Connect with us

Audiovisual

Portal Soteropreta lança web-programa “Circuito Negro” e pauta a negritude do Carnaval!

Jamile Menezes

Publicado

on

cortejo_afro

 

 

Primeiro PPortalde Notícias voltado para a produção cultural negra de Salvador, o Portal SoteroPreta veiculará, entre os meses de janeiro e fevereiro, o programa “Circuito Negro”, sobre 10 agremiações carnavalescas de matriz africana da Bahia.

Serão programas sobre Blocos Afros, Afoxés, de Samba e de Reggae, todos apoiados pelo programa Ouro Negro, do Governo do Estado da Bahia.

Em 2018, o Ouro Negro completa 10 anos, já tendo revertido mais de R$50 milhões para estes Blocos – para além do investimento financeiro direto, uma ação de preservação de um patrimônio cultural, social e identitário. Ao longo deste período, foram mais de 200 agremiações contempladas.

Com apoio do Governo do Estado, o web-programa Circuito Negro pretende tocar a subjetividade daqueles que fazem o Ouro Negro acontecer nas ruas, em um reconhecimento de suas falas enquanto indivíduos negros e negras, com histórias de vida também tocadas por estas agremiações e pelo investimento do Estado.

“Não se pode falar em Carnaval na Bahia sem a presença destas agremiações que – com sua estética, participação e sonoridade peculiares, reforçam o que a Bahia produziu enquanto capital de resistência de várias comunidades, e que hoje fundamentam a beleza particular do carnaval”, diz a editora chefa do portal e idealizadora do programa “Circuito Negro”, Jamile Menezes.

Criado em outubro de 2016, o Portal já se consolida, em meio às mídias negras independentes do estado, como veículo sério, referenciado e respeitado. Com o Circuito Negro, o público conhecerá histórias por trás de cada folião – que atestam o sucesso político, social e cultural do projeto Ouro Negro.

circuito negro

Cortejo Afro – Fto Paulo Lima

Relatos de famílias inteiras dedicadas a um Bloco, paixões manifestadas de formas curiosas, situações irreverentes ligadas a estas relações dos foliões com seus blocos de coração, a religiosidade e a cultura negra. Esta será a linha condutora deste projeto, que estará lastreado pela necessidade de se manter esta tradição viva – por meio de todo apoio possível.

Os 10 programas trarão ao público histórias dos Afoxés Filhos de Korin Efan e Filhos do Congo, dos Afros Ilê Aiyê, Bankoma, Didá e Cortejo Afro; dos blocos de Samba Alvorada e Amor & Paixão e os de Reggae, Aspiral do Reggae e Reggae o Bloco.

“São estas as histórias que precisam ser ouvidas para além do viés institucionalizado, para que um número cada vez maior de pessoas – em especial a juventude – se sensibilize e mobilize em torno de uma tradição carnavalesca do nosso estado e do país”, diz a  jornalista, Mestra em Cultura e Sociedade (Ufba), Camilla França, pesquisadora da temática e consultora do programa Circuito Negro. 

Equipe

O programa Circuito Negro será veiculado, aqui no Portal, e também poderá ser visto no Youtube e no Facebook do Portal Soteropreta.

Tem direção das cineastas premiadas e diretoras da Estandarte Produções, Jamile Coelho e Cíntia Souza, produção da atriz e produtora cultural, Taimara Liz  e apresentação da jornalista, Fabiana Mascarenhas.

O programa trará ainda a participação especial de jovens poetas das periferias de Salvador, com sua Poesia Marginal: Rool Cerqueira, Kuma França e Vanessa Coelho, do Coletivo Zeferinas, Evanilson Alves, Líslia Ludmila, Maiara Bonfim e Pedro Zaki e tem o apoio de empreendedor@s negros e negras de Salvador. Estão no time: as grifes a N Black, Tabompravoce Diva Katuka Africanidades, Casa de Angola na Bahia. Negrif, além dos maquiadores Mario Farias, Make by Dan e Karoline Lima! O restaurante Midispache Gastronomia, o Velho Espanha Bar e Cultura, a Pizzará Bahia , a Pretart’s, e o Destino Gourmet Food Truck!

 

Foto destaque: Rosilda Cruz (Ilê Aiyê)

 

 

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Audiovisual

Documentário Tornar-se Negro tem exibição gratuita na Sala Walter

Jamile Menezes

Publicado

on

documentário Tornar-se Negro

O Espro (Ensino Social Profissionalizante), entidade sem fins lucrativos que há 45 anos apoia a inserção de adolescentes e jovens no mundo do trabalho, promove, no dia 05 de julho (sexta-feira), o lançamento do documentário Tornar-se Negro. Desenvolvido por participantes de um curso gratuito de capacitação profissional com vagas afirmativas para jovens negros de Salvador, o filme terá exibição aberta ao público, com entrada franca, às 11h, na Sala de Cinema Walter da Silveira, gerida pela Diretoria de Audiovisual da Fundação Cultural do Estado da Bahia (FUNCEB), unidade vinculada à Secretaria de Cultura da Bahia (SecultBA).

O documentário Tornar-se Negro foi idealizado como atividade prática para um curso focado na capacitação para trabalho no mercado audiovisual. Vinte e cinco jovens atuaram nas diversas etapas de produção da obra, desde a concepção do roteiro até a montagem e pós-produção. A turma foi a primeira do Espro dedicada a participantes negros na Bahia. Iniciativas com o mesmo propósito afirmativo em diversas áreas já ocorreram em municípios de estados como São Paulo, Pará, Pernambuco e Minas Gerais.

Em Salvador, o curso buscou aliar a capacitação audiovisual com o fortalecimento da consciência da negritude entre os participantes.

“Tem toda uma complexidade que nós experimentamos como situação de vida, porque muitos dos jovens do curso nunca tinham pensado sobre a questão racial”, comenta Marcelo Reis, instrutor da turma e responsável pela direção do documentário.

O documentário traz depoimentos dos próprios jovens e também de convidados, vistos como referências tanto para os jovens que passaram pelo curso quanto pela comunidade negra baiana. Entre eles estão Creuza Oliveira, líder e ativista pela causa trabalhista das trabalhadoras domésticas; Ubiraci Carlúcio (mais conhecido como Professor Bira), geógrafo, palestrante e mestre em educação; e Mamadou Gaye, o Cônsul Honorário da França na Bahia.

Serviço: documentário Tornar-se negro

Data e horário: 05 de julho (sexta-feira), às 11h.

Local: Sala de Cinema Walter da Silveira – R. Gen. Labatut, 27 – Barris, Salvador – BA.

Valor: gratuito. Ingresso a ser retirado no local (vagas limitadas de acordo com a capacidade da sala).

Continue Reading

Audiovisual

Traço Negro: projeto lança Videoteca Virtual com docs de artistas negros

Jamile Menezes

Publicado

on

Traço Negro será lançado em Cachoeira

O projeto Traço Negro tem o objetivo de dar visibilidade à produção de artistes visuais negres das cidades que margeiam as águas douradas do Rio Paraguaçu. Em sua segunda edição, haverá, no próximo dia 14 de julho, lançamento de uma Videoteca Virtual, no canal do projeto do YouTube, com documentários individuais de 17 artistes do Recôncavo da Bahia. O evento de lançamento ocorrerá na Casa Preta Hub, em Cachoeira, a partir das 17h, com participação especial des escultores/as, pintores/as, performers, equipe de criação e técnica, e um pocket show de Mateus Aleluia Filho.

Os documentários serão lançados semanalmente, exibidos na Casa Preta Hub e disponibilizados no perfil do Youtube. A partir do dia 14 de julho, serão exibidos os curtas de Tina Melo, Alentícia Bertosa, Áydano Jr., Billy Oliveira e Mestre Biro – o documentário é uma homenagem póstuma, o artista faleceu em abril de 2023. Traço Negro nasce de uma pesquisa de título homônimo iniciada em 2014 por Tina Melo, no Mestrado Profissional em História da África, Diáspora e dos Povos Indígenas – concluído em 2016 -, na Universidade Federal do Recôncavo da Bahia em Cachoeira. O intuito é refletir sobre a invisibilização de artistas visuais negres em Cachoeira e São Félix, apresentando possibilidades de afirmação dessas histórias de vida e de produção.

“No processo de edição deste filme percebemos que tínhamos em mãos uma grande riqueza documental. Nesta segunda etapa, queremos dar mais vazão e espaço para as narrativas individuais que não puderam ser contempladas no primeiro filme, as diferentes narrativas e estéticas, histórias de vida e arte”, complementa Tina Melo

Já no dia 18 de julho, passam a ser exibidos os docs de Davi Rodrigues, Deisiane Barbosa, Diego Araújo e Flor do Barro. Em seguida, a partir do dia 25 de julho, as vidas e obras e de Fory, Gilberto Filho, Renato Kiguera e Louco. Por fim, os últimos lançamentos são os documentários de Mimo e Ronald, Pirulito, Rita de Cássia e Sininho, a serem exibidos a partir de 03 de agosto.

Serviço

O quê – Traço Negro – EXPANDIDO | Lançamento

Quando – 14 de julho, às 17h

Onde – Casa Preta Hub, em Cachoeira

Mais Informações – Instagram @traco_negro (https://www.instagram.com/traco_negro?igsh=c3dpaGVua3E2ZjQ3)

Continue Reading

Audiovisual

Festival Negritudes chega a Salvador em julho

Jamile Menezes

Publicado

on

O Festival Negritudes, realizado pela Rede Globo, vai chegar pela primeira vez em Salvador no dia 18 de julho. Realizado anualmente em São Paulo desde 2022, o Festival será na Chácara Baluarte, Santo Antônio Além do Carmo.

O projeto, que recentemente aconteceu no Rio de Janeiro pela primeira vez, é uma iniciativa da Globo para celebrar e debater as narrativas negras no audiovisual. A ocasião contará com diálogos, oficinas e apresentações artísticas para conquistar novos públicos.

O evento tem curadoria e roteiro do jornalista baiano Dimas Novais, e terá participação já confirmada de Rita Batista, dentre outras personalidades.

Os ingressos para o evento são gratuitos e as inscrições estarão abertas a partir do dia 8 de julho. A entrada será por ordem de chegada, sujeito a lotação do espaço. Mais informações ainda serão divulgadas.

 

 

Continue Reading
Advertisement
Vídeo Sem Som

EM ALTA