#FalaPreta – Carla Akotirene fala de seu livro na coleção “Feminismos Plurais”, de Djamila Ribeiro!


carla_akotirene
Foto: Antonio Terra

 

Carla Akotirene. Mulher negra, assistente social, pesquisadora da Epistemologia Feminista Negra, Doutoranda em Estudos de Gênero, Mulheres e Feminismo (UFBA) e coordenadora do projeto de Extensão da UFBA Opará Saberes, uma iniciativa que visa auxiliar estudantes negros e negras nos cursos de nível superior em Universidades estaduais e federais. E ela tem mais uma conquista pra acrescentar: autora do livro “O que é Interseccionalidade?”, da Coleção Feminismos Plurais, coordenada pela Mestra em Filosofia Política e feminista negra Djamila Ribeiro. Como foi isso? Carla Akotirene nos conta:

Portal Soteropreta – Carla, como surgiu o convite para a Coleção e o que você sentiu com ele?

Carla Akotirene – Ele veio ano passado, quando Djamila Ribeiro -ao proferir a Conferência de abertura da segunda edição da Opará Saberes – ratificou, publicamente, a necessidade do volume “O que é interseccionalidade”, deixando-me tomada pelo medo de escrever; aumentando o trabalho de si, coordenadora, que precisou lidar, muitas vezes, com as minhas autosabotagens. Sem dúvida, o racismo é o maior inviabilizador da escrita de uma mulher negra, conforme já explicou a mestiza Gloria Anzáldua. Para nós, mulheres negras do terceiro mundo, o medo de escrever pode fazer o “sangue coagular na caneta”.

Fomos condicionadas pela insignificância racial imposta às nossas epistemes africanas e, por mais que irmãs negras estejam ali, dizendo o contrário, temos dificuldade de apostar na Orientação do Sul global. Pra você ter ideia, à época, minhas alunas da UFBA fizeram rituais de incentivo espiritual, deixaram recados nos quadros e registraram depoimentos dizendo: Eu já li “o que é lugar de fala” da Djamila Ribeiro, agora quero ler Akotirene. “Professora, comprei “O que é Encarceramento em Massa”, da Juliana Borges, ela até cita a senhora”. “Professora, a Joice Berth lançou o que é empoderamento, escreva para nós, vamos nos sentir empoderadas coletivamente.”

carla_akotirene

Portal Soteropreta – Seu tema nesta Coleção é “Interseccionalidade”. O que mais você pauta neste debate, e qual a urgência de tratá-los desta forma?

Carla Akotirene – A interseccionalidade é uma ferramenta metodológica pensada pelas feministas negras da diáspora africana, a fim de manifestar que, politicamente, a luta dos negros não escapa do caráter masculinista e do regime nacional heterossexista, bem como as pautas feministas só são possíveis graças ao racismo. Propriamente dito o conceito de interseccionalidade foi nomeado por Kimberlé Crenshaw, jurista estadunidense, no âmbito das leis antidiscriminação. Ela evidenciou o colonialismo, produtor do acidente estrutural sofrido por humanidades colonizadas, tendo em vista que o racismo, capitalismo e cis-heteropatriarcado se cruzam inseparadamente, repetidas vezes, atingindo frequentemente as mulheres negras posicionadas nas avenidas identitárias.

A interseccionalidade proporciona a articulação entre teoria, metodologia e prática aos acidentados durante esta colisão, amparando-os intelectualmente na própria avenida do acidente, ou seja, na encruzilhada discursiva.  Abordagens eurocêntricas por vezes chegam à contramão para darem socorro epistemológico, ignorando o contexto do acidente e causando, por conseqüência, mais fluxos no cruzamento de raça, nação, gênero e classe. É o modismo acadêmico da interseccionalidade. Estabeleço sete críticas ao conceito, dialogando com Angela Davis, Ochy Curiel, Gilza Marques, Jasbir Puar, Sueli Carneiro, Patrícia Hill Collins e Houria Bouteldja.

Portal Soteropreta – Como única preta nordestina nesta Coleção, o que significa pra você esta representatividade e como isso tangência sua temática?

Carla Akotirene – Vou responder usando a própria interseccionalidade. Assim como as negras estadunidenses sofrem o racismo epistêmico das branquitudes do Norte Global mas publicam assertivamente as teorias do ponto de vistas feministas negros acerca de nós, suas irmãs de barcos noutra América, as mulheres negras do nordestes são contempladas pela publicação da intelectualidade negra independentemente da fronteira. No entanto, sabemos que a publicação e autoridade discursiva das regiões sul e sudeste do Brasil marcam a diferenciação epistêmica entre quem pensa e quem faz o trabalho pesado. Então, Djamila Ribeiro, sem dúvidas, é uma brilhante feminista negra ao reconhecer que, mesmo sendo todas nós, independentemente de escolaridade, grandes intelectuais negras, somos atravessadas pelas encruzilhadas regionais de saber-poder.

feminismos_plurais

Portal Soteropreta – Você está à frente do Opará Saberes, uma iniciativa que pauta a presença feminina negra no campo acadêmico. Quais tem sido os frutos deste trabalho?

Carla Akotirene – A Opará Saberes descoloniza a teoria e rompe com a dependência epistemológica ocidental. Elaboramos nossas teses e dissertações, pleiteamos projetos acadêmicos sem as correntes da Europa. Como a academia é uma espaço de manutenção da colonialidade,desde a primeira edição a Opará nunca recebemos um centavo da universidade, também não acessamos quaisquer recursos governamentais formalmente instituídos. Particularmente guardo recursos espirituais para esta finalidade política, aliás, não restrita a mim. As formadoras são inúmeras, cito aqui Zelinda Barros, Denise Carrascosa e Dayse Sacramento que desde a primeira edição tem feito a proposta acontecer como pancada de água no epistemicídio. Este ano 70% das candidaturas aprovadas no mestrado e doutorado, nos estudos feministas da Universidade Federal da Bahia fizeram formação na Opará Saberes. Digo mais: As novas mestrandas e doutorandas foram assistir minhas aulas do Bacharelado em Gênero e Diversidade do início ao fim. Somos Extraordinárias e cheias de segredos para minar a Casa Grande.

Portal Soteropreta – Carla Akotirene e os Feminismos Plurais: que resultado podemos apreender deste encontro?

Carla Akotirene – Odé acertou, através do Orí de Djamila. Não teremos mais fome epistemológica. Estamos publicando, e assim como as yabás conseguem ser lindas e aguerridas, nós conseguimos evitar essencialismos, porque a noção identitária de ser de casa ou da rua, já explicada por Sueli Carneiro e Jurema Werneck, cabe à cosmogonia eurocêntrica, cuja visão é ocidental e apressada em levantar hipóteses fáceis sobre nós. Temos outros sentidos epistêmicos para dar conta. A rainha Osum trabalha fora de casa e manda bem na cozinha sem hierarquias, afinal, ela é ialodê.

A Coleção Feminismos Plurais aborda os feminismos, tendo como pilar principal mulheres negras e indígenas e homens negros como sujeitos políticos. Acesse aqui!