#PoesiaSoteroPreta – A poesia-liberdade-libriana Larissa Barros!


Larissa_Barros-poesia_soteropreta

Larissa Barros escreve pequenos poemas desde a adolescência, mas somente há cerca de três anos, confessa, passou a vivenciar a poesia como uma arte potencial de expressão. “Escrevo majoritariamente sobre amor e questões de gênero e desejo expressar o que sinto e penso, assim como despertar no outro as suas próprias reflexões”.

 

A arte da palavra lhe toma por inteira. “A poesia pra mim é como falar, andar, respirar. Faz parte do meu ritual de vida. Vejo poesia pela janela do ônibus, em todo canto. Ela é instintiva, involuntária, pode brotar de todo lugar. Gosto de utilizar algumas figuras de lingaguem, como a personificação e anáfora. Não existe uma intenção exatamente, mas essas figuras me auxilam a transmitir a minha mensagem”.

 

A poesia de Larissa dialoga e rima com família, quando família representa acolhimento, segurança e liberdade; rima, sobretudo, com qualquer espaço de diálogo e libertação do pensamento. “Se não tiver isso, acredito que não pode rimar com família”, sussurra.

 

Além de poemas, Larissa se aventura, também, pela prosa, e diz que já escreveu alguns pequenos contos, mas ainda está em processo de identificação com essa linguagem. Apesar de usar as redes sociais, prefere não se divulgar como poetisa nestas plataformas. Prefere outros suportes, como declara: “Publiquei uma fanzine como trabalho final de um componente curricular no curso que faço na Ufba, na qual coloquei três pequenos poemas”.

 

Em suas próprias palavras ela tenta se resumir: “falar de uma libriana clássica como eu não é facil. Sou a mistura de muita coisa e não me envergonho disso. Não gosto de ser encaixada em quadrados e me dou a oportunidade todos os dias de mudar os meus pensamentos. Acho que essa é a minha marca maior, essa capacidade de me refazer sempre e não me sentir obrigada a manter sempre a mesma linha de pensamento. Acho que o segredo pra viver nesse mundo louco está na renovação diária”.

 

SEM ESCAPATÓRIA

 

Em todo o meu percurso,

Em cada canto deste mundo

Mundo insano por sinal

Não encontrei quem tenha escapado

De um grande amor

Tão pouco ter saído ileso dele

Espontâneo como criança

Leveza de um passarinho

Perspicaz, rápido, voraz

Há quem o chame de paixão

Loucura, cegueira, desejo ou tesão

Fica a vontade, a mercê e a toa

Chame do que quiser

Quantos apelidos couber

Só não se negue e nem recue

Não gosta de ser rejeitado

E não se faz de rogado

Mas sem dúvida

Seu lugar, seu porto, seu chão

O lugar para onde sempre volta

É o repouso tranquilo

Na letra da canção.