F.R.E.N.E.S.I: amor, sexo e corpos negros decifrados em versos!


FRENESI Fabiana Lima

Ela: Fabiana Lima, poetiza marginal, organizadora do Slam das Minas – batalha poética só para mulheres, iniciativa pioneira na Bahia. Ele: Rilton Júnior, poeta que integra o Grupo de Poesia Resistência Poética! Eles se uniram para abalar as estruturas com o clipe F.R.E.N.E.S.I., uma produção em parceria com a Orun – Plataforma colaborativa com conteúdos relacionados à cultura urbana, arte, moda e design, através de fotografia e audiovisual.

Como Fabiana explica, F.R.E.N.E.S.I. é uma poesia ritmada que ultrapassou os versos falados e teve que chegar às telas, em uma performance extasiante do dois. Em pouco mais de 3 minutos, a poesia ganha corpo e vida, enaltecendo o debate sobre os corpos negros, o amor, a paixão. O clipe fala de afeto, e fala de sexo e fala de amor preto. 

“É uma poesia que retrata o amor afrocentrado, quebra esse paradigma que não sabemos escrever sobre o amor, que não o vivenciamos”, diz Fabiana. O título já diz: delírio. E os segundos passam neste delírio. É um manifesto literário, audiovisual, poético, negro: “Faço questão de botar no meu texto, que pretas e pretos estão se amando”!

 

“Uma doce dose de você com o frenesi que me cabe pra lhe ter veneno/ eu enlouqueço ao ver você dançar pra mim com um vinho tinto pra gente/ eu tiro sua lingerie ao dente e a cada arrepio que você sente uma alta dose de THC na mente/ é que você é foda e eu to te querendo/ a tua libido água a cada toque meu sereno/ teu beijo é um doce veneno e eu beijando, vou me perdendo/ preta flor me veste em ti, sem pudor/ o que queres de mim?/

Quero provar da doce dose do seu amor/Quero ter o gosto em minha boca como uma verdadeira degustadora/Eu Desejo sentir o cheiro de sexo no ar/Nossos corpos se comunicando a cada tocar/Um beck e vinho para o paladar melhorar/Quero doses múltiplas de prazer/ e de preferência com você/Anseio que sua boca me leve ao êxtase do amor/Espero que me decifre delicadamente para que cada verso não saia de sua mente/ Doce é o gosto que quero sentir quando eu te sentir/quando eu sentir o prazer. (Fabiana Lima)

 

Curte aí, e entre em colapso!