional saída de sua sede no Pelourinho, marcando também o 12º ano consecutivo de participação no Carnaval Ouro Negro. Mais uma vez a força dos tambores atraiu para o Pelô milhares de fãs e diversas autoridades.

Para o presidente da agremiação, João Jorge, o que o Olodum faz neste Carnaval é mandar um recado para a humanidade, que necessita fortalecer a compaixão a humildade e o respeito. “É uma mudança de paradigma, fundamental para nós desde os tempos antigos. Um recado de maturidade para pensarmos nossos reais problemas por meio da cultura. Foi isso que fizemos aqui no Pelourinho, onde nascemos”, declarou. 

olodum
Fotos: Alexandra Martins / Divulgação SecultBA

A magia do Olodum pode ser confirmada pelo engenheiro Ivo Moreira (40), que há 20 anos sai de Fortaleza e vem a Salvador curtir os ensaios de verão feitos pelo grupo e, claro, os desfiles no Carnaval. “É sublime. Sou apaixonado pelo Olodum, pela magia do som, pela batida” disse Moreira entre sorrisos e brilho nos olhos. Ivo aproveitou a tradicional saída do Olodum acompanhado do amigo Lenivaldo (67), que diz ter sido responsável por apresentar o grupo ao engenheiro.

Elegantemente Sofisticado….de branco e vermelho!

A noite foi coroada, ainda, no Campo Grande, pelo Cortejo Afro, criado em 2 de julho de 1998, no bairro de Pirajá. Este ano, o Cortejo traz homenagem a  Oxalá, com o tema “Porque Oxalá usa Ekodidé”, em referência a uma de suas lendas. Ekodidé é uma pena vermelha, único elemento desta cor que o orixá permite em sua vestimenta.

Ouro Negro – Chegando à sua 12ª edição, o Ouro Negro oferece importantes subsídios para o apoio a agremiações de matrizes africanas e tradicionais dentro dos circuitos do Carnaval de Salvador. Desta forma, é promovida a preservação e valorização a presença destes blocos, com o desfile em alas e indumentárias tradicionais, assim como a maior participação da juventude, transmitindo o legado para as novas gerações. Dentro de suas comunidades, estas entidades contribuem para o desenvolvimento social através de projetos que estimulam a construção de uma cultura cidadã.

Com informações da SecultBA