#PoesiaSoteropreta – Lidiane Ferreira: poesias desenhadas na imaginação! – Por Valdeck Almeida


lidiane_ferreira_sarau_enegrescencia_poesia_negra (1)

Lidiane do Espírito Santo Ferreira de Jesus, ou Lidiane Ferreira, não escolheu escrever sobre a temática negra. A Literatura que lhe escolheu, inclusive a forma, o gênero e o assunto, fruto, inclusive, das discussões que seus textos suscitavam. Desde sempre! A infância lhe traz lembranças dos diários cheios de ficção e dos desenhos “com vida”, fruto de muita imaginação.

O lugar de mulher negra é a vertente de sua produção atual, fruto de seu ingresso na Universidade Federal da Bahia – UFBA, e, consequentemente, depois do contato com as literaturas afro-brasileiras e africanas de língua portuguesa; e, em especial, com a sua construção identitária. Segundo Lidiane Ferreira, sua escrita foi, por muito tempo, “uma rota de fuga do racismo. Hoje, ela é o símbolo da minha luta contra o racismo, o machismo, o sexismo, dentre outros fatores discriminatórios de nossa sociedade. A minha escrita resiste a tudo isso, mas também serve de seta, apontando novos caminhos”.

Esta sua descoberta e militância literária, entretanto, não afloraram tão facilmente. Para Lidiane, “O racismo fez com que, por muito tempo, eu escondesse a minha escrita. Faz cerca de dois anos que eu os divulgo. Tenho poemas publicados na Antologia Poética do Servidor Público Estadual (2015) e no livro Enegrescência Coletânea Poética, publicado pela Editora Ogum’s Toques Negros (2016)”.

Lidiane se considera uma poetisa que escreve a partir do silêncio, do isolamento. Além de poemas, escreve contos e tem um romance em construção, e se declara amante de teatro, com planos de fazer um curso, mesmo que amador. Com temática diversificada, o que escrevia durante a infância era o cotidiano e o universo familiar. “Lembro que eu utilizava muito as características da minha irmã mais velha, Paloma, nos personagens.

Durante a adolescência, consigo perceber os reflexos do racismo em minha escrita, pois a maioria dos poemas continha temas como a morte, a solidão e a perda”. Com a entrada na Steve Biko, a inspiração se redirecionou. “O meu ingresso no Instituto Cultural Steve Biko não apenas me preparou para o vestibular, mas para a superação e o enfrentamento ao racismo. A Biko pôde me mostrar que há outras possibilidades para uma mulher negra e pobre como eu”.

Lidiane Ferreira sempre usou a Literatura como refúgio, não para se esconder, mas para explorar e expor tudo o que lhe consome, intriga, incomoda. Ela versa sobre o lugar da mulher negra na sociedade, sobretudo no que tange às várias sexualidades. Para além de aconchego, ela se utiliza da produção artística como arma, intencionalmente, como ato político, para retratar as vivências do povo negro mas, principalmente, para influenciar mudança social.

lidiane_ferreira_sarau_enegrescencia_poesia_negra (2)

Isso resultou no coletivo Enegrescência, criado com amigos, cuja busca é apresentar e divulgar as literaturas afro-brasileiras e africanas, de forma não hierarquizada. Lidiane acredita que “a literatura é um fator relevante para a mudança social”. Fruto deste trabalho em conjunto, nasceu uma coletânea poética, da qual Lidiane Ferreira participa, também, como escritora.

A poetisa Lidiane Ferreira se auto define: mulher negra, bikuda do ano de 2010, periférica, feminista, graduada em Letras Vernáculas, e pós-graduanda em Educação em Gênero e Direitos Humanos, ambos pela Universidade Federal da Bahia – UFBA; uma jovem escritora de literatura preta.

 

 

 

 

 

Desenlace

No emaranhado dos fios o tempo,

pentes desembaraçam nós.

E eu rio

escorrendo maçãs

abaixo

Estiagem: trinco nunca mais aberto.

Valdeck Almeida

Por Valdeck Almeida de Jesus para o espaço “Poesia Soteropreta”, que vai evidenciar, divulgar e fortalecer a Poesia Preta, Periférica e de Resistência do cenário literário de Salvador. Confira aqui outros textos desta coluna. 

#PoesiaSoteroPreta – Yuretta e sua Trans-Poesia! – Valdeck Almeida


Yuretta Santanna

No começo, jogos de RPG online foram inspirações, pois era necessário narrar, em forma de contos, coletivamente e online, histórias e ações de personagens. Isso foi em 2005. O gosto pela escrita veio daí e Yuretta deu início a seus próprios romances e fanfictions, depois contos, crônicas e, por fim, poemas, que lhe fascinaram e lhe conquistaram por inteira. Num outro universo paralelo, compunha letras de música.

Atualmente a temática que prevalece são provocações de gênero e sexualidade, e a poesia é a ferramenta pela qual a trans-poetisa dá voz às coisas que não conseguiria dizer de outra forma senão pela poesia!

Para Yuretta, poesia é “pulsão de vida. É beleza. É fôlego. E também seus avessos. É intenção. Aquilo que nos move, nos ostraciona, nos provoca e nos afeta. É a mensagem transmitida de maneira sensível. Ou, ainda, o sensível transmitido através de mensagens”, declama, lindamente!

Com estilo transgressor, Yuretta diz que, em seus textos, “o uso de alguns recursos linguísticos não são intencionais nem com a pretensão de enquadrar obras em determinados modelos por considerá-los superiores a outros menos criteriosos”.

Mas a poetiza investe em burilar suas criações, e diz que “abusa de figuras de linguagem como aliteração, metáfora, prosopopeia” e completa, já pensando como musicista: “metrifico alguns poemas, especialmente na forma de soneto, minha paixão. Gosto de valorizar o ritmo e a musicalidade do texto, acho que são as palavras chaves de uma boa poesia”.

Como a música e a poesia são indissociáveis para esta menina sapeca, ela se expressa também através do canto, da performance e, com menos frequência, dança e teatro. Transita pelas artes.

Suas músicas-poemas rimam com família sempre, pois “família é sinônimo de amor e respeito. Família é o sentimento de pertencimento a um núcleo de afeto e também o grupo unido por esse sentimento. Que poesia maior poderíamos ter?”, questiona Yuretta.

Se você quiser conferir mais das criações poéticas de Yuretta, procure a página Vale dos Alfarrábios, no Facebook, onde tem poemas publicados do livreto do Coletivo Atuar, da revista eletrônica do CEPA e de antologias poéticas como Várvara e Liberdade. Vai lá!

Yuretta Sant’Anna é cantora, compositora e poetisa transgênera. Baiana, natural de Salvador, apaixonada pela transdisciplinaridade, aborda em seu trabalho artístico a generificação dos corpos e suas performatividades. Graduanda em Artes pela Universidade Federal da Bahia, é ativista dos estudos de gênero e diversidade, área de concentração de suas pesquisas e produções.

 

Transfiguração

Se me percebo, me questiono.
Se me questiono, me perco.
Se me perco, me acho.
Se me acho, me toco.
Se me toco, me percebo.
E tudo recomeça.
E tudo é vã conversa.
Ou vil engano,
ou grã acerto,
mas sempre um firme acordo
de fins e recomeços,
onde cada tempo é O Tempo
e todo T maiúsculo é uno,
verdadeiro,
dispensando a obrigação
de servir ao lado A
ou ao lado B
pois no alfabeto do ser
nasceu entre o fim e o meio,
no seio do início de um anseio
marcado por
trans
figura
ação.

Yuretta

 

Por Valdeck Almeida de Jesus para o espaço “Poesia Soteropreta”, que vai evidenciar, divulgar e fortalecer a Poesia Preta, Periférica e de Resistência do cenário literário de Salvador.

 

#Paremdenosmatar é Letramento Racial em crônicas! – Por Valdeck Almeida


parem-de-nos-matar cidinha da silva

O livro #Paremdenosmatar, de Cidinha da Silva, composto de crônicas publicadas antes em sites e blogs na internet, chama a atenção por vários aspectos. Dentre eles, a alta qualidade editorial (papel, fontes, coloridos) e o esmero, na leve e cuidadosa linguagem da escrita e na promoção da humanidade das pessoas negras.

Tudo isso, apesar de tratar de temas áridos como as mortes simbólica e cultural, massacres, extermínios, genocídio do povo negro, homofobia, apagamentos e invisibilizações de negros e negras, crimes bárbaros, racismo institucional, racismo velado, intolerância religiosa, violência policial, violência de gênero, negação da condição humana para negros e negras, etc. Para além do registro humanizado, é ferramenta de insubmissão e incentiva a autoestima, memórias, estética, beleza, histórias, humanidades, religiosidades, cultura.

O título, na primeira pessoa do plural, já nos inclui e chama para o coletivo (ninguém nasce só, vive só, morre só): o grito uníssono, o afetivo, o convívio comunitário, familiar, o desespero dos que morrem e dos que podem estar na fila. Evoca um chamado por socorro, para que cada um/a de nós atente para o perigo real e iminente que acomete negros e negras todos os dias. Principalmente jovens das periferias de todo o Brasil.

Denuncia chacinas orquestradas pelo racismo institucionalizado, sofisticado, engendrado e enraizado nesse país desde sua fundação, em que negros e negras são subjugados, subalternizados e mortos. O mesmo racismo mantido até hoje, disfarçado, mascarado de democracia racial – propalado, inclusive, por redes nacionais de mídia, como a Rede Globo -, que exclui e elimina, nega direitos, encarcera e aniquila.

O mesmo racismo que sonega informações, direitos inalienáveis como o direito à vida; o mesmo racismo exercido pelo Estado, através do seu braço armado, a Polícia, que acusa, julga e executa com “balas perdidas”, sob a justificativa do “Auto de Resistência”, sem direito a apelação, muitas vezes sem direito a um funeral digno. O mesmíssimo racismo genocida do povo negro, cujos corpos são numerados para estatística e dos quais se retira a alma.

parem de nos matar
Banco de Imagens

São enterrados como indigentes, em valas comuns, ou desovados em pontos bem conhecidos de todos; o mesmo racismo midiático que sequer cita nome e sobrenome dos assassinados e que serve carne negra em banquetes macabros na hora do almoço, em que pseudojornalistas justiceiros são coniventes com o linchamento de corpos e subjetividades e com essa barbárie, equivalente à queda de um grande avião por dia.

#Paremdenosmatar sangra em cada parágrafo, rememora o massacre de Ruanda (1994), o genocídio e crimes sexuais praticados pelo Boko Haram, na Nigéria (2014/15), que causam menos comoção que um atentado a um jornal satírico em Paris. O massacre dos treze rapazes do Cabula, em Salvador, em 2015.

parem-de-nos-matar
Banco de Imagens

#Paremdenosmatar faz a denúncia da morte física, mas também a espiritual e das subjetividades, da morte em vida, dos choros engolidos, do medo de depor e ser o/a próximo/a da lista. Escancara os crimes de ódio, que destroem e invadem casebres, ofendem em redes sociais ou em bancadas de jornais em rede nacional – caso Maju: Maria Júlia Coutinho. Humilham em estádio de futebol – Mário Lúcio Duarte Costa, o goleiro Aranha.

Mas o livro é também a resistência, trincheira e porta-voz de mães/pais, filhos/as, irmãos/ãs, amigos/as desses jovens mortos a cada dia. Nas crônicas, linhas e entrelinhas, a dignidade do ser humano é resgatada, não cai no esquecimento. As mortes não são contadas como meros números, muito menos comparadas às partidas de futebol, nem coisificadas. A beleza do livro é demostrar a luta contra toda sorte de preconceitos: racial, de classe, de gênero, religioso. Nos chama à responsabilidade, através da literatura de Cidinha da Silva. Denunciemos os criminosos, façamos justiça a cada gota de sangue, a cada agressão. E matemos o racismo!

valdeck almeida de jesus
Reprodução facebook

Texto produzido, especialmente, para o Portal SoteroPreta.

Valdeck Almeida de Jesus é jornalista, escritor, ativista cultural, poeta e blogueiro.

#PoesiaSoteropreta – ThiZion é o poeta da literatura social e existencial!


poesia_soteropreta

Thiago Ribeiro é graduado em Comunicação Social pela UNEB e participa atualmente do Coletivo de Arte/Cultura popular ATUAR e da Associação Cultural Comunitária Odeart, sediada no Cabula. Mais conhecido como Thiago Zion, ou ThiZion, ele escreve desde muito novo: “lembro que por volta dos 13 anos já arriscava as primeiras linhas.

Bebi desde cedo de literatura brasileira e americana e isso foi um fator aditivo pra me auto expressar através dos versos”. E ele se pergunta: “o que será que ela (poesia) pretende comigo?”, e já engata uma resposta: “A poesia para mim é uma forma de dar flores e gritos ao mesmo tom. Pretender algo no sentido teleológico, soa limitante pra tratar a desmesura do fazer poético. Mas o que todo poeta quer, é se expressar, traduzir em signos verbais essa complexidade, esse espanto que é existir”, filosofa.

O compromisso de ThiZion como escritor é trabalhar para ver mudanças, mesmo que mínimas. Afinal, “são 517 anos de saques e anulação, não veremos a coisa mudar da noite pro dia, mas já notamos diferenças nessa geração. Minha bandeira é a da literatura social e existencial. Sou um grão que acredita que podemos nos humanizar mais, denunciar as mazelas sociais e anunciar o novo mundo de maior igualdade entre os(as) sujeito(a)s e respeito às diferenças individuais”, comenta.

Zion, tem a poesia como ritmo, sonoridade, sem necessidade de rimar, com um tom musical ao ser falada, declamada. Em suas apresentações, o poeta usa recursos internos para ‘ritmizar’ o texto, como palavras da mesma família sintática, com morfologia semelhante.

Mas quem pensa que isso significa hermetismo, preciosismo, está enganado, pois o poeta desliza como muita facilidade em sua inspiração e trabalho poético: “sou fã do verso livre, já vivemos em muitas micro-celas sociais (ideologias, carências materiais, opressões) pôr o verso em mais uma gaiola é limitar sua força e possibilidade de expressão. E como já dito, a poesia é uma ferramenta, um meio para a modificação de consciências”.

poesia_soteropreta

Para além da estética e da prática da arte, ThiZion tem muita consciência de seu papel social. Para ele, “a poesia é uma ferramenta para emissão de mensagens e eu a uso de forma a passar mensagens reflexivas, sobretudo em questões sociais”. Para ele, “um verso pode fazer uma pessoa mudar de rota, mudar a condução de sua própria vida e a arte tem esse poder de chacoalhar as pessoas em vários níveis (mental, emocional, energético, etc)”.

Tem textos publicados em papel: em 2012, publicou numa antologia poética da editora VIVARA, a nível nacional;E começou a fazer o exercício da auto publicação em livretos autorais. Já publicou umas quatro edições, sempre com temas específicos como as “Outonais”, com textos mais existencialistas.

Thi Zion acredita que o mercado editorial é muito fechado à poesia periférica, e defende que a produção autônoma é bem cara. “É caro editar uma obra do próprio bolso, por isso nos reinventamos e produzimos do nosso jeito popular”. Mesmo sabendo das dificuldades de publicação, ele prefere não explorar muito as redes sociais por preferir espaços menos turbulentos. Publicou no Recanto das Letras mas deixou de lado. Prefere o face-to-face mesmo!

Sonhos redivivos

Matam-se sonhos feito formigas.

Nós somos os primos pobres da “evolução”,

repletos de nãos, dias medonhos

e barrigas vazias.

Matam-se sonhos na caneta, na promessa,

na escopeta de dias de melhores.

E os preços dos pães, arroz e feijão

a cada dia maiores.

E os sonhos mortos, vão embora sem expressão.

E as noites piores nos avisam que não há amanhã…

A não ser pela união, irmã, irmão, de nós, dos nossos,

fechando os poços abertos pela polícia, pela política,

por essa espúria pátria homicida.

Quantos sonhos assassinados à queima-roupa!

Quantos sonhos assassinados à queima-roupa…

Mas não vamos chorar, vamos lutar até a última gota

de dor, suor… e Amor.

Thi Zion

Valdeck Almeida

Por Valdeck Almeida de Jesus para o espaço “Poesia Soteropreta”, que vai evidenciar, divulgar e fortalecer a Poesia Preta, Periférica e de Resistência do cenário literário de Salvador. Confira aqui outros textos desta coluna. 

#PoesiaSoteropreta – Carlos Leleco: o poeta dos muros grafitados e das redes sociais!


pesia_soteropreta_carlos_leleco_valdeck_almeida

Desde 2013, Carlos Leandro Pinheiro de Souza, o Carlos Leleco, é o corpo que transmite a língua do povo, aqueles poemas, causos, escritos populares, com o sotaque próprio de quem nasce e vive uma vida simples. A atuação de Leleco, para além da propagação da poética roceira, tem a arte da performance e da escrita como meio para alimentar a alma e propiciar o seu crescimento como escritor, com vários objetivos, dentre eles “passar mensagens contra qualquer tipo de discriminação, preconceito e abuso de gêneros e a valorização da autoestima negra”, diz o poeta.

Para Carlos Leleco a poesia é uma das armas mais eficientes para a reflexão das questões raciais que nos rodeiam. E não é à toa que o poeta sai por aí, como um cavaleiro andante, com a espada-poesia em uma mão e a rima certeira na outra. Suas atuações são marcantes e marcadas pela cadência do verso, do movimento, da expressão séria e sisuda, se a poesia assim exige, mas, também, de um jeito maroto, quando o texto é mais faceiro e despretensioso.

pesia_soteropreta_carlos_leleco_valdeck_almeida

Mas não só de poesia vive o poeta. O grafite também é outra arte que ele carrega na tinta, só Deus sabe por onde ele anda, sobe, desce, para conseguir uma boa tela para expor seus talentos. Além das paredes e muros, onde deixa sua marca de spray, Carlos Leleco se equilibra, também, nas redes sócias (com a linguagem do matuto prosador), postando poemas sem rima, por escolha e licença poética. O fato de não rimar, por opção, não significa descompromisso ou desconhecimento, é pura escolha, mesmo. As escritas, no entanto, se situam num espaço, tempo e intencionalidade, como ele frisa:

“Nas intenções, existe sempre o cuidado e cumplicidade entre aquelas pessoas que se gostam. É aquela que se cuida e que mesmo magoando, exorta sua irmã ou seu irmão para uma melhor conduta social”. Numa autocrítica, o poeta não poupa sinceridade:

“Sou uma pessoa agradável, inquieto e um tanto cuidadoso(chato) para as questões raciais. Não aturo tudo, nem concordo com tudo o que o próprio povo negro tem como verdade. Afinal de contas, quem escreve ou divulga algo precisa ter o cuidado com o seu ponto de vista, algumas pessoas têm determinadas ideias como verdades”.

Jardim da Vida

No jardim da vida
Topamo um monte de flor
A deixar seus aroma ao vento
Quando por uma dessas fragrâncias somos atingidos
Ficamo tingido
Ao ponto de, mermo distante,
Sinti o exalar da vida
Invadir nossos pensamento
Aí então,
Nesse momento nos encontramos regozijados
A saborear desse tal perfume
Essas essências
Afirmo
Jamais sairão de nossas mentes.

(Carlos Leleco)

Valdeck Almeida

Por Valdeck Almeida de Jesus para o espaço “Poesia Soteropreta”, que vai evidenciar, divulgar e fortalecer a Poesia Preta, Periférica e de Resistência do cenário literário de Salvador. Confira aqui outros textos desta coluna. 

#PoesiaSoteroPreta – Julianx França Lima: A Poeta das quebradas!


Juh_França_

Julianx França Lima: A Poeta das quebradas, conhecida como Juh França, escreve desde que se entende por gente. Em tenra idade, a menina já tateava nas letras, e foi evoluindo, chegou a incluir nos textos análises sobre fatos históricos e, a partir daí, a poesia marginal cruzou seu caminho. A descoberta de um novo horizonte na arte de escrever. A própria Juh reconhece a força do gênero na sua atividade literária:

“Desde então não me separei mais” (da poesia marginal), assume!. E continua: “A poesia é a minha forma de transcender os meus; quando recito, levo comigo uma legião. A minha escrita blasfêmica é pra apontar e denunciar toda a opressão e sofrimento vividos principalmente por mim e pelos meus”, conclui!Juh_França

Juh carrega em si o significado de viver por si e pelo coletivo. Segundo ela, as lutas diárias, suas e de seus pares, principalmente da galera esquecida pela “cultura”, é que dá o tom e a inspiração para sua resistência na poesia. E é por meio da arte que ela demonstra, claramente, que a luta poética é persistência, e que jamais haverá desistência.

Para a poetisa, a poesia é a própria essência de sua vida, sem a qual ela declara não ser ninguém. “Sem poesia eu não sou nada nem ninguém, poesia é vida”, resume Juh França. A luta pela sobrevivência é a prática da poesia, na carne e na alma, por isso Juh se define como arte por inteiro. A escrita é sua melhor e mais poderosa arma.

“Quando recito e canto ecoam comigo gritos de amor e dor, não só meus, mas de todos que me permitiram estar aqui”, declama, em forma de verso livre.

A poeta declara seu amor pela vida, pela família, o “nós por nós” e observa que a poesia não é para ser compreendida, mas, sim, sentida, na pele, na emoção. Ainda sem texto publicado, a poetisa trilha os caminhos dos registros formais antes de se aventurar pelos papeis. Entretanto, nas formas virtuais, Juh França tem o seu fã-clube nas redes sociais, nos saraus e nas apresentações que faz por esta cidade do Salvador.

Sou Poeta!

Sou arte

Sou face

Sou heresia

Sou canto

Encanto

Sou poesia

Sou imoral

Sou Real

Sou inventor

Nas letras me faço eterno

Sou marginal versador (Juh França)

Valdeck Almeida

Por Valdeck Almeida de Jesus para o espaço “Poesia Soteropreta”, que vai evidenciar, divulgar e fortalecer a Poesia Preta, Periférica e de Resistência do cenário literário de Salvador. Veja aqui outros artigos dele!

#PoesiaSoteropreta – Rafael Pugas e a poesia da estética da requenguela!


Rafael_Pugas_Soteropoesia

Rafael Muniz David Pugas, ou simplesmente Rafael Pugas, é psicólogo formado pela UFBA em 1997. A poesia está presente em sua vida desde jovem, e sua inspiração sempre foi as injustiças. Bastante sensível, muito mais que seus irmãos, Rafael não colava com a turma dos “bambambans”. Preferia a defesa de quem sofresse qualquer tipo de discriminação. Poesia em família é o tom de Rafael Pugas. Casado com uma poeta, ele tem dois filhos-poesias e o casal escreve, cada um a seu turno, sobre temas diversificados. A matriarca dedica seus textos ao poeta e esposo.

Sempre foi baixinho mas não deixou essa característica lhe diminuir. E para lutar em pé de igualdade, fez judô até a faixa preta e também boxe, mas somente para impor respeito e manter a autoestima em alta. Desde então suas lutas e desafios foram para o campo da poesia. A inspiração vem de tudo que rima com revolução, amor, injustiça.

Quando entrou pra faculdade passou a escrever na agenda vazia de compromissos, ideia de um amigo. Isso aumentou seu fluxo poético, andava com a agenda em mãos e, se não tinha nada pra fazer, escrevia…Ainda no curso universitário conheceu um poeta que declamava de improviso, mas não com rimas, era influenciado por Pessoa. A estreita amizade fez os dois desenvolverem projetos juntos. Aí Rafael descobriu a Psicologia Social, mergulhou no curso e, inclusive, realizou o III Encontro Nordestino de Psicologia Comunitária na Bahia.

Rafael_Pugas_Soteropoesia

O À TU AR surgiu após uma temporada em Lençóis e Saúde em 1998, onde conheceu um grupo de artistas autodidatas: dirigiam, encenavam, iluminavam e construíam tudo em seus espetáculos. Se juntou ao coletivo e propôs um projeto que nunca recebeu respostas da prefeitura. Em 2001, em Salvador, botou o À TU AR em cena…, coletivo baseado na estética da requenguela, proposta por Alvinho. Na capital produziu o espetáculo Pintando o Sete de Setembro no sertão, encenado por Isaías Oliveira no Teatro Gamboa.

O declamador nasceu em 2002, quando alugou uma casa no Rio Vermelho com amigos, onde passaram 18 meses. Se sentiu impelido a declamar, pois todos o faziam e ele não seria diferente…

“Em relação à Poesia, pretendo ser poeta profissional, viver dela. Mas, sinceramente, não sei o que a poesia é pra mim, uma válvula de expressão, uma possibilidade de mudar o mundo, como a Psicologia Social já foi um dia, ainda é, de alguma forma”.

Rafael_Pugas_Soteropoesia

Passeia por outras artes: a música como forma de expressão, “mas diante de tantos bons músicos com quem convivi, nunca esperei da música nada mais do que ser músico pra mim, como era poeta antes do À TU AR, não era pra mostrar, se não fosse o À TU AR o mundo não conheceria meus escritos. Gosto da escultura, da pintura, da dança, mas a título de expressão livre, sem pretensões profissionais”.

Não dá a mínima para publicações: “desde cedo publiquei os meus livros, não participo de concursos, não acho válido comparar poemas, acho terrível qualquer disputa em arte, não somos galos de rinha”.

Posta profissionalmente no Facebook pela possibilidade de ser lido em qualquer lugar do mundo. Aceita todos os pedidos de amizade virtual, pelas infinitas possibilidades de leituras. Além disso, mantém o canal Rafael Pugas no Youtube, onde divulga poemas declamados.

 

Por Valdeck Almeida de Jesus para o espaço “Poesia Soteropreta”, que vai evidenciar, divulgar e fortalecer a Poesia Preta, Periférica e de Resistência do cenário literário de Salvador.

 

 

#PoesiaSoteropreta – Ana Fátima e a poesia-martelada para adolescer!


Ana_Fatima_02
Foto: Leo Ornelas

Licenciada em Letras Vernáculas e Mestra em Crítica Cultural (UNEB), Ana Fátima Cruz dos Santos escreve desde os oito anos, uma poetisa precoce. Ou melhor dizendo, já nasceu com o dom. Mais conhecida como Ana Fátima, ela é ativista do movimento negro, filha do Ilê Axé Iboro Odé, educadora e consultora de beleza.

Estuda e analisa a formação de professores(as) em educação para as relações etnicorraciais e, atualmente, desenvolve pesquisa sobre produção de materiais didáticos para Educação Escolar Quilombola e educação antirracista sob a ótica da Linguística Aplicada.

Ana_Fatima_01
Foto: Leo Ornelas

Além de poemas, Ana romanceia para adolescer. E se joga mesmo nas letras: conto e literatura infanto-juvenil e literatura acadêmica (artigos, resenhas), com o sonho de libertar seus sonhos e fazer outras pessoas negras creem em seu potencial. E pra quem pensa que escrever é um ato complicado, para Ana Fátima é como respirar. Para ela, a “poesia é vida. Brota, vinga, cresce e floresce. Uso muitas aliterações e frases curtas como marteladas, lembretes da memória”.

Para além da escrita, uma arte da solidão, ou que requer um certo isolamento na sua produção, a produção literária de Ana “rima coletividade… uma voz ampliada, as várias famílias que nem sabemos que temos e as que temos também”. Esta é a forma mais coletiva de se pensar e viver a arte, em que a criação sai por aí, sem pedir licença, para vingar em mentes-quintais alheios.

Em tempos de redes sociais, Ana Fátima não fica de fora do Facebook e alimenta o Blog Sangue de Barro, onde planta sementes de poesias, mas tem participação em produtos tradicionais como as famosas antologias.

Ana_Fatima_soteropoesia

Seus textos podem ser encontrados no site da Fundação Palmares (2010); Projeto Escritoras da Bahia (2015), na Revista Entrelinhas (2015) e Projeto Pé de Poesia (Salvador, 2016). Poemas e contos pela Antologia Cadernos Negros (Quilombhoje, vol. 37, 38 e 39, 2014-2016) e  Mulher Poesia I e II (Cogito, 2016-2017). Recebeu prêmio de melhor poesia pelo 2º Festival de Literatura São Francisco Xavier (2014), no 5º Concurso das Farmácias Pague Menos (2016) e no 2º Concurso do Sarau da Onça (“O diferencial da favela: poesias e contos de quebrada”, 2017, Editora Galinha Pulando).

Confere:

A cartilha da autora século XXI

De mim, muito algo a desenrolar…

Ser mulher é cheirar a ferida aberta

Pulsar a flecha certeira

Palmatória do mundo a acabar.

Profissão escolhi,

Estudos cumpri,

Casa vigiei e arrumei.

 

Mas meu deleite é outro:

Letras a bailar

Em papéis, telas e folhas;

Perpetuar nas cabeças

A alma de minhas histórias.

Carregar pedras

Para traduzir sentimentos e desejos:

Mandamentos de autora!

Pedras escritas e relidas

 

Compromisso em ser mulher

É reler e desdobrar

A hélice das tramas de meus ancestrais

Sem beber o amargor

Do chicote malfeitor.

 (publicado no Mulher Poesia. Editora Cogito, 2016)

 

Valdeck Almeida

 

Por Valdeck Almeida de Jesus para o espaço “Poesia Soteropreta”, que vai evidenciar, divulgar e fortalecer a Poesia Preta, Periférica e de Resistência do cenário literário de Salvador. Veja aqui outros artigos dele!

Coletivo De Transs Pra Frente pauta a despatologização trans e travesti nesta quarta (9)!


Despatologização trans
Viviane Vergueiro Foto: Andreia Magnoni

Falta de cobertura e acolhimento, discriminação, assédio, invasão de privacidade e falta de capacitação dos profissionais de saúde são alguns dos obstáculos que formam a realidade de pessoas trans e travestis. Neste sentido, o Coletivo De Transs Pra Frente promove na próxima quarta-feira, 9, 18h, no Teatro Gregório de Mattos, um debate aberto a todos os profissionais da saúde da Bahia, buscando aproximar o campo das necessidades reais da comunidade trans e travesti, e da discussão a nível internacional sobre a despatologização das identidades de gênero.

Segundo a pesquisadora e referência no debate sobre saúde trans, Viviane Vergueiro, “não é possível pensar a despatologização de pessoas trans e travestis sem pensar nas violências, exotificações e apagamentos delas na saúde integral e suas relações com a linguagem utilizada na Classificação Internacional de Doenças (CID) para nos descrever”.

Para dialogar sobre estes conflitos, a mesa do próximo De Transs Pra Frente terá como tema a “Despatologização trans e travesti: autonomia, cuidado, conhecimento”. Para pensar o assunto no campo prático, do acesso à saúde, também serão discutidos elementos da próxima revisão do Código Internacional de Doenças (CID), como a retirada das identidades trans da seção de transtornos da identidade sexual (F64 — Transtornos da identidade sexual), e sua relação com os direitos das pessoas trans e travestis à saúde, bem-estar e à identidade.

A mesa contará com a mediação da psicóloga Bila Brandão, psicóloga clínica; e participação de Carlos Porcino, transativista, psicóloga voluntária na ATRAS e doutoranda pela UFBA; Fernando Meira, médico de família e articulador do Transaúde; e Viviane Vergueiro, ativista transfeminista e pesquisadora do CuS-UFBA. A abertura fica por conta da cantora Yuretta Sant’Anna, que apresentará um pocket show.

#PoesiaSoteroPreta – Yuretta e sua Trans-Poesia! – Valdeck Almeida

 

SERVIÇO:

O que: 14ª edição do De Transs Pra Frente – Despatologização trans e travesti.

Quando: 9 de agosto de 2017, 18h

Onde: Teatro Gregório de Mattos.

Quanto: Pague quanto puder.

#Soteropoesia – Alex Bruno, de repente nasce um texto!


Poesia preta

Leo escreve desde a infância, entre os 10 e 12 anos, e revela que tinha a mania de relatar os seus afazeres em “diários”, por apenas algum tempo, mas que os textos foram logo perdidos…

Aos 18 anos ele diz que começou a compor uma obra que considera realmente literária, com uma compilação de textos de onde nasceu um romance, hoje, já esquecido. A partir de então, a escrita lhe acompanha, o que tem desenvolvido o hábito da leitura e que, com uma pausa aqui outra ali, escreve poemas, crônicas, resenhas filosóficas e atualmente, voltou à escrita dos diários.

Leo não tem preferência por uma temática específica. Segundo ele, “de repente nasce um texto, porém, hoje tenho dado prioridade aos textos que analisem a minha existência Homem – Artista – Criador – Cidadão de um meio conflituoso e complexo como o mundo moderno”.

Sua pretensão na poesia é “Apenas dizer… Dizer o que no geral, as pessoas fecham os ouvidos. Trazer à tona tudo que é dissimulado. A poesia é uma forma de dizer para mim mesmo, em primeiro lugar, o que acontece ao meu redor, contemporâneo a minha existência”.

Poesia preta

O sentido da poesia para Leo é a catarse, desabafo, na mesma linha do que Freud definiu na Psicanálise. Uma forma de terapia, nos moldes em que os gregos faziam quando levavam para os palcos as grandes tragédias que relatavam os anseios e as adversidades da vida. Como a vida do poeta é repleta desses questionamentos, a fonte de inspiração não termina nunca!

A atuação de Leo não se limita à escrita, apesar de ter livro solo e textos divulgados em sites e blogs, o que ele considera “passado”, um lugar onde ele não pode mais alcançar. Na atualidade, ele transita pelo teatro, música, dança e segue filosofando, poetizando, como na descrição sobre si.

Leo por ele mesmo:

Estranho escrever sobre si. Eu poderia escrever sobre tantas coisas. Sobre o mar, o vento, os sonhos que não existem mais. Acho que todo o ser é latente. Move-se o tempo inteiro. Está acima dos gêneros, das raças, da conta bancária, da roupa que veste ou do corte do cabelo. Todo ser é antes ser. 

Posso dizer que ainda estou numa descoberta, que se abre a cada dia. Surpreso pelas ironias da vida, não devia, mas é difícil não surpreender.

Daí penso, Aristóteles estava certo quando disse que a filosofia nasce do espanto – surpresa. Então nasce a filosofia. Hoje, posso dizer que sou um ser filosófico, tenho mil questões ainda, sem respostas, mas a cada dia, sinto que construo um degrau. E sinto que é preciso continuar, mesmo que um tsunami de caos e desilusões venha se abatendo sobre mim, é preciso continuar, implacavelmente deve-se continuar, afinal, é para isso que estamos aqui.

Por Valdeck Almeida de Jesus para o espaço “Poesia Soteropreta”, que vai evidenciar, divulgar e fortalecer a Poesia Preta, Periférica e de Resistência do cenário literário de Salvador.

jovem negro vivo
Banco de Imagens

CABULA

“Pela decisão dos anjos, e julgamentos dos santos. Excomungamos, expulsamos, execramos e mal dizemos” (Baruch de Espinosa). Verdadeiramente maldito é o homem detido em sua arte diante do poder e do Estado. As suas fábricas infestam os nossos céus com suas cores artificiais. A vitrola em seu gabinete, toca uma melódica de mentiras.

Tupi, índio guarani, Angola, Guiné, Negros Bantos e seus orixás, AXÉ! A câmara de gás engolindo os olhos no holocausto. A ciência desenvolve armas para conter as mentes mais exacerbadas, a cura? Está na moeda! O governo recruta uma polícia especializada em disseminar uma doença racista.

Bala! E Fogo, comem carne preta!

Adriano de Souza Guimarães, Agenor Vitalino dos Santos Neto, Bruno Pires do Nascimento, Caíque Bastos dos Santos, Évison Pereira dos Santos, Jeferson Pereira dos Santos, João Luís Pereira Rodrigues, Natanael de Jesus Costa, Ricardo Vilas Boas Silva, Rodrigo Martins Oliveira, Tiago Gomes das Virgens, Vitor Amorim de Araújo

Aos 12 mortos do Cabula! E por mais que vocês nos matem, eu renasço!

Vejam nossas maternidades agora, estão cheias do choro da vida. Martin Luther King, Malcom X!

Meus heróis tombaram pela intolerância de seus Estados! O desatino da sucessão de novidades vazias, não varrerá da história o que foi escrito com sangue…