Connect with us

Artes

Bando de Teatro Olodum apresenta X Festival de Arte Negra A Cena Tá Preta no Vila!

Jamile Menezes

Publicado

on

A CENA TÁ PRETA
A CENA TÁ PRETA

NAS ENCRUZA – Ft Heraldo de Deus

 

O Bando de Teatro Olodum apresenta mais uma vez o talento dos seus integrantes, que se movimentam pelas diversas linguagens das artes cênicas. Os artistas do Bando, além de encenarem personagens típicos das ruas da Bahia nos espetáculos da companhia, brilham também como autores, produtores, encenadores e interpretando outras histórias, seja no teatro, no cinema ou na televisão. Uma mostra dessa diversidade de habilidades será apresentada no X Festival de Arte Negra A Cena Tá Preta, que acontece entre os dias 20 e 29 de setembro, no Teatro Vila Velha, com apresentações de teatro, sarau poético, exibição de filme e música.

A edição especial de dez anos será inteiramente dedicada às produções dos integrantes da companhia, que em 2020 completará 30 anos de criação, desenvolvendo uma linguagem própria, compartilhada por meio de espetáculos, oficinas, turnês e participações em diversas produções culturais. Com ingressos a preços populares (R$20,00 e R$10,00 – meia), o festival será uma oportunidade para o público conhecer o talento dos atores e atrizes em outros desafios artísticos.

A CENA TÁ PRETA

Ridson Reis e Roquildes Junior em Esqueça (foto: Fabrício Rocha

 

A abertura do Festival, dia 20 de setembro, sexta-feira, a partir das 18h, será com a intervenção artística Vila nas Encruza, que contará com grafites ao vivo do artista Samuca Santos, poesias com o escritor Nelson Maca e uma Feira Preta com afroempreendedores: Atelier de Nana França; jóias da Baraunartes de Luciana Baraúna; e a Dandakayá, que dará um workshop de maquiagem para pele negra. Às 20h, será apresentado o espetáculo solo Nas Encruza, com texto e atuação de Leno Sacramento e direção Roquildes Júnior.

“O Festival a Cena Tá Preta se consolidou como um importante espaço de valorização das artes negras do Brasil. Todos os anos, reunimos uma programação incrível com artistas e grupos que se dedicam à performance negra. Este ano, resolvemos mostrar o que nós, atores e atrizes do Bando, temos feito em outras produções, com outros artistas, levando a arte que foi desenvolvida na nossa trajetória no Bando para outros diálogos artísticos”, explica a atriz e produtora do Bando de Teatro Olodum, Valdinéia Soriano.

 

Sarauzinho da Calu – Foto Divulgação

O encerramento do Festival será no dia 29 de setembro, domingo, 19h, com o recital Vozes Negras, dirigido pelo ator, diretor, produtor cultural e afrochef Jorge Washington, que convidou atores e músicos para um recital que valoriza a rica produção literária de escritoras e escritores negros, para falar de afetos, resistência e afirmação. Características marcantes em todas as produções que estarão em cartaz neste décimo Festival A Cena Tá Preta.

 

X FESTIVAL DE ARTE NEGRA A CENA TÁ PRETA

De 20 a 29 de setembro de 2017
Teatro Vila Velha (Passeio Público, Campo Grande – Salvador / 71.3083-4600)

PROGRAMAÇÃO

NAS ENCRUZAS dia 20 20h – R$20,00 / R$10,00
Nas encruza, é inspirado no espetáculo En(cruz)ilhada, que aborda problemas recorrentes na sociedade. Com o Nas Encruza, seguimos apontando mais problemas que atingem diretamente o povo preto. Dessa vez, o julgamento precoce e suas causas, genocídio e solidão de gêneros, morte declarada aos candomblecistas. Texto e atuação de Leno Sacramento (Bando de Teatro Olodum) e direção Roquildes Júnior.

SARAUZINHO DA CALU – dias 21 e 28 – 16h – R$20,00 / R$10,00
O Sarauzinho utiliza a ferramenta da poesia, música e literatura infantil para falar de representatividade, tradição, memória e identidade. Abordar a narrativa de uma menina negra, que a partir das suas histórias contadas no bloquinho cria um universo alternativo carregado de símbolos da cultura afro-brasileira. Inspirado no livro infantil Calu: uma menina cheia de histórias, escrito por Cássia Valle (Bando de Teatro Olodum) e Luciana Palmeira

ESQUEÇA dia 21 – 20h – R$20,00 / R$10,00
Bebendo na fonte do texto “A Descoberta das Américas”, de Dario Fo, o espetáculo ESQUEÇA aborda de maneira crítica e lúdica o evento do descobrimento do Brasil e o colonialismo. Os dois atores se dividem em diversos personagens, refletindo e recontando a chegada dos portugueses em solo brasileiro sob outro ponto de vista. A montagem é encenada pelos atores Ridson Reis (Bando de Teatro Olodum) e Roquildes Junior (A Outra Companhia), dirigida por Luiz Antônio Sena Junior (também d’A Outra Companhia), e tem dramaturgia assinada pelos dois atores e pelo pernambucano Giordano Castro (Grupo Magiluth).

LOS PERIFAS dia 22 – 19h – R$20,00 / R$10,00
O grupo, formado pelos três multartistas Gabriel Carneiro, Ridson Reis (Bando de Teatro Olodum) e Roquides Junior, tem seu repertório constituído pela releitura de canções de artistas como Carlinhos Brown, Martinho da Vila, Lenine, Tribalistas, dentre outros, surgiu do encontro dos artistas interessados em pesquisar e propor uma música que bebesse na fonte de ritmos latinos.

Ilha dia 26 – 19h – R$10,00 / R$5,00
Emerson, um jovem da periferia, quer fazer um filme sobre a sua história na Ilha, lugar onde quem nasce nunca consegue sair. Pra isso, ele sequestra Henrique, um premiado cineasta. Juntos, eles reencenam a própria vida, com algumas licenças poéticas. O plano começa e a partir de então não há mais limites, afinal, cinema também é jogo. No elenco do longa, cinco integrantes do Bando de Teatro Olodum: Valdinéia Soriano, Sergio Laurentino, Arlete Dias, Renan Motta e Ridson Reis. A direção é de Ary Rosa e Glenda Nicácio, os mesmos diretores do premiado Café com Canela.

V DE VIADO dia 27 – 20h – R$20,00 / R$10,00
Com atuação de Vagner Jesus e texto e direção Leno Sacramento, ambos do Bando de Teatro Olodum, V de Viado é um ritual sensível, com direito a close, glitter, riso e grito, pela recuperação das humanidades usurpadas pelas políticas de eliminação. Cada ofensa e cada julgamento atribuídos por sermos quem somos, pretos e viados, bixas pretas, se dissolvem nas afetividades, no autocuidado e no amor

SE DEUS FOSSE PRETO dia 28 – 20h – R$20,00 / R$10,00
Como seria se o deus cristão, ocidental, cultuado pela maior parte das religiões, desaparecesse? No lugar dele, um deus negro, com outros valores, outra doutrina e outro templo. O espetáculo “Se Deus Fosse Preto – O Legado de LOID” percorre inúmeras reflexões sobre a vida, a fé, a humanidade e culmina nessa situação hipotética. Com texto e atuação de Sergio Laurentino, que estreou o seu primeiro monólogo após trabalhos coletivos com o Bando desde 2001, a peça marcou também a estreia do ator e músico Jean Pedro como diretor

SARAU VOZES NEGRAS – dia 29 – 19h – R$20,00 / R$10,00
Utilizar a poesia e a rica produção literária de escritoras e escritores, para falar de amor, resistência e afirmação, é a proposta do recital “Vozes Negras”, concepção e direção de Jorge Washington, que convidou os talentosos Fábio Santana e Shirley Silva (ambos do Bando de Teatro Olodum), além de Luciana Souza, Denise Correia, e o violonista Mauricio Lourenço e ainda as participações especiais de Dão e Michaela Harrison. O recital valoriza o poder da mulher e as escritas femininas, na voz e na performance dos artistas.

Artes

Kalunga: performance leva drag queens pretas à Casa do Benin

Jamile Menezes

Publicado

on

kalunga

Protagonizado pela Afro Drag Diaspórika Barbárie Bundi, “Kalunga” é um convite a um rito performativo para abrir os caminhos através de um percurso pelas instalações da Casa do Benin. Gratuita, a apresentação acontece nesta sexta-feira (17), 19h, e contará no elenco com as drags baianas Malayka SN, Mamba, Ah Teodoro e Dandara.

Na performance, Barbárie Bundi conduz o público a uma imersão em busca da ancestralidade das bixas pretas, falando sobre as kiandas, ninfas aquáticas do Atlântico, e fazendo paralelo entre seu último trabalho musical lançado, o álbum “Aquátika”. A apresentação Kalunga marca também a abertura do projeto “Kiandas Ocupam o Centro”, que celebra o trabalho artístico de drag queens negras, pardas e indígenas de Salvador  e realiza diversas ações gratuitas entre apresentações, atividades formativas e de afroempreendedorismo de maio até o segundo semestre de 2024.

O projeto “Kiandas Ocupam o Centro” foi contemplado pelo edital Territórios Criativos, com recursos financeiros da Fundação Gregório de Mattos, Secretaria Municipal de Cultura e Turismo, Prefeitura de Salvador e da Lei Paulo Gustavo, Ministério da Cultura, Governo Federal.

Serviço:
“Kalunga” – um rito para abrir os caminhos
Com: Barbárie Bundi, Malayka SN, Mamba, Ah Teodoro e Dandara
Local: Casa do Benin
Data: 17 de maio (sexta-feira)
Horário: 19h
Entrada Gratuita

Continue Reading

Artes

Festival Movimenta Cajazeiras movimenta a dança na região

Jamile Menezes

Publicado

on

Festival Movimenta Cajazeiras trará uma terceira ação, a roda de conversa “Futuros Criativos”,  dia 26 de maio, a partir das 10h.

O Festival Movimenta Cajazeiras realiza no dia 25 de maio a “Mostra Movimenta”, com 13 coreografias do bairro de Cajazeiras e região – solos, duos, grupos e Cia(s) -, escolhido através de uma convocatória. O evento ocorre a partir das 19h, com entrada gratuita, sujeita à lotação.

A Mostra Movimenta ocorrerá no Centro Cultural Boca de Brasa de Cajazeiras e o público poderá assistir a coreografias de diversos ritmos e estilo de dança – pagode, Jazz, hip hop, Valsa, contemporânea, ballet, etc..

A programação é formada pelas seguintes coreografias: “Ori”, da Ensaio Cia de Dança; “Maré mansa”, do Balé Jovem de Cajazeiras; “Colab das Yabás”, do Balé da Comunidade; “Expressar o corpo através da Dança”, do Grupo de Valsa Amor Eterno; “Samba das Meninas”, do Corpo de Baille; “Comunidança”, do Balé Clovis Soares; “Dança do Ventre”, da Luciana Bellydence; “Não reaja”, solo da dançarina Maira Rodrigues; “Kota Diami”, da solo da artista Geórgia Santos; “Solitude”, do grupo Lótus Dancing; “A rua existe e resiste”, espetáculo do bailarino circense Ivo Gabriel; “Esquentando tudo”, Duo do coletivo “Casal Ritmo Quente”; e o espetáculo “Não temo mais o escuro”, da Cia Renato Torres.

“Tem sido lindo ver o envolvimento de tanta gente, criando e construindo seus corres para está no nosso Festival. Por isso, criamos um processo de seleção cuidadoso, que primou pela formação e afetividade, que é a maneira que acreditamos que as políticas de acesso precisam ser”, reforça a diretora de produção do Festival Movimenta Cajazeiras, Tyara Gomes.

O Festival Movimenta Cajazeiras trará uma terceira ação, a roda de conversa “Futuros Criativos”,  dia 26 de maio, a partir das 10h, no Centro Cultural Boca de Brasa, com o propósito de se formar o Fórum de Dança de Cajazeiras, para a construção de políticas de acesso, permanência e fomento de produções artísticas do bairro-cidade. O bate-papo é aberto ao público.

O projeto Movimenta Cajazeiras foi contemplado pelo edital Territórios Criativos, com recursos financeiros da Fundação Gregório de Mattos, Secretaria Municipal de Cultura e Turismo, Prefeitura de Salvador e da Lei Paulo Gustavo, Ministério da Cultura, Governo Federal.

 

Serviço

O quê: Festival Movimenta Cajazeiras

Quando: 25 de maio, às 19h

Onde: Centro Cultural Boca de Brasa de Cajazeiras

Entrada: Gratuita

 

O quê: Fórum “Futuros Criativos”,

Quando: 26 de maio, às 10h

Onde: Centro Cultural Boca de Brasa de Cajazeiras

Entrada: Gratuita

Continue Reading

Artes

Arte drag queen negra de Salvador é tema de projeto artístico

Jamile Menezes

Publicado

on

arte drag queen negra

Para celebrar a arte drag queen negra, pardas e indígenas de Salvador, vai rolar o projeto “Kiandas Ocupam o Centro”, encabeçado pela Afro Drag Barbárie Bundi. Ele reúne diversas ações gratuitas entre apresentações, atividades formativas e de afroempreendedorismo que começam em maio e seguem até o segundo semestre de 2024. Entre as atividades mais aguardadas está a quarta edição da Escola de Drags, projeto que se consolida na cena da arte drag baiana como uma iniciativa potente de formação e capacitação de artistas drags queens. É realizado pela DAN Território de Criação.

“É um projeto sobre encontro, procurei trazer para perto artistas pretes da cena drag de Salvador. E, para além de celebrarmos nossa existência, pensarmos em nossos caminhos enquanto afro drags. A cada atividade convocarei minhas irmãs para trocarmos e celebrarmos juntes”, destaca Barbárie Bundi, afro drag idealizadora do projeto.

A performance “Kalunga” lança o projeto no dia 17 de maio, às 18h. Em um passeio performático pela Casa do Benin, Barbárie Bundi conduz o público a uma viagem em busca da ancestralidade bixas pretas, falando sobre as kiandas, ninfas aquáticas de África, e fazendo um paralelo entre os seu último trabalho musical lançado, o álbum “Aquátika” e o “Kitanda”, show e seu novo EP que encerra esse projeto no segundo semestre.

Nessa performance, as drags baianas Malayka SN, Mamba, Ah Teodoro e Dandara são convidadas da noite, que vai celebrar a arte drag queen negra da cidade.

A iniciativa traz ainda “Musoni”, uma Noite Preta de performance drag estrelada pelas artistas Dandara e Barbárie Bundi, recebendo outras artistas convidadas, e reunindo, além do show, uma mostra afroempreendedora e a premiação Rainha Afrodrag. Acontece no dia 31 de maio, às 19h, na Casa Sankofa, no bairro do Dois de Julho.

Escola

Esta será a quarta edição da Escola de Drags, projeto autoral produzido pela DAN Território de Criação, que já mobilizou mais de 100 artistas baianas, entre estudantes e professoras, em atividades formativas teóricas e práticas sobre as ferramentas de construção de uma drag queen.

Em 2024, a Escola integra o projeto “Kiandas Ocupam o Centro” e ganha um recorte especial, sendo destinada a drag queens pretas na sua versão “Kiandas nadam em cardume”. Serão quatro encontros híbridos de mentorias teóricas e práticas focadas na qualificação das participantes. As inscrições são gratuitas e vão de 6 a 19 de maio.

Os encontros formativos acontecem, presencialmente, nos dias 21 e 23 de maio, no Boca de Brasa Centro, e remotamente, nos dias 28 e 19 de maio. Podem participar, prioritariamente, pessoas pretas, pardas e indígenas, que já tenham algum projeto a ser desenvolvido  em arte drag queen.

Ainda como ações do projeto, no segundo semestre, acontece uma temporada do show “Kitanda”, performance musical da afro drag Barbárie Bundi em que canta ao vivo um repertório de sambas e de canções de seus últimos trabalhos lançados. E ainda, o lançamento de um livro de sua autoria, que traz uma narrativa sobre o centro de Salvador e a arte drag queen negra, em um mapeamento poético da realização dessa arte no contexto urbano central da cidade.

Continue Reading
Advertisement
Vídeo Sem Som

EM ALTA