Poesia Soteropreta – Staiflima: O Anjo Negro da Favela!


Samuel_LimaA poesia marginal é o tema de Samuel Lima da Silva (staiflima), que foi iniciado nos rituais da escrita de protesto em maio de 2016. Apesar de sua inserção tão recente, isso não implica em pouca experiência.Pelo contrário, Staiflima é cria de saraus, slams de poesia, lutas diárias contra o racismo e a discriminação.E sua arte é inspirada na realidade da favela e o combate ao racismo.

E Samuel Lima não está só e sabe disso. Seu grito de protesto pretende e já exercita quebrar as fronteiras do seu bairro, de sua quebrada. Ele deseja “Levar a minha realidade para cada canto do Brasil e trazer cada vez mais pessoas para essa militância”.

Se a poesia para alguns é apenas uma forma de florear a existência, o que é digno, para Staiflima é ferramenta de expurgo e desabafo. “A poesia pra mim é a forma que encontrei de colocar todo o meu sentimento de revolta pra fora. Eu utilizo da escrita periférica, nem sempre com muita rima e colocando muita emoção nos textos, com a intenção de atrair a atenção e causar, no mínimo, um pouco de empatia a quem escuta”, protesta.

Quem anda pela perifa da soterópolis, se bate com poetas e grafiteiros, slamers, artistas das mais diversas linguagens. As atividades desenvolvidas com apoio das comunidades e dos próprios participantes e convidados, envolvem e dinamizam os atores dessas quebradas. Com Samuel Lima não é diferente. Outra atividade que ele pratica é o graffite e, assim, vai colorindo de sonhos as mentes e muros da capital.

Nessas cores e corres a família se amplia, porque “Porque família é sentimento, amor e a poesia consegue expressar tudo isso.Família pra mim é acolhimento, ter alguém com quem contar em todos os momentos, alguém que eu possa mandar minhas poesias de madrugada e receber toques de como melhorar elas”, revela. E haja espaço para a família, que cresce a cada esquina, a cada recital. Se os muros são concorridos e, muitas vezes, precisa de autorização para ser grafitado, nas redes sociais Samuel tem todo o espaço do mundo. É ali que que “publico versos de poesias minhas e imagens de intervenções poéticas que faço na cidade”, conclui.

Samuel_Lima

Numa auto apresentação, ele finaliza com um poema-poeta “Eu sou Samuel Lima, nas ruas sou staif. Poeta preto de escrita marginal, que usa da poesia como forma de expressão e combate às opressões do dia a dia. Viso, através do meu trabalho,atrair cada vez mais pessoas para esse meio poético, espalhando como uma célula imortal poesia por cada beco, espaços, ônibus e vielas dessa cidade. Sou o ANJO NEGRO da minha favela”.

 

Cria da favela

Denominação favela
onde nasci
cresci
e me criei
e só quem esteve do meu lado sabe
as dificuldades que eu passei
Desde criança
o sistema vem tentando me destruir
Estive entre a caneta e o fuzil
Pra decidi
Mas graças aos ensinamentos da favela
A poesia chegou primeiro em mim
e até o sistema pira
Eu já passei dos 18
Superando as estatísticas
Tentaram me parar
Mas sou descendente
De guerreiros e guerreiras
E podem até tentar
mas não vão me calar de nenhuma maneira
Eu vou lutar
E vou mostrar que os pretos
Chegou nessa porra para revolucionar
e não vou descansar até que os meus tenham
Saúde
Educação de qualidade
E acessos a boas faculdade
Só vou me conformar
quando a formatura de pretos
forem maiores
do que a taxa de mortalidade.

Samuel Lima