Connect with us

Literatura

Oficina Enegrescência de Escrita Criativa está com inscrições abertas até 1º de fevereiro!

Jamile Menezes

Publicado

on

Estão abertas até as inscrições para a Oficina Enegrescência de Escrita Criativa (poemas e contos)até 1º de fevereiro de 2021. Podem participar residentes na Bahia, que ainda não tiveram publicações em livros (individuais ou em coletâneas) ou revistas literárias, em modo impresso ou digital.

O curso consiste em oferecer oficinas de criação literária (poemas e contos), introduzindo discussões analíticas de textos do campo da Teoria da Literatura e da Crítica Literária, assim como de leituras interpretativas de textos literários de autoras e autores relevantes da Literatura Negra brasileira, estabelecendo uma relação dialógica com a escrita das/os cursistas. No decorrer do curso, as/os cursistas produzirão, sob acompanhamento do/as formador/as, poemas e contos, os quais serão avaliados pelo/as escritor/as formador/as durante as oficinas, em modo síncrono e assíncrono.

AULAS

Serão realizadas as oficinas em modo síncrono, semanalmente ou quinzenalmente, preferencialmente aos sábados à tarde, com duração de 03 (três) horas cada, na plataforma Zoom Meeting. Em modo assíncrono, as/os cursistas encaminharão para os e-mails do/as formador/as os textos literários para serem avaliados e, posteriormente, enviadas as possíveis sugestões de leitura e mudanças aos textos.

Serão excluídas da Oficina as pessoas que faltarem a dois encontros sem envio de justificativas de ausência, sendo as vagas destinadas aos/às próximos/as da lista de inscritos/as. Receberão certificado de participação aquelas/es que frequentarem 75% dos encontros e cumprirem 75% das atividades assíncronas.

VAGAS

Serão ofertadas 30 (trinta) vagas, com 50% (cinquenta por cento) delas reservadas a pessoas autodeclaradas negras (pretas ou pardas), além de 08 (oito) vagas supranumerárias, sendo 02 (duas) reservadas a pessoas trans, travestis e não-binárias, 02 (duas) a indígenas, 02 (duas) a quilombolas e 02 (duas) a pessoas com deficiência. O critério de seleção será a ordem de inscrição.

OFICINEIRO/AS:

DAVID ALVES: é poeta e professor de língua portuguesa. Coordenador do Enegrescência, foi um dos organizadores e poetas da antologia Enegrescência – coletânea poética, publicada pela Editora Ogum’s Toques em 2016. Além disso, tem poemas nos Cadernos Negros Volumes 41 e 43 (no prelo), publicados pelo Quilombhoje Literatura (2018 e 2021), na coletânea Poéticas Periféricas: novas vozes da poesia soteropolitana, publicada pela Editora Galinha Pulando (2018) e no e-book Manifesto Balbúrdia Poética: 80 tiros, produzido pela plataforma Mirada e CJA Edições em 2019. É Graduado em Letras Vernáculas (UFBA), Especialista em Estudos Étnicos e Raciais (IFBA) e Mestrando em Estudos Étnicos e Africanos (UFBA).

GONESA GONÇALVES: licenciada em Letras pela Universidade Federal da Bahia, estudante de Arquivologia, bolsista de Projetos Especiais e Pesquisadora no Grupo de Pesquisa Rasuras, na mesma instituição. Residente da Bienal de Buenos Aires, na Argentina (2019). Coordenadora do projeto literário Enegrescência, foi uma das organizadoras e poetas da antologia Enegrescência – coletânea poética. Possui publicações na Revista Organismo 5, O diferencial da Favela volumes 1 e 2, autora do livro Cata-ventos (2020).

LIDIANE FERREIRA: é escritora e professora de língua portuguesa. Coordenadora do Enegrescência, em 2016, foi uma das organizadoras e poetas da antologia Enegrescência – coletânea poética, publicada pela Editora Ogum’s Toques. Além disso, tem publicações nos Cadernos Negros Volumes 40 (conto), 41 (poemas), 42 (conto) e 43 (poemas, no prelo), organizados pelo Quilombhoje Literatura (2017, 2018, 2019 e 2021), tem poemas na antologia Um girassol nos teus cabelos – poemas para Marielle Franco, lançado pela Quintal Edições (2018), e na revista Organismo nº 5 (2019), além de um conto na Revista Laudelinas, organizada pela plataforma Mirada e NADA Studio Criativo (2020). Há um livro de poemas no prelo para publicação neste ano. É graduada em Letras Vernáculas (UFBA), Especialista em Educação em Gênero e Direitos Humanos (UFBA) e Mestranda em Estudos de Linguagens (UNEB).

SOBRE O ENEGRESCÊNCIA:

O Enegrescência é um coletivo interessado em enunciar as culturas negras através da educação, da literatura e das artes em geral, através de uma proposta quilombista, entendendo-as como pilares principais para a construção de uma sociedade menos desigual e menos hierarquizada, principalmente no que tange aos seus princípios e valores. Formado em 2014, o coletivo é composto pelas/os poetas Gonesa Gonçalves, Lidiane Ferreira e David Alves, que se conheceram no curso de Letras Vernáculas da Universidade Federal da Bahia.

O Sarau Enegrescência, que ocorre desde o ano de 2014, no Centro Cultural Casa de Angola na Bahia e no Centro de Estudos Afro-Orientais da UFBA, é uma das principais atividades do coletivo, no qual visamos difundir obras de autores/as negro-brasileiros/as e africanos/as. Através dos saraus, pretendemos pôr em evidência a estética literária negra e afrodiaspórica, além de discutir questões referentes à identidade etnicorracial, africanidades e afrobrasilidades, mas também quaisquer assuntos relacionados a outros grupos socialmente marginalizados, como indígenas, mulheres e LGBTQIA+, sempre realizando um diálogo interseccional, sendo a literatura o elemento norteador destas discussões. Além da literatura e dos convidados que podem dialogar com tais questões, quando possível, temos apresentações musicais de bandas ou cantores de música afrodiaspórica, como o rap, o reggae, o samba, o soul, o jazz, tornando o ambiente, ao mesmo tempo, lúdico e reflexivo.

O projeto tem apoio financeiro do Estado da Bahia através da Secretaria de Cultura e da Fundação Cultural do Estado da Bahia (Programa Aldir Blanc Bahia) via Lei Aldir Blanc, direcionada pela Secretaria Especial da Cultura do Ministério do Turismo, Governo Federal.


SERVIÇO


Oficina Enegrescência de Escrita Criativa

Inscrições: até 01/02/2021
Resultado das inscrições: 06/02/2021
Aulas da Oficina: 13 de fevereiro a 10 de abril de 2021

Idade mínima para participação: 14 anos (com autorização do/a responsável)
Atividades síncronas (discussão teórica e de textos literários): 18 horas
Atividades assíncronas (escrita e discussão de textos literários): 30 horas
Carga horária total da Oficina: 48 horas

+Informações: enegrescencia@gmail.com

Literatura

Editora Malê marca presença na nova edição da Bienal do Livro da Bahia

Amanda Moreno

Publicado

on

Editora Malê marca presença na nova edição da Bienal do Livro da Bahia
Editora Malê marca presença na nova edição da Bienal do Livro da Bahia

Editora Malê marca presença na nova edição da Bienal do Livro da Bahia. Prestes a completar uma década de atuação no mercado de livros brasileiro, a Editora Malê aposta na intimidade e intercâmbio históricos entre a Bahia e o Rio de Janeiro, o que se traduz no próprio nome da editora, inspirado no mais emblemático levante de escravizados ocorrido no Brasil, a Revolta dos Malês. O episódio apavorou a elite baiana da época e espalhou o temor pelo país, à sombra da insurreição ocorrida anos antes no Haiti. O Estado com a maior população negra do país está desde sempre no DNA da editora, uma das principais do Brasil com foco em narrativas negras.

A partir dessa proximidade cultural, a Malê vem acompanhando de perto a cena literária da Bahia, reforçando a presença das autorias baianas em seu catálogo. E é na cidade marcada pela revolta que inspirou seu nome que a editora retorna com a chegada da nova edição da Bienal do Livro da Bahia. No evento, que ocorre entre  26 de abril a 01 de maio de 2024, no Centro de Convenções de Salvador, a Malê terá um estande com 40m2, bem próximo à entrada do Centro de Convenções, ao lado do estande do Governo da Bahia, com uma oferta diversificada de encontros com autores e autoras

Desta vez, a Malê selecionou 110 títulos de seu catálogo, e terá autores marcando presença em três diferentes espaços: dentro da programação oficial da Bienal, no estande da Estante Virtual, além das sessões de autógrafos realizadas em seu espaço próprio.

Diversidade também nos eventos: autores da Malê estarão presentes na programação oficial, no estande da editora e na Estante Virtual 

Entre os autores presentes nas três programações, estão Aldri Anunciação e Marcos Cajé, ambos no dia 26 de abril, data de abertura da Bienal. O primeiro, agraciado com o Prêmio Jabuti, é ator, escritor, dramaturgo, roteirista, cineasta e apresentador de TV, e no ano passado lançou pela Malê o livro Pretamorphosis: a biografia não autorizada de um ex-branco.

Aldri participará de um debate no Café Literário, às 18h. Na sequência, dará autógrafos no estande da Estante Virtual, às 19h. Mestre em História da África, da Diáspora e dos Povos Indígenas pela Universidade Federal do Recôncavo da Bahia  e autor do livro juvenil Akin: o rei de Igbo, Marcos Cajé falará sobre histórias afrofantásticas no Espaço Infantil da Bienal, às 11h. No dia 30/04, no mesmo horário, o escritor volta ao evento para uma sessão de autógrafos na Estante Virtual.

Com assídua presença feminina em seu catálogo, a Malê leva para o estande da Estante Virtual seis autoras baianas de destaque: a poeta Jovina Souza; a multiartista e integrante do Cortejo Afro, Claudya Costa; a atriz Cássia Vale e a escritora Luciana Palmeira, que juntas lançaram o infantil Calu e Aziza; a deputada estadual Olívia Santana, reconhecida militante dos movimentos negros pela luta antirracista, autora de Mulher preta na política; e Nádia Cardoso, importante ativista pela igualdade racial e de gênero em Salvador, autora de Ancestralidade Griot. Para completar o time, o poeta baiano Wesley Correia, que publicou a coletânea de poemas Laboratório de incertezas, adotado no vestibular da Universidade Estadual da Bahia.

Confira a programação:

EDITORA MALÊ – PROGRAMAÇÃO BIENAL DO LIVRO DA BAHIA 2024

Continue Reading

Literatura

Carol Barreto lança livro ‘Modativismo’ no Espaço Cultural Barroquinha

Amanda Moreno

Publicado

on

Carol Barreto lança livro ‘Modativismo’ no Espaço Cultural Barroquinha
Foto: Ana Reis

Carol Barreto lança livro ‘Modativismo’ no Espaço Cultural Barroquinha. Nesta quarta-feira, 10 de abril, acaba a espera de quem estava contando os dias para o lançamento presencial do livro Modativismo: quando a moda encontra a luta, da designer, professora e pesquisadora baiana Carol Barreto. O evento terá como cenário o Espaço Cultural da Barroquinha, onde a autora recebe a curadora Ana Paula Xongani para um bate-papo, com mediação de Adriele Regine, co-fundadora do projeto Lendo Mulheres Negras.

O encontro está marcado para as 18h30, com entrada franca. As pessoas interessadas em adquirir seu exemplar podem efetuar a compra no local e já garantir o autógrafo da autora. Depois de Salvador, Carol Barreto segue agenda de lançamentos também em Recife, São Paulo e Santo Amaro – sua cidade natal – entre os dias 17 de abril e 23 de maio.

O lançamento celebra a estreia de Carol Barreto como escritora, um mês após a chegada do livro às plataformas digitais, onde já figura entre os mais vendidos no segmento de design de moda. Editada pela Paralela, do grupo Companhia das Letras, a obra se debruça sobre a trajetória do movimento homônimo, criado pela autora há 10 anos a partir do propósito de refletir sobre os aspectos sociais que orbitam em torno da moda.

Ao longo de quatro capítulos, o livro questiona práticas de mercado que situam a moda como catalisadora de desigualdades e traça um paralelo com o Modativismo, que atua no enfrentamento aos preconceitos de raça e gênero por meio da criação artística. Antes mesmo da criação do movimento, o diálogo com esses propósitos já marcava o trabalho de Carol Barreto, que tem 20 anos de atuação profissional, incluindo experiências como artista visual, designer de moda autoral – já tendo circulado por mais de 10 cidades do mundo – e professora doutora do departamento de Estudos de Gênero e Feminismo da Universidade Federal da Bahia.

SERVIÇO

Carol Barreto lança livro ‘Modativismo’ no Espaço Cultural Barroquinha

Quando: 10 de abril (quarta-feira), às 18h30

Onde: Espaço Cultural da Barroquinha (Rua do Couro, s/n – Barroquinha)

Quanto: R$ 49,90

Vendas: O livro estará disponível para aquisição no local

Continue Reading

Literatura

Scholastique Mukasonga, de Ruanda, estará na Bienal do Livro Bahia

Amanda Moreno

Publicado

on

Scholastique Mukasonga, de Ruanda, estará na Bienal do Livro Bahia.
Scholastique Mukasonga, de Ruanda, estará na Bienal do Livro Bahia (Foto: Juliana Lubini)

Scholastique Mukasonga, de Ruanda, estará na Bienal do Livro Bahia. A escritora ruandesa Scholastique Mukasonga, sobrevivente dos massacres ocorridos em seu país na década de 1990, irá apresentar o painel “Entre afetos e lutas”, no próximo dia 27 de abril, no Centro de Convenções Salvador, como parte da programação cultural da Bienal do Livro Bahia.

Hoje radicada na França, Scholastique tem chamado a atenção do mundo ao recontar acontecimentos extremamente difíceis da história colonial de Ruanda e dos conflitos étnicos que vitimaram parte da população, o que inclui uma grande parcela de sua família. A participação da autora na Bienal conta com o apoio da Embaixada da França no Brasil e, para dialogar com ela no painel, foi escolhida a jornalista e apresentadora baiana Denny Fingergut.

Nascida em 1956, Scholastique Mukasonga foi deportada com a sua família e muitos outros membros da etnia tutsis para uma região inóspita de Ruanda, onde era difícil manter as condições mínimas de sobrevivência e as opressões políticas eram corriqueiras e violentas.

A aprovação para uma dessas vagas em um prestigioso liceu católico foi o que permitiu a mudança de Scholastique para a cidade de Quigali, capital do país, oportunidade que ela não desperdiçou.

Mukasonga seguiu seus estudos na área de Assistência Social, pois pretendia voltar à região em que viveu para trabalhar com as pessoas de lá e ajudá-las. Em 1973, porém, ano de intensos conflitos no país, exilou-se no Burundi, país vizinho, onde deu continuidade à formação universitária e estabeleceu uma nova vida.

Em 1992, dois anos antes do genocídio que vitimou 37 pessoas de sua família, a autora chegou à França, onde vive atualmente. Ao combinar oralidade, memória e invenção, a ela tem recebido diversos prêmios e, principalmente, tem contribuído para que se possa pensar a própria ideia de humanidade.

A Bienal do Livro Bahia é uma realização da GL events Exhibitions – divisão da multinacional francesa GL events – e acontece entre os dias 26 de abril e 1º de maio, no Centro de Convenções Salvador.

Continue Reading
Advertisement
Vídeo Sem Som

EM ALTA