Ativismo contra Violência – Gordinhas de Ondina ganham novo visual até dia 10


violência contra mulher
Foto: Marcio Gualberto

Até este sábado – 10 de dezembro, Salvador está em campanha pelos “21 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra as Mulheres”. O Coletivo de Entidades Negras (CEN), em parceria com Instituto Avon, encabeça a programação. A partir desta segunda (5), um dos monumentos mais populares na cidade se unirá ao Elevador Lacerda e ficará laranja- cor da campanha: as gordinhas de Ondina.

À frente da campanha em Salvador, a coordenadora de Gênero do CEN, Iraildes Andrade reforça que a campanha este ano chama a atenção para a maior incidência de violências de gênero contra mulheres negras.

“As ações, em todo país, começaram no dia 20 de novembro, justamente, no mês da Consciência Negra, e seguem até dia 10, pautando a mudança de comportamento dos homens e um debate sobre os marcos legais que existem no combate a estas violências”, enfatiza.

Em 10 anos, o feminicídio entre mulheres negras aumentou em 54%, quanto que a incidência em entre mulheres brancas caio cerca de 10%.

Neste sentido, já foram realizados debates junto a órgãos como Secretaria Estadual de Justiça, Cidadania e Direitos Humanos, Secretarias de Políticas para as Mulheres – municipal e estadual -, Defensoria e Ministério Público, OAB/BA, Polícia Militar, além de diálogos junto a mulheres em cumprimento de penas e medidas alternativas e regime fechado, em Salvador.

A Campanha segue com debate junto à juventude em Lauro de Freitas e distribuição de material informativo no município e em Simões Filho, além de Salvador. Saiba mais das ações realizadas pela Campanha aqui.

 

Mulheres em cárcere receberão ação especial nos 21 Dias de Atvismo Contra Violência


Foto: Pedro Moraes/GOVBA
Foto: Pedro Moraes/GOVBA

Até dia 10 de dezembro, Salvador e Lauro de Freitas receberão ações tendo como pauta o combate à violência de gênero que vitima uma mulher a cada 2 minutos no país.

Junto ao Instituto AVON e à Prefeitura de Salvador na campanha dos 21 Dias de Ativismo Pelo Fim da Violência Contra a Mulher, o Coletivo de Entidades Negras (CEN) também incluirá uma população especial destas estatísticas: as mulheres encarceradas. Elas são 115 no Presídio Feminino, em Salvador.

A situação de abandono afetivo e o recorrente quadro de baixa autoestima nestas mulheres serão os alvos do Dia de Cuidado, nesta segunda (28).

Momento em que será ofertado a estas mulheres, oficinas de estética com cursos de auto maquiagem com produtos da AVON, cortes e cuidados com os cabelos. Além disso, elas terão uma roda de conversas sobre racismo e violência de gênero.

“As mulheres que cumprem penas privativas de liberdade, ou mesmo as restritivas de direitos são, em sua maioria, negras e provenientes de comunidades populares. São historicamente vulnerabilizadas pela ausência de políticas de atenção que discutam a violência e seus desmembramentos de forma aprofundada”, enfatiza Andréa Mércia, coordenadora geral da Central de Apoio e Acompanhamento às Penas e Medidas Alternativas (CEAPA).

mulher encarcerada
Foto: Charles Guerra / Agencia RBS

“Apesar de termos avanços nas discussões de gênero e uma discreta queda no índice de violência nos últimos 10 anos, ainda somos vítimas contumazes do feminicídio, alimentado pelo machismo, misoginia e patriarcalismo arraigados na sociedade brasileira”, pontua Andreia Mércia.

“Sabemos que a maioria aqui é tão vítima que se transformam em rés. Isso é muito triste. Debates como estes são necessários para estas mulheres pra que elas possam se conscientizar, abrir seus olhos. Muitas estão tão acostumadas a serem mal tratadas que acham que não tem direitos ou alternativas diante das violências que sofrem. Então, tudo que possa vir a trazer esclarecimento para elas é muito bem vindo na unidade. Sempre as digo que o direito do qual estão privadas é o de ir e vir, os demais elas devem estar cientes de quem tem.” – Luz Marina, diretora do Presídio Feminino.

Já no dia 5/12, o CEN realiza a Roda de diálogos sobre Racismo e Gênero, na sede a OAB, em Salvador, onde 25 mulheres que cumprem pena alternativa estarão presentes.

A Campanha pelos “21 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra as Mulheres”, conta anda com parceria da Prefeitura de Salvador e começou na última sexta (25), com a iluminação especial do Elevador Lacerda na cor laranja, que simboliza o ativismo em todo o mundo. O mesmo assim ficará até o dia 10 de dezembro, quando finda a Campanha.

O Coletivo de Entidades Negras realizará, ainda, debates com policiais e comandantes militares, órgãos públicos do Poder Executivo, jovens de Lauro de Freitas.  Saiba mais das ações aqui.

Instituto AVON pauta mudança de comportamento no combate às violências


mafoane odara
Foto – Mafoane Odara/Banco de Imagens

As diferentes formas de violência que acometem as mulheres são, ainda, pouco conhecidas pelas próprias vítimas. Reconhecer, quando de uma denúncia, que violência psicológica, sexual, patrimonial, moral, se equiparam à violência física e que devem ser combatidas ainda é um desafio.

Mas um desafio ainda maior é unir homens no ativismo pelo fim destas violências. Este é um dos objetivos principais do Instituto AVON ao propor, no Brasil, a Campanha dos “21 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra as Mulheres”. Em Salvador, o Instituto está em parceria com o Coletivo de Entidades Negras (CEN) e a Prefeitura de Salvador, na realização de ações de conscientização.

Além de enfatizar a maior incidência destas violências entre mulheres negras – a Campanha iniciou no dia 20 de novembro, Dia da Consciência Negra – o Instituto AVON vem pontuar, com ações em todo país e nas Redes Sociais, a importância de chamar os homens à responsabilidade neste ativismo.

“Enquanto não compreendermos e não chamarmos os homens para este debate, não conseguiremos acabar coma violência, uma vez que o machismo é o fator estruturante dela, assim como o racismo é estruturante em nossa sociedade” – Mafoane Odara,  pontua a coordenadora de projetos do Instituto Avon, responsável pela pauta da violência contra a mulher.

Nesta agenda, o Instituto, segundo Mafoane, tem pautado suas ações na construção do conhecimento – por meio de pesquisas, na articulação com outras empresas e no apoio a projetos que pautem a temática em todo o país, além do engajamento em meio a seus postos de revenda e funcionários. “Ao pautarmos nossas ações, não temos como ignorar o recorte racial, uma vez que as mulheres negras sofrem três vezes mais violências, além dos novos dados do feminicídio, que vitima 54% mais mulheres negras”, explica.

Naira Gomes, Olívia Santana, Jucy Silva
Naira Gomes, Olívia Santana, Jucy Silva

Com a Campanha, que tem como mote “A mudança começa onde o silêncio termina”, o Instituto apoia nestes 21 dias, mais de 100 ações em todo o Brasil. Na Bahia, as ações são capitaneadas pelo Coletivo de Entidades Negras (veja aqui). A foto acima integra exposição fixada durante estes 21 dias no Shopping Barra, reunindo artistas e personalidades baianas na luta pelo empoderamento feminino.

Mafoane chama a atenção para a “violência invisível”, aquela que mora no comportamento, no dia a dia e sobre a qual não se fala. “Precisamos encontrar novas formas de falar sobre o tema, não apenas no julgar e no culpar, mas propor a conversa, na mudança dos nossos hábitos. Apontar o erro não é a única forma”. A Campanha também associa o mote à hashtag #VamosConversar, com ações nas Redes Sociais.

ronda-maria-da-penha
Banco de Imagens

Uma das ações para a qual Mafoane Odara chama a atenção aqui na Bahia é a que será realizada junto à Polícia Militar, protagonizada pela Major Denice Santiago (comandante da pioneira Ronda Maria da Penha). Nos dias 29 de novembro e 5 de dezembro, serão realizados encontros de formação sobre atendimento às mulheres vítimas de violências junto a policiais militares e comandantes de batalhões na cidade, respectivamente. Confira aqui as ações que o Coletivo de Entidades Negras realiza neste período.

Foto destaque: Banco de Imagens

Coletivo de Entidades Negras e Instituto AVON juntos em campanha contra violência de gênero


elevador lacerda
Foto: Ruy Barbosa Pinto

A partir desta sexta (25), o Coletivo de Entidades Negras (CEN) inicia, em Salvador e Região Metropolitana, ações pautadas na campanha dos “21 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra as Mulheres”, em parceria com Instituto Avon e a Prefeitura de Salvador.

A campanha envolve uma extensa programação que começa com a iluminação especial do maior símbolo de Salvador – o Elevador Lacerda. Desta sexta até dia 10 de dezembro, o Elevador refletirá a cor laranja – em solidariedade à luta pelo enfrentamento a todas as formas de violência sofridas pelas mulheres.

violenciadegenero
Banco de Imagens

Tradicionalmente, é de 16 dias, mas este ano, para evidenciar a maior incidência da violência de gênero que vitimiza mulheres negras, a Campanha foi antecipada para o dia 20 de novembro, culminando os 21 dias em 10 de dezembro. As ações que serão realizadas pelo CEN, a partir desta sexta (25), envolvem a sociedade civil, o aparato de segurança pública (Polícia Militar e Sistema Penitenciário), Universidades Públicas e órgãos do Legislativo e do Executivo.

“A mudança começa onde o silêncio termina”

Com este mote, a Campanha busca, nestes 21 dias, ressaltar a “violência invisível”, com o intuito de provocar uma mudança de comportamento, em especial dos homens. É voltada para a violência doméstica, propagada por companheiros, maridos, namorados, pais e demais familiares do sexo masculino, mais próximos das vítimas.

“Muitos homens justificam seus atos violentos contra as mulheres com base no amor, dizem que amam demais, que sentiram ciúmes demais e vários outros motivos, sempre baseados no amor. A imprensa costuma chamar esses casos de “crimes passionais”, como se eles tivessem sido motivados por amor. Mas amor não mata! O que mata é a sensação de poder que o agressor tem sobre a vítima”, diz Iraildes Andrade, coordenadora de Gênero do CEN.

ronda-maria-da-penha
Banco de Imagens

Conforme dados do Ligue 180, no primeiro semestre de 2016 foram registrados cerca de 68 mil relatos de violências, sendo mais de 86% delas referentes situações previstas na Lei Maria da Penha. Na Bahia, criada em 2015 no âmbito da Polícia Militar da Bahia, a Ronda Maria da Penha – comandada pela Major Denice Santiago – tem atuado no policiamento ostensivo a estas chamadas.

Para sensibilizar os profissionais que atendem estas mulheres, em Delegacias ou ocorrências, o Coletivo de Entidades Negras, em parceria com a Ronda, promoverá formações junto a policiais e comandantes no dia 29 de novembro e 5 de dezembro. “Mulheres sofrem quando tentam fazer uma denúncia, são desanimadas pela atitude de alguns profissionais, então precisamos falar sobre isso”, enfatiza Iraildes.

“Quanto mais invisível for a violência, mais difícil dela ser identificada e mais prejudiciais e profundos são os danos causados por ela. Por isso, não podemos partir da premissa de que apenas apontar o erro já é suficiente para provocar uma mudança de comportamento. Precisamos que as pessoas sejam protagonistas e passem a reconhecer que existe um problema que é de todos nós e só pode ser enfrentado com mudanças de atitude”, afirma Mafoane Odara.

instituto-avon

O gênero no cárcere

As mulheres encarceradas também terão atenção especial ao longo desta Campanha. No Presídio Feminino, em Salvador, o Coletivo de Entidades Negras realizará, dia 28, uma “Oficina de Estética”. Na ocasião, serão ofertadas aulas de auto maquiagem – com produtos da AVON -, cuidados com os cabelos, além de conversa sobre violência de gênero.

“Fomentar estas discussões junto às mulheres do sistema penitenciário é trazer à baila uma discussão ainda incipiente e que precisa acontecer para que o chamado empoderamento feminino possa fortalecer as mulheres. É fazê-las, a cada dia, mais autônomas e capazes de refutar todas as formas de violência”, enfatiza Andréa Mércia, coordenadora geral da  Central de Apoio e Acompanhamento às Penas e Medidas Alternativas (CEAPA).

mulher encarcerada
Foto: Charles Guerra / Agencia RBS

O debate continuará no dia 5/12, com a Roda de diálogos sobre Racismo e Gênero, na sede a OAB, em Salvador, onde 25 mulheres que cumprem pena alternativa estarão presentes. Já em Lauro de Freitas – Região Metropolitana de Salvador -, no dia 7 de dezembro, o diálogo chegará à juventude.

“Temos percebido discursos e comportamentos por parte de jovens daquela região, que reproduzem violências de gênero, então precisamos também conversar com eles de forma mais direta”, aponta Iraildes, que coordena toda a programação que o Coletivo realiza neste período.

Ao longo dos 21 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra as Mulheres também serão realizadas diversas intervenções na cidade: a cor laranja estará nas gordinhas de Ondina, na Reitoria da UFBA, na Estação da Lapa, na Fábrica da AVON – em Simões Filho -, e na Caminhada do Samba, em Salvador, neste final de semana (27/11). No Shopping Barra, uma ação fotográfica reúne 42 personalidades, incluindo artistas, que aderiram à Campanha. O Portal SoteroPreta fará matérias especiais sobre a programação.

Confira aqui algumas das peças já criadas pelo Instituto AVON que podem ser compartilhadas nas redes sociais, com a hashtag #vamosconversar.

avon3 avon2 avon1