TV Kirimurê: o canal da cidadania e da diversidade está no ar!


TV Kirimure
Reprodução Facebook

Em novembro, a cidade de Salvador assistiu a exibição de inauguração da TV Kirimurê, um marco muito importante para a efetivação do amplo e necessário processo de democratização do acesso à informação e da comunicação. 

A TV Kirimurê se presenta como “a TV onde você pode se ver”. Este é o espaço para divulgação das plurais manifestações e inquietações que a mídia tradicional por muito tempo insistiu em não incluir.

Trazer os movimentos sociais, a negritude, os direitos humanos, a cidadania, as identidades de gênero para a TV. Em Salvador este processo agrega mais de 35 organizações dos movimentos sociais distribuídas em faixas como Kirimulher, Kiriesporte e Kiridiversidade. Veja entrevista com a diretora de projetos da TV, Aline Souza. 

Portal Soteropreta – Como foi a concepção deste projeto?

Aline Souza – Quando o IRDEB solicitou ao Ministério das Comunicações a outorga para trazer o Canal da Cidadania para Salvador realizou um seminário em que membros do Cine Arts participaram e levaram a proposta para a Filhos do Mundo. Foram convocadas mais 35 organizações sociais e entidades para participar do solicitação da concessão junto ao ministério em junho de 2014 e começar articulação e ações formativas para a implementação do canal. Em maio de 2016 saiu em definitivo a concessão para a Filhos do Mundo, junto às demais organizações. 

hora do congo show tv kirimurePortal Soteropreta – A escolha do nome ocorreu em que contexto?

Aline Souza – Foi feita por meio do Processo Concertação de marca comunitária, que é um método desenvolvido pelo Professor Mauro de Bonis (Universidade Federal de Santa Catarina), que  consiste em criar a identidade de grupos comunitários por meio da escolha de nome e marca. Entre mais de 200 propostas a escolha foi o nome Tupinambá – Kirimurê, que significa o grande mar aberto dos Tupinambás que é a Baía de Todos os Santos.

Portal Soteropreta – Como a população de Salvador (de maioria negra) vai se ver na TV?

Aline Souza – A idéia da TV é ter toda a diversidade, toda a população que não se vê na TV comercial. Quem não tem espaços na grande mídia, terá espaço na TV Kirimurê. A TV Kirimurê é o lugar de todos nós, para agente se ver, se ouvir e se pensar. Agora também é o lugar da gente se sentir. Para garantir esta diversidade a programação está sendo organizada em 10 faixas para garantir o espaço.

Portal Soteropreta – O que você destaca na programação para a juventude negra?

Aline Souza – A programação está sendo montada em discussão com a sociedade. Nas ações de formação tivemos uma preparação para formação de programas e foram criados 43 programas junto às entidades participantes do processo. Neste caminho destaco o programa A Hora do Congo Show, um programa de auditório que vai mostrar a luta pela resistência da cultura do Afoxé na Bahia, contemplando também outros ritmos afrobrasileiros, que terão vez, voz e cor na TV. Mas existem diversos projetos sendo pensados e produzidos, assim como conteúdos que já estão sendo concedidos por produtoras e coletivos audiovisuais que contemplam a nossa diversidade e negritude. 

“Somos a única TV da Cidadania da sociedade civil organizada no Brasil.Não acreditamos que tenhamos muitas outras, por conta do momento político que estamos vivenciando no país. Sabemos que seremos um ponto de referência e resistência, um quilombo da democratização da comunicação. Por isso a data 20 de Novembro foi escolhida para lançamento, para valorizar e reverenciar a luta do nosso povo negro que é a maioria em Salvador. Um ponto de luta.”

Se você tem conteúdo audiovisual produzido ou tem projetos na área, entra em contato com a TV: [email protected], ou pelo telefone (71) 99917-4016. 

ligia santana tv kirimure

Texto e entrevista de Lígia Santana, professora e pesquisadora.