Shopping Piedade realiza 5ª edição do Samba Vivo com blocos afro, afoxés e de samba!


Samba_Vivo

Discutir e mostrar para a sociedade a variedade de heranças das agremiações de matriz africana, a diversidade cultural, a riqueza e a ancestralidade do povo brasileiro. Este é o intuito do projeto cultural Samba Vivo, do Shopping Piedade. A programação conta com palestras, debates e música dos blocos afro, afoxés e de samba. A 5ª edição do Samba Vivo permanece até o dia 09 de fevereiro, no piso L4, do Shopping.

A programação contará com pocket shows com Newton Dias, Zé Arerê, Vandinho França e Vovô do Ilê, além de roda de samba, Cortejo Afro e muito bate-papo com Edvaldo Bolagi debatendo sobre os Antigos Carnavais e Salvaguarda dos blocos afros de Salvador com Cortejo Afro e outros.

E para os clientes entrarem no clima do Carnaval, o Shopping Piedade realizará um bailinho de Carnaval,  nos dias 27 de janeiro e 03 de fevereiro. A animação ficará por conta da Cia de Fantoches com fanfarra, pintura de rosto, escultura de balões e instrutor de FitDance. Além de apresentação da banda Retrofolia, no dia 03 de fevereiro.

O evento ainda oferece, de 05 a 07 de fevereiro, oficinas de maquiagem, penteados e turbantes. Toda a programação será aberta ao público.

Confira programação:

26/01 (sexta-feira)

15h30: Bate Papo: O pagode dos anos 90

Participações: Denny Palma

16h30 – 17h: Denny Palma e banda

Local: Piso L4

 

27/01 (sábado)

15h: Bailinho do Shopping Piedade

Atrações: Cia de fantoches com fanfarra, animação Pintura de rosto e escultura de balões, Instrutor de Fit Dance
Local: Piso L4

29/01 (segunda-feira)

15h30: Bate papo: “Carnaval de Ouro & Negro”, a história negra no carnaval de Salvador.

Participação: Camila França e dirigentes do Bloco Alvorada

16h – 17h: Ala de canto do Bloco Alvorada
Local: Piso L4

30/01 (terça-feira)

15h30: Bate papo: As rodas de samba em Salvador

Participação: Promotores de rodas de samba

16h – 17h: Samba Trator

Local: Piso L4

31/01 (quarta-feira)

15h30: Bate papo: Alerta Geral homenageia a Velha Guarda do Samba da Bahia

Participação: Zé Arerê e representantes da Velha Guarda do Samba

16h -17h: Bambeia

Local: Piso L4

03/02 (sábado)

15h: Bailinho do Shopping Piedade

Atrações: Retrofolia, Cia de fantoches com: fanfarra, animação Pintura de rosto e escultura de balões, Instrutor de Fit Dance
Local: Piso L4

Mostra Bahia Matriz – Início dia 22 de janeiro e término dia 09 de fevereiro

 

Exposição itinerante que agrega vários elementos originários de blocos afros, samba, afoxés, indígenas e instituições de matriz africana, que são destaques no carnaval de Salvador.

10h30 às 16h

Local: Piso L3

Ilê Axé Odé Yeyê Ibomin recebe exposição sobre o Candomblé na estética do graffite!


Coletivo_Cultural_Ibomin

Ocorre nos próximos dias 26 e 27 de janeiro, a partir das 14 horas, a primeira etapa da exposição final do Projeto Ancestralidade e Novas Narrativas: a iconografia do candomblé na estética do graffite. O evento, que ocorre no Ilê Axé Odé Yeyê Ibomin, no bairro de Portão, em Lauro de Freitas, traz produções de jovens negros/as do município.

Com a co-realização do Coletivo Cultural Ibomin, as artes visuais são resultado de cerca de 20 horas de oficina de grafitte, divididas em seis encontros e uma roda de conversa com a Yalorixá Odalice do Carmo. São mais de 20 peças que abordam o universo simbólico das religiões de matriz africana e utilizam como suporte, utensílios do cotidiano das comunidades de terreiro como quartinhas, aguidás e peneiras de palha.

Essa será a primeira das três edições da exposição. Em fevereiro, outros dois espaços receberão a visita das obras do Ancestralidade e Novas Narrativas. 

O Projeto Ancestralidade e Novas Narrativas tem o apoio financeiro do Governo do Estado da Bahia, através do edital Calendário das Artes 2017, Fundação Cultural do Estado Bahia – FUNCEB e Secretaria de Cultura da Bahia – SECULT.

Serviço:

O que: Exposição do Projeto Ancestralidade e Novas Narrativas

Quando: 26 e 27 de janeiro (sexta e sábado) das 14 às 18 horas

Onde: Ilê Axé Odé Yeyê Ibomin (rua Bela Vista, 21, Queira Deus, Portão, Lauro de Freitas – próximo ao Galpão Malibu I)

Ingressos: Gratuito

Contatos:

Femadum acontece este fim de semana no Largo do Pelourinho!


Femadum
Foto Magali Moraes

O Festival de Música e Artes Olodum – FEMADUM  acontece nos dias 26, 27 28 de janeiro, no Largo do Pelourinho. Este ano, tem como tema “A Casa das Águas”, em homenagem ao carnaval do bloco, que em 2018 é “ Deusas das Águas – Oceanos, Rios e Lagos”.

A programação será aberta, dia 26 de janeiro, com uma exibição audiovisual da TV Olodum, seguido por um coquetel de lançamento do evento e continua nos dias 27 e 28, das 13h as 17h, com as homenagens, a premiação dos vencedores do festival de música e com uma programação musical, que contará com grupos de reggae, de samba, apresentações de DJs e a percussão do Bloco Olodum.

PREMIAÇÃO

Um momento marcante no festival é a entrega do Troféu Ujaama, oferecido a personalidades que tem se destacado em seu campo de atuação profissional, e neste, contribuído para a valorização e elevação da auto-estima dos afrobrasileiros. Neste ano, o Troféu Ujaama homenageará mulheres que tem destaques na sociedade devido ao seu trabalho desempenhado para a melhoria e desenvolvimento da nossa comunidade e  população.

 

Servi​ço

FEMADUM – Festival de Música e Artes Olodum

Dias: ​ 2​6,27​ e​​ ​2​8​ de Janeiro​ (​Sexta-feira, ​Sábado e Domingo)​
Horário​s​: 26/01 a partir das 16:30

27 e 28/01 das ​1​​3​​h às 18h
Local: Largo do Pelourinho – Pelourinho

Aberto ao público 

Jornalista Guilherme Soares lança livro na Katuka e batepapo “Um corpo negro pelo mundo”!


Guilherme Dias Soares

O livro “Dias pela Estrada” será lançado em Salvador em 30 de janeiro, às 18h30 na Katuka Africanidades. A obra surge das inquietações do jornalista Guilherme Soares Dias, que em 2016 decidiu tirar um período sabático e viajar. Percorreu 23 países nos cinco continentes e o resultado são crônicas passionais, poesias do cotidiano e contos dos caminhos.

Ao todo, são 42 textos de um livro que não foi projetado. Na obra, o autor troca os leads informativos da sua profissão por narrativas autorais. Retrata cenas e sentimentos de um mundo em volta. Negro, durante a viagem que durou nove meses, Guilherme foi abordado por policiais nas ruas de Veneza e Jerusalém. Ele foi também revistado e bastante questionado em várias fronteiras por onde passou. Na Austrália, foi escolhido “aleatoriamente” para um teste anti-bomba.

“Foi muito marcante isso na viagem. Encontrava poucos negros viajando e percebia o quanto minha presença era ‘diferente’ em alguns lugares. O livro é mais poético e não consegui digerir isso a ponto de escrever sobre o tema. No conto sobre Veneza, porém, cito um policial que volta para casa com seus preconceitos”, relata.

Os relatos farão parte do bate-papo “um corpo negro pelo mundo” que o autor vai realizar no dia do lançamento.A conversa será conduzida pelo criador da aceleradora Vale do Dendê, Paulo Rogério Nunes.

“Dias pela Estrada” é publicado pela editora Multifoco e foi lançado no Rio, São Paulo, Campo Grande e San Pedro de Atacama, no Chile, onde o escritor viveu. O livro será vendido por R$ 35 e pode ser adquirido também pelo site.

Último Barulhinho de Verão terá Okwei Odili, banda Levante e Duo B.A.V.I!


barulhindo_de_verao
Okwei Odili

Neste sábado (27) acontece o Barulhinho de Verão, no Teatro Gregório de Mattos. O projeto que está em sua quarta edição, traz música, arte, performances e poesia, apresentando aos soteropolitanos novos sons e nomes da música popular baiana. E esse fim de semana terá o Duo B.A.VI (Berimbau Aparelhado Violão Inventável)!

O Barulhinho de Verão é um projeto idealizado pelo Coletivo Aldeia Cênico que tem como objetivo apresentar ao público baiano novos nomes da música popular e instrumental.

Já a cantora Okwei Odili + Aweto Band traz as influências africanas e sul-americanas com muito afrobeat, reggae, jazz e hip hop. O show de encerramento fica por conta da banda Levante, formada em 2013 em solos baianos, tendo uma identidade musical que mistura elementos de rap, rock’n’roll, samba, funk e percussão baiana de terreiro, com suas letras de conteúdo social, político e existencial acerca dos desafios da vida cotidiana na capital baiana, no Brasil e no mundo do século XXI.

Duo B.A.V.I.
Foto Matheus Leite

Serviço

O quê? Barulhinho de Verão – última edição

Onde? Teatro Gregório de Mattos, Praça Castro Alves, S/N, ao lado do Glauber Rocha

Quando? 27 de janeiro de 2018, a partir das 17h

Quanto? R$ 5 (meia) e R$ 10 (inteira).

Psicólogas realizam Bazar Iférani com roupas plus size e pautam Gordofobia!


bazar_iferani (1)
Laura Augusta

Gordofobia! Esse será o tema do Bazar Iférani,com roda de conversa, música, bazar e exposições de produtos de empreendedoras de Salvador. Será neste domingo (28) e terá a presença da ativista LGBT, Sandra Muñoz,a ativista do Coletivo Vai Ter Gorda, Adriana Santos  Sâmara Azevedo, fundadora do Coletivo Cacheadas e Crespas de Salvador. A apresentação musical ficará com a cantautora mineira, Nath Rodrigues.

O bazar surgiu de uma necessidade das duas psicólogas, Andrea Santos e Laura Almeida, incomodadas com bazares onde não se encontram roupas de numeração grande. As roupas serão vendidas a partir de R$20.

“Dessa inquietação o Bazar Iférani surge tentando suprir algumas necessidades de diálogo entre as mulheres, não apenas sobre roupas mas principalmente sobre corpo,mente, saúde e as formas que estamos no mundo”, afirma Laura.

O Bazar Iférani acontecerá no bairro da Saúde, Beco da Agonia, 55, a partir das 10h, até às 16h.

Mais informações (71) 991962518 – Laura/ (71) 92618930 – Andrea

Bloco Afro Malê Debalê escolhe seu Rei e Rainha neste sábado (27), em Itapuã!


male-debale_tiago-lima_divulgacao
Foto: Tiago Lima

O Bloco Afro Malê Debalê realiza em sua sede, sábado (27) a partir das 20h, o 39º Concurso Negra e Negro Malê. O evento será animado pela Banda Malê Debalê e tem a participação ‘pra meter dança’ do ÀTTØØXXÁ. Os ingressos estão à venda na portaria do bloco, localizado no Parque Metropolitano do Abaeté-Itapuã, com os valores: R$ 30 (inteira) e R$ 15 (meia).

Figurino, dança e simpatia serão os critérios avaliados para escolher a rainha e o rei do bloco. Além disso, está em disputa os valores do 1º ao 3º colocado(a)s, para ambos os sexos: R$ 2.500 e duas fantasias do bloco; R$ 1.000 e uma fantasia e, por fim, R$ 500 e uma fantasia.

Será uma noite de reconhecimento com a entrega dos troféus e premiações aos vencedores do 39º Concurso de Música Negra Malê Debalê, categorias tema e poesia, e à rainha e o rei do Concurso Negro e Negra Malezinho.

Neste ano, o Malê Debalê vai ao Carnaval com o tema: Nzinga, Jokanas e Francisca: Um poder Feminista! Com o objetivo de conscientizar a sociedade sobre o respeito ao gênero feminino com os exemplos de mulheres que vão desde a Rainha de Angola, Nzinga; as índias baianas representadas pelas Pataxós, Jokanas e a mulher de Itapuã com uma figura icônica do bairro, D. Francisquinha.

SERVIÇO:
39º Concurso Negra e Negro Malê Debalê
Banda Malê Debalê e ÀTTOOXXÁ
Dia 27 de janeiro (sáb), 20h
Sede do Malê Debalê, Parque Metropolitano do Abaeté-Itapuã S/N
Quanto: R$ 30 (inteira) e R$ 15 (meia)

Exposição “AFÉTO” revela as relações de afeto nos terreiros de Candomblé!


ExposiçãoAFÉTO_
Foto Roger Cipó

Casa do Benin recebe – a partir desta terça-feira (23), a exposição itinerante AFÉTO, mostra fotográfica sobre as relações de afeto constituídas dentro dos terreiros de Candomblé. São registros do fotógrafo Roger Cipó, com curadoria de Marco Antonio Teobaldo. A abertura acontece nesta terça-feira (23), às 18h.

Aféto foi lançada no Festival de Fotografia do Rio de Janeiro (FOTORio 2017), Galeria Pretos Novos de Arte Contemporânea. Em seguida, promoveu uma temporada naAparelha Luzia – quilombo urbano de circulação de artes pretas em São Paulo.

Em Salvador, a exposição abre temporada a partir do dia 23, ficando até 03 de março, de segunda a sexta, das 10h às 17h – aberta ao público, gratuita.

Cipó apresenta raras e delicadas imagens revelando a interação dos fiéis entre si, como uma família ao redor de suas obrigações sagradas, e durante as cerimônias, quando os orixás manifestam seu afeto por meio de suas sacerdotisas e sacerdotes.

De acordo com o artista, que na abertura receberá fotógrafos, fotógrafas e público para um bate papo sobre fotografia preta, mais que um registro documental sobre um aspecto específico do Candomblé, o trabalho reitera a importância das relações interpessoais como forma de resistência da cultura afro-brasileira e fortalecimento da identidade do povo de axé, a partir da experiência de fé nos orixás, evidenciando o terreiro como espaço de acolhimento, em resposta a uma cultura de segregação e ódio fomentado pelo racismo.

SERVIÇO

Exposição AFÉTO na Casa do Benin

Abertura: 23 de janeiro de 2018 – 18H

Visitação: 24 de janeiro a 03 de março de 2018 – de segunda à sexta, das 10h às 17h

Rua Padre Agostinho Gomes, 17 – Pelourinho – Salvador– fone: (71) 3202-7890

GRATUITO

Poesia Soteropreta – Staiflima: O Anjo Negro da Favela!


Samuel_LimaA poesia marginal é o tema de Samuel Lima da Silva (staiflima), que foi iniciado nos rituais da escrita de protesto em maio de 2016. Apesar de sua inserção tão recente, isso não implica em pouca experiência.Pelo contrário, Staiflima é cria de saraus, slams de poesia, lutas diárias contra o racismo e a discriminação.E sua arte é inspirada na realidade da favela e o combate ao racismo.

E Samuel Lima não está só e sabe disso. Seu grito de protesto pretende e já exercita quebrar as fronteiras do seu bairro, de sua quebrada. Ele deseja “Levar a minha realidade para cada canto do Brasil e trazer cada vez mais pessoas para essa militância”.

Se a poesia para alguns é apenas uma forma de florear a existência, o que é digno, para Staiflima é ferramenta de expurgo e desabafo. “A poesia pra mim é a forma que encontrei de colocar todo o meu sentimento de revolta pra fora. Eu utilizo da escrita periférica, nem sempre com muita rima e colocando muita emoção nos textos, com a intenção de atrair a atenção e causar, no mínimo, um pouco de empatia a quem escuta”, protesta.

Quem anda pela perifa da soterópolis, se bate com poetas e grafiteiros, slamers, artistas das mais diversas linguagens. As atividades desenvolvidas com apoio das comunidades e dos próprios participantes e convidados, envolvem e dinamizam os atores dessas quebradas. Com Samuel Lima não é diferente. Outra atividade que ele pratica é o graffite e, assim, vai colorindo de sonhos as mentes e muros da capital.

Nessas cores e corres a família se amplia, porque “Porque família é sentimento, amor e a poesia consegue expressar tudo isso.Família pra mim é acolhimento, ter alguém com quem contar em todos os momentos, alguém que eu possa mandar minhas poesias de madrugada e receber toques de como melhorar elas”, revela. E haja espaço para a família, que cresce a cada esquina, a cada recital. Se os muros são concorridos e, muitas vezes, precisa de autorização para ser grafitado, nas redes sociais Samuel tem todo o espaço do mundo. É ali que que “publico versos de poesias minhas e imagens de intervenções poéticas que faço na cidade”, conclui.

Samuel_Lima

Numa auto apresentação, ele finaliza com um poema-poeta “Eu sou Samuel Lima, nas ruas sou staif. Poeta preto de escrita marginal, que usa da poesia como forma de expressão e combate às opressões do dia a dia. Viso, através do meu trabalho,atrair cada vez mais pessoas para esse meio poético, espalhando como uma célula imortal poesia por cada beco, espaços, ônibus e vielas dessa cidade. Sou o ANJO NEGRO da minha favela”.

 

Cria da favela

Denominação favela
onde nasci
cresci
e me criei
e só quem esteve do meu lado sabe
as dificuldades que eu passei
Desde criança
o sistema vem tentando me destruir
Estive entre a caneta e o fuzil
Pra decidi
Mas graças aos ensinamentos da favela
A poesia chegou primeiro em mim
e até o sistema pira
Eu já passei dos 18
Superando as estatísticas
Tentaram me parar
Mas sou descendente
De guerreiros e guerreiras
E podem até tentar
mas não vão me calar de nenhuma maneira
Eu vou lutar
E vou mostrar que os pretos
Chegou nessa porra para revolucionar
e não vou descansar até que os meus tenham
Saúde
Educação de qualidade
E acessos a boas faculdade
Só vou me conformar
quando a formatura de pretos
forem maiores
do que a taxa de mortalidade.

Samuel Lima

Jéssica Nascimento – Deusa do Ébano 2018!


Ilê aiyê

Carregando no topo da sua cabeça o punho cerrado da resistência e, em seu rosto,  Jéssica Almeida Nascimento dos Santos, 19 anos, já mostrava, desde os primeiros movimentos no palco, que era forte candidata a vencedora da 39º edição da Noite da Beleza Negra, na Senzala do Barro Preto. A coroação aconteceu no último sábado (20).

Ao todo, 16 mulheres negras concorreram ao título de Deusa do Ébano, em uma noite de casa lotada que contou com show do Dream Team do Passinho. O evento contou também com apoio do Governo do Estado da Bahia por meio da Secretaria de Comunicação e Secretaria de Turismo.

A direção artística do espetáculo teve assinatura do respeitado Elísio Lopes Jr e o júri contou com a participação das coreógrafas Nildinha Fonseca e Edeise Gomes, dentre outros convidados. ​

 “Eu quero ser uma Deusa. Desde que passei na seletiva, que foi uma coisa inacreditável para mim, eu já me sentia Deusa. Quando eu cheguei no palco, que eu vi o público e senti aquela energia, foi mágico. Só no Ilê a gente consegue ser o que a gente quer. É uma felicidade muito grande, mas ao mesmo tempo é uma responsabilidade imensa. Agora sou um símbolo de representatividade. Vou levar o nome do Ilê Aiyê comigo, para o meu bairro, para as crianças, para todas as mulheres negras” – Jéssica Nascimento

Jéssica_Milena_Lorena

Ganhadoras dos segundo e terceiro lugares, eleitas Princesas do Ilê Aiyê, Milena Sampaio Nascimento, 33 anos, e Lorena Matos dos Santos, 20 anos, respectivamente, destacaram a importância na transformação social e no empoderamento da mulher que o concurso promove. “Estamos aqui para representar todas as negras, a nossa ancestralidade e o amor ao Ilê”, revelou Lorena, já ansiosa para desfile do Carnaval. Já para a arte educadora Milena, que participa pela quinta vez do concurso, esse título significa “entender que eu tenho o potencial de fazer a transformação política e social através do bloco”

 Fotos: Odú Comunicação