Por mais ‘Grandes Otelos e Ruths de Souza’ em nossos palcos e telas: Lelo Filho, mais de 30 anos em cena!


lelo_filho
Foto: Dedeco Macedo

Um ator. Quatro personagens em cena. Um misto de ficção e realidade. Este é o tempo, espaço e ação de “Fora da Ordem”, primeiro espetáculo solo do ator, diretor e escritor teatral baiano, Lelo Filho. Sua trajetória vem de mais de 35 anos nos palcos baianos, e seu primeiro espetáculo solo tem estréia para esta quinta (24), no teatro ISBA. O Portal Soteropreta entrevistou Lelo e traz sua análise enquanto artista negro na cidade. Confira:

Portal Soteropreta –  Lelo, você é um homem negro, ator, escritor e diretor teatral, artista. Pra você, onde estão os maiores desafios nestes caminhos?

Lelo Filho – A sensação que tenho é de que é uma conquista a cada dia. Sempre foi, mas espero que em algum dia consigamos tornar isso reconhecido com o talento de tantos artistas sem grande sofrimento. O desafio é ser artista num país que trata tão mal as artes, especialmente em tempos tão sombrios como o que estamos vivendo. Mas, as referências que tive e tenho são importantes. Por mais ‘Grandes Otelos e Ruths de Souza’ em nossos palcos e telas.

 

lelo_filho
Foto: Fabio Peixoto

Portal Soteropreta – A política e a arte se entrecruzam em sua trajetória. Como manter essa veia em tempos tão temerosos?

Lelo Filho – Nunca dissociei uma coisa da outra. Minha arte sempre foi política, desde que encenei, ainda no segundo grau, um trecho de “O Santo Inquérito”, uma peça tão polêmica de Dias Gomes. E logo depois ao escolher, para o teste do IV Curso Livre de Teatro do TCA, em 1982, um trecho de “Rasga Coração”, texto de Oduvaldo Vianna Filho, que foi proibido pela ditadura militar. Ali comecei minha carreira, inicialmente nos bastidores, que se estendeu para os  palcos como ator, diretor e autor também. Hoje em dia, apesar dos tempos temerosos, é muito positivo poder usar a liberdade conquistada lá atrás para falar de temas que são importantes para entendermos nossa história e tentar criar um futuro melhor.  Essa frase da cantora e ativista Nina Simone, guia todo meu trabalho: “Como você pode ser um artista e não refletir o momento em que vive?”

 

Portal Soteropreta – Na Cia Baiana de Patifaria são 30 anos de uma dramaturgia crítica, por meio da Comédia. Como você avalia estas décadas?

Lelo Filho – Vivenciamos eras em termos de políticas econômicas, ideologias, temas a serem inseridos nas entrelinhas dos oito espetáculos que decidimos montar, tanto em drama como no humor. Como dizia Chico Anysio: “O humor é irmão da poesia, o humor é quem denuncia, eu não tenho possibilidade de consertar nada, mas eu tenho a obrigação de denunciar tudo, o humor é tudo, até engraçado”.

 

Portal Soteropreta – Agora, com “Fora da Ordem”, o que a Cia trará para o público ao tematizar o racismo, a homofobia e a ditadura?

Lelo Filho – Em “Fora da Ordem” assumo a responsabilidade em escrever um texto que levou mais de 2 anos de pesquisa sobre um momento histórico do país, que muitos no Brasil desconhecem ou têm uma ideia distorcida. O golpe militar e como ele afetou a vida de tantos. Utilizo uma família, dramaturgicamente, para contar essa história – começando no ano de 1968 e vindo até os dias de hoje, atualizando sempre o texto a cada nova temporada ou apresentação. Casos de racismo, homofobia e intolerâncias diversas são abordadas para gerar algum tipo de reflexão e entendermos de onde viemos, o que estamos fazendo no presente, mas apontando para um futuro que só nós poderemos construir e transformar em algo melhor.

 

lelo_filho3
Foto Fabio Lima

Portal Soteropreta – O que Lelo Filho tem a dizer aos artistas e produtorxs negrxs de Salvador? 

Portal Soteropreta – Temos muito trabalho para realizar, muitos temas para discutir, portanto precisamos estar ‘atentos e fortes’, como diria Caetano, nas escolhas do que estamos produzindo, amplificando para o público. E mais do que estarmos atuantes, não há melhor ferramenta que a informação, que  aprofundar esses temas antes de dividí-los com os outros. Ninguém nunca me disse que seria fácil, mas uma vez que o ofício nos apaixone, precisamos perseverar para que nossa arte cresça e possa se comunicar com o maior número de pessoas.

 

Serviço
O quê: FORA DA ORDEM, espetáculo solo com Lelo Filho
Quando: Quinta-feira, 24 de maio, às 19:30h – ÚNICA APRESENTAÇÃO
Onde: Teatro ISBA – (Av. Oceânica, 2717 – Ondina – 71 4009-3622)
Ingressos: R$ 50/25 (meia) na bilheteria ou pelo site www.ingressorapido.com.br
**A bilheteria funciona de terça a quinta, das 14h às 19h, e de sexta a domingo, de 15h às 20h.
Recomendação etária: 14 anos