Connect with us

Políticas

Coletivo de Entidades Negras e Instituto AVON juntos em campanha contra violência de gênero

Jamile Menezes

Publicado

on

instituto-avon
elevador lacerda

Foto: Ruy Barbosa Pinto

A partir desta sexta (25), o Coletivo de Entidades Negras (CEN) inicia, em Salvador e Região Metropolitana, ações pautadas na campanha dos “21 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra as Mulheres”, em parceria com Instituto Avon e a Prefeitura de Salvador.

A campanha envolve uma extensa programação que começa com a iluminação especial do maior símbolo de Salvador – o Elevador Lacerda. Desta sexta até dia 10 de dezembro, o Elevador refletirá a cor laranja – em solidariedade à luta pelo enfrentamento a todas as formas de violência sofridas pelas mulheres.

violenciadegenero

Banco de Imagens

Tradicionalmente, é de 16 dias, mas este ano, para evidenciar a maior incidência da violência de gênero que vitimiza mulheres negras, a Campanha foi antecipada para o dia 20 de novembro, culminando os 21 dias em 10 de dezembro. As ações que serão realizadas pelo CEN, a partir desta sexta (25), envolvem a sociedade civil, o aparato de segurança pública (Polícia Militar e Sistema Penitenciário), Universidades Públicas e órgãos do Legislativo e do Executivo.

“A mudança começa onde o silêncio termina”

Com este mote, a Campanha busca, nestes 21 dias, ressaltar a “violência invisível”, com o intuito de provocar uma mudança de comportamento, em especial dos homens. É voltada para a violência doméstica, propagada por companheiros, maridos, namorados, pais e demais familiares do sexo masculino, mais próximos das vítimas.

“Muitos homens justificam seus atos violentos contra as mulheres com base no amor, dizem que amam demais, que sentiram ciúmes demais e vários outros motivos, sempre baseados no amor. A imprensa costuma chamar esses casos de “crimes passionais”, como se eles tivessem sido motivados por amor. Mas amor não mata! O que mata é a sensação de poder que o agressor tem sobre a vítima”, diz Iraildes Andrade, coordenadora de Gênero do CEN.

ronda-maria-da-penha

Banco de Imagens

Conforme dados do Ligue 180, no primeiro semestre de 2016 foram registrados cerca de 68 mil relatos de violências, sendo mais de 86% delas referentes situações previstas na Lei Maria da Penha. Na Bahia, criada em 2015 no âmbito da Polícia Militar da Bahia, a Ronda Maria da Penha – comandada pela Major Denice Santiago – tem atuado no policiamento ostensivo a estas chamadas.

Para sensibilizar os profissionais que atendem estas mulheres, em Delegacias ou ocorrências, o Coletivo de Entidades Negras, em parceria com a Ronda, promoverá formações junto a policiais e comandantes no dia 29 de novembro e 5 de dezembro. “Mulheres sofrem quando tentam fazer uma denúncia, são desanimadas pela atitude de alguns profissionais, então precisamos falar sobre isso”, enfatiza Iraildes.

“Quanto mais invisível for a violência, mais difícil dela ser identificada e mais prejudiciais e profundos são os danos causados por ela. Por isso, não podemos partir da premissa de que apenas apontar o erro já é suficiente para provocar uma mudança de comportamento. Precisamos que as pessoas sejam protagonistas e passem a reconhecer que existe um problema que é de todos nós e só pode ser enfrentado com mudanças de atitude”, afirma Mafoane Odara.

instituto-avon

O gênero no cárcere

As mulheres encarceradas também terão atenção especial ao longo desta Campanha. No Presídio Feminino, em Salvador, o Coletivo de Entidades Negras realizará, dia 28, uma “Oficina de Estética”. Na ocasião, serão ofertadas aulas de auto maquiagem – com produtos da AVON -, cuidados com os cabelos, além de conversa sobre violência de gênero.

“Fomentar estas discussões junto às mulheres do sistema penitenciário é trazer à baila uma discussão ainda incipiente e que precisa acontecer para que o chamado empoderamento feminino possa fortalecer as mulheres. É fazê-las, a cada dia, mais autônomas e capazes de refutar todas as formas de violência”, enfatiza Andréa Mércia, coordenadora geral da  Central de Apoio e Acompanhamento às Penas e Medidas Alternativas (CEAPA).

mulher encarcerada

Foto: Charles Guerra / Agencia RBS

O debate continuará no dia 5/12, com a Roda de diálogos sobre Racismo e Gênero, na sede a OAB, em Salvador, onde 25 mulheres que cumprem pena alternativa estarão presentes. Já em Lauro de Freitas – Região Metropolitana de Salvador -, no dia 7 de dezembro, o diálogo chegará à juventude.

“Temos percebido discursos e comportamentos por parte de jovens daquela região, que reproduzem violências de gênero, então precisamos também conversar com eles de forma mais direta”, aponta Iraildes, que coordena toda a programação que o Coletivo realiza neste período.

Ao longo dos 21 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra as Mulheres também serão realizadas diversas intervenções na cidade: a cor laranja estará nas gordinhas de Ondina, na Reitoria da UFBA, na Estação da Lapa, na Fábrica da AVON – em Simões Filho -, e na Caminhada do Samba, em Salvador, neste final de semana (27/11). No Shopping Barra, uma ação fotográfica reúne 42 personalidades, incluindo artistas, que aderiram à Campanha. O Portal SoteroPreta fará matérias especiais sobre a programação.

Confira aqui algumas das peças já criadas pelo Instituto AVON que podem ser compartilhadas nas redes sociais, com a hashtag #vamosconversar.

avon3 avon2 avon1

Políticas

Julho das Pretas inscreve atividades pra agenda coletiva

Jamile Menezes

Publicado

on

Julho das Pretas chega em sua 12ª edição e abre inscrições para as atividades que vão compor a agenda coletiva de 2024.

O Julho das Pretas chega em sua 12ª edição e abre inscrições para as atividades que vão compor a agenda coletiva de 2024. Neste ano o tema da agenda segue sendo “Mulheres Negras em Marcha por Reparação e Bem Viver”, com o objetivo de apontar para a Marcha das Mulheres Negras por Reparação e Bem Viver, que acontecerá em Brasília (DF), em 2025.

O tema também propõe o fortalecimento da luta por reparação histórica para a população negra e traz o Bem Viver como um projeto de sociedade que orienta o movimento de mulheres negras no Brasil.

As inscrições podem ser realizadas até o dia 14 de junho através do formulário disponível aqui. As atividades incluem rodas de conversa, festivais, exposições, ciclos de formação política, seminários e marchas, dentre diversas outras ações que dialoguem com o tema da edição.

Podem inscrever atividades organizações e coletivos de mulheres negras, organizações de movimentos negros e organizações sociais em geral que tenham o antirracismo e o combate ao sexismo como perspectiva central de sua atuação, instituições de ensino, grupos de pesquisa, associações de categorias trabalhistas, grupos de empreendedoras negras e empreendedoras negras individuais.

Inscrições realizadas por autarquias e instituições do Estado, partidos políticos e empresas privadas que não sejam de propriedade de mulheres negras serão desconsideradas.

O 12º Julho das Pretas – Mulheres Negras em Marcha por Reparação e Bem Viver é organizado pela Articulação de Organizações de Mulheres Negras Brasileiras (AMNB), Rede de Mulheres Negras do Nordeste e Rede Fulanas – Negras da Amazônia Brasileira.

Continue Reading

Políticas

Movimento Hip-Hop terá comissão estadual para dialogar com entes públicos

Jamile Menezes

Publicado

on

Movimento Hip-Hop da Bahia

Integrantes do movimento Hip-Hop da Bahia vão estabelecer criação de comissão estadual para dialogar com os entes públicos formas de fomento e valorização da cultura. A criação da organização coletiva foi um dos encaminhamentos realizados após mais de quatro horas de discussão na audiência pública promovida pela Ouvidoria Cidadã da Defensoria Pública da Bahia em parceria com a Construção Nacional do Hip-Hop Bahia, realizada na segunda-feira (27), no auditório da Assembleia Legislativa da Bahia (Alba).

O evento reuniu representantes do movimento hip hop de 19 municípios baianos com representantes dos poderes públicos e ressaltou a incidência realizada pela cultura de rua na educação, segurança pública, cultura e saúde mental dos jovens de comunidades. Intitulada “Proteção, Garantia e Promoção Hip Hop”, a audiência foi promovida em parceria com a Construção Nacional do Hip Hop seção Bahia e foi a culminância de uma série de reuniões virtuais e presenciais com a comunidade hip Hop do estado feitas pela Ouvidoria da DPE/BA.

De acordo com a ouvidora-geral, Naira Gomes, a atuação da Ouvidoria busca fomentar espaços culturais nas comunidades marcadas pela guerra às drogas. “Nós temos defendido que as mortes de jovens negros não se resume à física.  Antes disso, acontece a morte simbólica pela interdição de acesso à educação, à cultura, aos direitos. Depois disso, se torna tão pouco matar um jovem negro”, argumentou Naira.

Para Naira, considerando a extensão territorial e diversidade do estado, a criação da comissão deliberada na audiência é um importante passo para fortalecimento da cultura Hip Hop no estado por possibilitar a unificação dos pleitos. A Ouvidoria da DPE/BA é um dos órgãos que vai  constituir a estrutura a ser criada. “Nosso papel será de retaguarda. Vamos continuar abrindo espaços, fortalecendo pedidos, mas garantindo que o movimento tenha protagonismo”, explica a ouvidora-geral da DPE/BA.

Para a rapper Udi Santos, que dividiu a presidência da audiência pública com Naira, a criação da comissão se insere como mais um passo para o fortalecimento do hip hop no estado. No ano passado, junto com a Construção Nacional, foram criados grupos temáticos, inclusive um GT Parlamentar. “Foi esse grupo que nos trouxe aqui hoje, porque ele buscou autoridades e a Defensoria para criarmos um diálogo constante com o poder público para criação de políticas públicas que possam existir por anos e anos”, lembra.

O compromisso de um trabalho conjunto para fortalecimento da incidência promovida pelo hip hop nas comunidades também foi reforçado pela defensora-geral, Firmiane Venâncio. Para ela, a Defensoria e o movimento hip hop possuem uma extrema conexão com seus propósitos e razão de existir. “A Defensoria Pública existe para caminhar juntos daqueles(as) que não foram reconhecidos, que não estão incluídos dentro daquilo que o sistema fez questão de excluir”, reforçou.

Além da defensora-geral, o evento foi prestigiado pelas deputadas Fabíola Mansur e Olívia Santana; pela coordenadora do Escritório da Unicef em Salvador, Helena Oliveira Silva; representantes do Ministério da Cultura; secretarias de Cultura, Política para Mulheres, Promoção da Igualdade Racial; Emprego Trabalho e Renda, entre outros. Todos os órgãos presentes se comprometeram com as demandas do movimento hip hop.

Movimento cultura com incidência social

De acordo com dados das plataformas de streaming apresentados pelo MC Gold CBX, a Bahia é o 7º estado brasileiro que mais consome hip hop no país. “A gente consome muito, mas não consome daqui porque não temos suporte técnico e equipamentos para produzir em nível de competitividade com o eixo Rio-São Paulo”, criticou.
Para ele, o movimento hip hop precisa ser visto como uma expressão da economia criativa, que garante renda não só para DJs e MCs, mas também para designers, fotógrafos e outros profissionais. Já o MC Jotta D, classifica o trabalho realizado nas comunidades como a possibilidade do poder público olhar o hip hop e atingir a segurança pública, a saúde e a cultura.

Continue Reading

Políticas

Deputada Olívia Santana denuncia abordagem policial sofrida em Salvador

Jamile Menezes

Publicado

on

A deputada estadual do PCdoB, Olívia Santana, relatou em suas redes sociais uma abordagem policial violenta sofrida por ela e sua equipe, na última quarta-feira, Dia do Trabalhador,  no bairro do Vale das Pedrinhas, em Salvador. A parlamentar frisou que a abordagem foi “completamente inadequada, daquelas que o nosso povo sofre todos os dias. É preciso garantir urgentemente câmeras nas fardas dos policiais”, disse a deputada.

Confira o vídeo com o relato:

Continue Reading
Advertisement
Vídeo Sem Som

EM ALTA