#FlicaPreta – Mawó Adelson de Brito lança livro “Exu, èsu Elegbará é Vodun Legbá” em Cachoeira!


Mawo_AdelsonMawo_Adelson

Entre os dias 11 e 14 de outubro, o recôncavo baiano será palco da Festa Literária Internacional de Cachoeira (FLICA), que em 2018 chega a sua oitava edição trazendo a forte presença de autores negros.

Nesta quinta-feira, o público acompanhará o lançamento do livro “Exu, èsu Elegbará é Vodun Legbá”, com a presença do autor Mawó Adelson de Brito. A obra é um registro do resgate de uma tradição anterior à censura imposta pelo cristianismo às religiões e culturas trazidas ao Brasil pelos nossos ancestrais, que foram trazidos à força pela economia escravagista.

Segundo o autor, este resgate inclui a retomada do significado das frases que compõem as peças litúrgicas, no intuito de demonstrar de forma irrefutável que as religiões tradicionais de matriz africana, conhecidas como Candomblé de Ketu e Candomblé Jeje, têm estrutura de culto religioso com base em panteões compostos por seres divinizados e hierarquizados.

“Com base na realidade perversa e irresponsável do sistema que “substituiu” o escravismo sem promover a reparação, emancipação do ex-escravo, e que usa como justificativa uma plataforma racista e pseudocientífica que inferioriza o negro frente ao europeu”.

Mawó Adelson de Brito afirma que teve a intenção de construir um texto no qual desconstrói essa inferioridade, partindo da desmistificação de alguns conceitos, como por exemplo, a visão de que a língua Ioruba dos nossos ancestrais nagô seria uma “forma primitiva de comunicação”.

A publicação traz os cânticos mais conhecidos entoados para Exu e Leba, com suas letras originais em língua ioruba (para Exu) e língua fon (para Leba), com suas respectivas traduções em português. Faz parte da obra um CD com esses cânticos gravados em estúdio.

O autor apresenta textos em Ioruba, mostrando que é uma língua dotada de semântica como qualquer língua ocidental. A obra descreve e contextualiza os cânticos nos respectivos processos litúrgicos. Após o lançamento, o livro segue para Brasília e Rio Grande do Sul, e possivelmente também será lançado na Suíça.

 

Sobre a Flica

Mawó Adelson de Brito ressalta que a Flica é uma importante vitrine internacional. “Estar na Flica é o sinal de acolhimento literário da narrativa do negro e da sua forma de contar a nossa história, com uma autoridade que nos vinha sendo negada historicamente”, explica.

O autor comemora a oportunidade de mostrar o seu trabalho ao lado de nomes exponenciais da literatura internacional, e torce para que este espaço permaneça aberto: “Estar na Flica como autor, sendo um sacerdote afroreligioso que descreve um processo que vivencia é uma novidade que, espero, tenha vindo para ficar”.

 

SERVIÇO

O quê: Flica – Lançamentos de Livros com Temática Negra

Onde: Casa Educar para Transformar – Cachoeira – BA

Quando: De 11 a 14 de outubro de 2018

Quanto: Gratuito