Juliana Ribeiro fala de carreira e da “Preta Brasileira”


a cena ta preta
Foto: Junior Assis

A Preta Brasileira é essa mulher negra contemporânea, que dá conta de várias funções como ser mãe, mulher, autônoma e, no final do dia, é capaz de fazer suas próprias escolhas e ser altiva apesar de tantas demandas”.

Assim a cantora Juliana Ribeiro define seu show “Preta Brasileira”, que integrou, na noite do último sábado (19), a programação do Festival A Cena ta Preta, no Vila Velha.

A canção “Preta Brasileira” traz, em sua letra, a mulher negra contemporânea, inspirada na própria vivência da artista.

O show, com direção artística e concepção de Juliana Ribeiro e direção musical de Marcos Bezerra, uniu linguagens artísticas diferenciadas.

Teve música, teatro, audiovisual e poesia. “Faço questão de agregar meus parceiros poéticos que me inspiram, como Cecília Meireles. No audiovisual, toda cenografia é composta pela exposição “A cor do invisível” de Gal Meireles, antropóloga que trabalha com marisqueiras do recôncavo baiano. Aqui mostro a atualidade das mulheres negras do nosso interior, que é tão diversa e que pode ser contemplada através da Preta Brasileira”, diz Juliana.

juliana ribeiro
Foto: Junior Assis

O show estreeou no verão do ano passado e já levou a diferentes palcos as artistas, |Iracema Kiliane do Ilê Aiyê, Ana Mametto, Di Ribeiro (Brasília) e a cantora Lia Chaves, que participou do show no Vila. Na ocasião, ambas homenagearam a sambista, Clementina de Jesus.

“Sempre quero trazer a arte pra dentro da minha música e Preta Brasileira

me deixa muito feliz, pois tem conseguido concretizar essa minha vontade”.

Sobre o Festival A Cena Tá Preta, a artista é certeira: “Só de pegar uma expressão negativada (“A cena ta preta) e positivá-la, levando-a ao palco, isso já é essa vanguarda. Fazer parte disso é um sonho, sempre acompanho, vou e freqüento o Teatro Vila Velha. Estar lá, e ver várias pretas brasileiras na platéia confirma que o festival é tão vanguarda quanto a preta brasileira”, enfatiza.

“Ele me instiga: a mecha loira, que agora é vermelha, será azul. Ela tá sempre se metamorfoseando, e o artista não pode estacionar nunca. Agora é a hora de mexer, e estou mexendo nestas referências, trazendo outros lados”, diz.

O show Preta Brasileira marca, para Juliana Ribeiro, uma nova fase: a de renovação de sua carreira, que já registra 15 anos. “Há uma grande transformação em vários aspectos, tanto no cenário, quanto em minha construção enquanto artista. São vários desejos, canções e sensações que sempre quis imprimir e, com o “Preta Brasileira””, posso fazer”, diz.

julianaribeiro
Acervo Pessoal – Clipe nas escolas

O Clipe

Para divulgar o seu novo trabalho e ampliar o alcance do debate que ele traz, Juliana lançou este ano o clipe “Preta Brasileira”, no qual convida mulheres negras do cenário cultural, político de Salvador (veja aqui). “O clipe traz a ideia de que ser negro é ser diverso. Nele há varias formas de ser mulher e negra sem o clichê. Temos que entender que é nosso direito nos expressar da forma como a gente se vê: cabelos trançados, black, vermelhos. A ideia é poder levar essa linguagem de negritude para um número maior de pessoas”, afirma.

O clipe vem sendo trabalhado em escolas públicas na cidade, para onde Juliana tem levado a discussão de gênero e raça a partir do vídeo.

julianaribeiro2
Acervo Pessoal – Gravação Clipe

“Existem muitas negras que não conseguem se afirmar enquanto tal. Se esta pessoa do outro lado até então não teve essa coragem e, com o clipe, enxergar alguém como ela, já terá valido a pena. Pessoas tem me retornado, dizendo que conseguiram se afirmar depois de ver o clipe. Ou seja, ele está fazendo seu papel para além da arte”.

Juliana Ribeiro tem apresentações já agendadas para 2017, registre:

Todas as quartas de Janeiro, no Teatro SESI RIO Vermelho, com o Show “Na Batucada da Vida”.