Connect with us

Teatro

Discussões sobre negritude pela ótica feminina são pauta no Catálogo Brasileiro de Teatro

Jamile Menezes

Publicado

on

MedeiaNegra__
MedeiaNegra__

Foto Alessandra Nohvais

O solo Medeia Negra, interpretado pela atriz preta Márcia Limma, é uma recriação da tragédia grega para os contornos reais da voz, do corpo e do pensamento de uma mulher preta. O espetáculo, dirigido por Tânia Farias, traz a interculturalidade e referências afro-diaspóricas, por meio dos itãs e arquétipos dos orixás. A narrativa mostra as opressões sofridas pela mulher negra em diferentes lugares de fala e tempos históricos.

Nesta montagem, que será exibida na próxima sexta-feira (12), como parte da programação do Catálogo Brasileiro de Teatro, o mito grego é revisitado pelo processo de descolonização do pensamento patriarcal e, através dele, questiona o condicionamento social que marginaliza, julga e condena corpos considerados  inadequados, estrangeiros e estranhos.

Foto – MAGNONI

Apesar da discussão sobre o racismo geralmente ter foco nas experiências negativas e percepções individuais sobre esta problemática, o espetáculo Eu vejo você, Rosas Negras  tenta mostrar o contrário. Na contramão da dor  causada pelo preconceito,  a narrativa fala da mulher negra pela ótica “das vitórias”, e estará em cartaz de forma virtual, neste domingo (14).

 

Interpretado por Fabiola Nansurê, com direção de  Diana Ramos e dramaturgia de Onisajé, o solo busca o rompimento dos estereótipos sobre o racismo a partir da perspectiva feminina. As exibições dos dois espetáculos são às 20h, no canal da Fred Soares Produções, no youtube e os ingressos gratuitos podem ser adquiridos pela plataforma Sympla (Sympla.com.br/catalogobrasileirodeteatro).

 

O Catálogo Brasileiro de Teatro é uma realização da Fred Soares Produções e sua versão online conta com o apoio financeiro do Estado da Bahia através da Secretaria  de Cultura e da Fundação Cultural do Estado da Bahia (Programa Aldir Blanc Bahia) via Lei Aldir Blanc,  direcionada pela Secretaria Especial da Cultural do Ministério do Turismo, Governo Federal.

 

Serviço

O quê: Medeia

Quando: 12 de março

Horário da estreia: 20h

Exibição gratuita: Canal Fred Soares Produções, no Youtube

 

O quê: Eu vejo você, Rosas Negras

Quando: 14 de março

Horário da estreia: 20h

Exibição gratuita: Canal Fred Soares Produções, no Youtube

Teatro

Espetáculo ‘Nó’ estreia no Teatro Sesi Casa Branca

Amanda Moreno

Publicado

on

Espetáculo 'Nó' estreia no Teatro Sesi Casa Branca
Espetáculo 'Nó' estreia no Teatro Sesi Casa Branca (Foto: Vanessa Aragão)
Espetáculo ‘Nó’ estreia no Teatro Sesi Casa Branca. O espetáculo teatral inédito estará em cartaz de 19 a 28 de abril, a partir das 19h, no Teatro Sesi Casa Branca, no Caminho de Areia. Com ficha técnica formada por uma equipe majoritariamente negra, a peça que fala sobre as dores de famílias da periferia é de autoria de Gildon Oliveira, vencedor do Prêmio Braskem de 2023, direção de Mirian Fonseca e atuações de Heraldo de Deus e Iana Nascimento.
A trama mostra o cotidiano de Célia (Iana Nascimento) e Sebastião (Heraldo de Deus). Um casal como tantos outros em uma casa como tantas outras, mas com uma ausência que diferencia tudo. Um lugar na mesa que nunca mais será preenchido pelo seu filho Emanuel. Célia e Sebastião já não têm muito, mas continuam apesar de tudo. Amparados um ao outro e a esperança de algum tipo de conforto, de mudança, de justiça, Célia e Sebastião precisam continuar a luta para que outros pais negros não continuem passando pelas mesmas dores.
Para o dramaturgo Gildon Oliveira, a narrativa é constantemente estampada nas manchetes de jornais. “Nada é novo. Infelizmente. Nó é uma provocação e um alerta. Arte que questiona uma sociedade acostumada e estruturada no racismo desde sempre. É necessário pensar no que vem depois e naqueles que continuam apesar da tragédia, afirmou. Espetáculo ‘Nó’ estreia no Teatro Sesi Casa Branca.
O ator Heraldo de Deus considera o projeto “um desafio”, por dar vida a um personagem tão representativo. “Nó é daqueles grandes desafios que aparecem na nossa vida. Viver as nuances de um personagem tão real e tão próximo de mim com certeza é o tipo de reflexão que sigo propondo enquanto artista”, destacou.
A diretora do espetáculo considera Nó “um grito preso na garganta de quem luta para expressar a dor sem torná-la comum”. Mirian Fonseca considera a peça muito mais do que um simples espetáculo. “Durante uma performance em 2021, na qual compartilhei um chá virtual sobre perdas e lutos, ouvi a história de um senhor que perdeu seu filho. Na figura de Sebastião, vi refletida a angústia de um homem incapaz de liberar os nós que sufocam sua dor. Sem dúvidas, esse espetáculo é a experiência mais bonita da minha carreira como diretora até agora. Pois me pego às vezes querendo interromper o ensaio para abraçar Célia e Sebastião, e chorar junto com eles”, relatou.
Já Iana Nascimento avalia que “Nó” é um dos maiores desafios enquanto atriz. “Uma personagem muito forte, que representa uma luta, que clama por justiça. Uma mulher densa, com muitas nuances, camadas, que carrega uma das dores mais difíceis de viver”, avaliou. A equipe do espetáculo conta, ainda, com nomes como Gideon Rosa, Mariana Freire e Jonatas Raine na preparação de elenco, Milena Pitombo na luz, Erick Saboya no cenário, Hanna Gomes no design, Anthea Xavier no figurino, Negro Du na assistência de direção e Jarbas Bittencourt na trilha sonora.
Continue Reading

Audiovisual

Coletivo Meio Tempo promove espetáculos e oficinas em Salvador

Amanda Moreno

Publicado

on

Coletivo Meio Tempo promove espetáculos e oficinas em Salvador
Coletivo Meio Tempo promove espetáculos e oficinas em Salvador (Foto: Adeloyá Ojú Bará)

Coletivo Meio Tempo promove espetáculos e oficinas em Salvador. Uma verdadeira caravana cultural! Assim é definido o projeto Caravana do Meio Tempo que vai ocupar várias comunidades da capital baiana com apresentações de espetáculos, além de oficinas de teatro e audiovisual. As ações coordenadas pelo Coletivo Meio Tempo serão realizadas nos meses de abril, maio e junho, nos espaços Boca de Brasa localizados na periferia de Salvador (Subúrbio 360º, em Vista Alegre; no Boca de Brasa, em Cajazeiras; e no SESI Casa Branca, na Cidade Baixa).

O grupo foi contemplado no edital Gregórios – Ano III e vai apresentar os espetáculos O Contentor – O Contêiner; Boquinha… e assim surgiu o mundo e Esqueça. O cronograma do projeto também inclui duas oficinas de Teatro e Vídeo, voltadas para jovens e adolescentes que residem nestas localidades. As oficinas temáticas EU – documento do mundo e Criando com Celular mudarão a cada semana, de acordo com o espetáculo a ser apresentado.

Após a realização das atividades, o grupo já tem previsão de uma montagem e uma temporada de doze apresentações de um espetáculo teatral, pensado para o Teatro Gregório de Mattos, prevista para o segundo semestre. Baseado no livro Monocontos – Histórias para Ler e Encenar do roteirista, diretor e dramaturgo Elísio Lopes Jr., a proposta é reunir quatro atrizes pretas. Com direção de Ridson Reis, as sessões contarão com tradução em libras, e ingressos destinados a estudantes de escolas públicas.

Durante toda a temporada, as atividades do projeto Caravana do Meio Tempo serão totalmente gratuitas e contarão com tradução em libras. Mais informações sobre o projeto estão disponíveis no Instagram @coletivomeiotempo ou através do email coletivomeiotempo@gmail.

O projeto Caravana do Meio Tempo tem a realização do Coletivo Meio Tempo e foi contemplado pelo edital Gregórios – Ano III, com recursos financeiros da Fundação Gregório de Mattos, Secretaria Municipal de Cultura e Turismo, Prefeitura de Salvador e da Lei Paulo Gustavo, Ministério da Cultura, Governo Federal.

Confira a programação da Caravana do Meio Tempo – Coletivo Meio Tempo promove espetáculos e oficinas em Salvador

No espaço Subúrbio 360, em Vista Alegre, serão realizadas oficinas de vídeo e de teatro de 22 de abril a 07 de maio, das 18h às 21h. Já as apresentações O Contentor – O Contêiner; Boquinha… e assim surgiu o mundo e Esqueça serão realizadas às terças-feiras dos dias 23 e 30 de abril e 7 de maio, respectivamente, às 10h e 15h.

No Boca de Brasa de Cajazeiras as datas das oficinas de vídeo e de teatro seguem nos dias 06 a 21 de maio, das 13h30 às 16h30. As apresentações O Contentor – O Contêiner; Boquinha… e assim surgiu o mundoEsqueça estão agendadas para às quintas-feiras dos dias 9, 16 e 23 de maio, na mesma sequência, às 9h e 14h.

Já o Sesi Casa Branca do Caminho de Areia recebe as oficinas de vídeo e teatro nas quartas e quintas dos dias 5 a 20 de junho, das 18h às 21h. As apresentações “O Contentor – O Contêiner; Boquinha… e assim surgiu o mundo e Esqueça têm previsão de exibição nas manhãs e tardes das quintas-feiras dos dias 6, 13 e 20 de junho.

As inscrições para participar das oficinas abertas através do Instagram do coletivo.

Continue Reading

Teatro

Espetáculo “E SE…?” chega ao Espaço Cultural da Barroquinha

Amanda Moreno

Publicado

on

Espetáculo "E SE...?" chega ao Espaço Cultural da Barroquinha
Espetáculo "E SE...?" chega ao Espaço Cultural da Barroquinha (Foto: Divulgação)

Espetáculo “E SE…?” chega ao Espaço Cultural da Barroquinha. E SE estivéssemos em um distopia totalitarista neoliberal capitalista e a arte desaparecesse? E SE os registros das câmeras de seguranças se tornassem o maior espetáculo mundial? E SE os traumas escravocratas e a dipirona apagasse o amor das pessoas negras?. E SE fosse uma utopia?. E SE todas as pessoas fossem mulheres, indígenas e negras?. E SE voltássemos a ter a consciência de que somos animais? E SE fôssemos felizes sempre? E SE ninguém mais morresse?

O espetáculo jogo “E SE …?!”, a ser apresentado nos dias 12, 13 e 14 de abril, a partir das 18h, no Espaço Cultural da Barroquinha, é uma obra aberta e convida o público a criar mundos, artesanato de desejos e soluções. Pela estética do improviso, a cena é um armengue idealizado pela performance de Diego Alcântara – Multiartista, drag queen, bixa não binária, mestranda em Artes Cênicas UFBA.

“E SE…?!” é um jogo, pois precisa que os dispositivos de encenação sejam disparados pelo público e executados pela performer que transita pelas linguagens da arte como um avatar. A obra é operada de forma total pela artista Diego Alcântara, com o músico Tiago Farias em cena. Eles organizam o ato na intimidade do instante, efêmero e vulnerável. Um armeng para solucionar demandas insurgentes, subjetivas, triviais com um humor oriental tropical.

Serviço

O quê – “E SE …?” – espetáculo jogo do multiartista Diego Alcântara

Onde – Espaço Cultural da Barroquinha

Quando – 12, 13, 14 de abril, às 18h

Ingressos – R$ 30 (inteira) e R$ 15 (meia), na Bilheteria do espaço

Continue Reading
Advertisement
Vídeo Sem Som

EM ALTA