Produtora inscreve mulheres para série sobre vivências de lésbicas e bissexuais


Ufa! Falei!

Dar visibilidade a vivências de mulheres lésbicas e bissexuais de maneira livre e direta. Este é o objetivo da série “Ufa! Falei!”, documentário que está com formação de elenco em aberto, com inscrições até o dia 13 de abril.

Produzida pela Odun Produções, a série é estruturada em sete episódios de 26 minutos cada, a série abordará conflitos no momento de assumir a orientação sexual para a família; de pedir outra mulher em namoro ou casamento; a decisão de contar a um ex-namorado que se apaixonou por uma mulher; e muitos outros conflitos. Serão compartilhadas situações que mesclam questões de saúde pública e afetividade.

Recursos

Em fase de pré-produção, “Ufa!Falei” busca recursos para finalizar seus episódios por meio do financiamento coletivo.

“Essa foi a maneira que encontramos para viabilizar um projeto que dificilmente conseguiria outros tipos de financiamento, mas tem um valor enorme para a comunidade LGBT por promover a visibilidade de vivências lésbicas e bissexuais”, afirma Viviane Ferreira, sócia-fundadora da produtora Odun Produções, que assina o roteiro e direção da série.

Quer participar? Preenche o formulário no link https://goo.gl/hhsU1c.

 

 

Trio MarinGinká une ritmos afro-brasileiros à instrumentação em show


Trio MarinGinka
Trio MarinGinka – (Foto Anderson Petti)

O grupo MarinGinká alia a tradição dos ritmos afro-brasileiros à instrumentação. Surgiu da necessidade dos integrantes de formarem um trabalho próprio que unisse o erudito ao popular, passando pela música afro-brasileira.

Tudo isso poderá ser visto no dia 18 de abril (terça-feira), no ICBA (Corredor da Vitória), gratuitamente. Será uma apresentação para formar novas plateias para a música instrumental baiana, com os três musicistas que formam o MarinGinká: Aquim Sacramento, Nielton Marinho e Lucas de Gal.

Para a noite, eles convidam a participação especial da cantora Rebeca Tárique, de Juraci Tavares, Thiago Mendes, Paula Marinho e o Duo B.A.V.I.

Tudo gratuito, a partir das 20h.

Onde: Teatro do ICBA (Instituto GOETHE)

Quanto: free

 

TV Cultura abre chamada para obras audiovisuais independentes


cinema negro

A TV Cultura abre chamada pública para seleção de projetos de obras audiovisuais independentes. Inscrições abertas até 7 de maio para projetos de ficção, animação ou documentário. Serão selecionadas até 25 obras, que receberão licença para exibição na emissora.

Quem pode

Projetos brasileiros independentes de ficção, documentário ou animação com menos de 13 episódios com 26 minutos de duração cada.

Serão selecionados dois projetos de cada produtora – que deve ser registrada na ANCINE. Os selecionados para pitching serão divulgados no dia 5 de junho e o resultado final será publicado em 21 de julho.

Saiba como:

Chamada Pública BRDE/ FSA-PRODAV-2013

Edital

DOC “Do que aprendi com minhas mais velhas” será exibido na Walter da Silveira


o que aprendi com minhas mais velhas
Makota Valdina

“Eu sempre fui uma criança de ficar vendo, perguntando. Sempre gostei. Acho que era porque eu tinha que ser uma velha assim. As pessoas vêm me perguntar e eu tenho que ter o que responder. Eu sou fruto desses velhos todos que vieram antes de mim”.

A frase acima é de Makota Valdina de Kavungo, do Terreiro Tanuri Junsara (Engenho Velho da Federação), em depoimento ao documentário Do que aprendi com minhas mais velhas, dirigido e produzido por Fernanda Júlia Onisajé e Susan Kalik. O média-metragem será exibido pela primeira vez na Bahia na Mostra Lugar de Mulher é no Cinema, neste sábado (8).

É um doc sobre como a fé no Candomblé é transmitida de geração em geração. Nenguas, Yalorixás e Egbomis contam como aprenderam com seus mais velhos e como ensinam aos seus mais novos.

do que aprendi com minhas mais velhas
Fernanda Júlia e Susan Kalik

“A mais velha foi aquela que percorreu maior parte do caminho. É referência de entendimento e sabedoria. É mediadora entre os mais novos, as divindades e os ensinamentos do processo iniciático. É por meio da experiência dessas Yás que nós mais novos aprendemos”, explica Fernanda Júlia, que dirige seu primeiro documentário e, atualmente, é diretora teatral e dramaturga do Núcleo Afro-Brasileiro de Teatro de Alagoinhas – NATA.

Esta é a primeira exibição do documentário, mas a produção já adianta: em junho terá uma grande festa de lançamento para celebrar esta realização, com debates, encontros e muita troca. No filme, dentre as protagonistas estão referências como Egbomi cici d’oxaguiã, Egbomi Vanda Machado d’oxum, Makota Valdina de Kavungo, Nengua Ilza Mucalê de Matamba, Nengua Kyssasse de Yncossi, Nengua Nancancy de Zumbá, Yalorixá Lourdes D’oyá, Yalorixá Odete d’Oxum e Yalorixá Rosa D’oyá.

do que aprendi com minhas mais velhas

“Tenho observado a força, o amor e a fé desta religião ancestral e de como essas mulheres, as Nenguas, Yalorixás e Egbomis são a base da conservação e da transmissão desses saberes. Nasce assim o desejo de saber como elas aprenderam com suas mais velhas e de como ensinam aos seus mais novos”, conta Susan Kalik,

Além de depoimentos dos mais novos, nas vozes das crianças Cristiano Pinheiro Neves, Dianne Yasmin Silva Santos, Maria Clara dos Santos, Nathaly Gabriele Santos Oliveira, Sophia Paixão Campos da Silva, Tauan Reis Bonfim.

Diretoras

Fernanda Júlia é bacharel em Artes no curso de Direção Teatral da Escola de Teatro da UFBA e acaba de concluir o mestrado pelo Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas (PPGAC/ UFBA). Além de fundadora do NATA, ela desenvolve os trabalhos de dramaturga, educadora e pesquisadora da cultura africana no Brasil. Também é colunista do Portal SoteroPreta.

Susan Kalik é diretora e produtora em Teatro e Audiovisual, graduada em Direção Teatral pela UFBA. Em 2016, dirigiu seu primeiro documentário “Cores e Flores para Tita”, entre outras direções e produções em curtas-metragens e cerca de 20 espetáculos teatrais produzidos.

Chegue lá..

Mostra Lugar de Mulher é no Cinema

Dia 8 de abril (sábado), 20h

Local: Sala Walter Silveira, anexo da Biblioteca dos Barris

FREE

Fotos: Thiago Gomes

Festival Caymmi leva música, oficinas e foodtrucks ao Passeio Público


passeio público festival caymmi

O Passeio Público – no Campo Grande – vai abrigar o primeiro *Festival Caymmi de Música*. Vai ter show, feiras, ocupação, oficinas, coletivos criativos, sustentabilidade e gastronomia, tudo free.

No quesito “show”, terão apresentações dos concorrentes ao Prêmio Caymmi de Música pela categoria ‘SHOW’. E ainda, mostra dos concorrentes nas categorias ‘Videoclipe’. Por exemplo, sábado (8), vai ter Flávia Wenceslau, Irmão Carlos, Junior Maceió e Quabales, com participação Anelis Assumpção.

Já no dia 9 (domingo), vai ter Luedji Luna, Sarau do Poeta, Forró da Gota e Renata Bastos, com participação Curumin.

Tudo free, começando com feiras, foodtrucks, oficinas, piqueniques e mais, a partir das 8h. É só chegar. Se ligue:

irmao-carlos-por-denisse-salazar
Irmão Carlos – Foto Denise Salazar

SÁBADO – 8 de Abril

8h às 9h – Meditação com Brahma Kumaris

9h às 10h30 – Ocupação/bate-papo – Defesas Quilombolas (Associação Que Ladeira É Essa e coletivo Musas)

10h às 18h – Início das Feiras – Mercadilho + Trocadilho

10h30 às 12:30h – Oficina de Livres Expressões (coletivo Musas)

12h às 18h– Gastronomia – Foodtrucks

12h às 16h– Vitrolagem com Tropical Baiana

14h às 15h – Sarau do Gheto (comunidade Solar do Unhão)

16h – Show | Flávia Wenceslau, Irmão Carlos, Junior Maceió e Quabales – Participação Anelis Assumpção

 

DOMINGO – 9 de Abril

 

8h às 9h – Yoga com Carla Dantas

10h às 18h – Início das Feiras – Mercadilho + Trocadilho

10h às 11h – Piquenique Musical com Canela Fina

12h às 18h – Gastronomia – Foodtrucks

12h às 16h – Vitrolagem com Tropical Baiana

13h às 15h – Oficina Ateliê de Ofícios (coletivo Sociedade da Prensa)

13h às 15h – Oficina de Manipulação de Bonecos Gigantes (coletivo Lugar de Gigantes)

15h10 às 15h50min – Mini cortejo de Bonecos Gigantes (coletivos Lugar de Gigantes e Junta Salvador)

16h – Show | Luedji Luna, Sarau do Poeta, Forró da Gota e Renata Bastos – Participação Curumin

Ajeum Sonoro terá Oficina de Gastronomia Afrobaiana com Ana Célia (Zanzibar)


Ajeum sonoro zanzibar

Dia 11, a Casa do Benin promove mais uma Oficina de Gastronomia Afrobaiana – Ana Célia (Zanzibar), das14h às 17h, com inscrição gratuita, na hora e no local – sujeito à lotação da sala.

 

Das 17h às 21h, a Casa promove o Ajeum Sonoro, mostra gastronômica com música, ao som do Coletivo Crokant (DJ Mauro Telefunksoul, DJ Lenadro e DJ Raiz). O evento é gratuito, mas para quem quiser apreciar o saboroso cardápio montado especialmente por Ana Célia, o prato a preços populares custa R$ 20, com direito a entrada, prato principal e sobremesa.

Chegue lá…

 

Ajeum Sonoro

Dia 11/4 (terça-feira)

Das 14hàs 17h – Oficina – FREE

Das 17h às 21h – Coletivo Crokant – FREE

 

Para saborear os pratos: R$20 (entrada + prato principal+ sobremesa)

Fotos: Angelo Pontes

 

Quer saber mais sobre JAZZ? Vá no MAM este sábado (8)!


JAM NO MAM

 

No próximo sábado (8), os músicos da JAM no MAM se reunirão com o público e convidados na área externa do Museu de Arte Moderna da Bahia para um bate-papo sobre “O papel do canto no jazz; direitos e deveres“.

A ideia é discutir a maneira como o canto interage com os temas instrumentais dentro de uma jam session. O encontro, dirigido a todos os interessados em música, será coordenado mais uma vez pelo professor, compositor e musicista Ivan Bastos, e terá início pouco antes do começo da JAM no MAM.

Além dos músicos da banda Geleia Solar, participarão também cantores que frequentam a jam session semanalmente, incluindo suas próprias questões no bate-papo. Estudantes de música terão entrada gratuita até às 17h30, mediante comprovação na bilheteria da JAM no MAM.

E sabe quando vai rolar JAM no MAM?!

Dia 8, 15, 22 e 29/04 – Vai ter JAM!
Dia 06, 13, 20 e 27/05 – Vai ter JAM!

Fotos: Ligia Rizério

“Pitanga”: filme dirigido por Camila Pitanga e Beto Brant estreia em Salvador


filme Pitanga

Dirigido por Beto Brant (‘O invasor’) e Camila Pitanga, o documentário “Pitanga” chega a Salvador nesta quinta-feira – dia 6 de abril. Homenageando o ator Antônio Pitanga, o filme foi eleito pela crítica como melhor filme brasileiro na 40ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo e também ganhador do prêmio do público na Mostra de Cinema de Tiradentes.

“Pitanga” é um registro de encontros de Antônio Pitanga com amigos, familiares, cineastas e músicos.Tem participação de Caetano Veloso, Maria Bethânia, Lázaro Ramos e Rocco Pitanga, filho de Antonio e também ator. 

Ao longo dos mais de 100 minutos, o documentário traz relatos de amigos, familiares, artistas, personagens que fizeram a história do cinema brasileiro. Traz também memórias ainda vivas deste que foi o primeiro protagonista negro nas telonas em todo o mundo. Referência esta trazida em muitos dos relatos.

filme Pitanga
Lázaro Ramos e Antonio Pitanga em trecho do filme. (Foto:Matheus Brant/Divulgação)

“Pitanga” convida o espectador a viajar de volta à Salvador antiga, na trajetória deste baiano que desafiou os limites raciais impostos no Brasil, cruzou as linhas e barreiras desde a década de 50 até os dias de hoje. Retratou, com interpretações marcantes, o potencial negro no Cinema, no Teatro e protagonizou obras que até hoje são referências nestas áreas.

Antonio Pitanga emociona com suas lembranças, faz o espectador rir de suas histórias, consagra-se como um verdadeiro “griot”, como bem o caracteriza Elisa Lucinda em uma das passagens do filme, que teve estreia lotada na noite desta quarta (5), no Cine Glauber Rocha. Este que dirigiu Pitanga em muitos de suas obras, também trazidas ao longo do filme.  

antonio pitanga documentario
O diretor de teatro e dramaturgo Zé Celso Martinez Corrêa (à esquerda) e o ator Antônio Pitanga em cena do documentário ‘Pitanga’ (Foto: Matheus Brant/Divulgação)

Em sua trajetória, Pitanga tem mais de 60 filmes, incluindo “Barravento” (1961), “O pagador de promessas” (1962), “Ganga Zumba, rei dos Palmares” (1965), “A mulher de todos” (1969), “Quando o carnaval chegar” (1972), “Joana Francesa” (1973) e “Quilombo” (1978).

Para quem quer relembrar grandes momentos da história negra baiana e brasileira, como estes trechos se entrelaçaram com os avanços negros no mundo, e como Antonio Pitanga une tudo ao seu redor com sua arte, terá as salas de cinema para conferir!

Em Salvador, no Glauber Rocha (Praça Castro Alves): Sala 4 (145 Lugares), às 16h e às 20h30. 

Sarau Enegrescência convida Lívia Natália este sábado (8)


Lívia Natália

Realizado por jovens há mais de 2 anos, o Sarau Enegrescência convida amantes da Literatura Negra para mais uma edição neste sábado (8), 15h.

Além dos recitais poéticos abertos a quem quiser declamar, o Sarau terá a presença da escritora Lívia Natália, que lançará seu livro “Água Negra e Outras Águas”, publicado pela Editora Caramurê. A entrada é free!

Lívia NatáliaLívia Natália é uma poeta e teórica da literatura, nascida em Salvador, Bahia. Professora da Universidade Federal da Bahia, publicou sua primeira coletânea de poemas, Água negra, em 2011, seguida de Correntezas e outros estudos marinhos (Ed. Ogums Toques, 2015). Em 2016, lançou  segunda edição ampliada de “Água Negra e Outras Águas” (Caramurê Publicações).

“Leve sua poesia e a sua arte!”

Chegue lá…

Sarau Enegrescência
08 de abril (sábado) – 15h
Casa de Angola na Bahia (em frente ao Corpo de Bombeiros da Barroquinha)
Entrada gratuita

Luedji Luna em Salvador: “Um corpo no Mundo”


luedji luna

Ela iniciou seus estudos em música na Escola Baiana de Canto Popular, é soteropreta, cofundadora do PALAVRA PRETA, mostra que reuniu em Salvador compositoras e poetas pretas de todo o Brasil, em janeiro. Luedji Luna estará de volta em a sua terra natal para uma única apresentação.

 

É a chance pra quem tá há um tempo querendo curtir esse som inovador e peculiar de Luedji. Vai ser no bar Oliveiras, no Santo Antônio e tem lista amiga. No repertório cancões que compõem seu primeiro trabalho: “Um corpo no mundo”. Para gravar este primeiro CD, Luedji está com campanha de financiamento coletivo no ar: veja aqui. 

Luedji Luna
Foto: Tassia Nascimento

Esse ano, Luedji concorre ao Prêmio Caymmi nas categorias melhor show, melhor música com letra com o single “Um Corpo no Mundo” e melhor clipe com a mesma canção, direção de Joyce Prado da Oxalá produções.

Aliás, ela também vai estar no Festival Caymmi que ocupará praças de Salvador entre 6 e 9 de abril. Luedji integra a programação do Passeio Público, dia 9 (domingo), a partir das 16h.

Faça parte da gravação do primeiro CD de Luedji: “Um corpo no Mundo”. 

Chegue lá…

No Oliveiras o som começa às 21h.

Quanto: R$20 / Lista Amiga até quarta (5): R$10

Onde: Rua Direta do Santo Antônio