Vaquinha Online pretende ajudar a cozinheira Aidil Moreira de Jesus, a Ginga!


Há 25 anos, a comerciante Aidil Moreira de Jesus, 59 anos, conhecida como Ginga, vende quitutes em festas populares, ensaios e estádios de futebol. Para complementar a renda, decidiu colocar em maio deste ano uma barraca no Cabula, onde mora, para vender churrasquinho, mas um incêndio ocorrido no último 27 de julho destruiu os planos da cozinheira.

“Eu me sinto cansada de lutar. Minha luta é muito grande e árdua”, contou a comerciante, mulher negra que desde os 12 anos aprendeu a cozinhar com a mãe, a dona de casa Petronilha da Silva, quando moravam no bairro da Liberdade. Do trabalho dela na rua e da aposentadoria, dependem, ainda, um filho e dois netos. Para tentar ajudá-la, amigos e familiares decidiram fazer uma “vaquinha online” para arrecadar doações para que Ginga retome seu trabalho (dados bancários para doações ao final do texto).

“Estou aqui destruída. Não consigo dormir direito. É um filme que fica se repetindo na minha cabeça. Fiquei sem chão. Só quero reabrir minha barraca e recomeçar meu trabalho”, disse a comerciante, ao relembrar do incêndio. Entre os itens perdidos, estão a própria barraca, que era alugada, uma TV, a churrasqueira, caixas de som, freezer. “Não temos ainda uma estimativa do prejuízo. A gente acha que a churrasqueira quente entrou em contato com algum objeto inflamável”, afirmou a nora da comerciante, a professora Maiane Nery, 27.

Foto Camila Caracol

Ginga, que era dançarina do Senac no Pelourinho e já foi rainha do Ilê Ayê em 1984, é famosa pelas iguarias que prepara. No cardápio, a feijoada é a que mais atrai a clientela, mas ainda tem o peixe miraguaia feito com pirão, o xinxim de galinha, o sarapatel e o pirão de aipim com carne do sol. “As pessoas gostam porque é uma comida que faço com muito amor e carinho”.

Da seleção da rainha do Ilê, ela relembra com saudade. “São muito boas as lembranças dessa época. Era um tempo bom. Ter sido escolhida foi uma emoção muito grande”, destacou.

“Ela foi aluna de Raimundo dos Santos, o professor King. Realizou diversas apresentações no Teatro de Arena no Pelourinho de 1980 a 1984, sendo rainha do Ilê em 1984, que teve com tema Angola e, por consequência, originou o nome dela Ginga, rainha de Angola”, acrescentou a nora da comerciante.

Anualmente, Ginga promove uma feijoada no Pelourinho, mas, este ano, a festa corre risco de não acontecer. “Este ano está ameaçada por falta de apoio”, disse. Para ela, o mais importante é conseguir retomar os trabalhos, a principal fonte de renda dela e da família.

As doações podem ser feitas via agência bancária.

Banco: Caixa Econômica Federal
Agência: 0618
Conta corrente: 20855-6 Operação: 001
Favorecida: Aidil Moreira de Jesus