#PoesiaSoteropreta – O amor e a liberdade na poesia de Nádia Ventura!


Nadia_Ventura

 

Nádia Ventura escreve há 51 anos sobre o amor em suas várias vertentes, com a pretensão de se libertar.  poesia é sua essência e, através desta arte, Nádia viaja. Na sua escrita, não tem horizonte impossível: sonhos, imaginação, lembranças, dores, frustrações, desencanto, cenas do cotidiano… Com intenção de dividir, canalizar sentimentos, fazendo com que o leitor se identifique e sinta que a poesia faz parte da sua vida desde a hora que acorda, até quando dorme e sonha. “Todos nós somos poetas, vivemos a poesia que a vida nos dá, amarga ou doce… Alguns sabem como externá-las, outros apenas a sentem…”, segundo a poetisa!

Nádia se inventa e reinventa na poesia. “A minha arte é puramente literária. Dentro da literatura eu me reinvento e me realizo nos Romances, Contos, Crônicas e em Artigos políticos…”.

Poesia e família. “Para a poesia rimar com Família, depende muito do momento do autor. Pode rimar de uma forma boa ou má. Nenhuma Família é perfeita fora dos porta-retratos, fora da imagem que cada um pretende mostrar à sociedade”, diz Nádia. E ela afirma que a família é como a vida, cheia de altos e baixos, de amor e ódio, de tristeza, alegrias e decepções… E segue o raciocínio: “A família tradicional para mim já não existe. A Ancestralidade Comum, também já não conta. Outras formas, outros valores tomaram lugar, porque evoluímos”.

Nadia_Ventura

E Nádia não para por aí.

“Então, esse grupo familiar já não divide necessariamente o mesmo teto, expandiu-se aos amigos. Mãe é pai e pai é Mãe, avó, tias(os) são pais e mães. Casais sem filhos adotam; casais brancos adotam crianças de outras raças; assim como homossexuais, lésbicas, travestis e trans, também adotam, formando assim uma nova família contemporânea. Portanto, hoje, a consanguinidade não quer dizer Família. Família hoje são escolhas… Temos o direito inquestionável de criar a nossa própria Família, amá-la sem a obrigatoriedade parental… E essa diversidade é MARAVILHOSA e EVOLUTIVA…”… Essa é a trama da poesia de Nádia Ventura, que não tem limites ou receitas prontas. Tudo é poesia, e poesia é tudo na vida a poeta.

E a poeta iniciou bem cedo seus exercícios de poesia. Começaram a ser escritos desde a infância, mais ou menos aos oito anos de idade. O primeiro poema, entretanto, só foi publicado na idade adulta, em uma antologia organizada pelo jornalista Valdeck Almeida de Jesus. “Eu sou muita grata ao poeta por isto. Depois desta publicação vieram vários convites e estou em treze Antologias no Brasil, Europa e países de língua portuguesa”, enumera Nádia.

Onde estão os textos de Nádia Ventura: Prêmio Literário Galinha Pulando 2012, Prêmio Literário Valdeck Almeida de Jesus 2014, Era das Palavras – Antologia Internacional Multiacadêmica BRASIL/SUÍÇA, Palavra é Arte – Antologia Poética, COGITO – Antologia Internacional II, COGITO – Antologia Internacional III, Incertezas e Suas Fragilidades, Antologia SOLILÓQUIO, Antologia MEMÓRIAS, Antologia PARADIGMA (Editado em Portugal e países de língua portuguesa), Mulher Poesia – Antologia Poética vol. 2, Doce Poesia Doce, KAMA – Poesia e Contos Eróticos. E não para por aí. Tem outros textos no prelo, que sairão nas publicações: Focus – Antologia Poética XII, Antologia Memórias 2, Perdida – Romance (Solo), Contos que te Conto em Versos e Prosas (SOLO)”.

Nádia por Nádia: “Sou uma pessoa apaixonada pela vida, apesar da dor. Sou apaixonada pela minha família, meus amigos, pela natureza, pelos animais, pelas crianças, pela ciência, pela minha religião e por todas as expressões artísticas, principalmente pela literatura…”

 

A Moça e o Menino
(Para Fátima Celeste Nascimento)

Era um segredo de amor
Só para dois,
Cheios de expectativas
Na noite escura
Ou na madrugada calada…
Um dia o segredo tomou corpo,
Criou coragem,
Ganhou o dia, 
Chegou ás ruas,
E sem pressa 
Entrou no quarto.
Primeiro lutaram contra o estranhamento.
Depois o acasalamento.
Ela, tranquila,
Sabia todos os passos daquela dança…
Ele, nervoso, 
Admirava o ritmo tranquilo daquela moça.
E Colados, dançaram por horas, 
Até adormecerem…
Quando dia chegou
O desencanto se fez real
Cada qual seguiu calado a sua via.
E a noite quando veio
Nunca mais foi a mesma… 
O segredo se desfez,
Quando a expectativa fugiu.
Mas o menino guardou na memória, a voz rouca e sensual
Que lhe falava delícias, 
Na penumbra do quarto
Que cheirava a óleo de sândalo. 
A moça por sua vez,
Chorou o desencanto e partiu
Levando consigo toda a dor
De um amor impossível
Numa tarde fria 
De um dia qualquer… (Nádia Ventura)

 

Valdeck Almeida

Por Valdeck Almeida de Jesus para o espaço “Poesia Soteropreta”, que vai evidenciar, divulgar e fortalecer a Poesia Preta, Periférica e de Resistência do cenário literário de Salvador. Confira aqui outros textos desta coluna. 

#PoesiaSoteropreta – Rilton Júnior, o Poeta com P de Preto!


Rilton_Junior
Foto Dayse Cardoso

 

Rilton Santos de Santana Junior ou Rilton Junior, também se apresenta como Poeta com P de Preto. Ele é Poeta, Pai, Ator, Agente Cultural, Capoeira Raça, além de intérprete de suas vivências. É poesia em pessoa, mas acha que só começou a escrever poemas na mesma época em que iniciou sua trajetória no Teatro. As temáticas variam de amor, alegrias, saudades, tristezas, anseios, natureza, ancestralidade, enfim, mas hoje encara a questão racial como seu principal foco na escrita.

Todo o seu empenho com as letras tem um propósito:

“Um dos principais desejos é dar protagonismo à juventude e, desde quando cheguei, até agora, tenho visto a grandeza que se tornou o movimento da poética marginal em nossa cidade, (marginal porque foge dessa perspectiva de poesia pra ganhar aplausos, essas poesias querem mais que aplausos, querem reflexão, conscientização, vem pra fazer sair do lugar de conforto!”, diz Rilton Junior. “Eu pretendo apenas expressar um pouco do que há em mim, na minha caminhada, e um pouco do que vivenciei”, conclui o poeta.

Poeta com P de Preto lança CD sobre resistência negra

Poeta_Rilton_Junior
Foto: Fernando_Gomes

Como todo poeta de verdade, o Poeta com P de Preto situa a poesia numa variedade de definições ao ser perguntado sobre o tema. “Olha, eu ainda não sei o que é a poesia, sei que vivencio ela de diversas formas, seja em versos ou nas vivências com a comunidade, também creio que seja algo que modifique, que traga reflexões, que transmita ou crie sentimentos”. E no exercício criativo ele revela:

“Quando estou escrevendo me referencio em tudo que tenho, o contexto do que quero falar no momento, desde o que leio em um Livro a uma conversa que tenho com um amigo, em estatísticas, às vezes vêm frases na mente, aí eu escrevo no celular, e lapido. A intenção vai ser de informar, contextualizar uma ação, instigar os sentimentos dos ouvintes”. Finaliza Junior.

Multiartista e inquieto no criar artístico, Rilton Junior tem como principal vertente o Teatro, mas não se limita: “De lá que eu vim. Mas nessa vida já trilhei alguns poucos caminhos, com a Dança, a Capoeira, Produção cultural, e aos poucos me arrisco na Música no Rap”.

E quem disse que todo poeta é um fingidor, nem sempre. Rilton tem uma personalidade definidamente forte, mas ao mesmo tempo acolhedor. Sinceridade é com o poeta. Sobre poesia e família, ele fala:

“Poesia rima com família, assim como família rima com poesia, acho que a poesia relata ou cria possibilidades de sentimentos, vivências e trocas que na família também existe, digo nas várias lições e estados em que se encontra um laço familiar, seja de sangue ou não”.

E poesia-família é o que Rilton Junior sente, de acordo com esta afirmação: “Família, acho que existem certos laços afetivos que são tão importantes que as vezes são estruturantes em nossa formação, muitas vezes até que involuntariamente, digo isso a partir da minha vivência com o Grupo de Poesia Resistência Poética, que é um alicerce fundamental pra eu me tornar quem sou hoje”.

Tem textos publicados:

Em 2015 teve um poema no Prêmio Literário Galinha Pulando, que foi a poesia “12 Pretos” sobre a Chacina do Cabula.

Tem um Livreto de poesia intitulado “A poesia é o meu trabalho”, que contém 10 poemas autorais, já tem mais de 2.500 exemplares rodando por toda city.

Teve 3 poemas lançados no Antologia Literária Jovem Afro editora Quilombhoje, onde tem 14 poetas do Brasil inteiro e Rilton Junior teve a honra de ser um dos dois poetas representando a Bahia e o único residente de Salvador.

A Minha Poesia

A minha poesia é preta

Crítica, política e racial

Estética

Métrica

Universal

Minha poesia não se comporta em livros

ou na rede

Minha poesia fala

Porque tem sede

De retaliação

Minha poesia assusta e conforta

Incomoda

É quem me livra na hora

do bote dos bota preta

Minha poesia é treta

Pros racistas inculcados na gaveta

Minha poesia é treta

Pro homem machista que a mulher não respeita

Minha poesia é treta

Nossa luta não se assimila à esquerda nem direita

Minha poesia é preta

É alimento pra quem

tem fome de conhecimento

Resistente

Potente

É dedo na ferida de muita gente

Poeta

periférico

Sem diploma de faculdade

em letras

Minha poesia é vivida

Preta!

E eu como preto

Poeta

Faço dos meus versos um

Escudo e espada na mão

Para alertar meu povo faço das tripas coração

Às vezes fico rouco

Por falta de exercícios de respiração

Mas basta eu recitar pra você respeitar!

Minha poesia é preta!

Rilton Junior

 

Valdeck AlmeidaPor Valdeck Almeida de Jesus para o espaço “Poesia Soteropreta”, que vai evidenciar, divulgar e fortalecer a Poesia Preta, Periférica e de Resistência do cenário literário de Salvador. Confira aqui outros textos desta coluna. 

#PoesiaSoteropreta – Gonesa Gonçalves nasceu Poesia!


Gonesa_Goncalves

Gonesa Gonçalves é o nome artístico de Gonesa Souza Moreira Gonçalves, que escreve desde quando não se lembra… nasceu poesia! “Fui a primeira vez na escola aos nove anos, mas aprendi a ler e escrever muito rápido, porque tinha que ajudar minha mãe, que foi letrada fora desses moldes ocidentalizados que não reconhecem as diversas habilidades de uma pessoa que não escreve”.

E a prática, o exercício de Gonesa começou muito cedo com um diário. A mãe, uma mulher muito inteligente, lhe ensinou primeiro a recontar as coisas belas do mundo com a boca, “porque ela considerava que conseguir falar era uma ferramenta muito potente de liberdade”, relembra. “Então antes de escrever qualquer coisa no papel, eu aprendi a bordar esse tecido pálido e gigantesco que é o mundo com as linhas contadas das histórias coloridas da minha mãe”.

gonesa

Gonesa escreve, escreve, de tudo: poesia, conto, crônicas, mas deixa que o leitor ou o pesquisador analise sua produção. Pra ela, o mais importante é tecer o mundo em letras e versos. Uma coisa é certa: a comparação entre a natureza e o ser humano é latente na sua escrita, além da poesia homoerótica, homoafetiva…

Em relação a inspiração e performance poético, ela se pergunta e já emenda a resposta: “Meu corpo é artístico? Eu acho. Eu gosto de usar meu corpo, minha voz. Eu sou preta, gorda e me considero um delito as imagens que “regem” a ordem da sociedade atual. Eu gosto de ocupar todos os espaços, Eu sei que meu corpo, da maneira como se comporta é artístico, é político, porque incomoda. Então meus contos, meus poemas, meu corpo, minha voz são linguagens que eu utilizo”.

Na escrita Gonesa quebra regras e linearidades, inventa as próprias setas, caminhos, padrões, para, depois, quebrar tudo. Sua pretensão com a poesia? Ficar rica! E ela confessa que não deu! Então, faz outros corres para sobreviver.

E por falar em quebrar regras, a poesia de Gonesa rima com família divergente, com rasuras. A família possível e a família do afeto, é a que rima com os textos desta poetisa:

“O sentimento de afeto não deveria ser invadido por uma ideologia invasiva de achar que família é um modelo papai, mamãe e filhos, até porque a gente sabe que o que mais existe na sociedade brasileira são famílias compostas por mulheres negras e seus filhos. Minha família era eu, minha mãe, uma irmã, um irmão mais velho que foi para São Paulo trabalhar e meu irmão mais novo, que minha mãe adotou de uma outra mulher que se relacionou com meu pai. Meu pai foi embora e ficamos uma família de irmãos e mãe e agora somos uma família de irmãos porque minha mãe morreu”.

 

Tem oito poemas publicados na Coletânea Literária Enegrescencia, dois poemas no Diferencial da Favela e Um conto publicado no Diferencial da Favela 2. E posta também nas páginas do Enegrescência e no Colcha de Retalhos, no facebook.

Gonesa Gonçalves é graduanda de Letras pela Universidade Federal da Bahia, membro do PET Conexões Comunidades Populares, vice-presidente do Enegrescência e pesquisadora no Grupo de Pesquisa Rasuras da Ufba.

 

Súdito

Se veio aqui

Seja meu, inteiro

Sou dona da noite

Faça o que peço

 

Sem algemas,

Meu quarto

Cárcere

De conter você

 

Meus olhos

A imobilizar

seu corpo

Não farei esforço

Para que seja meu

 

Minhas mãos

Acolhem

Como terras

a segurar raízes

De árvores troncosas

 

Minha boca:

Recipiente

De conter os rios

Que transbordam

Do seu corpo.

 

Valdeck Almeida

Por Valdeck Almeida de Jesus para o espaço “Poesia Soteropreta”, que vai evidenciar, divulgar e fortalecer a Poesia Preta, Periférica e de Resistência do cenário literário de Salvador. Confira aqui outros textos desta coluna. 

#PoesiaSoteropreta – Um rio de água doce e poesia: Vânia Melo!


Vania_melo

Vania Batista Melo – cujo nome artístico é Vânia Melo – escreve desde a adolescência,  mas não compreendia que se tratava de texto poético, pois era tão diferente do que lia na escola. Ao chegar à universidade, nos grupos de pesquisa e buscas pessoais, entendeu que “a escrita poética é também liberdade e que o fazer poético não se restringe ao cânone da literatura tradicional”, revela.

Vânia Melo, por ela mesma: “feita de água, fogo, flor e espada, e me pertenço. Sou mulher preta e escrevo o que sinto e desejo, o que vejo e o que não quero mais ver. Porque preciso, porque vivo a urgência de falar, de contar sobre minhas observações e leituras de um espaço que ocupo e que está repleto de dor, de tensão, de luta, de amor, de água, de sangue, de fé e de poesia”.

 

A temática de sua produção poética é “sobre Pretas, sobre Pretos, sobre Encantados, sobre a metalinguagem de uma vida em versos esculpidos com sangue”, diz. E ela escreve com sangue, o mesmo sangue “arbitrariamente derramado por violências que nos atingem em nossas vísceras e doem a todo momento; escrevo com sangue que pulsa, que está vivo, com o sangue que inicia; escrevo porque preciso abrir espaços, bordar os caminhos com a palavra, prenhe de grito, com as escritas sobre nós e por nós, nossa história, pois nos reconhecemos em nossos passos, nos nossos afetos, nos nossos estilos a cada verso”, poetiza a poeta.

Vania_melo

E ela não para por aí: “Falo sobre erotismo, sobre os ocultos da minha mente, as entranhas do meu corpo, de outros corpos, preciso falar de amor, de luta, de sonhos, de facas, de borboletas… Preciso escrever sem cerceamentos, sem impedimentos, sem qualquer violência que tente me atravancar a escrita, a lida”.

Vânia Melo revela que a poesia lhe ajuda a sobreviver, completa os espaços entre inspirações, é quase o ar para viver (ou é o próprio ar). Sua prosa, mesmo num questionário para uma entrevista, é recheada de poesia, de sutilezas, que não dá nem para editar. Em suas próprias palavras, ela deixa escapar mais poesias: “a poesia leva minha voz e abre meus caminhos, porque é certeira, é água que invade tudo, é meu bem, a tradutora de meu corpo, de outros corpos, o escudo de meus dias”.

E como um rio que não tem quem o controle, pois é dono de si, ela vai deslizando em versos: “Poesia é desaguar, é escrever pra não morrer, é voz, é entrega, é amor, é manhã de domingo. Minha poesia é livre como eu. Se me deparo com algo que me assalta os sentidos, eu escrevo. Se me inquieta, me representa ou me emociona, escrevo”.

E sobre limites, regras, receitas prontas, ela solta a língua “Escrevo o que vejo e o que insiste em mim, escrevo livre de métricas quando eu quero e presa apenas pelo que permito me levar”. De mãos dadas com sua companheira inseparável, Vânia Melo manda mais uma construção poética: “A poesia segue comigo, só nós duas”.

Suas impressões estão espalhadas por aí, como a antologia “Sangue Novo: 21 poetas baianos do século XXI. Org. José Inácio Vieira de Melo; Cadernos Negros – Poemas Afro-brasileiros, vol. 35. Org. Esmeralda Ribeiro e Márcio Barbosa; Revista Organismo – Editora Organismo. Também é pela Organismo que sairá seu primeiro livro solo. Usa rede social também para levar às pessoas lutas, amores e observações do mundo através da poesia.

Toda Preta 
Toda Amor
Inteligência e memória em toda guerra
Da minha raiz até a pétala
toda flor!

Tempo
Tempo tem meu apreço,
tem meu respeito,
se Tempo me pede, eu obedeço.
Devagar,  divagar…
Nele me reconheço.
Se tenho um poema
que precisa de Tempo,
Agradeço,  espero,  seguro
Tem Tempo pra tudo…
E o poema será só meu
até que esteja maduro.

#PoesiaSoteropreta – O Poeta Crônico Anderson Shon!


Anderson_Shon

Anderson Shon é o nome artístico de Anderson Mariano de Santana Santos, que escreve desde sempre mas que, somente em 2013, encarou a arte da palavra como profissão. Aí sua poesia ficou crônica. Para além da primeira impressão, a ‘crônica’ aí é a forma de escrita híbrida, já observada pelo poeta em outros artistas da palavra, porém, ainda, segundo ele, não havia essa denominação de poesia-crônica, ou poesia narrativa, que conta uma história ou um fingimento de história (O poeta é (sempre), um fingidor).

E como para bom fingidor meia palavra não basta, quer dizer, para o bom entendedor meia palavra basta, Shon se expressa, ou finge, contando histórias do cotidiano, transformando o simples fazer diário de um humano qualquer em combustível para a poesia, cuja escrita poética, por sua vez, retroalimenta o fingimento do poeta e vira combustível para o dia-a-dia. (Não precisa entender).

Ah, a poesia-crônica de Anderson Shon serve, ainda, de biombo, refúgio, para que o poeta se esconda do dia (ou da noite, ou da madrugada). E, nessa fuga-refúgio, ele inventa formas de interação com o mundo real (vai saber que mundo é esse!). E, como o poeta é professor de Redação, usa a língua (a portuguesa, claro), e as facilidades de sua formação acadêmica para atender aos pedidos que a poesia faz… Já viu que o poeta vira poesia e vice-VERSO, o tempo todo, né?

Como bom fingidor, ooops, poeta, Anderson Shon se mete em outras áreas como música (já gravou um CD), tem contos e romances (escritos, no papel, literatura, mesmo!), mas sua paixão, real, de carne e osso, é mesmo a literatura. Já viu que não dá para saber o que é real ou imaginário num poeta, não é?

E a poesia delira em Shon. Até a família entra na roda. Mas se você está pensando que é apenas a tradicional, com pai, mãe, irmãos etc, inclui mais aí: não precisa ter relação de sangue, consanguínea. Parente de poeta é pai, mãe, bonecos, ídolos, livros: “tudo que exista para ajudar o seu existir é sua família”, diz Shon. E aqui não é fingimento do poeta!

Anderson_Shon

Mas nem só de fingimento vive um poeta. Anderson Shon revela, em primeira mão, que vem por aí um aplicativo próprio para lhe ajudar a controlar a sua produção artística e alcançar um público maior. Antes disso, ele já atua nas redes sociais para divulgar sua poesia. Tem um site  e já publicou numa coletânea (Poesia Todo Dia), um conto no livro Artistas Liberais e um livro autoral: Um Poeta Crônico.

TÔ DE CACHO CHEIO PRA VOCÊ

 

Moda?

Pelo amor dos deuses

Vá procurar o que fazer

Pois hoje

Eu estou de cacho cheio pra você

 

Empoderar

É deixar qualquer madeixa

Solta pelo ar

E se comercial de shampoo

Ditava o liso

Hoje, com orgulho,

Eu digo

Que disso eu não preciso

Já posso escolher

E escolho

Estar de cacho cheio pra você

 

Ser black, afro

Cacho, curto

Liso, careca

A beleza mora

Na pessoa que se olha

E abre o sorriso

Eleva a estima

E ignora o blasé

Cara,

Tô de cacho cheio pra você

 

E sempre tem alguém

Pra puxar para baixo

Eu acho

Que há um pouco de inveja

Pois nas minhas fotos

Há uma beleza mais bela

Que foi renegada pela ditadura

Mas não hoje

Não amanhã

 

No futuro

Ninguém ouvirá o termo

Cabelo duro

Haverá respeito

O que mais puder haver

Diferente disso

Eu insisto

Mundo,

Estou de cacho cheio pra você.

 

(Anderson Shon, Um Poeta Crônico)

 

Valdeck Almeida

Por Valdeck Almeida de Jesus para o espaço “Poesia Soteropreta”, que vai evidenciar, divulgar e fortalecer a Poesia Preta, Periférica e de Resistência do cenário literário de Salvador. Confira aqui outros textos desta coluna. 

#PoesiaSoteropreta – Riick Lima, a voz contra a homofobia e a intolerância religiosa!


Riick_Stiller

Riick Lima é o nome social que Rian Henrique Lima usa nas redes sociais, e para se identificar como um poeta da quebrada. Ele se define como um jovem bem extrovertido, brincalhão e que luta pelos seus direitos, em busca de quebrar tabus e preconceitos.

Sua inserção no mundo poético foi iniciada em 2016, exatamente há um ano e as temáticas que aborda são várias, recorrentes, e que dizem muito de sua identidade na poesia: negritude, homossexualidade e intolerância religiosa.

Claro, os limites da escrita de Riick não estão todos aí. É somente o início de uma jovem e promissora carreira na escrita.

Como ele mesmo revela, “minha poesia é meio para conscientizar as pessoas e quebrar tabus sociais e familiares”, eis a deixa dos caminhos que sua inspiração pretende. E olhe que não há campo mais fértil para a inspiração, pois, em se tratando de barreiras, o nosso país, nos temas citados, é um dos mais injustos e reincidentes em tratar mal sua população.

 

Claro, o desejo do poeta não é se perpetuar nem que as intolerâncias permaneçam. Suas musas e musos migram e transmigram, e assim deve ser, para melhor, sempre. Mas enquanto houver qualquer resquício de desigualdade, ele, Riick Lima, estará a postos para combater, denunciar.

E tem dito e agido em saraus e encontros de luta. A expressão de Riick é coletiva, e luta por direitos individuais e da população, e suas armas são caneta e papel. Dança é outra arte que lhe move, sempre em busca de ocupar espaços que lhe são negados, e que são negados à grande parte dos habitantes das cidades brasileiras, principalmente para jovens negros e moradores das periferias. Sua luta, é, portanto, coletiva.

 

Riick_Stiller_06

Aliás, a poesia de Riick tem tudo a ver com coletividade, família. “A poesia e os poetas são uma grande família e reúnem várias outras pessoas, que, juntas, lutam por vários objetivos, querendo, assim, quebrar vários preconceitos”, convoca.

 

Um poema:

Fobia, já vi de várias pessoas, escuro, altura

a mais nova é de cultura

aonde a arte está sendo cassada

por uma sociedade que vem armada:

de palavras, covardia e comunicação

aonde a violência sempre passa na televisão

aonde também informou a mais nova lei, que sou doente por ser gay

tá bom, ser gay agora é doença

daqui a pouco vai ser minha cor, meu cabelo, minhas crenças

aí cê pensa

a sociedade prega igualdade e respeito

mas não te dá o direito de amar e ser amado

amar? menos se você for viado

é meio engraçado

ver toda sociedade testando criar uma cura favorável, para uma coisa incurável

aonde o padrão é clarear eu prefiro escurecer

se esse ditado certo

que tal clarear a mente da sociedade para ela perceber, que não há diferença entre eu e você

com esse mesmo assunto, mesmo ranço

porque na telinha existe um conto de fadas e uma menininha no balanço

enquanto para eles existiu magia

para os meus antepassados o mal agia

e até hoje eu sinto essa dor

 

aonde eu luto sem cessar

para minha brisa não acabar

porque eu fumo palavras

que te atingem como rajadas indo no seu subconsciente

minha fumaça? são os versos

que te revira do certo ao inverso

e meu trago? meu trago é a inspiração

aonde eu levo informação aos irmãos

divulgando meu trabalho de busão a busão

trazendo o caminho da cultura, tirando eles da prisão

aonde sempre canto com alegria

e digo não

à homofobia

#PoesiaSoteroPreta – A poesia-liberdade-libriana Larissa Barros!


Larissa_Barros-poesia_soteropreta

Larissa Barros escreve pequenos poemas desde a adolescência, mas somente há cerca de três anos, confessa, passou a vivenciar a poesia como uma arte potencial de expressão. “Escrevo majoritariamente sobre amor e questões de gênero e desejo expressar o que sinto e penso, assim como despertar no outro as suas próprias reflexões”.

 

A arte da palavra lhe toma por inteira. “A poesia pra mim é como falar, andar, respirar. Faz parte do meu ritual de vida. Vejo poesia pela janela do ônibus, em todo canto. Ela é instintiva, involuntária, pode brotar de todo lugar. Gosto de utilizar algumas figuras de lingaguem, como a personificação e anáfora. Não existe uma intenção exatamente, mas essas figuras me auxilam a transmitir a minha mensagem”.

 

A poesia de Larissa dialoga e rima com família, quando família representa acolhimento, segurança e liberdade; rima, sobretudo, com qualquer espaço de diálogo e libertação do pensamento. “Se não tiver isso, acredito que não pode rimar com família”, sussurra.

 

Além de poemas, Larissa se aventura, também, pela prosa, e diz que já escreveu alguns pequenos contos, mas ainda está em processo de identificação com essa linguagem. Apesar de usar as redes sociais, prefere não se divulgar como poetisa nestas plataformas. Prefere outros suportes, como declara: “Publiquei uma fanzine como trabalho final de um componente curricular no curso que faço na Ufba, na qual coloquei três pequenos poemas”.

 

Em suas próprias palavras ela tenta se resumir: “falar de uma libriana clássica como eu não é facil. Sou a mistura de muita coisa e não me envergonho disso. Não gosto de ser encaixada em quadrados e me dou a oportunidade todos os dias de mudar os meus pensamentos. Acho que essa é a minha marca maior, essa capacidade de me refazer sempre e não me sentir obrigada a manter sempre a mesma linha de pensamento. Acho que o segredo pra viver nesse mundo louco está na renovação diária”.

 

SEM ESCAPATÓRIA

 

Em todo o meu percurso,

Em cada canto deste mundo

Mundo insano por sinal

Não encontrei quem tenha escapado

De um grande amor

Tão pouco ter saído ileso dele

Espontâneo como criança

Leveza de um passarinho

Perspicaz, rápido, voraz

Há quem o chame de paixão

Loucura, cegueira, desejo ou tesão

Fica a vontade, a mercê e a toa

Chame do que quiser

Quantos apelidos couber

Só não se negue e nem recue

Não gosta de ser rejeitado

E não se faz de rogado

Mas sem dúvida

Seu lugar, seu porto, seu chão

O lugar para onde sempre volta

É o repouso tranquilo

Na letra da canção.

#PoesiaSoteropreta – Indemar Nascimento, poesia de carne, osso e pulsação!


indemar_nascimento

Indemar Nascimento escreve desde 2011, pretende levar mensagem e virar espelho pra sua comunidade e todas as perifas, e declara: “minha escrita não é a que seja preferida, mas necessária, racial e social”. Indemar se identifica tanto com a poesia, que se enxerga como uma poesia, de carne, osso e pulsação:

“Eu costumo dizer que eu sou a poesia; então, ela não é o que pra mim e sim eu sou ela”. As referências para escrever vêm de filmes, escritores, pessoas que são referências pessoais e para a humanidade. Seus textos trazem a intenção de conscientizar e fazer a perifa entender e passar a questionar sobre tudo que acontece ao redor: racismo, homofobia, machismo, genocídio.

A poesia de Indemar Nascimento não se escreve somente nos papéis, nas folhas de caderno, na tela de um celular ou computador. Ele encarna poemas em seu próprio viver diário, como dito anteriormente: Ele é a poesia.

indemar_nascimentoE essa poesia também se revela na capoeira, luta ancestral que dá início a todos os seus questionamentos. É através da capoeira, também, que Indemar tira exemplos e passa aos alunos: recortes, história, ancestralidade sobre de onde eles vieram, os porquês de onde eles estão.

Poesia são pessoas e pessoas formam a família real de Indemar.

“Na real, família pra mim foram pessoas que encontrei no andar da minha vida. Poesias que se modificam; algumas dessas pessoas/poesias não estão mais aqui, mas continuam poesias, virando poesias”. E exemplifica: “Sant em uma música diz “no rap prega família, mas a nossa de sangue nem existe”. Família pra mim são pessoas que te fortalece e muitas das vezes não significa que será encontrada em casa”.

A música é outro espaço que abriga o poeta. Suas incursões no universo do RAP estão nas redes sociais, em CD, EP etc, plataformas que funcionam como braços e pernas do jovem artista da palavra. Na caminhada cultural e poética, Indemar marca seu espaço na cena da poesia, e emociona quem o conhece. A potência de sua palavra está em todas as quebradas, desde a Baixa da Soronha, onde vive, no bairro Itapuã, a Sussuarana, Vila Verde (Estrada Velha do Aeroporto), Olaria, (Nordeste de Amaralina), enfim, por toda a cidade.

indemar_nascimento

Nos Slams e saraus de Salvador, ele é marca registrada e, em uma batalha emocionante no Slam BA realizado em Sussuarana, Indemar ficou classificado, juntamente com Juh França (Coletivo Zeferinas), como representante da Bahia para disputar o Slam BR em São Paulo – entre os dias 14 e 17/12.

Na literatura, foi classificado e teve um poema publicado pelo “Prêmio Galinha Pulando de Literatura – 2015”. Estas conquistas servem de incentivo para continuar: “me fazem sentir que isso não é em vão. Tento buscar o que possa ser melhor pra nós”, resume.

Pior que não sei…

Hoje olho pra minha velha, me sinto um merda, quantas quedas
planos, a geladeira vazia e eu me fudendo aos 23 anos
sentado no canto, pranto, pratos quebrados
aprendi que esse ditado não é pra peri: “colhemos o que plantamos”
eu sei que não sou desse mundo, meu coração anda podre demais mesmo sendo puro
olhar vendo pessoas não enxergando a dor do outro. Onde chegamos ? me diz…!
na diáspora, campo de pólvora. Os do lado de cá chora
escondem a neblina de dentro sorrindo pra fora
mãe África implora, vários tirados do ventre, do berço
o barranco desliza, fé, lágrimas recomeço
Se Deus existe será que ele não erra? A divisão foi injusta. Desculpa esses gritos
os suspiro de  um filho que nem sabe se tá sendo ouvido
carrego o peso do mundo nas costas, isso me fode literalmente
uma chance de frustrar literalmente em mim quem aposta
vivemos no inverno, constante
será que tudo mudou, ou apenas que cresci e não via a beleza como via antes?
daqui pra frente carrego o meu próprio peso. Sem machucar mais ninguém pelo que me tornei
toda vez que eu caí, foi pros braços seu que retornei
quantos questionamentos, quantos momentos
das minhas dores?? Só sei que tudo sei!
será que até nisso errei?

Indemar Nascimento

Texto de Valdeck Almeida para a coluna #PoesiaSoteropreta. Confira mais aqui!

 

#PoesiaSoteropreta – A transcendente poesia de CR Moska! – Por Valdeck Almeida


CR_Moska

CR Moska escreve desde o início da década de 90, quando começou misturando temas sociais com existenciais mas, hoje, diz: “cada vez mais amplio e agrego novas possibilidades poéticas sem perder as abordagens anteriores”.

O poeta foi o criador do extinto grupo poético musical “Prazer Atômico”, que fez dezenas de apresentações em recitais poéticos. Através deste coletivo, ele publicou seu primeiro zine poético literário em 1997, homônimo. Desde então participa, organiza e colabora com recitais poéticos do universo poético/literário soteropolitano.

Em 2009, iniciou mais um projeto poético intitulado “Páginas de Concreto”, que levou às ruas de Salvador pequenos poemas, no estilo haikai, com objetivo de estabelecer uma relação direta com as pessoas no ambiente urbano. Também participou do projeto “Poesia em Trânsito” como poeta, fotógrafo e vídeomaker. Atualmente, trabalha na finalização como diretor e editor do DVD “Poesia em Trânsito”. Em 2015, CR Moska recebeu o  prêmio de melhor vídeo-poema com o trabalho “Aqui Começam Minhas Palavras”, no Festival FENAPO 2015.

Em 2010, começou a produzir, dirigir e atuar em vídeos-poemas que estão disponíveis na internet. Possui um blog que agrega toda a diversidade das suas criações, como poemas, foto-poema, música, poesia e vídeo-poema.

Mesmo com uma atuação diversificada na cena artística de Salvador, CR Moska considera a poesia, “antes de tudo, para mim, uma forma de transcendência, ou seja, eu a uso como uma forma de desabafo, conforto, de prazer, de brincar com as palavras, de reagir e protestar contra as coisas que incomodam, frustram…”

A poesia é algo indefinível para CR Moska: “Nunca soube bem definir o que é poesia, mas fiquei satisfeito com alguém – que já não recordo quem -, que a definiu como uma forma de resumir tudo…”.

CR Moska deixa bem claro sua maneira de poetizar: “Eu nunca fui um poeta metódico, nunca medi ou pensei a poesia como algo que se pode meticulosamente planejar, ter métrica, versos rígidos, sentido combinado ou qualquer interpretação confabulada; portanto, não uso recurso, escrevo de forma intuitiva e sem nenhuma pretensão de sofisticação literária, tampouco domino a gramática…”

Mas é consciente do papel deste gênero literário em sua vida. Segundo Moska, a poesia está em todas as áreas de sua vida e, materialmente, não o levou a lugar algum, mas o cercou de amigos, cúmplices e companheiros das palavras. “Me tirou a solidão, as dores do mundo, os infortúnios e as coisas que transcendo quando escrevo…”, confessa.

Um Pequeno Saldo Positivo na Bolsa de Valores Emocional

O mundo se move com cifras milionárias.
Quantias e números que fazem brilhar.
Os olhos frios da opulência.
E os que fazem de sua conta bancária.
Uma forte razão para existir.

Eu com meus pequenos pormenores sentimentais.
Com uma insignificante quantia de moedas no bolso.
Sou obrigado a aprender tirar “leite de pedra”.

Foi um dia tão monótono e desastroso.
Faltavam flores e algo que me resgatasse.
Daquela sensação impiedosa de derrota.
Mas o destino não é tão desumano, cruel e avarento.
Às vezes, em meio a tantos infortúnios significativos, ele me presenteia.
Com pequenos e sutis gestos de misericórdia sentimental.
E me favorece na bolsa de valores emocional.
Com um ridículo e positivo saldo de alegria.

Eu preciso de pouco.
Ou quase nada material para viver sossegado no meu canto.
Conformo-me com uma aparição repentina.
De alguém especial e cativante…
E não há nada mais relevante e gratificante.
Que ganhar de bom grado um largo sorriso sincero…
Para ter alegria, alegria, alegria.

CR Moska

#PoesiaSoteropreta – Milica San: Filha da poesia e da filosofia! – Por Valdeck Almeida


Milica_San04

Jamili Soares (Milica San) escreve desde os 11 ou 12, “pequenas coisas nos diários, coisas que realmente aconteciam. Começaram a mudar quando passei das ‘coisas que realmente aconteciam’, para ‘coisas que realmente poderiam ter acontecido”, fantasias, o Mundo de criança, um mundo de Possibilidades”.

Aos 15 anos Milica meteu a ideia na cabeça de escrever um romance, cujo título era “E a Vida Real?”. Saiu dos sonhos, das utopias e das inocências infantis: “Tudo o que estava escrito nele não se parecia em nada com o que conhecemos sobre o assunto”, deixa escapar.

E a evolução continuou: vieram os estudos em Filosofia; A vida, a obra, as ideias dos grandes filósofos e uma paixão por Conhecer, fervendo dentro da poetisa. “O contato com a Filosofia fizeram as coisas se arrumarem; Permitiu a síntese entre realidade e fantasia”, divulga Milica San.

A temática é variada e a inspiração vem do que Milica San consegue ver de olhos fechados: O caos. A fuga do caos. Drogas, sexo, amor e Rock n’ Roll. O porre de todos eles juntos. A saudade e a morte. O outro. E ela dá uma dica: “Escrever sobre o Outro na perspectiva de meu semelhante, é pensar em mim como uma grande vilã, ao culpar O Outro pela dor da vez”.

A poesia de Milica San não foi feita para ferir ninguém, como ela mesma diz. “faço-a para curar. A mim mesma. Tenho um cuidado muito grande com isso”. E sua poesia é uma miríade de aconchegos, é moradia, é motivo para ser bruxa, flor, Deus, ou o nada absoluto. Mas ela não se limita aos poemas. Passeia pelo mundo da música, criando, cantando, misturando, aprendendo instrumentos, fazendo uns barulhos, tudo na tentativa de se encontrar nos olhos do outro. E, nesse jogo, ela se vê nos olhos dos amigos, irmãos reais ou fantásticos.

Seus textos podem ser lidos no Facebook na página “Os Vinhos deste Mundo”, além de alguns livretos, pequenas doses de suas poesias para as ruas. Tem, ainda, “A Angústia da Página em Branco”, publicado pela Antologia Galinha Pulando e mais textos publicados na Revista Òmnira.

 


O último Outono durou mais que o possível.
Está durando, sem previsão de fim.
Estou amando,
aceitando, sem dizer “sim”.
Entregando a parte de mim
que também é tua.
Preferindo morar em Ti
quando posso escolher qualquer lugar de rua.
O primeiro Outono está durando.
A primeira noite em que brincamos
entre risos…
Primeiros e últimos sons
deste amor que nasce, cresce,
reproduz e move.
Reajo muda, quieta,
miúda, imóvel.
Aceito sem dizer “sim”
Sem forças pra te negar
mesmo num balançar de cabeça.
Esqueça! Acho que há algo errado em minha autodefesa.
Deve ser o tempo,
e a tempos desejei fraqueza.
Precisar de um cuidado especial,
como o das crianças.
É que ser forte demais,
às vezes cansa.
O último Outono durou mais que o possível.
Está durando.
Você promete me dar de lembrança
qualquer coisa com o seu cheiro,
qualquer coisa com o seu jeito
se por descuido permitirmos a chegada do inverno?
Que inferno!
Não quero nem pensar nisso…
Eu Renasci no Outono

Milica San