#OparáSaberes – Shirlei Sanjeva, o Opará e a ascensão ao Mestrado!


 

shirlei_sanjeva_opara_sabers

“Um divisor de águas, literalmente!” Assim a pesquisadora e agora Mestranda, Shirlei Sanjeva define o que foi o Opará Saberes em sua vida. Idealizada pela Assistente Social e Doutoranda, Carla Akotinere, Opará Saberes é uma iniciativa que visa auxiliar estudantes negros e negras nos cursos de nível superior nas Universidades estaduais e federais.

Na primeira edição, em 2016, Shirlei estava lá, na plateia. Nesta segunda edição, que começa na próxima terça – feira (24), ela será uma das formadoras. Shirlei é Mestranda em Estudos Interdisciplinares Sobre Mulheres, Gênero e Feminismo no Núcleo de Estudos Interdisciplinares sobre a mulher/UFBA.

Veja o que ela nos conta sobre o Opará:

 

Portal Soteropreta – O que o Opará significou pra você?

Shirlei Sanjeva – Eu estava na caminhada de estudos para o Mestrado, fazendo o projeto, no qual o Opará foi afinador. Poder estar com grandes referências como Zelinda Barros, Claúdia Pons, Ana Claúdia Pacheco, e tantas outras professoras, amigas e colegas que também estavam no processo de escrita do projeto, me possibilitou grandes trocas, até o ponto de compreender por onde realmente seguir. Eu já sabia com o que iria trabalhar, mas quando Zelinda Barros, em um dos Ciclos formativos, discutindo sobre os projetos, falou que: “não era sobre o que iriamos falar, mas a partir de que ângulo iriamos abordar”, tive a certeza de que definitivamente não precisava inventar a roda. Ela falava que não precisávamos ficar apreensiv@s sobre ter que escrever sobre algo necessariamente novo ou ter medo de falar sobre uma proposta já muito abordada, mas buscar dentro dos trabalhos que já existiam o que ainda não havia sido apontado ou utilizar uma outra metodologia para abordar.

Zelinda foi pontuando referências relacionadas aos nossos projetos, como teses e dissertações, que falavam sobre questões que estávamos pontuando, como exemplo. Foi incrível como saí de lá aliviada e, ao mesmo tempo, pensando em como a partir de então, meu projeto tomaria novo corpo, hoje intitulado: “Subalternizados/as políticos”: uma etnografia da sub-representação de mulheres, negros, lgbt, indígenas e deficientes nas eleições brasileiras de 2014 e 2016″.

Portal Soteropreta – Qual sua expertise para retornar agora como formadora?
Shirlei Sanjeva – Trabalho com a temática desde 2014, junto ao Observatório Feminista das Eleições do GIR@-Grupo de Estudos Feministas em Política e Educação/UFBA, onde os estudos sobre feminismo negro e interseccional, principalmente, começaram a ser parte da minha rotina. Como Mestranda, estou tendo uma grande oportunidade de aprofundar meus estudos sobre as teorias feministas, e teorias decoloniais, que hoje é minha área de ênfase e suporte do meu projeto de mestrado e minhas produções. Hoje, todas estruturadas a partir das teorias decoloniais.

 Veja programação deste mês:

opara_saberes1