Connect with us

Opinião

Querer ela está muito além da prefeitura! – Por Luciane Reis

Avatar

Publicado

on

eu_quero_ela
eu_quero_ela

Fto Enderson Araújo

 

Falar sobre a política baiana é falar sobre um processo e modelo de gestão que nunca enxergou Salvador para além do aquário, ou seja, seu entorno. Salvador é uma cidade complexa e de serviços, com uma baixa qualificação profissional e um déficit habitacional de pelo menos 106.415 unidades.

Ainda que tenha construído em média 2.458 imóveis populares por ano desde 2013,  isto não a faz  chegar nem perto de sua meta estabelecida em 2008 de zerar o déficit habitacional até 2030.

Não se desenvolve Salvador sem  racializá-la. É preciso que se enxergue uma população que é criativa, pulsante e que mesmo dentro deste processo de estagnação de sua criatividade financeira – feita via impostos da prefeitura – ou violência policial financiada pelo Estado, consegue gerar microempregos e rendas. Racializar Salvador é incluir em seu crescimento econômico uma parcela da população urbana mais vulnerável e que habita áreas insalubres e de risco desde o nascimento desta e que ainda assim  gera  renda em uma cidade que os  persegue e ignora.

O que a urbanização da cidade tem a ver com o pleito eleitoral e suas nuances? Possuir cerca de 600 áreas de risco localizadas em encostas e 80% dos imóveis irregulares, segundo a prefeitura, faz com que as pessoas nesta situação sofram diversas conseqüências que vão para além do que conhecemos. Sem o título de propriedade, a ameaça de despejo é constante.

E sem o documento, os moradores reduzem seu acesso ao crédito, motivação para melhorias das casas e vizinhanças, dentre outros. Sem falar que a grande maioria das localidades empobrecidas não são mapeadas, pouco se sabe sobre a demografia, capacidade de mão de obra, de geração de emprego e renda exatamente pelo uso “irregular”  espacial do território que faz com que o ecossistema de gestão invisibilize a chegada de condições de crescimento para essas localidades.

Então, como se pensar um projeto de cidade em um local onde o direito básico que é o de moradia não é levado a sério? É preciso mobilizar outras ideologias e pessoas para intervir neste cenário para além da eleição. É que se volte a ousar sonhar e acreditar em pessoas que nem sabem do que são capazes, como fez o Instituto Steve Biko, Ilê Aiye, Olodum, Ceao, CEN e tantas outras organizações de promoção de igualdade no passado.

Pensar um projeto de cidade mais igualitário e de impulsionamento econômico criativo é amparar as pessoas com respeito a sua dignidade como os terreiros de candomblé fazem no dia a dia. Debater a humanização de Salvador, entendendo que o diferente é sua maior fonte de construção de crescimento e desenvolvimento se faz central.

Querer “ELA” é pensar como romper com o pensamento racista que acredita que se pode cuidar desta cidade e suas especificidades, da mesma forma que se geri um clube esportivo que ganha visibilidade ao dar notoriedade a quem o sustenta, ou seja, a população de uma cidade de maioria negra.

eu_quero_ela

É entender que Salvador não é  um banco imobiliário que você gesta como brincadeira entre amigos. É romper com a continuidade de uma Câmara de Vereadores cujos membros, em sua maioria, trata essa como sua varanda de casa, ignorando as  especificidades e complexidade populacional. Salvador é uma cidade de carne e osso, feminina e que sofre diariamente o impacto da omissão de seus gestores e demais nomes em espaços de decisão.

Eleger nomes  que  assumam a responsabilidade de estarem “à frente da batalha pelo desenvolvimento sustentável desta é um desafio posto no próximo pleito eleitoral em uma cidade que invisibiliza a participação negra.

Ousar querer Salvador, é perceber seu potencial estagnado em uma rede de pensamentos coloniais, conservadores e subservientes, que não permite que sua rebeldia de crescimento torne essa uma cidade potente em sua capacidade de produzir, em seus mais de 160 bairros, sobre diversas perspectiva e sentidos.  Querer Salvador é ousar pensar um projeto de cidade onde cada bairro é um aglomerado econômico social imprensado na especulação imobiliária, racismo institucional e omissão de gestores  municipais e estaduais e um projeto de segurança  que impulsiona ainda mais a violência ao invés de combatê-la.

É mudar o  paradigma,  de uma cidade que até os dias de hoje pensa seu crescimento de fora ( turismo) pra dentro ( subserviência de quem recebe),  sem  levar em conta necessidades,  condições de existência e características de cenários para quem vive e promove desenvolvimento aqui.  Salvador é uma cidade que precisa ser cuidada de forma humanizada, empática e igualitária. Quem ousa querer esse projeto de cidade?

 

Me_despache

Luciane Reis

Luciane Reis é Publicitária, Mestranda em Políticas Públicas e Desenvolvimento – Ciags -UFBA e idealizadora do Mercafro – Agência de Produção de Conteúdo Econômico e Étnico Racial. Apresenta o programa Me Despache, na TV Kirimurê. 

 

Luciane Reis

Opinião

#Opinião – Pretas e Pretos-velhos: uma reflexão de Umbanda

Avatar

Publicado

on

“Saravá, linha do Congo”. Com essa saudação, a Sagrada Umbanda presta reverência às pretas e pretos-velhos. Nesse 13 de maio, saudamos essas entidades espirituais, caracterizadas por sua imensa humildade e sabedoria. Aquele que escuta os Seus ensinamentos acessa a Evolução, deixando de lado a arrogância e abraçando a caridade.

Em sua obra As Sete Linhas de Umbanda: a religião dos mistérios, o sacerdote Rubens Saraceni (1951-2015) descreve os pretos-velhos como entidades atuantes no Setenário Sagrado, Essência Divina que chega até nós através das Sete Essências Sagradas: Cristalina, Mineral, Vegetal, Ígnea, Eólica, Telúrica e Aquática. Em termos simples, o Setenário se manifesta na terra, na água, no fogo, no ar, nos minerais, nos vegetais e nos cristais. Nada caminha para fora do Setenário Sagrado, porquanto Nele está a Manifestação de Deus que irradia para todo ser vivente.

Ainda conforme o autor, encontramos correlações entre o Setenário Sagrado e os Sete Sentidos da vida: Fé (Essência Cristalina), Amor (Essência Mineral), Conhecimento (Essência Vegetal), Justiça (Essência Ígnea), Lei (Essência Aérea), Razão (Essência Telúrica) e Geração (Essência Aquática). Contemplamos, assim, a vasta sabedoria desse Grau Manifestador do Mistério Divino, denominado preto-velho, haja vista Saraceni descrevê-los como entidades presentes nas Sete Linhas de Umbanda, colaborando para a Evolução Maior.

No entanto, nem sempre pretas e pretos-velhos são pretos ou velhos. Aprendemos com Saraceni que por terem atingido um elevado grau evolutivo, esses espíritos se manifestam em aparência como pretos que foram escravizados, para nos trazer o exemplo da humildade. Paz, tranquilidade, esperança, paciência e perseverança são ensinados por esses Sábios Espíritos, levando cada pessoa a refletir sobre a sua Casa Interna.

Os pretos-velhos estão entre nós para ensinar a fé e a coragem ante as experiências desafiadoras que vivemos. Independente de crença, os Seus conselhos são lições de vida que nos convidam à Sabedoria ante momentos cruciais. “Êpa preto, sinhá”.

 

Armando Januário dos Santos é Trabalhador da Luz, Mestre em Psicologia, Psicólogo (CRP-03/20912) e Palestrante. Contato: (71) 98108-4943 (WhatsApp).
Continue Reading

Opinião

#Opinião – E o teu feminismo, comunidade? É negro mesmo? – por Aline Lisboa

Avatar

Publicado

on

Práticas de feminismos coloniais são estratégias de divisão para a nossa comunidade. A primeira onda do movimento feminista surge na Inglaterra no final do século XIX, buscando direitos que eram negados às mulheres e concedidos continuamente como forma de privilégio a homens.

O movimento se popularizou com a primeira luta que foi o direito ao voto. As sufragetes, como ficaram conhecidas, encheram as ruas de Londres, foram presas várias vezes, fizeram greve de fome e por fim após a morte de Emily Davison, que se atirou na frente do cavalo do rei, na corrida Derby, esse direito foi conquistado.

O feminismo chega ao Brasil e as sufragetes brasileiras dão início ao movimento em 1910. Assim, em 1932 é promulgado um novo código eleitoral brasileiro, por meio do qual se conquista o direito ao voto das mulheres brasileiras, entretanto mantém-se vetado o direito ao voto de mendigos e ANALFABETOS.

Considerando a primeira Lei da Educação, promulgada em 1837, que proibia negros e negras, ainda que livres, de frequentarem a escola, pode-se dizer que a conquista em 1932 não abarcavm a população de mulheres negras, assim como a de homens negros daquela época, que tinham os seus privilégios na organização social do convívio estrutural, mas com intersecções das relações que também são de raça.

Com a continuidade do movimento, vê-se que há muitas outras lutas com perspectivas que não abarcam as relações de raça e gênero. Urgiu-se, então, a necessidade de tratar dos direitos das mulheres negras, compreendendo as relações de domínio e poder, dentro e fora da comunidade de pessoas negras, pensando assim, as  perspectivas de um feminismo negro.

O feminismo, quando negro, dialoga com as espistemes decoloniais, já que a luta de mulheres brancas não conversa com os esmagamentos sofridos por mulheres negras, assim, como o privilégio de homens brancos são em números, de forma transparente, maiores que o de homens negros.

Tendo assim, nas camadas sociais, homens brancos, mulheres brancas, homens negros e mulheres negras, que trazem consigo lugares de fala, lutas e quando privilégios, diferentes.

Considerando os contextos acima, é importante pensar como o racismo pode atravessar a luta feminista negra, transfigurando-a em um contexto colonial, sendo um enorme fator de divisão na nossa comunidade.

Nós, mulheres negras, irmandade a qual sou pertencente, enfrentamos inúmeros esmagamentos silenciados na luta feminista colonial. Em números alarmantes, os baixos salários, a maternidade solo, o adoecimento físico e mental, a violência obstétrica, a violência sexual, o encarceramento, a marginalização, humilhação e silenciamento são absurdos.

É impossível escrever aqui sobre a necessidade de diálogos do nosso povo, sem dizer que o racismo e o sexismo, atuando juntos, são potentemente destrutivos às vidas de mulheres negras.

Contudo, considera-se importante pensar o atravessamento do racismo ao feminismo colonial, quando as lutas e colocações são atravessadas pelas imagens que controlam a figura de homens negros. A sociedade constrói estereótipos que vem matando aos pouquinhos homens negros todos os dias.

Já escrevi em outro artigo que como educadora, ao conviver com meninos negros, diariamente, os vejo sobrevivendo a um massacre com sorrisos desesperadores no rosto. Se a luta não considera os impactos do racismo ela não é negra, e para mim, nem é luta.

Se o movimento é sobre odiar, perseguir, expor, marginalizar e matar aos poucos os homens negros, esse movimento tem outro nome, é o racismo. A branquitude é firme em averiguar profundamente, perdoar e esquecer com facilidade falhas por vezes absurdas de homens brancos, enquanto relembra, ataca e marca em corpos de homens negros, falhas que por vezes não são nem verdadeiras, pois como já dizia o Ilê Ayiê, “Preto sempre é vilão, até meu bem, provar que não”.

A colonização é estratégica em dividir comunidades que juntas, dialogando, são poderosas no combate. Não podemos deixar que uma luta que nunca dialogou com o lugar das mulheres negras nos sirva para auxiliar a destruição do nosso semelhante.

Que o nosso feminismo seja negro. Defendendo o lugar de fala de mulheres negras, aniquilando qualquer perspectiva construída pelo racismo para qualquer um dos nossos semelhantes dentro da comunidade. O futuro, não está na colônia, o futuro é Sankofa!

Continue Reading

Opinião

#Opinião – O amor aos animais: uma reflexão espiritual – Por Armando Januário

Avatar

Publicado

on

“O homem fez da Terra um inferno para os animais”. A frase do filósofo alemão Arthur Schoppenhauer (1788-1860) descreve como a humanidade tem se comportado de maneira predatória frente a outras espécies.

A morte de Joca, na última segunda, 22 de abril de 2024 é mais um capítulo sobre as violações dos direitos animais. O Golden Retriever de 5 anos foi embarcado por uma empresa aérea em São Paulo, com destino a Sinop (MT). Contudo, a etiqueta da companhia aérea indicava que o animal tinha Manaus (AM) como ponto de chegada. O nome e o peso também eram diferentes. Esses erros levaram o cão a ficar 8 horas sem a devida hidratação. Joca não resistiu e morreu.

Esse evento trágico é mais um chamado à sociedade para a compreensão dos animais como vidas e não bagagem. Agora, Joca se encontra no Plano Maior, tendo os devidos cuidados, para se reabilitar e renascer, oferecendo a cada pessoa que estiver em sua nova jornada, a oportunidade de amar. Sem dúvida, o amor aos animais está de acordo às Leis Universais e revela o caráter da criatura humana.

Se realmente amamos os animais, carinho, alimento e água a eles são o mínimo que podemos oferecer. Na verdade, em observância à Espiritualidade Maior, compreendemos que qualquer animal deve ser respeitado desde antes do seu nascimento, por ser, semelhante a nós, uma energia em processo de evolução.

Portanto, é responsabilidade humana o trato com os animais, inclusive com aqueles que ainda são utilizados para alimento: abates dolorosos refletem a imensa ignorância e crueldade que resultam em doenças para o nosso corpo espiritual e físico. As leis humanas estão sendo convocadas a entrar em sintonia com as Leis Espirituais, do contrário, novas pandemias serão a consequência dos excessos causados pela humanidade face aos nossos queridos irmãos, que, em sua evolução, confiam em nós.

Até breve, Joca. Você é mais um Ser de Luz que demonstra a nossa necessidade de evolução espiritual.

 

Armando Januário dos Santos é Trabalhador da Luz, Mestre em Psicologia, Psicólogo (CRP-03/20912) e Palestrante. Contato: (71) 98108-4943 (WhatsApp).
Continue Reading
Advertisement
Vídeo Sem Som

EM ALTA