DiálogosInsubmissos – Cristiane Sobral, a insubmissa e seu aquilombamento literário!


cristiane_sobral3

Ela é natural do Rio de Janeiro, mas vive em Brasília, é escritora, atriz e mestra em Teatro pela Universidade de Brasília (UnB). Cristiane Sobral é imortal da Academia de Letras do Brasil, ocupando a cadeira número 34. É especialista em Docência Superior (UGF), licenciada em Artes Cênicas (UCB) e bacharel em Interpretação Teatral (UnB). Dirige a Cia de Arte Negra Cabeça Feita há 19 anos, é Diretora de Literatura do Sindiescritores e ganhou o Prêmio FAC 2017 de Culturas Afro-Brasileiras.

Toda esta potência negra da Literatura Brasileira estará em Salvador para participar da edição especial dos Diálogos Insubmissos de Mulheres Negras no dia 24 de novembro (sexta-feira), com o tema “Terra Negra: insubmissões de mulheres negras para transfor(a)mar” . Cristiane conversou com o Portal Soteropreta, confira:

 

Portal Soteropreta – Qual a importância dos Diálogos Insubmissos de Mulheres Negras, sob sua perspectiva?

Cristiane Sobral – O evento preenche uma lacuna histórica do ponto de vista da representação humanizada de personagens negros na literatura brasileira. Visibiliza a produção de autoras negras, insere suas publicações no mercado, forma leitores ávidos e críticos, fomentando a reflexão e a ressignificação identitária no campo literário.

Cristiane_Sobral
Cristiane Sobral

Portal Soteropreta – Como você enxerga o protagonismo negro feminino com estas iniciativas, especialmente em Salvador?

Cristiane Sobral – O acesso à leitura de textos de autoria de mulheres negras é um ato político e de resistência. No caso de Diálogos Insubmissos, cabe destacar também a ampliação de espaços de saberes, o fortalecimento da intelectualidade negra e a representatividade promovida por um evento capitaneado e protagonizado por mulheres negras em uma cidade como Salvador, com expressiva população preta e parda, somando quase um milhão de habitantes segundo o ranking do IBGE. Apesar dos números expressivos, o racismo estrutural e os seus paradigmas ainda vigoram no contexto da pobreza, da exclusão social, da elevadíssima taxa de homicídios, da marginalização e da precariedade do acesso aos serviços públicos. O evento apresenta uma estratégia, uma ação de enfrentamento diante das dificuldades encontradas pelos escritores negros que se posicionam como negros e escrevem sobre a subjetividade e o jeito de ser e de viver dos afro-brasileiros além dos estereótipos do mercado editorial.

Como mulheres, precisamos falar, quebrar silêncios históricos, exercer o direito de apresentar as nossas ideias, de falar em público, fortalecer a nossa confiança, liderança, autoridade e respeito. 

Portal Soteropreta – Qual a sua expectativa para essa participação e o que o público pode esperar?

Cristiane Sobral – Minha expectativa é alta no sentido do aquilombamento, do encontro, da troca de saberes e de afetos. Espero afetar e ser afetada, provocar a identificação com a minha escrita. O contato com os leitores e a formação de novos públicos é fundamental para a reflexão e o aprimoramento do ofício. Espero que os leitores desfrutem de um momento valioso, estou me preparando com afinco e muita dedicação para esse momento tão especial.

luedji-luna
Luedji Luna

PROGRAME-SE!

A palestra de Cristiane Sobral será mediada pela Doutora em Literatura e Cultura, Ivana Freitas, dia 24 de novembro (sexta), no Espaço Xisto (Barris). Nas intervenções artísticas, terá Rool Cerqueira, Juh França e Vanessa Coelho, integrantes do Coletivo ZeferinaS, de Poesia e encerramento com show da cantora Luedji Luna, em parceria com o projeto Novembro das Artes Negras, da Fundação Cultural do Estado/SecultBA. Ambos serão abertos ao público, com entrada sujeita à lotação do espaço, a partir das 18h.

Olodum celebra 30 anos do EP “Egito Madagascar” no Pelô!


banda_Olodum_na_argentina
Crédito: Globo/ Luiz C. Ribeiro

No próximo dia 8 de novembro o Olodum comemora 30 anos de Samba Reggae, celebrando o primeiro LP, que foi batizado “Egito Madagascar”. Para festejar esta importante data para a musica brasileira, o bloco do Pelourinho realiza um encontro dos 120 percussionista com grandes nomes da musica baiana, antigos vocalistas e atual ala de canto do Olodum.

O evento  terá como palco a sacada da Casa do Olodum, que proporcionará ao grande publico um belo espetáculo, ouvindo, cantando e dançando os grandes sucessos do Olodum, lançados ao longo de 30 anos de Samba Reggae.

Serviço

30 Anos de Samba Reggae

Atrações: 120 percussionistas

Dia: 8 de novembro (quarta – feira)
Horário: a partir das 19 horas

Onde: Casa do Olodum

Endereço: R. Maciel de Baixo, 22 – Pelourinho

Censura: Livre

Aberto ao Público

Atriz Sanara Rocha retorna com solo “Iyá Ilu” no Teatro Sesc Senac Pelourinho


IYA ILU FOTO ANDREA MAGNONI
FOTO ANDREA MAGNONI

A atriz e musicista Sanara Rocha retorna aos palcos com seu espetáculo solo IYÁ ILU, ritual afro futurista de saudação a Ayan – a deusa do tambor. Com direção de Andrea Martins, será apresentado no dia 10 de novembro (sexta-feira), no Teatro Sesc Senac do Pelourinho, integrando a série Natas em Solos – Seis Olhares Sobre o Mundo, ação com do Núcleo Afro-Brasileiro de Teatro de Alagoinhas – NATA.

O solo propõe uma discussão com o universo da musicalidade nas cerimônias sagradas, que interditam a presença feminina a frente dos tambores sagrados. Questiona as “tradições” e procura estabelecer diálogos com a tradição e a contemporaneidade. A partir desse desejo, Sanara Rocha se debruça no mito de Ayan e na invenção do tambor batá de culto a Xangô, que deu origem ao candomblé no Brasil.

“Tina Melo, que concebe a maquiagem corporal, trouxe a mistura dos adinkras (desenhos africanos) com cores neon; Andrea Martins, que é minha colaboradora poética, produtora musical e também compositora musical deste projeto, combinou a música percussiva (orgânica) com a eletrônica”, reforça Sanara Rocha.

A série ocorrerá de 9 a 18 de novembro (quinta-feira, sexta-feira e sábado, às 20h), com ingressos a preços populares R$ 20 e R$ 10.

Vai ter “Natas em Solos – Seis Olhares Sobre o Mundo” no Teatro Sesc Senac Pelourinho!

Sarau Cultural “Puxadinho Massalarica” celebra um ano neste domingo (12)!


puxadinho massalarica

Já faz um ano que o Puxadinho bomba na lage da jornalista Juliana Dias. A afro-pizzaiola decidiu abrir a porta de sua casa para compartilhar de cultura, arte e gastronomia com amigos e desconhecidos e o resultado foi esse: um ano de MassaLarica, uma iniciativa que já reuniu mais de 50 artistas em torno da cultura preta, em especial protagonizada por artistas jovens.

Para celebrar o Puxadinho MassaLarica, sarau cultural gratuito no Rio Vermelho (ou Nordeste de Amaralina – um dos bairros) vai rolar uma programação especial neste domingo (12), a partir das 16h. A festa começa com o show acústico da cantora Danzi Love Jah e a banda de reggae Jahfreeka Soul. Em seguida, entra em cena a poesia de Mariana Oxente, do coletivo feminino de poetisas de Cajazeiras, Zeferinas, e do poeta Geilson Reis.

puxadinho massalarica

A partir das 18h, o público confere a performance de dança do ventre, encenada por Luana Silva. A drag queen Rosa Morena começa seu show às 18h30.

Ela será acompanhada do Afrochoque, coletivo multicultural que nasceu da necessidade de visibilizar a população negra LGBT, marginalizada dos espaços artísticos e culturais em Salvador.

O encerramento da noite fica a cargo da discotecagem do DJ Jack Nascimento (BATEKOO).

Campanha, solidariedade e arte

Nesta décima edição, a “artivista” Annie Ganzala Lorde vai expor suas aquarelas com temática lésbica, divulgando a campanha “Preciso de olhos para ser artista”, que através de uma vaquinha online, pretende arrecadar recursos para custear seu tratamento.

Outro artista visual que participa da comemoração é Jacson Almeida. Morador de Camaçari, ele participa pela primeira vez do evento e vai fazer um desenho ao vivo nas dependências da casa.

Puxadinho MassaLarica ocorre, geralmente, uma vez por mês e a cada edição reúne um coletivo de artistas produtores para compartilhar arte, cultura, entretenimento e gastronomia. Em um ano de evento, mais de cinquenta artistas da Bahia, do Brasil e de outras partes do mundo já se encontraram na casa e experimentaram as pizzas artesanais, que a jornalista produz, denominadas Massalarica.

 

Serviço

O que: Puxadinho Massalarica 10ª edição – 01 ano

Onde: Rua Ari Pereira de Oliveira, nº 34, Rio Vermelho (próximo ao quartel de Amaralina – subindo a ladeira do Nordeste de Amaralina)

Quando: 12 de novembro (domingo), das 16h às 21h

Atrações: Performance – Drag Queen Rosa Morena; Música – Danzi Love Jah & Jahfreeka Soul e DJ Jack Nascimento; Poesia – Geilson dos Reis e Mariana Oxente; Desenho – Annie Ganzala Lorde; Dança do Ventre –  Luana Silva; Pintura – Jacson Almeida

Entrada gratuita

Agora é no Teatro! Mainha e Júnior vão aprontar no Eva Herz em novembro!



frases_de_mainha

Agora é no teatro! Depois do sucesso nas redes sociais, os atores Sulivã Bispo e Thiago Almasy, protagonistas do Frases de Mainha darão vida à Mainha e Júnior, respectivamente nos grandes palcos. Frases de Mainha – A peça atende ao apelo dos fãs e estará em cartaz todos os sábados e domingos de novembro, no Teatro Eva Herz.

No palco, a dupla apresentará ao vivo, o humor com temas corriqueiros do dia-a-dia dos baianos, além de situações que refletem a relação entre as mães e os filhos – do carinho materno aos esporros necessários para uma criação digna!

Na trama da peça, Junior já está na faixa dos vinte-e-poucos anos e decide, depois de muitas broncas, que essa é a hora de sair de casa. Mainha, em contramão, acredita que o filho ainda não é maduro o suficiente para experimentar o mundo sozinho e aguentar as durezas da vida. Como de costume na rotina desses dois, tudo converge para uma grande situação onde só mesmo o ensinamento de uma legítima “mainha” poderá colocar o rebento dentro do eixo.

 

Com direção geral de Thiago Romero, direção musical de Jarbas Bittencourt, texto de Thiago Almasy – o próprio Junior, que assina parte dos roteiros da websérie –, direção de movimento de Nildinha Fonseca, produção executiva da Da Cultura e a produção artística de Val Benvindo, o espetáculo é um convite para rir.

 

 

Serviço

Frases de Mainha – A peça

Onde: Teatro Eva Herz

Endereço: Av. Tancredo Neves, 2915 – Caminho das Árvores

Quando: 4 e 5 /11 e 12 /18 e 19 /25 e 26/11(Sábado e Domingo)

Horário: Sábado ás 20h / Domingo ás 19h

Ingressos: R$ 50 (Inteira) e  R$25 (meia)

O Núcleo Afro-Brasileiro de Teatro de Alagoinhas volta a Salvador com 6 espetáculos!


natas_em_solo
Fto Andreia Magnoni

O Núcleo Afro-Brasileiro de Teatro de Alagoinhas volta a Salvador para apresentar o Natas em Solos – Seis Olhares Sobre o Mundo, ação com 06 espetáculos solos interpretados pelos atores Antônio Marcelo, Daniel Arcades, Fabíola Júlia, Nando Zâmbia, Sanara Rocha e Thiago Romero, que faz parte do OROAFROBUMERANGUE. Será de 09 a 18 de novembro (quinta-feira, sexta-feira e sábado, às 20h), no Teatro Sesc Senac Pelourinho.

 “O Natas em Solos visa potencializar o interesse e as necessidades individuais de cada intérprete, enriquecendo-o e ampliando nossos horizontes artísticos criativos”, declara Fernanda Júlia, coordenadora artística do grupo.

O público poderá conferir no Teatro Sesc Senac Pelourinho os espetáculos As Balas Que Não Dei Ao Meu Filho de Antônio Marcelo (09/11), Iyá Ilu de Sanara Rocha (10/11), Impopstor de Daniel Arcades (11/11), Mundaréu de Thiago Romero (16/11), Rosas Negras de Fabíola Nansurê (17/11) e Gbagbe de Nando Zâmbia (18/11). Os ingressos das apresentações estão a preços populares R$ 20 e R$ 10,00. O Natas em Solos – Seis Olhares Sobre o Mundo e o OROAFROBUMERANGUE têm a produção executiva da Modupé Produtora.

“Preciso de olhos para ser artista!” – Ajude Annie Ganzala, nossa Aquarela!


AnnieGonzaga

“Tenho glaucoma e cerotocone, já perdi 85% da visão do olho esquerdo e o direito está indo pelo mesmo caminho”.

Annie Ganzala é “afro sapatão, mãe, feminista decolonial, Candomblecista, Aquarelista e grafiteira”, como ela mesma se define. Nasceu em Salvador e tem um estilo único de fazer sua arte: ela usa a técnica da Aquarela para pintar suas memórias, encontros e experiências. Por conta do recente diagnóstico, seu trabalho e – por consequência – sua expressão em vida, está sob risco. 

Annie Ganzala: em Salvador e no mundo aquarelando mulheres negras

O estágio do Glaucoma e Cerotocone que Annie hoje apresenta é avançado – já comprometeu 85% de sua visão esquerda. Mas há tratamento que pode ser feito. O Ceratocone é uma doença que afeta o formato e a espessura da córnea, provocando a percepção de imagens distorcidas

annie_ganzala

Em campanha online, Annie apela pela ajuda de quem a conhece e não conhece, de quem a admira e acompanha, de quem ama seu trabalho. A Vakinha online pretende arrecadar R$5mil – que custearão tratamento, medicações. Até o fechamento desta matéria, a Vakinho já havia arrecadado R$ 1.955.

“Faz seis meses que percebi que meus olhos não vem funcionando muito bem, mas não imaginei que fosse tão grave e passei muito tempo esperando vaga nos hospitais púbicos. Quando percebi que não conseguiria, pedi ajuda a uma amiga com os exames iniciais, mas não pude seguir o tratamento por falta de recursos financeiros.

annie_ganzala
Fto: Helemozão Fotopoesia

Annie é autônoma, sua subsistência vem de sua arte e como intitula a campanha: “Preciso de olhos para ser artista”.

“Não tenho recursos para bancar o tratamento e medicamentos, mas acredito que com seu apoio posso recuperar a visão e continuar fazendo o que sei fazer de melhor que é arte”, apela na plataforma online.

Quer ajudar? Acesse o site e contribua: “Preciso de olhos para ser artista”.

AFROO! Vem aí a III Marcha do Empoderamento Crespo em Salvador!


marcha_empoderamento_crespo2
Na foto, vereador Silvio Humberto (PSB), um dos apoiadores da Marcha. Foto: Milla Carol

Mais de 10 mil pretas e pretos marchando pelas ruas do centro de Salvador, ostentando com orgulho seus cabelos crespos, coloridos, diversos e até a ausência deles, mas com autoestima lá em cima. É a Marcha do Empoderamento Crespo, que chegará a sua 3ª edição em novembro. Nascida em Salvador, a ideia já chegou em outros municípios baianos, reunindo crianças, jovens, adultos e até idosos.

marcha_empoderamento_crespo
Naira Gomes e Lorena Lacerda

Elas estão em Marcha – individual e coletivamente – o tempo todo, como afirmam as coordenadoras, Ivy Guedes e Naira Gomes, em entrevista ao Soteropreta. “Ela surgiu de um consenso nas redes sociais, de jovens que se viram impressionadas com o fato de São Paulo conseguir fazer uma Marcha crespa e nós, em Salvador, não. A Marcha nos empoderou de tal forma que as pessoas que mobilizaram a primeira edição, hoje, estão em vários lugares. A Marcha cresceu para além de nós”, afirma Ivy Guedes.

E um crescimento não apenas de crespos e crespas. “A Marcha hoje não é só cabelo, já é um lugar político de maior alcance, está mais forte, conseguiu criar uma rede em torno dela, sendo um lugar assertivo que fala de pessoas inteiras – física e simbolicamente”, pontua Naira Gomes.

marcha_empoderamento_crespo
Ivy Guedes

“A Marcha é uma catarse coletiva, culmina todos os pontos de disputa e discussão durante um ano lá no Campo Grande, este grande lugar extraordinário que as pessoas esperam,  um evento diferenciado onde senhoras se sentem contempladas, as crianças podem ir, famílias inteiras que lá encontram referências e representatividade, acrescenta Naira.

Este ano, tem novidades: terá momentos de falas políticas sobre Genocídio, mulheres negras, domésticas, racismo e intolerância religiosa, ponto forte do tema, que aliás, é a primeira vez que a Marcha vem com tema.

“A cada parada em locais históricos para nossa população negra, como a Piedade, teremos estas falas políticas. A Marcha do Empoderamento Crespo é inclusão pela estética, ao contrário do que o racismo faz”, explicam.

marcha_empoderamento_crespo
Kenia Matos

Redes sociais, parcerias, conquistas subjetivas e empoderamento

A Marcha não é um movimento sectário, as alisadas também devem ir, inclusive. No Facebook, já agrega mais de 14 mil pessoas e vem este ano em rede. Instâncias como o Movimento LGBTQI, Coletivo Luiza Bairros, Transs pra Frente, Marcha das Vadias, dentre outros movimentos e coletivos, já se manifestaram como parte da Marcha.

E as crespas até já ganhara prêmios, como a Comenda Mãe Runhó (Terreiro Bogum) e o Troféu Luiza Mahin (Terreiro Oxumaré), em reconhecimento do trabalho.

marcha_empoderamento_crespo2
Foto: Milla Carol

Para Naira Gomes, a Marcha é cura para as subjetividades, ela terapeutiza as dores, incentiva as mulheres, em especial, a construir suas falas. Nós resignificamos e construímos conceitos. É uma preocupação nossa ter isso, pois precisamos levar este debate para fora, mas com consistência. Temos mulheres hoje em setores onde pautam suas competências política, profissional e acadêmica”, diz Ivy Guedes – a mais velha do Coletivo.

Além de Ivy e Naira, tem também Andreia Souza, Hilmara Bittencourt, Vanessa Ribeiro, Nadja Santos e Lorena Lacerda na comissão organizadora, e de lá já saíram Samira Soares e Milla Carol.

marcha_empoderamento_crespo

E por falar em empoderamento, a Marcha teve um grande papel no fortalecimento deste termo, pois antes era do “Orgulho Crespo”. “Fomos muito felizes quando resignificamos o conceito de empoderamento, um termo que não era recorrente no vocabulário de ninguém. A Marcha o tornou um conceito da contemporaneidade, que está em tudo”, explica Ivy.

marcha_empoderamento_crespo

Com tanta revolução crespa, preta e feminina por meio da estética, a Marcha do Empoderamento Crespo vem no dia 18 de novembro, um sábado, colocar mais provocações e afirmações na ordem do dia.

“Agora sou eu”, é a frase mais recorrente dentre as mulheres que acompanham a Marcha e relatam suas transformações. Então, agora são elas: rumo à Marcha!

III Marcha do Empoderamento Crespo

Quando: 18 de novembro (sábado), 13h

Local: Concentração no Campo Grande

Programação: sarau de poesia, pintura facial, performances e mais!

Fotos: Amanda Pinto

Edicão: Milla Carol

Balada Literária Salvador homenageará Luiz Melodia e terá Fabiana Cozza!


balada_literaria_salvador

Sarau, rodas de conversas, performances, feira literária e shows. A mistura destes elementosforma a Balada Literária de Salvador, que ganha sua terceira edição entre os dias 03 e 05 de novembro, no Espaço Cultural da Barroquinha e Teatro Gregório de Matos.

Com curadoria dos escritores Marcelino Freire e Nelson Maca, o evento homenageia o poeta piauiense Torquato Neto e o cantor e compositor Luiz Melodia, e começa com uma edição especial do Sarau Bem Black, na sexta (03), que será embalada pelas canções de Melodia.

 Apresentado por Nelson Maca, o sarau terá participações especiais da poeta paulista Luz Ribeiro (ganhadora do Slam Brasil 2016), do percussionista Jorjão Bafafé, do grafiteiro Zezé Olukemi e do grupo de rap Opanijé. Como sempre, terá microfone aberto para quem quiser declamar.

balada_literaria_salvador
Fabiana Cozza

Prosa, poesia e performance – VEJA PROGRAMAÇÃO COMPLETA!

 Sexta-feira, 03/11

18h às 20h30

Sarau Bem Black Especial – Homenagem a Luiz Melodia

Participações: poeta Luz Ribeiro (SP), percussionista JorjãoBafafé, grafiteiro Zezé Olukemi e grupo Opanijé
Lançamento: Dia Bonito praChover (Malê) de Lívia Natália

Onde: Espaço Cultural da Barroquinha;

Gratuito

 

Sábado, 04
Mesas

14h: Marcelino Freire e Jorge Ialanji Filholini conversam com Wellington Soares (PI) e Paulo José Cunha(PI)

15h30 : Laura Bezerra conversa com Orlando Pinho e Edbrass & Lia Lordelo (Torquatália)

17h : Tatiana Lima conversa com Tuzé de Abreu

Onde: Espaço Cultural da Barroquinha

Gratuito

 

Show

Torquatália

Abertura: Nelson Maca e DJ Gug

Local: Teatro Gregório de Matos, às 19h

Ingresso: R$20|R$10

 

Domingo, 05

 Mesas

 

14h: Fabiana Cozza conversa com o ator e diretor Elias Andreato (SP)

15h: Milena Brito conversa com os escritores Fábio Mandingo, Lívia Natália e Landê Onawalê

 

Slam Lonan

16h30: Com os poetas Fabiana Lima, Evanilson Alves, Rilton Júnior e Luz Ribeiro (SP)

Onde: Espaço Cultural da Barroquinha

Gratuito

 

Show

Partir: com Fabiana Cozza e Léo Mendes (violão). Participação especial de Roberto Mendes

Abertura: Marcelino Freire

Local: Teatro Gregório de Matos, às 19h

Ingresso: R$30|R$15

 

Gal do Beco está de volta com o “Festival Samba de Beco em Beco”!


Gal do Beco

O “Festival Samba de Beco em Beco” retorna ao palco do Pelourinho com Gal do Beco. Serão encontros de artistas do samba de roda, samba de raiz e suas variações, a partir da próxima quarta-feira (1/11), às 19h, no Casarão 26 (Ladeira do Passo, Nº 26 – Sede do Afoxé Filhos do Korim Efan – Pelourinho. E ainda acontecerá nos dias 17/11, 02/12 e 16/12, tendo Gal do Beco como anfitriã e muitos convidados especiais.

Confiram os convidados de Gal do Beco já confirmados:

Quarta 01/11 | Claudete Macedo, Nelson Rufino, Negros de Fé, Grupo de Samba de Roda do Recôncavo Baiano.

Sexta 17/11 | Cota Pagodeiro, Juliana Ribeiro, Turma de Casa, Grupo de Samba de Roda do Recôncavo Baiano.

Sábado (DIA DO SAMBA) 02/12 | Melodia Costa, Carla Liz, Grupo Botequim, Grupo de Samba de Roda do Recôncavo Baiano.

Sábado 16/12 | Muniz, Guiga de Ogum, Bambeia, Grupo de Samba de Roda do Recôncavo Baiano.

 

SERVIÇO:

Festival Samba de Beco em Beco

Gal do Beco e Convidados 

01 (quarta) e 17 (sexta) de Novembro de 2017 às 19h

02 (sábado) e 16 (sábado) de Dezembro de 2017 às 19h

Ladeira do Passo, Nº 26 – Sede do Afoxé Filhos do Korim Efan – Pelourinho

Assessoria e Divulgação: Janaina Costa | (71) 991749317 | 988329352