Shopping Piedade realiza Semana da Consciência Negra – Discutindo Futuros!


SHOPPING_PIEDADE_consciência_negra (3)
Negrif

O Shopping Piedade realiza de 20 a 25 de novembro, a Semana da Consciência Negra – Discutindo Futuros, no piso L4, com ações gratuitas nos temas “Mulheres Negras”, “Religiosidade”, “Cultura e Negócios”, “Teatro na Bahia”, “Diversidade”, “Gêneros e Qual Moda Faz a sua Cabeça”.

A programação também abrange a parte cultural, com a realização de pocket shows e encerramento dia 25 de novembro com grupo de Capoeira Mangangá.

PROGRAME-SE! 

20/11 (segunda-feira)

Tema: Mulher Negra e Africanidades
16h
 – Bate – papo: Drª Zelinda Barros (Antropóloga e Doutora em Estudos Étnicos e Africanos da Universidade Federal da Bahia), Juliana Ribeiro (Cantora e Historiadora), Milena Nascimento (Instituto Awure São Paulo) e Major Denice Santiago (Idealizadora do Projeto Roda Maria da Penha e ganhadora do Prêmio da Revista Cláudia)

17h – Pocket Show – DjNai Sena

21/11 (terça-feira)

Tema: Religiosidade
16h
 – Bate-papo: Lindinalva de Paula (Rede de Mulheres Negras da Bahia/ Coletivo Abayomi), Gicélia Cruz (Historiadora e Teóloga – Coletivo CUXI Diáspora Africana) e Nane Peruana Filha de Xangô.

17h – Pocket Show – Nane Peruana Filha de Xangô

22/11 (quarta-feira)

Tema: Teatro Negro da Bahia, Cultura e Negócios
16h 
– Bate-papo:  Jú Lourenço (Atriz e Pedagoga), Emillie Lapa (Atriz e Cantora) e Luciane Neves.

17h – Pocket Show – Emillie Lapa

 

Semana_da_Consciencia_Negra_Discutindo Futuros_Nai_sena

23/11 (quinta-feira)

Tema: Diversidade
16h – Bate-papo: Drª Carlos Porcino (Psicóloga Clínica, Transativista voluntária do Grupo Gay da Bahia, Mestra em Estudos Interdisciplinares da UFBA), Lívia Ferreira (Administradora – Produtora Cultural – Coletivo LesbiBahia), Thiffany Odara (Mulher Trans – Pedagoga formada pela Universidade do Estado da Bahia) e Lili Gonçalves.

17h – Pocket Show – Lili Gonçalves

 

24/11 (sexta-feira)

Tema: Qual A Moda Que Faz Sua Cabeça?
16h 
– Bate-papo: Marla Brasil (Modelo Plus Size – Coletivo Vai ter Gorda), Madalena Bispo (MadáNegrif – Designer de Moda) e Negro Davi (Rapper e Sócio da Crespossim Salvador)

17h – Pocket Show – Rapper Negro Davi

 

25/11 (sábado)

14h às 17h – Espaço Cultural – Grupo de Capoeira Mangangá

Mediadora dos bate-papos: Dina Lopez TV Kirimurê

 

Serviço

GRATUITO

Semana da Consciência Negra– Shopping Piedade
Onde: Praça de Eventos do Shopping Piedade (Piso L4)
Quando:  De 20 de novembro até o dia 25 de novembro
Horário:  de segunda a sexta, das 16h às 18h e sábado, das 14h às 17h

j_nai_sena_dia_bonito_pra_chover_livia_natalia
Dj Nai Sena

Gal do Beco está de volta com o “Festival Samba de Beco em Beco”!


Gal do Beco

O “Festival Samba de Beco em Beco” retorna ao palco do Pelourinho com Gal do Beco. Serão encontros de artistas do samba de roda, samba de raiz e suas variações, a partir da próxima quarta-feira (1/11), às 19h, no Casarão 26 (Ladeira do Passo, Nº 26 – Sede do Afoxé Filhos do Korim Efan – Pelourinho. E ainda acontecerá nos dias 17/11, 02/12 e 16/12, tendo Gal do Beco como anfitriã e muitos convidados especiais.

Confiram os convidados de Gal do Beco já confirmados:

Quarta 01/11 | Claudete Macedo, Nelson Rufino, Negros de Fé, Grupo de Samba de Roda do Recôncavo Baiano.

Sexta 17/11 | Cota Pagodeiro, Juliana Ribeiro, Turma de Casa, Grupo de Samba de Roda do Recôncavo Baiano.

Sábado (DIA DO SAMBA) 02/12 | Melodia Costa, Carla Liz, Grupo Botequim, Grupo de Samba de Roda do Recôncavo Baiano.

Sábado 16/12 | Muniz, Guiga de Ogum, Bambeia, Grupo de Samba de Roda do Recôncavo Baiano.

 

SERVIÇO:

Festival Samba de Beco em Beco

Gal do Beco e Convidados 

01 (quarta) e 17 (sexta) de Novembro de 2017 às 19h

02 (sábado) e 16 (sábado) de Dezembro de 2017 às 19h

Ladeira do Passo, Nº 26 – Sede do Afoxé Filhos do Korim Efan – Pelourinho

Assessoria e Divulgação: Janaina Costa | (71) 991749317 | 988329352

Gal tem um convite: Festival de Samba de Beco em Beco!



Gal do Beco

Em 1979, ela trocou o solo carioca pela vida em Itapuã, em Salvador. Aqui, de barraca na praia a um bar na Vasco da Gama, seu empreendedorismo sempre esteve associado à cultura local.

O bar ganhou a dimensão de um beco: o Beco de Gal. Estamos falando de Gal do Beco, como ficou conhecido o espaço liderado por Maria das Graças Silva que, no auge de seus mais de 60 anos é consagrada na Bahia e no Brasil como referência do samba.

Em Salvador, esta trajetória será homenageada com o “Festival de Samba de Beco em Beco”, que ocupará a praça Tereza Batista (Pelourinho), nas quartas dos meses de maio e junho. O projeto é dela, em parceria com o produtor cultural Edivaldo Costa, que promoverá encontros de artistas do samba de roda, samba de raiz e suas variações.

Se ligue: Começa na próxima quarta – dia 10 de maio!

Gal do Beco

Senhora do Samba

Gal do Beco hoje é madrinha de diversos sambistas, é a dama do samba de Salvador, é cidadã soteropolitana com título outorgado pela Câmara dos Vereadores há 17 anos. De sua primeira noite cantando profissionalmente, em 93, até hoje, ela é figura certa nas rodas de samba da cidade.

O “Festival de Samba de Beco em Beco” terá programação divulgada em breve, mas já tem nomes garantidos: Nelson Rufino, Juliana Ribeiro e o Samba Chula de São Braz são alguns deles.

Se prepare, até lá o Portal SoteroPreta vai anunciar a grade completa.

SERVIÇO:

Festival de Samba de Beco em Beco

Anfitriã: Gal do Beco

Quartas de Maio e Junho de 2017

Praça Teresa Batista (Pelourinho)

Fotos: Divulgação

Quem produz samba são elas!!!


samba de mulheres
Quinta Do Samba Do Cajueiro – Boca Do Rio.

Kelly Adriano de Oliveira, em sua tese “Deslocamentos Entre o Samba e a Fé”, afirma que as mulheres tiveram um papel importante na preservação e resistência do samba. Pensar seu papel na preservação dos diversos legados negros é reafirmar o protagonismo e visibilizar a importância do empoderamento feminino, que revela sua força em diversos contextos, e em especial no samba.

Estamos falando da construção de novas narrativas, onde elas reivindicam não somente seu protagonismo, mas a participação para além da exposição do corpo, e em uma dimensão bem maior e mais profunda. Para muitas mulheres esse tema pode parecer algo natural, mas nem sempre foi assim. Se pensarmos que o samba naturaliza a presença masculina, enquanto invisibiliza a produção das mulheres, valorizar a figura feminina em um universo musical dominado pelos homens é um momento ímpar a ser comemorado.

Ao falar de “Uma Alvorada para as Mulheres” sua força e protagonismo cultural, o Bloco Alvorada nos convidou a pensar a contribuição destas na produção cultural fora do carnaval, sem a sexualidade que objetifica seu corpo nos espaços de samba. Esse tema mostrou o que vem sendo notado nas rodas de samba em Salvador, o cavaquinho, pandeiro e microfone brilhando nas mãos de realezas como Gal do Beco, Josiane Clímaco, Juliana Ribeiro e Rita Nolasco.

Sem deixar de lembrar mulheres como Camilla França, Carmen do Q’ Felicidade, Dorinha da Feira de São Joaquim – mulheres que vem desnaturalizando o protagonismo masculino nesses espaços. Elas vem mostrando que o samba não é só um gênero musical, mas uma cultura de resistência, visibilidade musical e participação feminina.

samba de mulheres

Ao desfilar pelas rodas de samba, elas mostram que o verdadeiro samba, além de valorizar a tradição, tem que garantir a contação da história de mulheres que foram detentoras da sua resistência. Por isso, ao estarem nestes espaços, elas quebram com o anonimato e mostram que o samba é sim assunto de mulher.

“Uma Alvorada para as mulheres” não conta somente um enredo feminino. Ele questiona as realidades, ameniza dores e festeja alegrias que contrariam as mazelas cotidianas que oprimem a população negra. Por isso, parafraseando a música “Maravilhosa é ela”: Quem tá no samba são elas!!!

 

Luciane ReisLuciane Reis – É comunicóloga, idealizadora do Merc’Afro e pesquisadora de afro empreendedorismo, etno desenvolvimento e negócios inclusivos. Confira aqui outros artigos de Luciane Reis. 

Confira atrações pretas no Carnaval de Salvador


O Carnaval na porta já e tem muita atração preta rolando nas ruas, nos trios e nos palcos da festa. Tem carnaval OuroNegro com blocos Afros e Afoxés e Reggae, além do tradicional Samba. Tem também HipHop, Reggae e atrações nacionais já programadas e confirmadas em vários circuitos. O Portal SoteroPreta traz pra você algumas delas:

sandra de sá

QUINTA-FEIRA – DIA 23 DE FEVEREIRO

BARRA

Bloco Os Mascarados –Sandra de Sá faz participação na apresentação de Márcia Castro – 21h05

Bloco Araketu – 21h35
Banana Reggae – Thomé Vianna & Banda Ragga e convidados  – 21h50

Nova Saga / B+B/ Makonen Tafari e convidados e Kaina Tawau – 23h10

CAMPO GRANDE/ PRAÇA CASTRO ALVES

Bloco Alerta Geral – Xande de Pilares, Délcio Luiz, Mosquito, Juliana Ribeiro e Bambeia – 20h30
Bloco Amor e Paixão – Nelson Rufino, Batifun, Movimento e Fora da Mídia – 22h

Circuito Mestre Bimba (Nordeste de Amaralina)

Baile Black Empodere seu Sonho – Marcha do Empoderamento Crespo e Banda Attemporais – 18h

Bloco alvorada

SEXTA-FEIRA – DIA 24 DE FEVEREIRO

CAMPO GRANDE/ PRAÇA CASTRO ALVES

Furdunço – As Ganhadeiras de Itapuã – 15h30

Bloco Alvorada – Raymundo Sodré/ Aloísio Menezes/ Juliana Ribeiro/ Roberto Mendes/ Gal do Beco/ Bambeia/ Reinaldo Príncipe do Pagode – 21h

Olodum part. Margareth Menezes – 21h30

Cortejo Afro – 23h30

Os Negões – 00h15

 

PELOURINHO

Largo Pedro Arcanjo
Orquestra Reggae de Cachoeira – 19h

 

BECO DAS CORES (BECO DA OFF- BARRA)

Karol Conká – 00h

banda didá
Foto: Edson Ruiz

SÁBADO – DIA 25 DE FEVEREIRO

BARRA

Didá – 12h30
Armandinho, Dodô & Osmar – 17h
Malê Debalê – 18h
Muzenza – 19h
Bankoma – 20h30
Ilê Aiyê – 23h45

LADEIRA DO CURUZU – LIBERDADE

Saída do Ilê Aiyê – 21h

PELOURINHO

Largo do Pelourinho
Acordes Percussivos – Márcia Short, Aloísio Menezes e Hugo Sanbone – 19h
Tropicália Viva – Paulinho Boca de Cantor, Wil Carvalho e Manuela Rodrigues – 21h30

Praça Tereza Batista

Janaina Noblat – 17h
Magary Lord – 22h30

Praça Quincas Bero D’água
Samba Chula João Boi – 23h

 

BAIRROS

Liberdade

Lazzo
Ninha
Aloízio Menezes

Boca do Rio

Márcia Short

Palco Abaeté/Itapuã

Paulinho Boca de Cantor

Larissa Luz

 

larissa luz
Foto: Elói Corrêa/GOVBA

DOMINGO – DIA 26 DE FEVEREIRO

BARRA

Olodum part. Pierre Onassis – 15h15
Cortejo Afro – 20h30

CAMPO GRANDE

Gerônimo – 14h30
Banana Reggae – Thomé Vianna & Banda Ragga e convidados – 18h

PELOURINHO

Largo do Pelourinho
Salada das Frutas – As Bahias e a Cozinha Mineira, Liniker e Tássia Reis– 19h
O Rock é negro – Larissa Luz, Ellen Oléria e BNegão– 21h30


Largo Pedro Arcanjo
Dionorina– 22h30

Praça Quincas Bero D’água
RBF – Rapaziada da Baixa Fria – 18h30
Gal do Beco – 21h

Palco Multicultural (Terreiro de Jesus)
Mobbiu Hip Hop
Tallowah
Diamba
RBF Hip Hop

 

Filhas-de-Gandhy-720x320
Secom/BA

SEGUNDA-FEIRA – Dia 27 DE FEVEREIRO

BARRA

Filhos de Gandhy – 15h45
Filhas de Gandhy – 16h15
Cortejo Afro – 21h45
Muzenza – 22h30
Malê Debalê – 23h

Beco das Cores (Rua Dias D’Ávila – Barra)

Liniker – 00h

Palco Farol da Barra

IFÁ part. Lineker e Bnegão – 1h30

CAMPO GRANDE

Didá – 11h30
Trio Respeite as Meninas – Larissa Luz, Tássia Reis e MC Carol – 17h
Ilê Aiyê – 19h

PELOURINHO

Largo do Pelourinho
Cena Tropifágica, Mariela Santiago e Jorge Mautner – 19h
Gerônimo, Laura Arantes e Adailton Alves – 21h30

margareth_menezes_580
Banco de Imagens

TERÇA-FEIRA – DIA 28 DE FEVEREIRO

BARRA

Banana Reggae – Thomé Vianna & Banda Ragga e convidados – 19h
Magary Lord – 22h45

CAMPO GRANDE

Olodum – 12h30
Araketu – 15h30
Muzenza – 17h30
Margareth Menezes – 18h30
Ilê Aiyê – 20h30

Contrafluxo – Circuito Praça Castro Alves

Filhos de Gandhy – 16h
Filhas de Gandhy – 17h
Os Negões – 16h20
Ókánbí – 18h40

 

PELOURINHO

Largo Pedro Arcanjo
IFÁ – 19h


Praça Quincas Berro D’Água
Samba de Roda Dona Dalva – 21h30

Terreiro do Samba (Praça da Cruz Caída)
Viola de Doze

Palco Multicultural (Terreiro de Jesus)
Nova Saga
BTB Hip Hop
DJ Tau
Kamaphew Tawa e Aspiral do Reggae

 

Terreiro Vintém de Prata realiza Sarau Beneficente com ações culturais


terreiro vintém de prata
Banco de Imagens

Um Sarau que reunirá música, teatro, literatura, venda de livros afrocentrados, artesanato, culinária…Tudo isso poderá ser visto no I Sarau Beneficente do Vintém de Prata, dia 12 de fevereiro.

A iniciativa é do Terrreiro Ilé Ibirin Omi Axé Ayira, mais conhecido como Vintém de Prata, localizado na Estrada Velha do Aeroporto, em Salvador e dirigido pela Iyalorixá Marlene Rodrigues (Mãe Marlene de Nanã). O Terreiro completa 30 anos em maio.

O objetivo do Sarau é recolher recursos para o Terreiro, que mantém na comunidade atendimentos de saúde, cursos de artesanato e reforço escolar, vestibular social, biblioteca comunitária e distribuição de cestas básicas.

Na programação tem nomes como Juliana Ribeiro, Márcia Short, Banda Retro_Visor, a cantora Lia Chaves, o cantor e compositor Edil Pacheco, além dos dançarinos Juliana Nunes e Evandro Gonçalves.

milsoul santos
Reprodução Facebook – Milsoul Santos

Da Literatura Negra, terá vendas dos livros dos escritores Fábio Mandingo, Landê Onawalê, Sérgio Bernardo, Marlon Marcos, Cidinha da Silva e da editora Ogum’s Toques.

A poesia ficará por conta de intervenções de Milsoul SantosJamile Santana, Valquíria Lima,  Sarau da Onça e Giovane Sobrevivente,  que lançará seu clipe Melanina. Além disso, o Sarau Beneficente do Vintém de Prata terá a arte performática da atriz e youtuber, Mariana Brito, com esquete teatral de Afrocontos e leilão de obras do quadrinista Hugo Canuto, criador do: Contos do Òrun Àiyé.

 

Ingressos estão à venda na loja Katuka Africanidades (Praça da Sé) e na bilheteria no dia do evento. Valor: R$ 25 individual/R$40 casadinha.

 

SERVIÇO

I Sarau Beneficente do Vintém de Prata

Data: 12 de Fevereiro  (domingo)

Horário: 12h às 18h30

Endereço: Sítio Vila Violetha/ Estrada Velha do Aeroporto km, 10,5

Referência: Próximo a Escola Cláudio Veiga e ao lado do cond. Garden Residencial Cajazeiras.

Para mais informações: [email protected]

Bloco Alvorada se prepara para Carnaval: missa e ensaios estão na programação


Bloco alvoradaNo próximo domingo (15), o Alvorada convida foliões e seguidores a celebrar os 42 anos do primeiro bloco de samba a desfilar na quinta do Carnaval baiano.

Este ano a comemoração será com missa na Igreja do São Francisco (Pelourinho). A mesma terá participação do Coral do Mosteiro de São Bento, é aberta ao público e começa às 11h.

Nestes mais de 40 anos de Carnaval, o Bloco Alvorada vem trazendo temas relevantes para a comunidade do samba na Bahia. Em 2017, o tema será “Alvorada das Mulheres”, pautando a força das mulheres e seu protagonismo cultural.

Neste contexto, em 2016, o Bloco realizou oficinas de produção para jovens empreendedoras, formando 50 mulheres em estratégias que vão de planejamento a finanças no campo da Cultura.

bloco alvorada

Ensaios

Na preparação para o Carnaval 2017, o Bloco Alvorada realiza, no mesmo domingo (15), a partir das 16h, o primeiro ensaio de verão com os grupos Na Média, Partido Popular e Bambeia. O samba será no Largo Teresa Batista (Pelourinho) e a entrada é R$10. Foliões poderão curtir mais dois ensaios até o Carnaval – dias 29/1 e 12/2.

Integram o coro os bambas da Ala de Canto do Alvorada – Valdélio França Marco Poca Olha e os convidados, Tiago (Grupo Relicário Samba Meu), Arnaldo Rafael (Samba de Cozinha) e Bira (Negros de Fé). O encontro terá ainda as participações especiais de Juliana Ribeiro, Gal do Beco, Raimundo Sodré, Roberto Mendes e Aloisio Menezes.

As vendas para desfilar com o Bloco na Avenida já começaram e interessados devem se dirigir aos Balcões de Ingresso em todos os shoppings de Salvador. Na sede (Ladeira da Independência, 68, Nazaré), abadás serão vendidos a partir do dia 16.  Mais informações no telefone (71)3322-3684.

SERVIÇO

O quê: Missa 42 anos do Bloco Alvorada

Quando: Dia 15/01/17 (domingo), 11h

Local: Igreja do São Francisco (Pelourinho)

Aberto ao público.

 

O quê: Ensaio Bloco Alvorada & Convidados

Quando: 15/01/17 (domingo)

Local: Largo Teresa Batista (Pelourinho)

Ingressos: R$10 (no local)

Diáspora Renaissance reunirá artistas e intelectuais negros e negras no CEAO


diaspora-renaissance ogums toquesEntre 14 a 20 de dezembro, Salvador sediará a primeira edição da Diáspora Renaissance, iniciativa da editora Ogum’s Toques Negros, em parceria com a Universidade Federal da Bahia e o Coletivo Luiza Bairros. O evento reunirá intelectuais de diferentes áreas artísticas, além de homenagear – a cada dia – um/a intelectual negro/a in memorium, como Luíza Bairros, Mohamed Bamba, José Carlos Limeira e Yedamaria.

O encontro acontece no Ceao (Largo Dois de Julho) – exceto o dia 18 – e terá  a presença de grandes nomes. São eles: o historiador congolês, Jacques Depelchin, o músico Leitieres Leite, a pesquisadora Maria de Lourdes Teodoro, o crítico e poeta Ronald Augusto, a cantora Juliana Ribeiro, o artista multimodal J. Cunha, a pesquisadora norte americana Tanya Sanders, a crítica literária e pesquisadora Ana Rita Santiago, a pesquisadora de Teatro Evani Tavares, o sociólogo Mário Augusto Medeiros da Silva, a pesquisadora Érica Peçanha, o pesquisador Henrique Freitas, dentre outros/as.

adunbi-mel-adun

Já no dia 18 (domingo), o Diáspora Renaissance será dedicado às crianças, com lançamento do seu segundo livro da escritora Mel Adún –  Adumbi –, na Varanda do Sesi no Rio Vermelho.

Diáspora Renaissance

Segundo organizadores, serão diálogos entre várias linguagens artísticas e políticas, sem proposta de inovação. “O que nos mobiliza é o desejo de constituir-nos como mais um elo na busca do fortalecimento de uma cena internacional, afro-rizomática, diaspórica, multimodal, cujos mapas deverão ser plasmados no caminho”.

Seminário debaterá produção e protagonismo feminino no Samba dias 25 e 26


mulheres no samba
Banco de Imagens – Clementina de Jesus

Nos dias 25 e 26 de novembro, a partir das 14h, no Centro Cultural da Barroquinha, acontece o II Seminário “O samba mandou me chamar: as bambas do samba”. O evento, promovido pelo grupo de pesquisa Canto de Cada Canto, traz nesse segundo ano mesas redondas, lançamento de livro e shows. O evento reúne pesquisadoras, professoras e artistas, debatendo sobre a produção, a importância e o protagonismo das mulheres na construção do samba.

Clécia Queiroz, Marilda Santana, Cláudia Sisan, Carmélia Miranda, Katharina Döring, Regina Machado, Juliana Ribeiro, Marcia Short, Olivia Santanna, Carla Liane,  entre outras, são algumas das pesquisadoras e artistas-professoras que discutirão sobre a obra e trajetória de Carmen Miranda, Elza Soares, Clementina de Jesus, Alcione, Clara Nunes, Beth Carvalho,  D. Dinha do samba de lata de Tijuaçu,  das sambadeira D. Dalva de Cachoeira, D. Nicinha de Santo Amaro , D. Zelita de Saubara e das cantoras e compositoras D. Ivone Lara e  Martn’ália.

marilda-santanna
Banco de Imagens

Lançamentos

Promovido pela Universidade Federal da Bahia, em parceria com a Universidade Estadual da Bahia,  o Seminário tem o objetivo de identificar, valorizar e analisar o protagonismo da mulher artista e ativista na construção do samba enquanto gênero musical indissociável da construção de uma identidade nacional.

Durante o evento, haverá o lançamento do livro “As bambas do samba: mulher e poder na roda” (Org. Marilda Santanna), pela Editora da UFBA – Edufba. O objetivo maior desta publicação é reverenciar as mulheres sambistas, compositoras, cantoras e instrumentistas no centenário da gravação do primeiro samba “pelo telefone” de Donga e Mauro de Almeida, registrado na Biblioteca Nacional em novembro de 1916.

 

O grupo de pesquisa “Canto de cada canto” tem como objetivo principal a reflexão crítico – teórica sobre o conceito de canção, das intérpretes como portadoras da voz poética e suas interconexões com a música destacando a performance nos seus respectivos contextos históricos – culturais.

 

Programação

1º Dia 25 de novembro (Sexta-feira)

14h às 16h

Mesa 1 “De pés no chão”

Clécia Queiroz (Cantora ,Profa. Doutoranda UFSE)

CarmeliaMiranda(Pesquisadora, ProfaDra.UNEB)

KatharinaDöring (Etnomusicóloga ,Prof. Dra. UNEB- Mediadora)

 

Mesa 2 “Tradição e modernidade no samba”

16h30 às 18h30

Juliana Ribeiro (Mestre em Cultura e Sociedade – cantora)

As Ganhadeiras de Itapuã(Integrantes:D . Eunice e Verônica)

Marilda Santanna (Profa. Dra.UFBA -Cantora, Mediadora)

 

Pocket Show de encerramento com Marilda Santanna, Fernanda Maia/Carol Bezerra(SP), Clécia Queiroz e Juliana Ribeiro

Violão :Jana Vasconcelos

Percussão :Daniela Pena

2º Dia 26 de novembro (Sábado)

14h às 16h

Mesa 1 A reinvenção do samba

Claudia Sisan (Musicista, cantora,Prof. DoutorandaUNEB)

Viviam Caroline (Mestre em Cultura e Sociedade -Musicista e lider da Banda Didá)

Regina Machado (Cantora, Profa. Dra. UNICAMP – Mediadora)

 

Mesa 2 Samba, mulher e poder

16h30 às 18h30

 

Carla Liane (Pesquisadora, Profa. Dra. – Vice-reitora UNEB) Mediadora

Olivia Santana (SPM-Secretária de Política para as Mulheres do Estado)

Marcia Short (cantora)

 

Pocket Show de encerramento área interna Claudia Sisan,Regina Machado(SP),  e Márcia Short.

Violão :Jana Vasconcelos

Percussão :Daniela Pena

Área externa com A Banda Didá.

Lançamento do livro “As bambas do samba” com as autoras.

 

Festival A Cena Tá Preta terá teatro, música, dança e cinema no Teatro Vila Velha este mês


festivalcenatapreta

Um verdadeiro Festival de Arte Negra está sendo preparado pelo Bando de Teatro Olodum e Teatro Vila Velha para acontecer de 4 a 27 de novembro. Um mês, praticamente, de espetáculos, música, moda, cinema, várias linguagens estarão juntas no Vila ao longo destes dias. Estamos falando do Festival “A Cena Tá Preta”, que há 13 anos pauta a Cultura de legado africano nos palcos do Vila. A meta: “fortalecer, divulgar e festejar esta arte, destacando sua representatividade na constituição da identidade cultural do povo brasileiro”. O Portal SoteroPreta apoia o Festival e trará matérias especiais da programação! 

opaiobandoteatroolodumTEATRO

Quem abre alas neste Festival é o renomado espetáculo “Ó, Paí, Ó!” (4, 5 e 6/11), montagem do Bando de Teatro Olodum dirigida por Marcio Meirelles, já conhecida em todo Brasil. Já no dia 8, será a vez da peça “Sobejo”, primeiro solo da atriz e produtora Eddy Veríssimo, da Outra Companhia de Teatro.

A peça é escrita e dirigida pelo ator, dramaturgo, diretor e figurinista, Luiz Buranga e retrata a biografia fictícia da personagem Georgina Serrat. Ela é uma dona de casa que depositou a fé sobre sua felicidade no casamento e, como muitas mulheres do nosso tempo, tem seus sonhos frustrados pelas agressões de um marido violento. 

Nos dias 10 e 11, a peça “Rebola” – dirigida por Thiago Romero, com texto de Daniel Arcades e direção musical de Jarbas Bittencourt – vai problematizar a questão da invenção do gueto, uma homenagem à criação e resistência de espaços de articulação para a comunidade LGBTQI. Em seguida, 12 e 13, será a vez de “O Contentor (O Contêiner)”, com dramaturgia do premiado autor angolano José Mena Abrantes e direção estreante de Ridson Reis. O espetáculo traz à tona questões como imigração, direitos humanos e a busca de um sonho. No palco, ao lado do próprio Ridson, estão os intérpretes EddyFirenzza e Cell Dantas.

julianaribeiroacenatapretaMÚSICA

O palco do Vila também terá espaço para a música negra e quem abre é o espetáculo FAYA”, dirigido pelo ator do Bando, Jorge Washington. No dia 18, FAYA terá a musicalidade do cantor e compositor Dão com o multi-instrumentista Maurício Lourenço, unidos a quatro negras mulheres: a atriz Valdineia Soriano, a ativista e socióloga Vilma Reis, a professora e poeta Livia Natália e a cantora norte americana, Michaela Harrison, de Nova Orleans.

Os músicos prometem revisitar grandes clássicos de compositores negros e outros bambas do passado. A música embalará mulheres que desfilarão para a Negrif, da estilista Madalena Bispo – é o  desfile “Sexta do Branco”, apresentando indumentárias na cor branca, simbolizando a PAZ e os referentes culturais afro brasileiros.

Dia 19, sábado, será a vez da cantora e compositora Juliana Ribeiro, com seu show “Preta Brasileira”, que fala de miscigenação racial e das inúmeras denominações para os tons de pele do brasileiro. Suas letras falam da mulher negra contemporânea, inspirada na própria vivência da artista.  . O show tem direção artística e concepção de Juliana Ribeiro e direção musical de Marcos Bezerra.

naracoutooutrasafricasNo dia 27, a cantora baiana Nara Couto apresentará seu show “Outras Áfricas”, sob a direção artística de Elísio Lopes Jr. Com o show, a artista busca estabelecer uma ponte musical entre o continente africano e a Bahia, com releituras contemporâneas de canções clássicas e novas propostas sonoras.

DANÇA

As artes negras também estarão expressas na Dança com o “O Corpo na Cena”, que reunirá as coreografias “Negra Fé” e “Vozes D’África”, da companhia Lekan Dance. “Negra Fé” é baseada nos itans do Phateon Africano onde bailarinos movem-se com força e graça. Já a coreografia “Vozes D’África” traz toda luta do povo negro por sua liberdade desde o início na época da escravidão. A apresentação será no Dia da Consciência Negra – 20 de novembro.

“Da própria pele não há quem fuja”  é o nome do espetáculo de coreografias que será encenado nos dias 25 e 26. Elas exploram a simbologia dos orixás e os aspectos das manifestações populares como Zambiapunga e Mandus, através de um olhar contemporâneo. Aqui a dramaturgia transita entre memórias pessoais, e nas ressignificações destas manifestações na composição coreográfica.

orunayiefestivalacenatapreta
Filme ÒRUN ÀIYÉ

CINEMA

Uma grande novidade do “VII Festival A Cena tá Preta” – no dia 22 – será o “Cine na Cena”, com apresentação de três curtas: Cinzas, da diretora Larissa Fulana de Tal; ÒRUN ÀIYÉ, das diretoras Jamile Coelho e Cintia Maria; e O Tempo dos Orixás, da cineasta Eliciana Nascimento.

Após a exibição dos filmes, haverá um bate-papo com elenco e equipe, sobre a criação dos curtas e a nova geração de cineastas baianas.

CONFIRA HORÁRIOS E VALORES

Ó Paí, Ó!
Quando: 4, 5, 6/11, sexta-feira e sábado às 20h, domingo às 19h
Onde: Teatro Vila Velha – Sala Principal
Valor: R$ 30 e 15
Classificação indicativa: 14 anos

Sobejo 
Quando: 8/11, terça-feira, 20h
Onde: Teatro Vila Velha – Sala Principal
Valor: R$ 30 e 15
Classificação indicativa: 15 anos

Rebola

Quando: 10 e 11/11, quinta e sexta-feira, 20h
Onde: Teatro Vila Velha – Sala Principal
Valor: R$ 30 e 15
Classificação Indicativa: 16 anos


O Contentor (O Contêiner)

Quando: 12 e 13/11, sábado às 20h, domingo às 19h
Onde: Teatro Vila Velha – Sala Principal
Valor: R$ 30 e 15
Classificação Indicativa: 12 anos

Show “FAIYA”
Quando: 18/11, sexta-feira, 19h30
Onde: Teatro Vila Velha – Sala Principal
Valor: R$ 30 e 15
Classificação Indicativa: LIVRE

Juliana Ribeiro – Show “Preta Brasileira”
Quando: 19/11, sábado, 20h
Onde: Teatro Vila Velha – Sala Principal
Valor: R$ 30 e 15
Classificação Indicativa: 14 anos

O Corpo na Cena 

Quando: 20/11, domingo, 19h
Onde: Teatro Vila Velha – Sala Principal
Valor: R$ 30 e 15
Classificação Indicativa: 14 anos

Cine na Cena
Quando: 22/10, terça-feira às 19h
Onde: Teatro Vila Velha – Cabaré dos Novos
Valor: R$ 20 e 10
Classificação Indicativa: 12 anos

Da própria pele não há quem fuja  

Quando: 25 e 26/11, sexta-feira e sábado, 20h
Onde: Teatro Vila Velha – Sala Principal
Valor: R$ 30 e 15
Classificação Indicativa: 14 anos

Nara Couto: Outras Áfricas
Quando: 27/11, domingo, 19h
Onde: Teatro Vila Velha – Sala Principal
Valor: R$ 30 e 15
Classificação Indicativa: 12 anos