#PoesiaSoteropreta – A transcendente poesia de CR Moska! – Por Valdeck Almeida


CR_Moska

CR Moska escreve desde o início da década de 90, quando começou misturando temas sociais com existenciais mas, hoje, diz: “cada vez mais amplio e agrego novas possibilidades poéticas sem perder as abordagens anteriores”.

O poeta foi o criador do extinto grupo poético musical “Prazer Atômico”, que fez dezenas de apresentações em recitais poéticos. Através deste coletivo, ele publicou seu primeiro zine poético literário em 1997, homônimo. Desde então participa, organiza e colabora com recitais poéticos do universo poético/literário soteropolitano.

Em 2009, iniciou mais um projeto poético intitulado “Páginas de Concreto”, que levou às ruas de Salvador pequenos poemas, no estilo haikai, com objetivo de estabelecer uma relação direta com as pessoas no ambiente urbano. Também participou do projeto “Poesia em Trânsito” como poeta, fotógrafo e vídeomaker. Atualmente, trabalha na finalização como diretor e editor do DVD “Poesia em Trânsito”. Em 2015, CR Moska recebeu o  prêmio de melhor vídeo-poema com o trabalho “Aqui Começam Minhas Palavras”, no Festival FENAPO 2015.

Em 2010, começou a produzir, dirigir e atuar em vídeos-poemas que estão disponíveis na internet. Possui um blog que agrega toda a diversidade das suas criações, como poemas, foto-poema, música, poesia e vídeo-poema.

Mesmo com uma atuação diversificada na cena artística de Salvador, CR Moska considera a poesia, “antes de tudo, para mim, uma forma de transcendência, ou seja, eu a uso como uma forma de desabafo, conforto, de prazer, de brincar com as palavras, de reagir e protestar contra as coisas que incomodam, frustram…”

A poesia é algo indefinível para CR Moska: “Nunca soube bem definir o que é poesia, mas fiquei satisfeito com alguém – que já não recordo quem -, que a definiu como uma forma de resumir tudo…”.

CR Moska deixa bem claro sua maneira de poetizar: “Eu nunca fui um poeta metódico, nunca medi ou pensei a poesia como algo que se pode meticulosamente planejar, ter métrica, versos rígidos, sentido combinado ou qualquer interpretação confabulada; portanto, não uso recurso, escrevo de forma intuitiva e sem nenhuma pretensão de sofisticação literária, tampouco domino a gramática…”

Mas é consciente do papel deste gênero literário em sua vida. Segundo Moska, a poesia está em todas as áreas de sua vida e, materialmente, não o levou a lugar algum, mas o cercou de amigos, cúmplices e companheiros das palavras. “Me tirou a solidão, as dores do mundo, os infortúnios e as coisas que transcendo quando escrevo…”, confessa.

Um Pequeno Saldo Positivo na Bolsa de Valores Emocional

O mundo se move com cifras milionárias.
Quantias e números que fazem brilhar.
Os olhos frios da opulência.
E os que fazem de sua conta bancária.
Uma forte razão para existir.

Eu com meus pequenos pormenores sentimentais.
Com uma insignificante quantia de moedas no bolso.
Sou obrigado a aprender tirar “leite de pedra”.

Foi um dia tão monótono e desastroso.
Faltavam flores e algo que me resgatasse.
Daquela sensação impiedosa de derrota.
Mas o destino não é tão desumano, cruel e avarento.
Às vezes, em meio a tantos infortúnios significativos, ele me presenteia.
Com pequenos e sutis gestos de misericórdia sentimental.
E me favorece na bolsa de valores emocional.
Com um ridículo e positivo saldo de alegria.

Eu preciso de pouco.
Ou quase nada material para viver sossegado no meu canto.
Conformo-me com uma aparição repentina.
De alguém especial e cativante…
E não há nada mais relevante e gratificante.
Que ganhar de bom grado um largo sorriso sincero…
Para ter alegria, alegria, alegria.

CR Moska

#PoesiaSoteropreta – Milica San: Filha da poesia e da filosofia! – Por Valdeck Almeida


Milica_San04

Jamili Soares (Milica San) escreve desde os 11 ou 12, “pequenas coisas nos diários, coisas que realmente aconteciam. Começaram a mudar quando passei das ‘coisas que realmente aconteciam’, para ‘coisas que realmente poderiam ter acontecido”, fantasias, o Mundo de criança, um mundo de Possibilidades”.

Aos 15 anos Milica meteu a ideia na cabeça de escrever um romance, cujo título era “E a Vida Real?”. Saiu dos sonhos, das utopias e das inocências infantis: “Tudo o que estava escrito nele não se parecia em nada com o que conhecemos sobre o assunto”, deixa escapar.

E a evolução continuou: vieram os estudos em Filosofia; A vida, a obra, as ideias dos grandes filósofos e uma paixão por Conhecer, fervendo dentro da poetisa. “O contato com a Filosofia fizeram as coisas se arrumarem; Permitiu a síntese entre realidade e fantasia”, divulga Milica San.

A temática é variada e a inspiração vem do que Milica San consegue ver de olhos fechados: O caos. A fuga do caos. Drogas, sexo, amor e Rock n’ Roll. O porre de todos eles juntos. A saudade e a morte. O outro. E ela dá uma dica: “Escrever sobre o Outro na perspectiva de meu semelhante, é pensar em mim como uma grande vilã, ao culpar O Outro pela dor da vez”.

A poesia de Milica San não foi feita para ferir ninguém, como ela mesma diz. “faço-a para curar. A mim mesma. Tenho um cuidado muito grande com isso”. E sua poesia é uma miríade de aconchegos, é moradia, é motivo para ser bruxa, flor, Deus, ou o nada absoluto. Mas ela não se limita aos poemas. Passeia pelo mundo da música, criando, cantando, misturando, aprendendo instrumentos, fazendo uns barulhos, tudo na tentativa de se encontrar nos olhos do outro. E, nesse jogo, ela se vê nos olhos dos amigos, irmãos reais ou fantásticos.

Seus textos podem ser lidos no Facebook na página “Os Vinhos deste Mundo”, além de alguns livretos, pequenas doses de suas poesias para as ruas. Tem, ainda, “A Angústia da Página em Branco”, publicado pela Antologia Galinha Pulando e mais textos publicados na Revista Òmnira.

 


O último Outono durou mais que o possível.
Está durando, sem previsão de fim.
Estou amando,
aceitando, sem dizer “sim”.
Entregando a parte de mim
que também é tua.
Preferindo morar em Ti
quando posso escolher qualquer lugar de rua.
O primeiro Outono está durando.
A primeira noite em que brincamos
entre risos…
Primeiros e últimos sons
deste amor que nasce, cresce,
reproduz e move.
Reajo muda, quieta,
miúda, imóvel.
Aceito sem dizer “sim”
Sem forças pra te negar
mesmo num balançar de cabeça.
Esqueça! Acho que há algo errado em minha autodefesa.
Deve ser o tempo,
e a tempos desejei fraqueza.
Precisar de um cuidado especial,
como o das crianças.
É que ser forte demais,
às vezes cansa.
O último Outono durou mais que o possível.
Está durando.
Você promete me dar de lembrança
qualquer coisa com o seu cheiro,
qualquer coisa com o seu jeito
se por descuido permitirmos a chegada do inverno?
Que inferno!
Não quero nem pensar nisso…
Eu Renasci no Outono

Milica San

#PoesiaSoteropreta – Lidiane Ferreira: poesias desenhadas na imaginação! – Por Valdeck Almeida


lidiane_ferreira_sarau_enegrescencia_poesia_negra (1)

Lidiane do Espírito Santo Ferreira de Jesus, ou Lidiane Ferreira, não escolheu escrever sobre a temática negra. A Literatura que lhe escolheu, inclusive a forma, o gênero e o assunto, fruto, inclusive, das discussões que seus textos suscitavam. Desde sempre! A infância lhe traz lembranças dos diários cheios de ficção e dos desenhos “com vida”, fruto de muita imaginação.

O lugar de mulher negra é a vertente de sua produção atual, fruto de seu ingresso na Universidade Federal da Bahia – UFBA, e, consequentemente, depois do contato com as literaturas afro-brasileiras e africanas de língua portuguesa; e, em especial, com a sua construção identitária. Segundo Lidiane Ferreira, sua escrita foi, por muito tempo, “uma rota de fuga do racismo. Hoje, ela é o símbolo da minha luta contra o racismo, o machismo, o sexismo, dentre outros fatores discriminatórios de nossa sociedade. A minha escrita resiste a tudo isso, mas também serve de seta, apontando novos caminhos”.

Esta sua descoberta e militância literária, entretanto, não afloraram tão facilmente. Para Lidiane, “O racismo fez com que, por muito tempo, eu escondesse a minha escrita. Faz cerca de dois anos que eu os divulgo. Tenho poemas publicados na Antologia Poética do Servidor Público Estadual (2015) e no livro Enegrescência Coletânea Poética, publicado pela Editora Ogum’s Toques Negros (2016)”.

Lidiane se considera uma poetisa que escreve a partir do silêncio, do isolamento. Além de poemas, escreve contos e tem um romance em construção, e se declara amante de teatro, com planos de fazer um curso, mesmo que amador. Com temática diversificada, o que escrevia durante a infância era o cotidiano e o universo familiar. “Lembro que eu utilizava muito as características da minha irmã mais velha, Paloma, nos personagens.

Durante a adolescência, consigo perceber os reflexos do racismo em minha escrita, pois a maioria dos poemas continha temas como a morte, a solidão e a perda”. Com a entrada na Steve Biko, a inspiração se redirecionou. “O meu ingresso no Instituto Cultural Steve Biko não apenas me preparou para o vestibular, mas para a superação e o enfrentamento ao racismo. A Biko pôde me mostrar que há outras possibilidades para uma mulher negra e pobre como eu”.

Lidiane Ferreira sempre usou a Literatura como refúgio, não para se esconder, mas para explorar e expor tudo o que lhe consome, intriga, incomoda. Ela versa sobre o lugar da mulher negra na sociedade, sobretudo no que tange às várias sexualidades. Para além de aconchego, ela se utiliza da produção artística como arma, intencionalmente, como ato político, para retratar as vivências do povo negro mas, principalmente, para influenciar mudança social.

lidiane_ferreira_sarau_enegrescencia_poesia_negra (2)

Isso resultou no coletivo Enegrescência, criado com amigos, cuja busca é apresentar e divulgar as literaturas afro-brasileiras e africanas, de forma não hierarquizada. Lidiane acredita que “a literatura é um fator relevante para a mudança social”. Fruto deste trabalho em conjunto, nasceu uma coletânea poética, da qual Lidiane Ferreira participa, também, como escritora.

A poetisa Lidiane Ferreira se auto define: mulher negra, bikuda do ano de 2010, periférica, feminista, graduada em Letras Vernáculas, e pós-graduanda em Educação em Gênero e Direitos Humanos, ambos pela Universidade Federal da Bahia – UFBA; uma jovem escritora de literatura preta.

 

 

 

 

 

Desenlace

No emaranhado dos fios o tempo,

pentes desembaraçam nós.

E eu rio

escorrendo maçãs

abaixo

Estiagem: trinco nunca mais aberto.

Valdeck Almeida

Por Valdeck Almeida de Jesus para o espaço “Poesia Soteropreta”, que vai evidenciar, divulgar e fortalecer a Poesia Preta, Periférica e de Resistência do cenário literário de Salvador. Confira aqui outros textos desta coluna. 

#PoesiaSoteroPreta – Yuretta e sua Trans-Poesia! – Valdeck Almeida


Yuretta Santanna

No começo, jogos de RPG online foram inspirações, pois era necessário narrar, em forma de contos, coletivamente e online, histórias e ações de personagens. Isso foi em 2005. O gosto pela escrita veio daí e Yuretta deu início a seus próprios romances e fanfictions, depois contos, crônicas e, por fim, poemas, que lhe fascinaram e lhe conquistaram por inteira. Num outro universo paralelo, compunha letras de música.

Atualmente a temática que prevalece são provocações de gênero e sexualidade, e a poesia é a ferramenta pela qual a trans-poetisa dá voz às coisas que não conseguiria dizer de outra forma senão pela poesia!

Para Yuretta, poesia é “pulsão de vida. É beleza. É fôlego. E também seus avessos. É intenção. Aquilo que nos move, nos ostraciona, nos provoca e nos afeta. É a mensagem transmitida de maneira sensível. Ou, ainda, o sensível transmitido através de mensagens”, declama, lindamente!

Com estilo transgressor, Yuretta diz que, em seus textos, “o uso de alguns recursos linguísticos não são intencionais nem com a pretensão de enquadrar obras em determinados modelos por considerá-los superiores a outros menos criteriosos”.

Mas a poetiza investe em burilar suas criações, e diz que “abusa de figuras de linguagem como aliteração, metáfora, prosopopeia” e completa, já pensando como musicista: “metrifico alguns poemas, especialmente na forma de soneto, minha paixão. Gosto de valorizar o ritmo e a musicalidade do texto, acho que são as palavras chaves de uma boa poesia”.

Como a música e a poesia são indissociáveis para esta menina sapeca, ela se expressa também através do canto, da performance e, com menos frequência, dança e teatro. Transita pelas artes.

Suas músicas-poemas rimam com família sempre, pois “família é sinônimo de amor e respeito. Família é o sentimento de pertencimento a um núcleo de afeto e também o grupo unido por esse sentimento. Que poesia maior poderíamos ter?”, questiona Yuretta.

Se você quiser conferir mais das criações poéticas de Yuretta, procure a página Vale dos Alfarrábios, no Facebook, onde tem poemas publicados do livreto do Coletivo Atuar, da revista eletrônica do CEPA e de antologias poéticas como Várvara e Liberdade. Vai lá!

Yuretta Sant’Anna é cantora, compositora e poetisa transgênera. Baiana, natural de Salvador, apaixonada pela transdisciplinaridade, aborda em seu trabalho artístico a generificação dos corpos e suas performatividades. Graduanda em Artes pela Universidade Federal da Bahia, é ativista dos estudos de gênero e diversidade, área de concentração de suas pesquisas e produções.

 

Transfiguração

Se me percebo, me questiono.
Se me questiono, me perco.
Se me perco, me acho.
Se me acho, me toco.
Se me toco, me percebo.
E tudo recomeça.
E tudo é vã conversa.
Ou vil engano,
ou grã acerto,
mas sempre um firme acordo
de fins e recomeços,
onde cada tempo é O Tempo
e todo T maiúsculo é uno,
verdadeiro,
dispensando a obrigação
de servir ao lado A
ou ao lado B
pois no alfabeto do ser
nasceu entre o fim e o meio,
no seio do início de um anseio
marcado por
trans
figura
ação.

Yuretta

 

Por Valdeck Almeida de Jesus para o espaço “Poesia Soteropreta”, que vai evidenciar, divulgar e fortalecer a Poesia Preta, Periférica e de Resistência do cenário literário de Salvador.

 

#Paremdenosmatar é Letramento Racial em crônicas! – Por Valdeck Almeida


parem-de-nos-matar cidinha da silva

O livro #Paremdenosmatar, de Cidinha da Silva, composto de crônicas publicadas antes em sites e blogs na internet, chama a atenção por vários aspectos. Dentre eles, a alta qualidade editorial (papel, fontes, coloridos) e o esmero, na leve e cuidadosa linguagem da escrita e na promoção da humanidade das pessoas negras.

Tudo isso, apesar de tratar de temas áridos como as mortes simbólica e cultural, massacres, extermínios, genocídio do povo negro, homofobia, apagamentos e invisibilizações de negros e negras, crimes bárbaros, racismo institucional, racismo velado, intolerância religiosa, violência policial, violência de gênero, negação da condição humana para negros e negras, etc. Para além do registro humanizado, é ferramenta de insubmissão e incentiva a autoestima, memórias, estética, beleza, histórias, humanidades, religiosidades, cultura.

O título, na primeira pessoa do plural, já nos inclui e chama para o coletivo (ninguém nasce só, vive só, morre só): o grito uníssono, o afetivo, o convívio comunitário, familiar, o desespero dos que morrem e dos que podem estar na fila. Evoca um chamado por socorro, para que cada um/a de nós atente para o perigo real e iminente que acomete negros e negras todos os dias. Principalmente jovens das periferias de todo o Brasil.

Denuncia chacinas orquestradas pelo racismo institucionalizado, sofisticado, engendrado e enraizado nesse país desde sua fundação, em que negros e negras são subjugados, subalternizados e mortos. O mesmo racismo mantido até hoje, disfarçado, mascarado de democracia racial – propalado, inclusive, por redes nacionais de mídia, como a Rede Globo -, que exclui e elimina, nega direitos, encarcera e aniquila.

O mesmo racismo que sonega informações, direitos inalienáveis como o direito à vida; o mesmo racismo exercido pelo Estado, através do seu braço armado, a Polícia, que acusa, julga e executa com “balas perdidas”, sob a justificativa do “Auto de Resistência”, sem direito a apelação, muitas vezes sem direito a um funeral digno. O mesmíssimo racismo genocida do povo negro, cujos corpos são numerados para estatística e dos quais se retira a alma.

parem de nos matar
Banco de Imagens

São enterrados como indigentes, em valas comuns, ou desovados em pontos bem conhecidos de todos; o mesmo racismo midiático que sequer cita nome e sobrenome dos assassinados e que serve carne negra em banquetes macabros na hora do almoço, em que pseudojornalistas justiceiros são coniventes com o linchamento de corpos e subjetividades e com essa barbárie, equivalente à queda de um grande avião por dia.

#Paremdenosmatar sangra em cada parágrafo, rememora o massacre de Ruanda (1994), o genocídio e crimes sexuais praticados pelo Boko Haram, na Nigéria (2014/15), que causam menos comoção que um atentado a um jornal satírico em Paris. O massacre dos treze rapazes do Cabula, em Salvador, em 2015.

parem-de-nos-matar
Banco de Imagens

#Paremdenosmatar faz a denúncia da morte física, mas também a espiritual e das subjetividades, da morte em vida, dos choros engolidos, do medo de depor e ser o/a próximo/a da lista. Escancara os crimes de ódio, que destroem e invadem casebres, ofendem em redes sociais ou em bancadas de jornais em rede nacional – caso Maju: Maria Júlia Coutinho. Humilham em estádio de futebol – Mário Lúcio Duarte Costa, o goleiro Aranha.

Mas o livro é também a resistência, trincheira e porta-voz de mães/pais, filhos/as, irmãos/ãs, amigos/as desses jovens mortos a cada dia. Nas crônicas, linhas e entrelinhas, a dignidade do ser humano é resgatada, não cai no esquecimento. As mortes não são contadas como meros números, muito menos comparadas às partidas de futebol, nem coisificadas. A beleza do livro é demostrar a luta contra toda sorte de preconceitos: racial, de classe, de gênero, religioso. Nos chama à responsabilidade, através da literatura de Cidinha da Silva. Denunciemos os criminosos, façamos justiça a cada gota de sangue, a cada agressão. E matemos o racismo!

valdeck almeida de jesus
Reprodução facebook

Texto produzido, especialmente, para o Portal SoteroPreta.

Valdeck Almeida de Jesus é jornalista, escritor, ativista cultural, poeta e blogueiro.

#PoesiaSoteropreta – O amor e a liberdade na poesia de Nádia Ventura!


Nadia_Ventura

 

Nádia Ventura escreve há 51 anos sobre o amor em suas várias vertentes, com a pretensão de se libertar.  poesia é sua essência e, através desta arte, Nádia viaja. Na sua escrita, não tem horizonte impossível: sonhos, imaginação, lembranças, dores, frustrações, desencanto, cenas do cotidiano… Com intenção de dividir, canalizar sentimentos, fazendo com que o leitor se identifique e sinta que a poesia faz parte da sua vida desde a hora que acorda, até quando dorme e sonha. “Todos nós somos poetas, vivemos a poesia que a vida nos dá, amarga ou doce… Alguns sabem como externá-las, outros apenas a sentem…”, segundo a poetisa!

Nádia se inventa e reinventa na poesia. “A minha arte é puramente literária. Dentro da literatura eu me reinvento e me realizo nos Romances, Contos, Crônicas e em Artigos políticos…”.

Poesia e família. “Para a poesia rimar com Família, depende muito do momento do autor. Pode rimar de uma forma boa ou má. Nenhuma Família é perfeita fora dos porta-retratos, fora da imagem que cada um pretende mostrar à sociedade”, diz Nádia. E ela afirma que a família é como a vida, cheia de altos e baixos, de amor e ódio, de tristeza, alegrias e decepções… E segue o raciocínio: “A família tradicional para mim já não existe. A Ancestralidade Comum, também já não conta. Outras formas, outros valores tomaram lugar, porque evoluímos”.

Nadia_Ventura

E Nádia não para por aí.

“Então, esse grupo familiar já não divide necessariamente o mesmo teto, expandiu-se aos amigos. Mãe é pai e pai é Mãe, avó, tias(os) são pais e mães. Casais sem filhos adotam; casais brancos adotam crianças de outras raças; assim como homossexuais, lésbicas, travestis e trans, também adotam, formando assim uma nova família contemporânea. Portanto, hoje, a consanguinidade não quer dizer Família. Família hoje são escolhas… Temos o direito inquestionável de criar a nossa própria Família, amá-la sem a obrigatoriedade parental… E essa diversidade é MARAVILHOSA e EVOLUTIVA…”… Essa é a trama da poesia de Nádia Ventura, que não tem limites ou receitas prontas. Tudo é poesia, e poesia é tudo na vida a poeta.

E a poeta iniciou bem cedo seus exercícios de poesia. Começaram a ser escritos desde a infância, mais ou menos aos oito anos de idade. O primeiro poema, entretanto, só foi publicado na idade adulta, em uma antologia organizada pelo jornalista Valdeck Almeida de Jesus. “Eu sou muita grata ao poeta por isto. Depois desta publicação vieram vários convites e estou em treze Antologias no Brasil, Europa e países de língua portuguesa”, enumera Nádia.

Onde estão os textos de Nádia Ventura: Prêmio Literário Galinha Pulando 2012, Prêmio Literário Valdeck Almeida de Jesus 2014, Era das Palavras – Antologia Internacional Multiacadêmica BRASIL/SUÍÇA, Palavra é Arte – Antologia Poética, COGITO – Antologia Internacional II, COGITO – Antologia Internacional III, Incertezas e Suas Fragilidades, Antologia SOLILÓQUIO, Antologia MEMÓRIAS, Antologia PARADIGMA (Editado em Portugal e países de língua portuguesa), Mulher Poesia – Antologia Poética vol. 2, Doce Poesia Doce, KAMA – Poesia e Contos Eróticos. E não para por aí. Tem outros textos no prelo, que sairão nas publicações: Focus – Antologia Poética XII, Antologia Memórias 2, Perdida – Romance (Solo), Contos que te Conto em Versos e Prosas (SOLO)”.

Nádia por Nádia: “Sou uma pessoa apaixonada pela vida, apesar da dor. Sou apaixonada pela minha família, meus amigos, pela natureza, pelos animais, pelas crianças, pela ciência, pela minha religião e por todas as expressões artísticas, principalmente pela literatura…”

 

A Moça e o Menino
(Para Fátima Celeste Nascimento)

Era um segredo de amor
Só para dois,
Cheios de expectativas
Na noite escura
Ou na madrugada calada…
Um dia o segredo tomou corpo,
Criou coragem,
Ganhou o dia, 
Chegou ás ruas,
E sem pressa 
Entrou no quarto.
Primeiro lutaram contra o estranhamento.
Depois o acasalamento.
Ela, tranquila,
Sabia todos os passos daquela dança…
Ele, nervoso, 
Admirava o ritmo tranquilo daquela moça.
E Colados, dançaram por horas, 
Até adormecerem…
Quando dia chegou
O desencanto se fez real
Cada qual seguiu calado a sua via.
E a noite quando veio
Nunca mais foi a mesma… 
O segredo se desfez,
Quando a expectativa fugiu.
Mas o menino guardou na memória, a voz rouca e sensual
Que lhe falava delícias, 
Na penumbra do quarto
Que cheirava a óleo de sândalo. 
A moça por sua vez,
Chorou o desencanto e partiu
Levando consigo toda a dor
De um amor impossível
Numa tarde fria 
De um dia qualquer… (Nádia Ventura)

 

Valdeck Almeida

Por Valdeck Almeida de Jesus para o espaço “Poesia Soteropreta”, que vai evidenciar, divulgar e fortalecer a Poesia Preta, Periférica e de Resistência do cenário literário de Salvador. Confira aqui outros textos desta coluna. 

#PoesiaSoteropreta – Rilton Júnior, o Poeta com P de Preto!


Rilton_Junior
Foto Dayse Cardoso

 

Rilton Santos de Santana Junior ou Rilton Junior, também se apresenta como Poeta com P de Preto. Ele é Poeta, Pai, Ator, Agente Cultural, Capoeira Raça, além de intérprete de suas vivências. É poesia em pessoa, mas acha que só começou a escrever poemas na mesma época em que iniciou sua trajetória no Teatro. As temáticas variam de amor, alegrias, saudades, tristezas, anseios, natureza, ancestralidade, enfim, mas hoje encara a questão racial como seu principal foco na escrita.

Todo o seu empenho com as letras tem um propósito:

“Um dos principais desejos é dar protagonismo à juventude e, desde quando cheguei, até agora, tenho visto a grandeza que se tornou o movimento da poética marginal em nossa cidade, (marginal porque foge dessa perspectiva de poesia pra ganhar aplausos, essas poesias querem mais que aplausos, querem reflexão, conscientização, vem pra fazer sair do lugar de conforto!”, diz Rilton Junior. “Eu pretendo apenas expressar um pouco do que há em mim, na minha caminhada, e um pouco do que vivenciei”, conclui o poeta.

Poeta com P de Preto lança CD sobre resistência negra

Poeta_Rilton_Junior
Foto: Fernando_Gomes

Como todo poeta de verdade, o Poeta com P de Preto situa a poesia numa variedade de definições ao ser perguntado sobre o tema. “Olha, eu ainda não sei o que é a poesia, sei que vivencio ela de diversas formas, seja em versos ou nas vivências com a comunidade, também creio que seja algo que modifique, que traga reflexões, que transmita ou crie sentimentos”. E no exercício criativo ele revela:

“Quando estou escrevendo me referencio em tudo que tenho, o contexto do que quero falar no momento, desde o que leio em um Livro a uma conversa que tenho com um amigo, em estatísticas, às vezes vêm frases na mente, aí eu escrevo no celular, e lapido. A intenção vai ser de informar, contextualizar uma ação, instigar os sentimentos dos ouvintes”. Finaliza Junior.

Multiartista e inquieto no criar artístico, Rilton Junior tem como principal vertente o Teatro, mas não se limita: “De lá que eu vim. Mas nessa vida já trilhei alguns poucos caminhos, com a Dança, a Capoeira, Produção cultural, e aos poucos me arrisco na Música no Rap”.

E quem disse que todo poeta é um fingidor, nem sempre. Rilton tem uma personalidade definidamente forte, mas ao mesmo tempo acolhedor. Sinceridade é com o poeta. Sobre poesia e família, ele fala:

“Poesia rima com família, assim como família rima com poesia, acho que a poesia relata ou cria possibilidades de sentimentos, vivências e trocas que na família também existe, digo nas várias lições e estados em que se encontra um laço familiar, seja de sangue ou não”.

E poesia-família é o que Rilton Junior sente, de acordo com esta afirmação: “Família, acho que existem certos laços afetivos que são tão importantes que as vezes são estruturantes em nossa formação, muitas vezes até que involuntariamente, digo isso a partir da minha vivência com o Grupo de Poesia Resistência Poética, que é um alicerce fundamental pra eu me tornar quem sou hoje”.

Tem textos publicados:

Em 2015 teve um poema no Prêmio Literário Galinha Pulando, que foi a poesia “12 Pretos” sobre a Chacina do Cabula.

Tem um Livreto de poesia intitulado “A poesia é o meu trabalho”, que contém 10 poemas autorais, já tem mais de 2.500 exemplares rodando por toda city.

Teve 3 poemas lançados no Antologia Literária Jovem Afro editora Quilombhoje, onde tem 14 poetas do Brasil inteiro e Rilton Junior teve a honra de ser um dos dois poetas representando a Bahia e o único residente de Salvador.

A Minha Poesia

A minha poesia é preta

Crítica, política e racial

Estética

Métrica

Universal

Minha poesia não se comporta em livros

ou na rede

Minha poesia fala

Porque tem sede

De retaliação

Minha poesia assusta e conforta

Incomoda

É quem me livra na hora

do bote dos bota preta

Minha poesia é treta

Pros racistas inculcados na gaveta

Minha poesia é treta

Pro homem machista que a mulher não respeita

Minha poesia é treta

Nossa luta não se assimila à esquerda nem direita

Minha poesia é preta

É alimento pra quem

tem fome de conhecimento

Resistente

Potente

É dedo na ferida de muita gente

Poeta

periférico

Sem diploma de faculdade

em letras

Minha poesia é vivida

Preta!

E eu como preto

Poeta

Faço dos meus versos um

Escudo e espada na mão

Para alertar meu povo faço das tripas coração

Às vezes fico rouco

Por falta de exercícios de respiração

Mas basta eu recitar pra você respeitar!

Minha poesia é preta!

Rilton Junior

 

Valdeck AlmeidaPor Valdeck Almeida de Jesus para o espaço “Poesia Soteropreta”, que vai evidenciar, divulgar e fortalecer a Poesia Preta, Periférica e de Resistência do cenário literário de Salvador. Confira aqui outros textos desta coluna. 

Livro com poesias de adolescentes da Case Feminina será lançado no TCA!


pessoanegraescrevendo

“Força Feminina, a Poesia que liberta” é o nome da obra, resultado da produção poética de socioeducandas da Fundação da Criança e do Adolescente – Fundac, em parceria com a Editora Galinha Pulando. O livro reúne 53 poesias que contam a trajetória de vida das adolescentes e será lançado na próxima terça-feira (27), no Foyer do teatro Castro Alves, em cerimônia aberta ao público.

As poesias relatam vidas interrompidas por atos infracionais, falam sobre os laços familiares, projetam perspectivas positivas para o futuro, a busca da liberdade, além de traduzir sentimentos de amor, amizade e companheirismo.

“Ao longo desses anos, vi meninas super talentosas e com uma longa bagagem passarem pela Case e, a partir do contato com a escrita, entenderem que é possível refletir, contar e reescrever sua história, entender o que é garantia de direitos, despertar o senso crítico, e quebrar uma série de estereótipos que a sociedade faz questão de emplacar” – Evanilson Alves, instrutor das oficinas. 

case_feminina_fundac

As autoras cumprem medidas socioeducativas na Comunidade de Atendimento Socioeducativo – Case Feminina, em Salvador e foi lá que se deram oficinas de produção de texto desde 2015, resultando na publicação. As oficinas tiveram como intuito também fortalecer a autoestima, a capacidade de expressar ideias e sentimentos e de utilizar a palavra para a resolução de conflitos, além do engajamento político social.

A iniciativa é da Secretaria de Justiça, Direitos Humanos e Desenvolvimento Social – SJDHDS, e a primeira edição do livro “Força Feminina, A Poesia que Liberta” tem a produção e direção editorial do jornalista, poeta e escritor Valdeck Almeida e da Editora Galinha Pulando (Vitória da Conquista/BA).

O desenho gráfico da capa é da autoria do designer, Hugo Carvalho, e conta com o prefácio elaborado pelo ator e dramaturgo, Aldri Anunciação. A orelha do livro foi escrita pela poeta e professora da Universidade Federal da  Bahia (Ufba), Lívia Natália e a organização final dos textos foi feita pelo instrutor das oficinas de produção textual, Evanilson Alves e da gerente da Case Feminina, Luciana Lima.

“A partir das produções literárias, elas melhoram sua leitura e conhecimento, nas aulas da educação regular, e de outras oficinas. É muito positivo vê-las apostando no diálogo, e resolvendo diversas situações através da palavra. o conhecimento é a única coisa que ninguém será capaz de tirar de qualquer pessoa, sou feliz em poder ser esse instrumento que fez cada uma delas compreender o poder dos versos, o poder do papel e caneta. Não há dinheiro que pague vê-las escrevendo e falando de si mesmas nas dependências da unidade feminina. Esse lançamento é um marco na história, é pra dizer a outras instituições que é possível replicar esta e outras ações, alias esse é o meu desejo”, Diz Evanilson. 

Serviço:

O quê: Lançamento do livro, Força Feminina: A Poesia que Liberta, 1ª edição, Editora Galinha Pulando.

Onde: Foyer do Teatro Castro Alves – TCA, Salvador – Bahia

Quando: Dia 27 de março, às 17h

Aberto ao público

#PoesiaSoteropreta – Gonesa Gonçalves nasceu Poesia!


Gonesa_Goncalves

Gonesa Gonçalves é o nome artístico de Gonesa Souza Moreira Gonçalves, que escreve desde quando não se lembra… nasceu poesia! “Fui a primeira vez na escola aos nove anos, mas aprendi a ler e escrever muito rápido, porque tinha que ajudar minha mãe, que foi letrada fora desses moldes ocidentalizados que não reconhecem as diversas habilidades de uma pessoa que não escreve”.

E a prática, o exercício de Gonesa começou muito cedo com um diário. A mãe, uma mulher muito inteligente, lhe ensinou primeiro a recontar as coisas belas do mundo com a boca, “porque ela considerava que conseguir falar era uma ferramenta muito potente de liberdade”, relembra. “Então antes de escrever qualquer coisa no papel, eu aprendi a bordar esse tecido pálido e gigantesco que é o mundo com as linhas contadas das histórias coloridas da minha mãe”.

gonesa

Gonesa escreve, escreve, de tudo: poesia, conto, crônicas, mas deixa que o leitor ou o pesquisador analise sua produção. Pra ela, o mais importante é tecer o mundo em letras e versos. Uma coisa é certa: a comparação entre a natureza e o ser humano é latente na sua escrita, além da poesia homoerótica, homoafetiva…

Em relação a inspiração e performance poético, ela se pergunta e já emenda a resposta: “Meu corpo é artístico? Eu acho. Eu gosto de usar meu corpo, minha voz. Eu sou preta, gorda e me considero um delito as imagens que “regem” a ordem da sociedade atual. Eu gosto de ocupar todos os espaços, Eu sei que meu corpo, da maneira como se comporta é artístico, é político, porque incomoda. Então meus contos, meus poemas, meu corpo, minha voz são linguagens que eu utilizo”.

Na escrita Gonesa quebra regras e linearidades, inventa as próprias setas, caminhos, padrões, para, depois, quebrar tudo. Sua pretensão com a poesia? Ficar rica! E ela confessa que não deu! Então, faz outros corres para sobreviver.

E por falar em quebrar regras, a poesia de Gonesa rima com família divergente, com rasuras. A família possível e a família do afeto, é a que rima com os textos desta poetisa:

“O sentimento de afeto não deveria ser invadido por uma ideologia invasiva de achar que família é um modelo papai, mamãe e filhos, até porque a gente sabe que o que mais existe na sociedade brasileira são famílias compostas por mulheres negras e seus filhos. Minha família era eu, minha mãe, uma irmã, um irmão mais velho que foi para São Paulo trabalhar e meu irmão mais novo, que minha mãe adotou de uma outra mulher que se relacionou com meu pai. Meu pai foi embora e ficamos uma família de irmãos e mãe e agora somos uma família de irmãos porque minha mãe morreu”.

 

Tem oito poemas publicados na Coletânea Literária Enegrescencia, dois poemas no Diferencial da Favela e Um conto publicado no Diferencial da Favela 2. E posta também nas páginas do Enegrescência e no Colcha de Retalhos, no facebook.

Gonesa Gonçalves é graduanda de Letras pela Universidade Federal da Bahia, membro do PET Conexões Comunidades Populares, vice-presidente do Enegrescência e pesquisadora no Grupo de Pesquisa Rasuras da Ufba.

 

Súdito

Se veio aqui

Seja meu, inteiro

Sou dona da noite

Faça o que peço

 

Sem algemas,

Meu quarto

Cárcere

De conter você

 

Meus olhos

A imobilizar

seu corpo

Não farei esforço

Para que seja meu

 

Minhas mãos

Acolhem

Como terras

a segurar raízes

De árvores troncosas

 

Minha boca:

Recipiente

De conter os rios

Que transbordam

Do seu corpo.

 

Valdeck Almeida

Por Valdeck Almeida de Jesus para o espaço “Poesia Soteropreta”, que vai evidenciar, divulgar e fortalecer a Poesia Preta, Periférica e de Resistência do cenário literário de Salvador. Confira aqui outros textos desta coluna. 

#PoesiaSoteropreta – O Poeta Crônico Anderson Shon!


Anderson_Shon

Anderson Shon é o nome artístico de Anderson Mariano de Santana Santos, que escreve desde sempre mas que, somente em 2013, encarou a arte da palavra como profissão. Aí sua poesia ficou crônica. Para além da primeira impressão, a ‘crônica’ aí é a forma de escrita híbrida, já observada pelo poeta em outros artistas da palavra, porém, ainda, segundo ele, não havia essa denominação de poesia-crônica, ou poesia narrativa, que conta uma história ou um fingimento de história (O poeta é (sempre), um fingidor).

E como para bom fingidor meia palavra não basta, quer dizer, para o bom entendedor meia palavra basta, Shon se expressa, ou finge, contando histórias do cotidiano, transformando o simples fazer diário de um humano qualquer em combustível para a poesia, cuja escrita poética, por sua vez, retroalimenta o fingimento do poeta e vira combustível para o dia-a-dia. (Não precisa entender).

Ah, a poesia-crônica de Anderson Shon serve, ainda, de biombo, refúgio, para que o poeta se esconda do dia (ou da noite, ou da madrugada). E, nessa fuga-refúgio, ele inventa formas de interação com o mundo real (vai saber que mundo é esse!). E, como o poeta é professor de Redação, usa a língua (a portuguesa, claro), e as facilidades de sua formação acadêmica para atender aos pedidos que a poesia faz… Já viu que o poeta vira poesia e vice-VERSO, o tempo todo, né?

Como bom fingidor, ooops, poeta, Anderson Shon se mete em outras áreas como música (já gravou um CD), tem contos e romances (escritos, no papel, literatura, mesmo!), mas sua paixão, real, de carne e osso, é mesmo a literatura. Já viu que não dá para saber o que é real ou imaginário num poeta, não é?

E a poesia delira em Shon. Até a família entra na roda. Mas se você está pensando que é apenas a tradicional, com pai, mãe, irmãos etc, inclui mais aí: não precisa ter relação de sangue, consanguínea. Parente de poeta é pai, mãe, bonecos, ídolos, livros: “tudo que exista para ajudar o seu existir é sua família”, diz Shon. E aqui não é fingimento do poeta!

Anderson_Shon

Mas nem só de fingimento vive um poeta. Anderson Shon revela, em primeira mão, que vem por aí um aplicativo próprio para lhe ajudar a controlar a sua produção artística e alcançar um público maior. Antes disso, ele já atua nas redes sociais para divulgar sua poesia. Tem um site  e já publicou numa coletânea (Poesia Todo Dia), um conto no livro Artistas Liberais e um livro autoral: Um Poeta Crônico.

TÔ DE CACHO CHEIO PRA VOCÊ

 

Moda?

Pelo amor dos deuses

Vá procurar o que fazer

Pois hoje

Eu estou de cacho cheio pra você

 

Empoderar

É deixar qualquer madeixa

Solta pelo ar

E se comercial de shampoo

Ditava o liso

Hoje, com orgulho,

Eu digo

Que disso eu não preciso

Já posso escolher

E escolho

Estar de cacho cheio pra você

 

Ser black, afro

Cacho, curto

Liso, careca

A beleza mora

Na pessoa que se olha

E abre o sorriso

Eleva a estima

E ignora o blasé

Cara,

Tô de cacho cheio pra você

 

E sempre tem alguém

Pra puxar para baixo

Eu acho

Que há um pouco de inveja

Pois nas minhas fotos

Há uma beleza mais bela

Que foi renegada pela ditadura

Mas não hoje

Não amanhã

 

No futuro

Ninguém ouvirá o termo

Cabelo duro

Haverá respeito

O que mais puder haver

Diferente disso

Eu insisto

Mundo,

Estou de cacho cheio pra você.

 

(Anderson Shon, Um Poeta Crônico)

 

Valdeck Almeida

Por Valdeck Almeida de Jesus para o espaço “Poesia Soteropreta”, que vai evidenciar, divulgar e fortalecer a Poesia Preta, Periférica e de Resistência do cenário literário de Salvador. Confira aqui outros textos desta coluna.