Um heroína negra é protagonista de websérie baiana


webserie_punho_negro_Salvador_3
foto: banco de imagens

Uma heroína negra com cabelo black, casada e mãe de dois filhos,é a protagonista da websérie Punho Negro, lançada hoje (8) no Facebook e Youtube. Buscando trazer representatividade e discutir sobre racismo e as pressões sociais que a mulher sofre no dia a dia, a série traz uma protagonista com características diferentes do universo dos heróis, majoritariamente masculino e branco.  Na série, Tereza é uma mulher que passa o dia enfrentando vilões ao se transformar na justiceira Punho Negro, mas ser uma heroína e ter superforça não elimina as cobranças para cuidar da casa, do marido e dos filhos. No seu dia-a-dia Tereza precisa conciliar sua carreira de heroína com os desafios da vida pessoal.

De forma cômica e leve a websérie pretende abordar o universo dos super-heróis com um olhar crítico, levantando questões e problemas que são comuns ao cotidiano de muitas mulheres. A intenção dos realizadores é criar uma identificação com as espectadoras que podem se reconhecer em muitas situações vividas pela heroína, ao mesmo tempo apresentam a imagem de uma mulher negra poderosa e protagonista de sua própria história. A heroína representa inúmeras destas pessoas que pouco se enxergam nas produções audiovisuais e irá travar discussões acerca do papel da mulher, questionando padrões impostos por uma sociedade machista.

A série será exibida em sua página do Facebook e no seu canal do Youtube, com lançamento quinzenal de novos episódios, além de ter uma conta no Instagram criada e administrada pela própria personagem, onde ela posta fotos e fala sobre suas experiências como heroína. A proposta é que através destes canais o público possa interagir constantemente e ajudar a construir os próximos passos da personagem e para além disso, discutam e reflitam acerca dos temas abordados. A websérie Punho Negro é idealizada e produzida em Salvador, através do Coletivo Êpa filmes – coletivo independente – que desde de 2012 atua no cenário audiovisual. O coletivo está buscando maneiras de financiar a sua produção, procurando  parceiros e apoiadores que possam colaborar com esta iniciativa.