Connect with us

Memória

Marcha reunirá cerca de 3 mil mulheres negras em Salvador

Avatar

Publicado

on

marcha_empoderamento_crespo
marcha das mulheres negra

Foto: Janine Moraes/ Ministério da Cultura/ Flickr/ CC

O dia 25 de julho, quarta-feira, marca o dia internacional da mulher Negra Latino Americana e Caribenha e dia de Tereza de Benguela no Brasil. Neste dia, o movimento de mulheres negras da Bahia realiza a Marcha e o Ato Mulheres Negras Movem a Bahia. A marcha, que sairá da Praça da Piedade às 13 horas, faz parte da programação da 6ª edição do Julho das Pretas.

A ação tem como objetivo denunciar situações de desigualdades vivenciadas pelas negras da Bahia, como o feminicidio, que segundo dados do Atlas da Violência de 2018, em 10 anos, o Brasil reduziu as mortes de mulheres brancas em 8%, mas paralelo a isto, os homicídios contra as mulheres negras aumentou de 15,4%. O evento também homenageia o caminho de luta e resistência vívido por elas.
A Marcha tem a estimativa de reunir cerca de 3 mil mulheres de Salvador e  também  da  Região Metropolitana,  Recôncavo, Oeste e Agreste baiano. Na sequência da marcha, acontece o ato no Largo Terreiro de Jesus, às 17 h, e terá a participação de artistas como: Gal do Beco, Matilde Charles, Coral Mulheres de Alagados, Iane Gonzaga, Maracatu Ventos de Ouro, Nara Couto, Rebeca Tárique, Visionárias, Banda MUNLAC da Estação Zinha, Aline Lobo, Banda A Intêra!, Coletivo Zeferinas, Carla gentil e Alexandra Pessoa.
O marco do dia 25 de julho foi criado a partir do primeiro Encontro de Mulheres Afro-Latino-Americanas e Afro-Caribenhas, em Santo Domingos, na República Dominicana em 1992, e se transformou no dia internacional da luta e da resistência da mulher negra.
O Julho das Pretas foi criado em 2013 pelo Odara – Instituto da Mulher Negra e se transformou em uma ação conjunta com organizações e coletivos do movimento de mulheres negras da Bahia. A ação, que ganhou destaque nacional, realiza agenda que se estende até agosto.
SERVIÇO: 
O quê: Marcha e Ato Político Cultural Mulheres Negras Movem a Bahia.
Quando: Dia 25 de Julho, das 13h às 21h.
Onde: Concentração na Praça da Piedade; Ato às 17h no Terreiro de Jesus.
Valor: Gratuito

Memória

Clarindo Silva receberá Medalha do Mérito Cultural da Câmara

Amanda Moreno

Publicado

on

Clarindo Silva comemora 82 anos com show na Cantina da Lua
Clarindo Silva receberá Medalha do Mérito Cultural da Câmara

Clarindo Silva receberá Medalha do Mérito Cultural da Câmara. Clarindo Silva, renomado jornalista, escritor, poeta, compositor, agitador cultural, ícone da cultura baiana,  receberá no próximo dia 16 de abril, às 19h, a Medalha do Mérito Cultural, uma honraria concedida pela Câmara dos Vereadores de Salvador. O proponente da homenagem é o vereador Edvaldo Brito, que destacou a importância de Clarindo Silva como um dos principais promotores culturais e defensores do Pelourinho e da tradição africana.

Sua contribuição para a cultura soteropolitana é inestimável, e a Medalha do Mérito Cultural é uma forma de reconhecer e celebrar todo o seu legado. Quando perguntado como essa homenagem o faz se sentir, Clarindo Silva deixou claro:

“Modéstia à parte, acho que é um estímulo. Cada vez que eu recebo uma homenagem eu me sinto fortalecido pra continuar essa luta de mais de 50 anos. Porque você imagina segurar a bandeira de um lugar como o Pelourinho, que é altamente sazonal, aonde você vê mil e tantos prédios arruinados, e não arredar o pé. Eu acho que essa iniciativa do vereador Edvaldo Brito, e da própria Câmara dos Vereadores, renova meus ânimos.”

Conhecido também como Mestre Calá, Clarindo Silva possui um extenso currículo de reconhecimentos e honrarias. Além da Medalha do Mérito Cultural, que ele receberá, ele ostenta o título de Doutor Honoris Causa pela Université Libre des Sciences de L’Homme de Paris e a Comenda da Cultura e das Artes pela Universidade das Américas.

Na Bahia, recebeu as mais importantes honrarias, como a Medalha Tomé de Souza, a Comenda Maria Quitéria e a Comenda Zumbi dos Palmares. A entrega da Medalha do Mérito Cultural a Clarindo Silva será um momento de emoção e reconhecimento, não apenas para ele, mas para toda a comunidade cultural de Salvador.

Continue Reading

Formação

Projeto Arte Milenar oferece aulas à comunidade do Cabula

Amanda Moreno

Publicado

on

Projeto Arte Milenar oferece aulas à comunidade do Cabula
Projeto Arte Milenar oferece aulas à comunidade do Cabula

Projeto Arte Milenar oferece aulas à comunidade do Cabula. Em cada encruzilhada soteropolitana, um ebó transdisciplinar de culturas que compõem os corpos memórias de cada cidadão desta cidade. É pensando nesta composição de tradições culturais amalgamadas que, o projeto Arte Milenar – Acessando o Passado para um Futuro brilhante irá ocupar, nos meses de março e abril de 2024, o Centro Estadual de Educação, Inovação e Formação da Bahia Mãe Stella (CEEINFOR), localizado no bairro do Cabula, com oficinas de teatro, dança afro, práticas de Yoga, filosofias culturais e muita história, abertas a estudantes, familiares e comunidade.

Idealizado pelo professor de yoga, de artes cênicas e mediador cultural Indra Carvalho, o Arte Milenar é um estudo transdisciplinar sobre o corpo e corporeidade através de práticas decoloniais, concentrando-se no encruzilhar de três filosofias fundamentais: a indígena, a yorubá e a hindu. Um bailar ritualístico de ritmos, danças e histórias, para o despertar de memórias que compõem nossos corpos. Vale lembrar que, o nome do bairro é inspirado no toque angola Cabila/Kabula, que dá origem ao samba de roda.

O projeto iniciará com atividades de sensibilização voltadas a toda comunidade do Cabula e regiões adjacentes, com aulas abertas e gratuitas nos dias 11, 13 e 15 de março, às 14h, a serem ministradas por Indra Carvalho, Rubens Celestino, Taquari Pataxó, Mona Nascimento e o babalorixá Wilson de Ogum. Os interessados só precisam chegar ao CEEINFOR.

O Arte Milenar é um convite aos estudantes para perceber que nossos corpos possuem memórias e falas expressivas. Corpo ancestralidade. Após as aulas abertas, o projeto será direcionado a 15 estudantes do CEEINFOR, com práticas que ocorrerão de 18 de março a 16 de abril, ministradas pelo professor Indra Carvalho e professores convidados: os coreógrafos e bailarinos Paco Gomes e Tati Campêlo, que desenvolvem pesquisas em Dança afro.

Os componentes a serem lecionados são: Estudo de Epistemicídio e Etnocentrismo; Teatro Ritual; Prática de Yoga; Práticas Corporais para o Teatro Ritual; Estudo do Simbolismo Hindu, do Iorubá; Leitura Dramática com textos de Rito; e Estudo Griot. Ao fim dos encontros educativos, ocorrerá uma mostra didática com um espetáculo teatral protagonizado pelos alunos, com apresentações nos dias 20 e 25 de abril, no CEEINFRO e no Teatro Gregório de Mattos, respectivamente. O projeto emitirá certificado assinado pela Universidade Federal da Bahia e Prefeitura de Salvador.

Continue Reading

Cultura

Hip-Hop será Patrimônio Imaterial da Bahia

Jamile Menezes

Publicado

on

Dj Branco no centro junto à Tata Ricardo à direita e Luciana Mandelli à esquerda seguram protocolo nas mãos.

Foi protocolado nesta quarta-feira (26), no Instituto de Patrimônio Artístico e Cultural do Estado da Bahia – IPAC, órgão ligado a Secretaria de Cultura do Estado da Bahia – SECULT, do Governo do Estado, pela Casa do Hip-Hop Bahia o pedido de abertura do processo de registro especial da Cultura e Movimento Hip-Hop como Patrimônio Imaterial do Estado.

A reunião aconteceu na sede do IPAC com a presença do Dj Branco, secretário executivo e coordenador geral da Casa do Hip-Hop Bahia, de Luciana Mandelli, diretora-geral do Instituto de Patrimônio Artístico e Cultural do Estado da Bahia – IPAC, e de Tatá Ricardo Tavares, presidente da Câmara de Patrimônio Artístico Arqueológico e Natural do Conselho de Cultura do Estado da Bahia. Na pauta, foram dialogadas demandas referentes à política pública no estado e cultura hip-hop.

Luciana Mandelli, ressaltou a importância de reconhecimento e salva guarda da cultura hip-hop. “Quero agradecer primeiro à Casa do Hip-Hop Bahia por tomar essa iniciativa e se somar ao movimento da Construção Nacional do Hip-Hop. Que apresentou ao IPHAN a solicitação do registro especial nacional do reconhecimento como cultura imaterial do Brasil. Aqui na Bahia, o hip-hop tem uma função mais importante ainda porque quando a gente fala sobre formação e identidade cultural, tem a ver com a organização de cultura periférica em todo o estado. Com a história do movimento negro na cidade, então, o hip-hop na Bahia tem essa característica própria, e a gente está muito feliz em poder contribuir com esse processo. O IPAC se coloca à disposição da Casa do Hip-Hop Bahia e outros organismos do movimento hip-hop para que a gente possa fortalecer a salvaguarda de memória da cultura e movimento”, disse.

Tatá Ricardo afirmou que esse é um momento histórico. “ O movimento hip-hop é uma arte afirmativa que ocupa espaço com um grande papel transformador, educador e emancipador da população. Em especial da população periférica, a população negra,  que de fato através de sua arte, da construção da arte-educação, tem libertado e salvado vidas. Tem reconstruído sonhos cantados, dançados, grafitados, a favor da vida em versos e prosas. Então, o hip-hop ter esse reconhecimento estadual não é nada mas justo pela sua contribuição e merecimento, porque o povo da Bahia já reconhece”, afirmou.

“O hip hop é um movimento sócio-político-cultural e econômico, que ajudou e está ajudando a reconstruir esse país. Formado por jovens negros/negras em sua maioria de comunidades periféricas, que utilizam os elementos da cultura hip hop (rap, break, graffiti, Dj) como importantes ferramentas de educação, conscientização, transformação social. Promove a cidadania, elevação da consciência e resgata a autoestima. Dialogamos diretamente com aqueles e aquelas que o poder público não dialoga. Por isso, e entre outras coisas, é importante esse reconhecimento”, afirmou Dj Branco.

Continue Reading
Advertisement
Vídeo Sem Som

EM ALTA