Connect with us

Religião

Aprovado parecer que defende tombamento do terreiro Mokambo, em Salvador

Jamile Menezes

Publicado

on

mokambo-2O parecer de autoria da conselheira de cultura Ana Vaneska, que defende o tombamento do terreiro Mokambo – Onzó Nguzo za Nkizi Dandalunda Ye Tempo, localizado no bairro do Trobogy, em Salvador, foi aprovado em reunião da Câmara de Patrimônio Histórico, Artístico, Arqueológico e Natural, principal instrumento de trabalho do Conselho Estadual de Cultura.

A conselheira, que preside a Câmara de Patrimônio, defende o tombamento e recomenda o cumprimento da lei municipal de proteção da área de mata atlântica, com base na legislação vigente que protege o Sistema de Áreas Verdes do Município, sendo levada em consideração que trata-se de uma Área de Proteção Cultural e Paisagística (APCP). O texto sugere que se façam valer as medidas jurídicas ao reflorestamento da área e assim garantir as características simbólicas e culturais típicas da religiosidade de matriz africana vinculadas aos elementos da natureza.

mokambo-1O início do processo consta de 2005, quando o Taata Anselmo José da Gama Santos, sacerdote do Terreiro Mokambo, solicitou ao Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia (IPAC) a aplicação da Lei de Patrimônio a fim de afirmar a condição necessária para preservação do espaço. O processo foi encaminhado à Câmara de Patrimônio após o IPAC ter elaborado um Dossiê de Inventário para Preservação. Em 2007, foi aplicado o tombamento provisório do terreiro e sua inscrição no Livro do Tombamento dos Bens Imóveis, como medidas preventivas que garantissem, no decorrer da ação, a inviolabilidade dos direitos culturais da comunidade detentora do patrimônio em questão.

Depois de minuciosa leitura dos documentos reunidos tanto pelo IPAC como pelo Taata Anselmo, e de feitas visitas técnicas ao local, a defesa da importância do instrumento de tombamento se faz agregando força às medidas protetivas e de salvaguarda em desenvolvimento e capitaneadas pela comunidade tradicional. O templo religioso possui o Memorial Mokambo Kisimbiê – Águas do Saber, é detentor do primeiro plano museológico de um memorial de terreiro no Brasil e tem o Plano de Salvaguarda dos Bens Imateriais daquele sítio religioso em fase de elaboração, sendo construído pela sua própria gente.

mokambo-3O parecer menciona ainda a árvore genealógica espiritual do terreiro, fazendo referência à tradição do culto na Bahia e aos caminhos percorridos pelo povo bantu durante o período escravocrata no Brasil. Além disso, cita objetos de extrema relevância, como a cadeira de Jubiabá, batizada há mais de cem anos, e faz menção à intolerância religiosa que acomete as religiões de matriz africana, bem como a violência direcionada aos terreiros, a exemplo dos prejuízos sofridos com a especulação imobiliária.

Fonte: Ascom – Conselho Estadual de Cultura

Fotos: Ana Vaneska

Música

Afoxé Olorum Baba Mi celebra 45 anos neste domingo (28)

Amanda Moreno

Publicado

on

Afoxé Olorum Baba Mi celebra 45 anos neste domingo (28)
Afoxé Olorum Baba Mi celebra 45 anos neste domingo (28) (Foto: Divulgação)

Afoxé Olorum Baba Mi celebra 45 anos neste domingo (28). O Grêmio Comunitário Cultural Olorum Baba Mi celebra 45 anos de existência no dia 28 de abril, às 16h, com apresentações musicais, distribuição do tradicional Caruru Cultural e homenagens para todos os membros do afoxé.

A comemoração será realizada na sede do Afoxé Filhos de Korin Efan, na Rua do Passo, nº 26, Santo Antônio Além do Carmo e contará com a participação de outros afoxés renomados, como as Filhas de Gandhy e os Filhos de Korin Efan, em uma noite de enaltecimento da cultura afro-brasileira na sociedade.

Fundado em 1979 por um grupo de amigos da comunidade da Caixa D’Água, o afoxé mantém como propósito a preservação da cultura afro-brasileira e a inclusão social de crianças e jovens em situação de vulnerabilidade. De origem iorubá, seu nome pode ser traduzido como “Deus, Meu Pai”, refletindo a forte ligação ancestral dos fundadores.

Desde o seu surgimento, o afoxé tem sido um pilar fundamental na valorização da cultura de matriz africana, transmitindo heranças ancestrais por meio da prática para novas gerações. “Os sons dos atabaques ecoam não apenas música, mas também força, resistência e luta dos jovens negros da periferia”, ressalta Lucimar Santos, presidente do afoxé. Essa abordagem tem sido crucial para resgatar e preservar vidas negras, fornecendo conhecimento sobre suas raízes e identidade.

Além da preservação cultural, o afoxé também se destaca por suas ações sociais. Por meio de projetos como oficinas de dança, samba de roda, artes plásticas, fabricação de instrumentos percussivos e culinária, a entidade contribui para a capacitação profissional e formação de novos valores, especialmente de mulheres e jovens negros. Soma-se também o empreendedorismo, que é estimulado para fortalecer tanto práticas coletivas quanto individuais.

Os ensaios do afoxé são feitos em sua própria comunidade, promovendo não apenas a prática musical, mas também o conhecimento sobre a cultura africana. Os rituais, as saudações aos orixás, as letras de suas músicas e a construção dos adereços e dos figurinos contribuem para valorizar a identidade da cultura negra de forma autêntica.

A trajetória do Olorum Baba Mi no carnaval é igualmente impressionante. Campeão em 1984 e 1995, o afoxé não apenas brilha no circuito Batatinha, mas também já participou de eventos internacionais, como o carnaval de Nice, na França. Suas apresentações, marcadas pela diversidade nas alas de dança, cores vibrantes e musicalidade contagiante, conquistam cada vez mais foliões ao longo dos anos.

Este projeto foi contemplado nos Editais da Paulo Gustavo Bahia e tem apoio financeiro do Governo do Estado da Bahia através da Secretaria de Cultura via Lei Paulo Gustavo, direcionada pelo Ministério da Cultura, Governo Federal. Paulo Gustavo Bahia (PGBA) foi criada para a efetivação das ações emergenciais de apoio ao setor cultural, visando cumprir a Lei Complementar nº 195, de 8 de julho de 2022.

Continue Reading

Religião

Caminhada do Zé Pilintra acontece neste domingo (28) em Salvador

Amanda Moreno

Publicado

on

Caminhada do Zé Pilintra acontece neste domingo (28) em Salvador
Caminhada do Zé Pilintra acontece neste domingo (28) em Salvador (Foto: Divulgação)

Caminhada do Zé Pilintra acontece neste domingo (28) em Salvador. Neste domingo, 28 de abril, Salvador recebe a 2ª Caminhada Cultural de Zé Pelintra. O evento tem saída prevista para as 10h, na Praça Castro Alves, Centro Histórico da cidade.

A caminhada cultural, promovida por um grupo de sambista, busca reforçar a cobrança pelo Projeto de Lei que determina o 30 de abril como o Dia Municipal de Zé Pelintra na cidade de Salvador.

Inclusive, houve Audiência Pública na Câmara dos Vereadores e Consulta Pública nas redes sociais para destacar a importância de celebrar a data.

Além dessa oficialização, a ideia do grupo é tornar o dia 30 de abril como parte do calendário de festas da cidade. Caminhada do Zé Pilintra acontece neste domingo (28) em Salvador.

SOBRE ZÉ PILINTRA

Zé Pelintra ou Zé Pilintra é uma falange de entidades de luz originária da crença sincrética denominada Catimbó, surgida na Região Nordeste do Brasil. O Zé Pelintra também é comumente incorporado em terreiros de Umbanda, tendo seu culto difundido em todo o Brasil. Nessa religião, é considerado parte da linha de trabalho dos malandros.

O Zé Pelintra é uma das mais importantes entidades de cultos afro-brasileiros, especialmente entre os umbandistas. É considerado o espírito patrono dos bares, locais de jogo e sarjetas, embora não alinhado com entidades de cunho negativo, é uma espécie de transcrição arquetípica do “malandro”. Exatamente por isso, serve igualmente como um arquétipo da cultura de origem africana enquanto alvo de preconceito.

Segundo relatos, teria nascido no estado de Pernambuco. Há, ainda, relatos de que nasceu próximo à cidade pernambucana de Exu.

Continue Reading

Religião

Ialorixá cria loja para levantar o ‘Terreiro de Ogun’

Amanda Moreno

Publicado

on

Ialorixá cria loja para levantar o ‘Terreiro de Ogun’
Ialorixá cria loja para levantar o ‘Terreiro de Ogun’

Ialorixá cria loja para levantar o ‘Terreiro de Ogun’. 29 anos. Essa foi a idade em que Mariana Brito, ialorixá soteropolitana, começou a construir o ‘Terreiro de Ogun’ para que pudesse realizar o seu sacerdócio. Levantando em Salvador, o espaço religioso tem sido construído através da venda de produtos de autocuidado, criados por Mariana, que compartilha as etapas da obra e os processos de construção com seus 16 mil seguidores no Instagram.

A Ialorixá, formada em Música e Artes Cênicas, foi iniciada com 21 anos, na época em que estava na faculdade. Designada a cuidar de pessoas, antes mesmo de receber seu cargo como Mãe de Santo, ela acolhe e zela por filhas e filhos de santo, desde 2020. “É um corre para poder fazer o meu Terreiro de Candomblé se fazer existente, exercendo a minha fé de forma racional e não romantizada”, relata Mariana, que também comanda o ‘Fala Aí, Ninha?!’, canal no YouTube onde partilha curiosidades sobre o candomblé.

Autocuidado Ancestral

E para pôr o terreiro de pé, Mariana resolveu empreender, seguindo os desígnios e orientações da ancestralidade. Assim nasceu a loja ‘Pedra de Ouro’, focada em sabonetes dos orixás e banhos de folhas feitos com extratos e insumos puros das ervas, produtos industrializados e com certificação da ANVISA. “A loja entende a necessidade de levar o segredo das ervas de uma forma humanizada, sem o lugar da marginalização”, ressalta a Ialorixá.

Atuante na luta pelo fim do racismo religioso, Mariana evidencia os desafios enfrentados no caminho do empreendedorismo. “Fiquei com tanto medo das pessoas agirem com intolerância, que eu fui no jogo e vi cada folha que devia estar dentro de cada produto”, acrescenta. E é dessa maneira que o Terreiro de Ogun já está com “muro pintado, portão no lugar e chaves na mão”. Contudo, etapas importantes precisam ser concluídas, além da compra de materiais como telhas e vigas de ferro do barracão.

A Mãe nas redes

Além da loja, Mariana também abriu um canal de assinatura com conteúdos exclusivos no Instagram, como forma de angariar fundos para a construção. “O Terreiro de Ogun não está sendo construído de graça e eu preciso fazer dinheiro para tocar a obra. Por isso estou disposta a me dedicar, a construir conteúdos relevantes e exclusivos para quem assinar”, publicou virtualmente.

Mariana posta textos e vídeos com mensagens reflexivas sobre ensinamentos dos orixás, alguns com mais de 200 mil visualizações, e centenas de comentários. Para a sacerdotisa, além do objetivo de realizar a construção da sua casa, os seus  projetos têm o propósito de manter a existência e “dar seguimento por todo o Brasil nos saberes ancestrais, na defesa da liberdade religiosa, mostrando o quão lindo e plural é o candomblé”.

Conheça a Loja Pedra de Ouro: https://www.instagram.com/lojapedradeouro/

Para comprar virtualmente: https://www.pedradeouro.com/

Conheça o Instagram de Mariana: https://www.instagram.com/umamaedeogun/

Fala Aí, Ninha?!: https://www.youtube.com/@Falaaininha

Continue Reading
Advertisement
Vídeo Sem Som

EM ALTA