Connect with us

Literatura

Slam das Minas, Grupo Ágape, Sarau da Onça e Sarau do Jaca estarão na FLICA!

Jamile Menezes

Publicado

on

Dricca_Silva_Fabiana_lima_slam_das_minas
Dricca_Silva_Fabiana_lima_slam_das_minas

Slam das Minas

Biblioteca Móvel da Fundação Pedro Calmon/SecultBA levará atividades de leitura, “contação” de histórias, palhaços, oficinas de recicláveis, peças teatrais e saraus literários para a Praça da Fliquinha. A ideia é despertar a leitura em quem nunca se interessou ou se aproximou dela, ou quem está começando. Uma das ações será a Árvore Literária, que distribuirá livros gratuitamente aos leitores, ao redor da praça, Serão mais de 300 livros distribuídos.

Destaque nesta programação – que ocupará a Praça da Fliquinha – será o Sarau Itinerante Poesia Viva, que reunirá representantes de Saraus de Poesia Periférica de Salvador. Estarão por lá participantes do Slam das Minas, do grupo Ágape, Sarau da Onça (Sussuarana) e Sarau do Jaca (Cajazeiras).

SANDRO sussuarana

Foto: Lissandra Pedreira

Sussuarana-Cajazeiras-Cachoeira

O primeiro a rimar seus versos será Sandro Sussuarana, integrante do Sarau da Onça, que se apresentará na sexta (6), às 9h30. Formado em 2012, no bairro de Sussuarana, o Sarau da Onça, nasceu com o objetivo de usar a arte como uma estratégia de ressocialização dos jovens do bairro e como protesto contra o alto índice de violência contra os jovens negros da região, a desigualdade e preconceito. É formado tem uma coordenação que participa dos grupos de poesias da região.

Já à tarde, às 15h, será a vez de Fabiana Lima e Drica Silva – participantes do Slam das Minas, grupo formado por quatro mulheres negras com o objetivo de fortalecer o cenário das mulheres na poesia em Salvador. Além de descentralizar o campo cultural da cidade para a periferia, sendo esse um dos motivos para que a sede do grupo funcione no bairro do Cabula. As poetisas começaram o trabalho com a poesia marginal e, há três anos, começaram a expor sua arte nos ônibus da cidade. “É muito importante participar da Flica, porque é a voz da mulher preta em uma festa literária que ocorre há anos”, disse Fabiana, que faturou, em 2016, o segundo lugar no Slam BR – batalha nacional de poesia.

O sábado da Poesia Preta e Periférica começará com Marcos Paulo e Cairo Costa Andrade, do Sarau do Jaca, que se apresentarão na Biblioteca Móvel, às 11h. A sigla JACA significa Juventude Ativista de Cajazeiras, bairro onde está a sede do grupo. Pela tarde, às 15h, se apresenta a poetiza Joyce Melo, participante do Grupo Ágape de Poesia, que também é presença registrada no Sarau da Onça. “O Sarau da Onça veio transformar o bairro em um centro cultural, mostrar que a Sussuarana não é só marginalidade, tráfico de drogas”, contou Joyce.

Joyce Melo

Joyce Melo/Fto Lis Pedreira

Ela ressaltou a importância de participar da Festa Literária Internacional de Cachoeira. “Sempre tive vontade de participar, vamos poder mostrar um pouco sobre o que realizamos nos saraus, nos eventos e mostrar que a literatura marginal é tão importante como qualquer outro tipo de literatura”, disse Joyce.

Confira aqui toda programação da Fundação Pedro Calmon na FLICA 2017!

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Cultura

Bárbara Carine fez noite de autógrafos na Biblioteca Central

Amanda Moreno

Publicado

on

Bárbara Carine fez noite de autógrafos na Biblioteca Central

Bárbara Carine fez noite de autógrafos na Biblioteca Central. A chuva deu uma trégua no final desta quinta-feira (22) para o lançamento de mais um livro da educadora, escritora, pesquisadora e ativista, Bárbara Carine. Intitulado “Querido estudante negro” o evento foi realizado no Quadrilátero da Biblioteca Central, nos Barris. Após o sucesso de “Como ser um educador antirracista”, a ativista compartilha experiências pessoais repletas de tensões sociais e raciais.

No novo livro, Bárbara dialoga com dois estudantes negros que, independente das condições financeiras ou sociais, compartilham as experiências vividas em formato de cartas fictícias. “São histórias de ficção, mas, ao mesmo tempo, as histórias narradas pela jovem negra são todas histórias da minha vida, então, na realidade, é uma ficção que eu diria que é autobiográfica”, contou a educadora e influencer.

Bárbara Carine fez noite de autógrafos na Biblioteca Central

Bárbara Carine fez noite de autógrafos na Biblioteca Central (Foto: Henrique Santos)

Para Daudi Akil, estudante oriundo de escola pública e bolsista em escola particular de salvador, existe uma ansiedade de receber o autógrafo da autora e de ler o livro que segura firme nas mãos. “Já tô muito ansioso para ler esse livro. Eu tenho a certeza que vai ter muita batalha aqui dentro, porque hoje em dia viver numa sociedade dessa forma é horrível. Ser negro já é uma coisa difícil, imagina pra uma mulher negra? Aqui tem parte da história de vida dela, então deve ter sido muita batalha, inclusive, pra publicar o livro”, explicou o jovem estudante.

Com quase 400 mil seguidores nas redes sociais, a intelectual conversou com o público que lotou o Quadrilátero da Biblioteca. Ela explicou que no livro a ideia é mergulhar na complexidade da formação de subjetividades negras e que traz a perspectiva de uma psicopedagogia com leitura racial. Ao final Bárbara contou que já tem outro livro no forno, que parou para escrever “Querido estudante negro”, mas já retomou a escrita. Em breve, mais novidades!

Continue Reading

Literatura

Bárbara Carine lança livro na Biblioteca dos Barris

Amanda Moreno

Publicado

on

Bárbara Carine lança livro
Bárbara Carine lança livro (Foto: Gabriel Cerqueira)
Bárbara Carine lança livro na Biblioteca dos Barris. Após o sucesso de Como ser um educador antirracista, a pesquisadora, escritora e ativista Bárbara Carine lança novo livro pela Editora Planeta, nesta quinta-feira, 22 de fevereiro, a partir das 19h, na Biblioteca Central do Estado da Bahia (Barris), com direito a sessão de autógrafos com a autora.
Em Querido estudante negro, é possível conhecer uma faceta diferente da autora. Desta vez, em formato de cartas fictícias, Bárbara dialoga com os estudantes negros, independente das condições financeiras ou sociais, ao compartilhar as experiências que viveu. Com quase 400 mil seguidores nas redes sociais, a intelectual convida a mergulhar na complexidade da formação de subjetividades negras nesta obra.
No livro, uma estudante negra compartilha cartas com um amigo que conheceu na infância e que também é um estudante negro. Nos relatos, a protagonista vivencia situações que Bárbara enfrentou, focando na trajetória estudantil, abrangendo desde a pré-escola até o pós-doutorado.
Os personagens, principais e secundários, não são nomeados. O objetivo é que qualquer estudante negro brasileiro se identifique, pois, as histórias de vida são cruzadas. “São cartas de um ‘Eu Coletivo’. Uma história que é de uma alguém, justamente por ser a narrativa de todo mundo.”, escreveu Carine.
De forma sútil e potente ao mesmo tempo, Bárbara tece uma crítica social sobre o classicismo e o racismo. Para isso, ela apresenta dois protagonistas que têm a mesma idade, mas são diferentes. A menina é negra de pele não retinta e vive em periferia. O menino é retinto e possui uma situação abastada. Apesar das diferenças socioeconômicas, ambos têm a subjetividade completamente atravessada pelo racismo estrutural. A linguagem e complexidade das cartas mudam no decorrer da vida, mas permanece a certeza de que as experiências escolares de pessoas negras no Brasil são duras e discriminatórios.
A obra Querido estudante negro apresenta diferentes percepções e níveis de compreensão sobre o que é ser negro no país. Bárbara convida as pessoas que desejam entender os universos dos estudantes negros, seus responsáveis e professores antirracistas. Mas, seu principal foco é, sem dúvida, o estudante negro. Esse é um livro que acolhe e tenta deixar o mundo menos solitário para o jovem negro, seja aquele que ainda está trilhando o caminho ou aquele que cresceu e precisou aprender a sobreviver em meio a uma sociedade racista.
EVENTO DE LANÇAMENTO
Sessão de autógrafos com Bárbara Carine
Dia 22 de fevereiro às 19h
Biblioteca Central do Estado da Bahia
Local: R. Gen. Labatut, 27 – Barris, Salvador – BA, 40070-
Continue Reading

Literatura

Claudia Alexandre lança livro “Exu-Mulher e o Matriarcado Nagô”

Jamile Menezes

Publicado

on

Claudia Alexandre também possui uma vasta produção sobre sambas e escolas de samba de São Paulo

No próximo dia 31, às 18h30, o Museu Nacional de Cultura Afro-Brasileira (Muncab), em Salvador, receberá o lançamento do novo livro da jornalista e cientista da religião, Claudia Alexandre: Exu-Mulher e o Matriarcado Nagô – sobre masculinização, demonização e tensões de gênero na formação dos candomblés (Editora Aruanda/ Fundamentos do Axé, 2023). O evento, que tem promoção da livraria Katuka Africanidades, terá uma roda de conversa com participação da prefaciadora, a socióloga Nubia Regina Moreira, coordenadora do grupo de pesquisa Ojú Obìnrín Observatório de Mulheres Negras e professora da UESB (Universidade do Sudoeste da Bahia).

Exu-Mulher e o Matriarcado Nagô: sobre masculinização, demonização e tensões de gênero na formação dos candomblés (Editora Aruanda/Fundamentos de Axé, 2023), apresenta um debate inédito no campo dos estudos sobre as tradições e religiosidades afro-brasileiras em relação ao que foi escrito até aqui sobre o controverso orixá Exu.  Ao mesmo tempo que questiona sobre representações femininas de Exu que não foram inseridas na definição do corpo das tradições yorubá-nagô dos primeiros candomblés na Bahia.

A obra insere registros e informações sobre as experiências e protagonismo de mulheres negras – africanas, escravizadas, alforriadas, libertas, que resistiram as opressões patriarcais para manter suas práticas ancestrais. O livro destaca alterações na relação com o orixá Exu, que na iorubalândia (Nigéria, Benin, Togo…) é representado por figuras em pares – macho e fêmea, que não se popularizaram no Brasil.

O livro é baseado na tese de doutorado da autora, defendida em novembro de 2021, eleita a Melhor Tese do Ano, pelo Programa de Ciência da Religião da PUC-SP.  Foi finalista e segunda colocada do Prêmio SOTER/Paulinas de Teses 2022 (Prêmio Prof. Afonso Maria Ligório Soares), realizado pelo Congresso Internacional da Soter (Sociedade de Teologia e Ciência da Religião).
Claudia Alexandre também possui uma vasta produção sobre sambas e escolas de samba de São Paulo e é autora do livro-dissertação “Orixás no Terreiro Sagrado do Samba: Exu e Ogum no Candomblé da Vai-Vai”, também pela Editora Aruanda/Fundamentos de Axé.

Haverá sessão de autógrafos e venda de livro no local (R$ 80,00 por exemplar). O Muncab está localizado à rua das Vassouras, 25 – Centro Histórico. Entrada gratuita.

Continue Reading
Advertisement
Vídeo Sem Som

EM ALTA