Kenia Maria fala sobre estreia de stand up “DOUBLE BLACK” com Érico Brás, em Salvador


Double Black Kenia maria e erico bras
Divulgação

O stand up DOUBLE BLACK, encenado pelo casal Kenia Maria e Érico Brás terá estréia nacional em Salvador – Teatro Jorge Amado neste fim de semana (3 e 4 de junho). É um espetáculo que mescla humor e reflexão, uma análise do cotidiano das pessoas.

Mas quem acompanha os dois, sabe que engajamento é uma constante em suas atuações, posicionamentos e presença no business do entretenimento. Érico veio do Bando de teatro Olodum, projeto politicamente engajado e comprometido com a causa negra. Kenia Maria, por exemplo, é atriz, youtuber e escritora, além de ter sido recentemente nomeada pela ONU, Defensora dos Direitos da Mulher Negra – a primeira, aliás.

É com ela que o Portal Soteropreta fala, com exclusividade, nesta entrevista sobre o DOUBLE BLACK, que estréia nacionalmente em Salvador. Veja o que ela nos diz sobre o DOUBLE e muito mais…

Portal Soteropreta – DOUBLE BLACK: como e quando surgiu a idéia?

Kenia Maria –  A ideia de fazer essa peça – que é um stand up, peça de teatro, tem ficção e muito mais – veio logo depois do Canal no Youtube “Tá bom pra você?” (produzida por Érico, Kenia e que teve seus filhos no início – Gabriela e Mateus). Que fala da nossa experiência no Rio de Janeiro – eu vindo de fora do Brasil e o Érico vindo da Bahia pra Rede Globo, morando num bairro da Zona Sul do Rio. Uma mulher negra já com dois filhos e um homem negro que a recebe e com troca com ela – sem ser algo milagroso ou misericordioso, como as pessoas falam. É uma relação de muita troca, contrária a de muitas mulheres negras no Brasil, onde vivemos o abandono, a solidão, em especial quando temos filhos pretos. Então, é um privilégio tê-lo como companheiro. E o DOUBLE BLACK traz isso pro palco, traz o “Tá bom pra você” pro Teatro.

Portal Soteropreta – Porque o formato de stand up e o que de inovação vocês estão trazendo?

Kenia Maria – Stand Up é uma forma nova que veio dos pretos americanos – importante falar isso – é algo que nos sentimos muito à vontade de fazer. Como nós gostamos de inventar moda, essa é mais uma ousadia nossa, uma coisa que a gente nunca viu. Eu não sabia, mas me disseram que o “Tá bom pra você?” é a primeira webserie negra do Brasil, então agora nós estamos inventando isso também. Acho que o artista tem que fazer isso e o artista preto, minha irmã, se não inventar, morre de fome.

double black erico bras kenia maria
Divulgação

Portal SoteroPreta – Como a questão racial será levantada neste projeto?

Kenia Maria – Tá na gente, né. Trata-se de uma mulher preta que nasceu no subúrbio do Rio de Janeiro, de uma família de militantes e um homem negro que vem do Bando de Teatro Olodum, então não tem como não nos envolvermos com as questões do negro no Brasil, esse país racista em que a gente vive. Hoje nós ocupamos um lugar interessante pro que nos propusemos a fazer, que é falar do que tá errado, e daí vem o “Ta bom pra você?”. Hoje temos eu e a Camila Pitanga na ONU Mulheres, falando de igualdade de gênero, de direitos da mulher negra, então é impossível não falarmos da questão racial. O espetáculo vem todo falando dos padrões estabelecidos pela sociedade brasileira.

Portal SoteroPreta – Qual é a grande complexidade da sociedade hoje, na sua opinião?

Kenia Maria – A questão racial, definitivamente. A morte dos jovens negros, aumento da violência de 54% contra a mulher negra, estamos vivendo retrocessos. Mesmo com quase duas décadas de Cotas Raciais e Estatuto da Igualdade Racial, ainda existe um grande problema, existe um projeto que vem dando certo, muito eficaz, que mata a população negra. Com todas as conquistas, continuamos morrendo muito, então o racismo é muito lá embaixo. Temos que tentar entender a raiz disso tudo. Com todo empoderamento das mulheres negras, crescimento dos alertas e denúncias de violências, mas mesmo assim é assustador como estão nos matando. Estamos num momento muito estranho, grave, pra todas nós.

double black erico bras kenia maria

Portal Soterpreta – Você e Érico, junto a Taís e Lázaro compõem hoje casais de referência à população negra brasileira. Referências de sucesso, representatividade positiva e afirmativa aos jovens, crianças, adultos. Como você encara isso?

Kenia Maria – O mais importante é que vivemos uma época diferente, né.  Tenho 41 anos e vivi uma adolescência na qual homens negros – na sua grande maioria -, em ascensão, casavam com mulheres brancas. Ainda que muito tímido, porque o racismo aqui foi muito bem aplicado. É importante ligarmos a TV – não podemos subestimar, pois ela está em 97% dos lares – e ver a Michele Brau desfilando poder no horário nobre. É uma conquista pra todas nós, me orgulha. Uma mulher negra que está como quer, falando o que quer, com a cabeça em pé…tem criança vendo isso. A próxima geração vai ser insuportável – aguentem (risos).

O Érico e o Lázaro, em um país que mata homens negros, nos mostrando que são humanos, que nos representam na arte e a arte é opinião. Negro tem que tá na arte pra ter opinião. Pra mim, uma menina de favela, que já milito desde os 13 anos em Blocos Afros, em ONGs que atuaram nas chacinas do RJ, com meninas em situação de risco como eu era, hoje estar na ONU Mulheres como defensora das mulheres negras, é dar continuidade a tudo que minhas mestras me ensinaram como Vilma Reis, Sueli Carneiro, Maíra Azevedo…que deixa racista de cabelo em pé logo pela manhã na TV,  isso é bom demais.

érico bras e kenia maria double black
Érico, Kenia, Gabriela e Mateus: webserie chamando a atenção para a falta de negros na publicidade e na TV. Foto: Renee Rocha

 

Portal SoteroPreta – Tia Má estreou no stand up com sucesso aqui em Salvador e segue pelo Brasil. Agora, Double Black. O Stand Up está, enfim, chegando entre nós, negros, com nossas mensagens, nossas pautas, nosso lugar de fala – para além dos estereótipos. Como você vê esse movimento?

Kenia Maria – Pô, um momento especial nosso. Estamos pulando da Internet pro palco, fazendo um caminho diferente, como o foi nosso caminho pra cá pro Brasil, né. Mas, apesar de parecer um espaço democrático, nós ainda não vendemos os produtos que os youtubers brancos vendem. Nossa mente ainda é colonizada, tem muita mulher preta youtuber com sucesso, mas exploradas, que vemos depois em produtos brancos imitando coisas criadas por nós. Não tem democracia nesse espaço, senão teríamos também o mesmo espaço na publicidade, pois queremos falar de dinheiro.

 Kenia Maria e Érico Brás estão em plena rotina de ensaio, preparando o DOUBLE BLACK para estrear no Teatro Jorge Amado. Os ingressos já estão à venda aqui!

NÃO PERCA – DOUBLE BLACK!

Datas: 3 e 4 de junho
Horário: 21h (Sábado) | 19h (Domingo)
Local: Teatro Jorge Amado – Pituba
Ingressos: R$ 76 (Inteira) | R$ 38 (Meia)