Debate na Biblioteca dos Barris terá Juliana Ribeiro e Nelson Rufino


julianaribeiroacenatapreta
julianaribeiroacenatapreta

O samba e a identidade baiana serão os assuntos abordados na próxima edição do Conversando com a sua História, que acontece na próxima segunda – dia 05 de dezembro, às 17h, na Biblioteca Pública dos Barris. Os convidados para essa edição serão os sambistas baianos Juliana Ribeiro e Nelson Rufino.

Com a temática “O Samba da Minha Terra: música e identidade baiana”,os dois palestrantes participantes irão abordar o assunto baseados no que descobriram ao longo de suas carreiras, além do que vivenciaram crescendo na cidade de Salvador.

Juliana Ribeiro é natural de Salvador e iniciou sua carreira em 2001. Desde o início, a cantora une seu trabalho de criação artística com a pesquisa. Também historiadora, a musicista foi aluna especial da Faculdade de Canto Popular da UNICAMP e tem formação técnica em canto lírico pela UFBA. Com seu timbre de voz marcante, Juliana foi indicada ao Troféu Caymmi 2007 na categoria Cantora Revelação.

Em seu trabalho, traz um repertório de variações rítmicas do samba, como Lundu, o Batuque, Jongos, Sambas Angolanos, Maxixe, Samba-de-Umbigada, entre outros gêneros. É mestra em Cultura e Sociedade (UFBA) com a Dissertação ‘Quando canta o Brasil: uma análise do samba urbano carioca na Rádio Nacional nos anos 1950’.

Nelson Rufino
Foto: Rosilda Cruz

Nelson Rufino nasceu em Salvador, no bairro do Garcia, mas escreveu a sua primeira música, “Bahia, meu 1º travesseiro”, quando morava no Rio de Janeiro e estava inspirado pela saudade que sentia da mãe. Sua carreira foi iniciada nas Quadras de Escolas de Samba de Salvador, mais precisamente na Escola “Filhos do Tororó”, onde ganhou o seu primeiro prêmio com a canção “Veneno”.

Com 22 anos, desfilou com seu primeiro samba-enredo, “Postais da Bahia”, em Salvador, ganhando o primeiro lugar. Na década de 60, começou a trabalhar com Blocos de Carnaval, compondo o seu primeiro Samba de Bloco, o “Apache não é de Guerra”, e, nos próximos anos, “O Machado que trago na mão” e “Blusão do Ano Passado”, que venceu o 1º Festival de Samba de Bloco, em 1971.