Forte do Barbalho apresenta espetáculo com primeira escrita yoruba


Quaseilhas
Foto: Shai Andrade

QUASEILHAS é a primeira obra cênica autoral brasileira integralmente em um idioma africano, o yorùbá. A escrita foi estruturada do oríkì, literatura oral dos povos yorùbá, como linha de acesso aos vazios dessa memória e como ferramenta de criação dentro desses espaços vagos. Concebido e dirigido por Diego Pinheiro, esta em cartaz 12 a 29 de abril, de quinta a sábado, às 19h e aos domingos, às 18h30, no Forte do Barbalho.

A proposta é ser um espetáculo que fornece uma visita às memórias para lembrar-se do futuro e busca por sair dos limites do tempo. A obra cênica faz um trânsito entre às lacunas da memória afro-diaspórica, tendo como ponto de partida as memórias familiares do criador e dos seus colaboradores, Laís Machado, Diego Alcantara e Nefertiti Altan, mesclando visualidades, canto e performatividades.

QUASEILHAS também marca uma inspiração na teatralidade yorùbá, por meio dos alárìnjó, uma arte que envolve dança, teatro, canto e máscara para reverenciar os ancestrais e data do século XVII, sempre envolvendo o uso de máscaras, a manipulação de instrumentos musicais, virtuose física e a circulação pelos territórios, para contar histórias e nasce do culto aos Egunguns.

A experimentação na linguagem artística excederá o lugar do corpo, chegando também na cenografia, que prevê a construção de todo um espaço que evoca as antigas palafitas de Alagados, e que se concebe para facilitar os jogos atmosféricos propostos pelos Alárìnjó.

Serviço
QUASEILHAS
Espetáculo de Diego Pinheiro
De 12 a 29 de abril, de quinta a sábado, às 19h e domingo, às 18h30
Onde: Forte do Barbalho (End: Rua Mal. Gabriel Botafogo, s/n – Barbalho)
Ingressos: R$10,00 (inteira) e R$5,00 (meia entrada)