Connect with us

Teatro

Grupo NATA estreia seis espetáculos em Salvador entre janeiro e fevereiro

Jamile Menezes

Publicado

on

NATA Núcleo Afrobrasileiro de Teatro de Alagoinhas
NATA Núcleo Afrobrasileiro de Teatro de Alagoinhas

Thiago Romero em Mundareu. Foto – Giovani Rufino

Depois do grande sucesso com “Exu, a Boca do Universo”, espetáculo que se apresentou em 36 cidades brasileiras, o NATA – Núcleo Afrobrasileiro de Teatro de Alagoinhas, volta em cartaz com o projeto Natas em Solos – Seis Olhares Sobre o Mundo.

O projeto prevê a estreia de seis espetáculos solos dos atores Antônio Marcelo, Daniel Arcades, Fernanda Júlia, Nando Zâmbia, Sanara Rocha e Thiago Romero.  A iniciativa é do NATA – Núcleo Afrobrasileiro de Teatro de Alagoinhas e da Modupé Produtora.

“Em 2017, o NATA comemora 19 anos e empretece-se cada vez mais, tencionando ampliar e aprofundar a poética do Teatro Negro, com suas pesquisas e questões. Estar em Salvador com este projeto é mais uma ação no nosso objetivo de colocar em diálogo o teatro do interior e da capital”, diz a diretora do grupo, Fernanda Júlia.

Núcleo Afrobrasileiro de Teatro de Alagoinhas

Nando Zambia-Gbagbe. Foto – Andrea Magnoni

Os espetáculos serão apresentados no Teatro Gregório de Mattos e no Espaço Cultural da Barroquinha, de 10 de janeiro a 15 de fevereiro e a direção é dos próprios atores ou de um diretor convidado. É o caso de Andreá Martins, Antônio Fábio, Diana Ramos, Fábio Vidal, Jarbas Bittencourt, Luiz Antônio Jr. e Susan Kalik, sob a coordenação artística da diretora do grupo NATA, Fernanda Júlia.

“É um projeto de profundo amadurecimento artístico, pessoal, espiritual, ético e político. Estrear seis espetáculos diferentes, onde cada atriz/ator expressa suas inquietações, pensamentos, aspirações cênicas é colocar em cena a nossa diversidade teatral e a amplitude da nossa necessidade de expressão e discussão. Para nós é um momento ímpar. Desde 1999 que enceno as peças do grupo, pela primeira vez não estou dirigindo, e o grupo passou a dialogar com outros encenadores e outros colaboradores poéticos para a construção dos seus solos. Isso oxigena, revitaliza, mostra outras formas de fazer e enriquece o grupo, pois cada um descobriu neste encontro com outros parceiros de trabalho novas possibilidades para a cena” – Fernanda Júlia

Núcleo Afrobrasileiro de Teatro de Alagoinhas

Fabíola Julia em Rosas Negras. Foto de Diana-Ramos

Com ingressos a R$ 20 e R$ 10, o público poderá conferir os espetáculos:

Espaço Cultural da Barroquinha

Iyá Ilu de Sanara Rocha (10,11,17 e 18/01 – 19h)

Um ritual afro futurista de saudação a Ayan – a deusa do tambor. Propõe uma discussão acerca das mulheres e o tambor, suas relações e inter-relações ambiciona trabalhar teatro e música a partir das inquietações de Sanara Rocha com o universo da música e das cerimônias sagradas. 

Impostor de Daniel Arcades (24,25,31/01 e 01/02 – 19h)

O solo convida a plateia a participar de um dia crucial na vida de um show-man religioso. Dentro do programa televisivo “Valor Global”, a espera pela chegada da família de Luttero Lúcius, para uma importante participação ao vivo, faz com que toda a plateia reconheça as facetas de sujeitos que entendem como funciona o Mercado da Fé.

Rosas Negras de Fabíola Julia (07, 08, 14 e 15/02 – 19h)

O solo ambiciona contribuir com o empoderamento da mulher negra. A pesquisa consiste na criação de um espetáculo-dança que terá sua dramaturgia construída a partir das histórias de vida de algumas mulheres negras com relevantes contribuições para a luta contra a discriminação e a violência contra a mulher e principalmente contra a mulher negra.

Núcleo Afrobrasileiro de Teatro de Alagoinhas

Antônio Marcelo em As balas que nao dei ao meu filho. Foto de Andrea Magnoni

Teatro Gregório de Mattos

Gbagbe de Nando Zâmbia (13/01 – 19h | 14/01 – 17h e 19h |15/01 – 17h

O espetáculo estabelece ligações com o ritual da “árvore do esquecimento” e traz à cena questionamentos acerca da vida cotidiana que vivemos produzindo diversas provocações e reflexões sobre o tempo, memória, ancestralidade, afirmação e afro-brasilidade.

As Bala Que Não Dei Ao Meu Filho de Antônio Marcelo – 20/01 – 19h | 21/01 – 17h E 19h | 22/01 – 17h

O solo aborda a temática do genocídio da juventude negra nas periferias das grandes cidades através da história de um policial negro, morador de periferia, que não encontra seu filho em casa no dia de uma “ação” policial no bairro onde vive.

Mundaréu de Thiago Romero – 03/02 – 19h | 04/02 – 17h e 19h | 05/02 – 17h

Mundaréu é um convite a acompanhar as andanças de Cascudo. memória, partidas, saudades, ancestralidade e encontros são mais importantes que o percurso feito pelo andarilho relatado durante a peça.

Teatro

Pós em Teatro do Oprimido da UFBA celebra Augusto Boal

Jamile Menezes

Publicado

on

Foto: Divulgação

O Grupo de Estudos em Teatro do Oprimido (GESTO), realiza nesta quinta-feira (18), a partir das 18h, na Cooperativa Baiana de Teatro (Pelourinho), lançamentos de livros, contações de histórias indígenas e cenas baseadas no Teatro do Oprimido. O evento integra a programação de atividades da segunda etapa da Pós-Graduação, realizada de 15 a 27 de julho.

A celebração iniciará com o lançamento de sete livros que trazem a leitura do Augusto Boal sobre o Teatro do Oprimido, teorias sobre a práxis do TO, a metodologia aplicada em processos com a comunidade LGBTQIAP+ e um romance sobre mitos e tabus em torno da sexualidade. Os títulos são “Teatro do Oprimido e Outros Babados”, de Flávio Conceição e Helen Sarapeck; “A Estética de Boal” e o romance “Nada Mais do Que Isso”, ambos de Flávio Conceição; e “Teatro do Oprimido e Negritude”, de autoria de Licko Turle, fundador do GESTO.

Ocorrerá ainda o lançamento das coletâneas: “Teatro do Oprimido e Universidade: Experimentos, Ensaios e Investigações – Vol 1”, organizado pelos pesquisadores do Teatro do Oprimido – Cachalote Mattos, Flavio da Conceição, Helen Sarapeck, Jussara Trindade; Licko Turle e Zeca Ligiéro; “Teatro do Oprimido e Universidade: Vol 2”, composto por textos escritos por Antônia Pereira, Cachalote Mattos, César Augusto, Helen Sarapeck, Licko Turle e Luzirene do Rego Leite; por fim, “Arte na Educação Básica – Experiências, Processos, Práticas Contemporâneas”, escrito pelo doutor em artes cênicas Daniel Santos Costa.

A noite de lançamento contará com uma roda de conversa com es autores Helen Sarapeck e Flávio da Conceição. Em seguida, a artista indígena Anhangá, da etnia Tupinambá (Bahia) e estudante do curso de Licenciatura em Ciências Biológicas do Instituto Federal de Sergipe, fará a contação de histórias indígenas. O terceiro momento é o lançamento da coletânea de poemas“Da Natureza à Arte Ancestral, de uma aluna da especialização”, da Jackeline dos Santos, estudante da pós-graduação em TO da UFBA. O encerramento do evento de lançamento contará com a “Celebração Gastronômico do Teatro do Oprimido”, em que os participantes da pós-graduação irão partilhar a culinária de sua região.

 

Confira toda programação aqui.

Continue Reading

Teatro

“O Pregador – Teatro-Fórum Antirracista” estreia em Salvador

Jamile Menezes

Publicado

on

Foto: Leonardo Moreira

“O Pregador – Teatro-Fórum Antirracista”, espetáculo da Cia de Teatro da UFBA, estreia nos próximos dias 25 e 26 de julho no Teatro Martim Gonçalves, integrando o Melanina Acentuada Festival. Após participação dentro da programação do festival, a peça segue em cartaz gratuitamente de 30 de julho a 18 de agosto – de terça a domingo. A montagem é dirigida por Licko Turle, que divide o processo coletivo de dramaturgia ao lado da carioca Helen Sarapeck.

Com co-realização da Pele Negra – Escola de Teatros Pretos, da Cooperativa Baiana de Teatro e da Cia Estupor de Teatro, “O Pregador – Teatro-Fórum Antirracista”, utiliza a técnica do Teatro-Fórum de Augusto Boal para quebrar a quarta parede e convocar o espectador a interferir na história da personagem a partir de suas próprias vivências. “Ao propor essa poética, Boal nos faz perceber que as opressões vivenciadas por Clara dos Anjos não são pessoais, são de todo o povo preto”, declara Licko Turle.

O público é parte fundamental na construção do discurso e desenvolvimento da obra, que é dividida em três etapas. Na primeira, os espectadores são estimulados pelo elenco através de jogos e exercícios teatrais. Em seguida, conforme característica do Teatro-Fórum, é apresentado o “antimodelo”, ou seja, “a realidade social que não queremos”. A terceira e última, o espectador se transforma em “espect-ator” e entra em cena para transformá-la.

Juventude

Durante a temporada, as apresentações de terça a quinta, às 15h, serão voltadas aos jovens e adolescentes da rede secundária e estadual de ensino. De acordo com o produtor executivo do espetáculo, Luiz Antônio Sena Jr., esta ação tem por objetivo fortalecer a Lei 10.639, que estabelece as diretrizes de obrigatoriedade do ensino da “História e Cultura Afro-Brasileira”.

“Para isso, antes das apresentações e através de um trabalho de mediação cultural, estamos a percorrer as instituições de ensino com a realização de oficinas sobre o Teatro do Oprimido e Negritude. Desta forma, ao chegarem as sessões esses estudantes estarão preenchidos de discursos que podem vir a transformar o contexto dramatúrgico e social”, ressalta Luiz Antônio, ao acrescentar que a mediação cultural é desenvolvida pela artivista Silara Aguiar.

Arte Preta

“O Pregador – Teatro-Fórum Antirracista” é o quarto espetáculo da Cia de Teatro da UFBA com tema, direção, elenco e equipe de criação de pessoas negras. Selecionados através de audição pública realizada em maio dentro da programação do seminário “Meu Caro Amigo… Augusto Boal”, o elenco é composto Taiana Lemos, Leo Moreira, Dinah Pereira e Licko Turle como Curingas e os atuantes Anna Pires, Emille Barbosa, Kayk Souza, Ludimila Agostinho, Luisa Rodrigues, Matheus Zola, RAIO, Taíse Paimn, Thaísa Nascimento e Thalia Anatália.

Integram a equipe de criação a preparadora vocal Manuela Rodrigues, o diretor musical Luciano Salvador Bahia, a diretora de movimento e coreógrafa Edileuza Santos, a consultora em ancestralidade e preparadora de elenco Onisajé. Na parte técnica, a iluminação é assinada por Nando Zâmbia, a visualidade é de Cachalote Matos, e a direção de produção de Luiz Antônio Sena Jr. “O Pregador” conta ainda com a assistência de dramaturgia de Júlia Batista e a consultoria psicológica e de negritude de Cassia Maciel.

A obra tem em seu subtítulo o descritivo “Teatro-Fórum Antirracista”, escolhido propositalmente pelo diretor e curinga do espetáculo, Licko Turle, para debater o racismo e marcar os 15 anos da morte de Augusto Boal (2009) – com quem trabalhou e criou o Centro de Teatro do Oprimido no Rio de Janeiro em 1986. Além desta homenagem a Boal, a obra é uma grande homenagem às mulheres pretas, “que lutam todos os dias contra o racismo e o machismo”, e ao Bloco Ilê Aiyê, pelos seus 50 anos de luta antirracista.

Serviço

O quê – “O Pregagor – Teatro-Fórum Antirracista”, espetáculo da Cia de Teatro da UFBa

Quando – 25 de julho a 18 de agosto (terça a quinta, 15h; sexta e sábado, 19h; e domingo, 18h)

Onde – Teatro Martim Gonçalves (Canela – Escola de Teatro da UFBA)

Entrada – Gratuita

Continue Reading

Teatro

ÌYÁ’S – Festival de Arte celebra artistas pretas

Jamile Menezes

Publicado

on

ÌYÁ'S - Festival de Arte
Espetáculo Muitos Anos de Vida - Matheus Maia

Acontece, de 18 a 26 de julho, a quarta edição do ÌYÁ’S – Festival de Arte de Mulheres Negras sob o tema: ‘A presença feminina negra no matrigestar do futuro’. Durante nove dias, o público poderá acompanhar o protagonismo das narrativas, poéticas, estéticas e construções de mulheres negras que contribuem na cena artística e cultural do Brasil.

Gratuito, o ÌYÁ’S – Festival de Arte ocorrerá nos Espaços Culturais da Barroquinha, Xisto Bahia e Boca de Brasa, no Teatro Gregório de Mattos e no Café-Teatro Nilda Spencer. Além disso, duas escolas estaduais serão palco da ação intitulada “Festival ÌYÁ’S nas escolas”.

Construído pelas atrizes, produtoras executivas e culturais, Eddy Veríssimo e Juliana Monique, o ÌYÁ’S – Festival de Arte visa demarcar no cenário cultural a ótica de mulheres negras. Além de acolher atrizes baianas, com a abertura da seletiva nacional, o evento recebe artistas negras de outros estados como Paraná, Rio de Janeiro, Brasília e São Paulo para apresentarem suas obras.

As mesas temáticas serão no café-teatro Nilda Spencer onde as interessadas poderão acompanhar um diálogo entre atrizes e pesquisadoras que trarão reflexões acerca de assuntos diversos como, a estéticas de mulheres negras e suas narrativas, teatro de guerrilha e protagonismo feminino negro.

Já as oficinas serão mediadas pelas atrizes e propõem um diálogo entre a poética de suas obras e performatividades negras, musicalidades africanas, criação e improviso, dramatização, escrita e performance criativa, entre outras.

Confira datas dos espetáculos:

18/07 | Quinta-feira

  • Em mim sobre todas as coisas – Jack Elesbão | 19h, Espaço Cultural da Barroquinha

19/07 | Sexta-feira

  • Mariar: um mar de poesias – Emillie Lapa e Natalyne Santos | 15h, Teatro Xisto Bahia

  • Muitos anos de vida – Paula Moura | 19h, Espaço Cultural da Barroquinha

20/07 | Sábado

  • Memórias duma Baobá – Isabel Oliveira | 10h, Teatro Xisto Bahia

  • Pai Nosso – Geise Prazeres | 19h, Espaço Cultural da Barroquinha

23/07 | Terça-feira

  • Fyah Do Ódio Ao Amor – Negafyah | 19h, Teatro Gregório de Mattos

24/07 | Quarta-feira

  • Yéyé em movimento, Josy Acosta | 10h, Teatro Gregório de Mattos

  • Mil litros de preto: a maré está cheia – Lucimélia Romão | 19h, Espaço Cultural da Barroquinha

25/07 | Quinta-feira

  • Ialodês: teatro ritual, sagrado feminino – Coletivo Yayás | 19h, Espaço Cultural da Barroquinha

26/07 | Sexta – feira

  • Feira ÌYÁ’S | 16h, Pátio Iyá Nassô

  • LÓTUS, Danielle Anatólio | 19h, Espaço Cultural da Barroquinha

  • Show | 20h, Pátio Iyá Nassô

SERVIÇO

O quê? ÌYÁ’S – Festival de Arte de Mulheres

Quando? 18 a 26 de julho

Quanto? Gratuito

Informações: Linklist  do @festivaliyas

Continue Reading
Advertisement
Vídeo Sem Som

EM ALTA