Connect with us

Artes

Escola dedicada à arte negra promove cursos livres em agosto

Jamile Menezes

Publicado

on

 

Cachalotte

 

Uma escola dedicada às práticas e estéticas das artes negras. É o resultado da união entre um grupo de artistas de Teatro, Dança e Artes Visuais, que dá vida à Pele Negra – Escola de Teatro(s) Preto(s), concebida em Salvador em abril de 2020.

Em agosto, a escola promove um ciclo de cursos livres em formato on line, com temáticas como Teatro do Oprimido e Negritude, com Licko Turle e Cachalote Mattos, Dança de expressão negra: um novo olhar sobre o tambor, com Edileuza Santos e Bira Monteiro, Pintando sentimentos: a luz em cena Nando Zâmbia, A escrita do artigo científico, com Gustavo Cerqueira Melo e Escrita Criativa, com Mônica Santana.

“Os cursos livres fornecem ao estudante negro e/ou pesquisador da arte e cultura negra, instrumentos para preencher as lacunas que os sistemas educacionais eurocêntricos subtraíram” – Gustavo Cerqueira Melo, coordenador pedagógico da Escola Pele Negra.

 

A Pele Negra – Escola da de Teatro(s) Preto(s) é fruto da inquietação de artistas e pesquisadores negros, que observaram as lacunas na formação nas áreas de Teatro e Dança. A iniciativa foi idealizada pela encenadora Onisajé, o ator e Prof. Dr. Gustavo Melo, o Prof. Dr. Licko Turle, o encenador, dramaturgo e produtor cultural Luiz Antônio Jr e a pesquisadora e atriz Juliane Monique.

Monica Santana  Foto: Priscila Fulô

As atividades formativas integraram nomes da dramaturgia, performance, iluminação, arte drag, encenadoras e encenadores, que atuam no Brasil e exterior. Um expressivo volume de pessoas interessadas e cursos livres, aprofundando temáticas específicas, além de convidados das artes cênicas brasileiras, como Hilton Cobra, Lázaro Ramos, Taís Araújo, Grace Passô, Aldri Anunciação e Elísio Lopes Jr. Entre outros nomes. Os módulos já realizados e aulas-entrevistas estão disponíveis gratuitamente no Canal no Youtube Estudos em Teatro Negro.

Os Cursos Livres são voltados para pessoas interessadas nas artes cênicas e dança, bem como na pesquisa artística e escrita, também nos aspectos técnicos da cena. As inscrições estão abertas até o dia 05 de agosto e poderão ser feitas através do link: https://linktr.ee/escolapelenegra.

OS CURSOS

Curso: A escrita do artigo científico

Docente: Gustavo Melo Cerqueira

Período: 16 a 19 de agosto

Horário: 18h às 20h30min

Ementa: Estruturado em quatro encontros de duas horas e meia cada, o curso aborda estratégias para a escrita de artigos com vistas à publicação em periódicos acadêmicos. Voltado prioritariamente a estudantes e pesquisadores das artes negras da cena e de presença, o curso tem como eixo principal a importância da organização e estruturação de ideias. A publicação de artigos é um dos pilares para uma carreira acadêmica bem sucedida, tanto no Brasil quanto no exterior. Nos Estados Unidos, por exemplo, é comum que pesquisadores recordem uns aos outros sobre a importância da escrita e publicação de artigos acadêmicos através do ditado: “publish or perish”, quer dizer, “publique ou pereça”. Neste curso, abordaremos estratégias de escrita que vão desde a delimitação do tema até a estruturação geral de um artigo científico, com especial atenção às características fundamentais de cada uma de suas seções.

Curso: Teatro do Oprimido e Negritude

Docentes: Licko Turle e Cachalote Mattos

Período: 9 a 14 de agosto

Horário: 9h às 12h30min

Ementa: O curso pretende analisar pela perspectiva afro referenciada em um percurso teórico sobre a metodologia do Teatro do Oprimido desenvolvida pelo teatrólogo Augusto Boal e as suas possíveis aplicações na luta antirracista tendo como referências o grupo Cor do Brasil e o espetáculo O Pregador. Os principais conceitos e fundamentos do método serão abordados e cotejados com outros autores e autoras do Teatro Negro. Ainda, dentro do possível, serão propostos jogos e exercícios da estética do oprimido.

Curso: Dança de expressão negra: um novo olhar sobre o tambor

Docente: Edileuza Santos e Bira Monteiro

Período: 16 a 20 e 23 a 27 de agosto, das 16h às 18h.

Ementa: Estudos acerca do corpo em sua relação com a estética de matrizes negro africanas que visam à integrações teórico praticas, por meio de atividades de laboratórios (experimentações) e por meio de leituras e diálogos (entendimentos conceituais e críticos- interpretativos). Ênfase na investigação da dança de expressão negra propondo um novo olhar sobre o Tambor vinculado aos cincos sentidos, na escuta da embalada na perspectiva da ancestralidade africanas e afro-brasileiras.

Curso: Escrita Criativa

Docente: Mônica Santana

Período: 20, 21, 27 e 28 de agosto, das 19h às 20h30min

Ementa: Oficina de Escrita Criativa objetiva pensar a escrita como ato, como gesto, as pessoas participantes serão provocadas a exercitar a produção a partir do corpo e sua observação. Serão propostos exercícios de escrita a partir da observação do corpo, das águas e da respiração e tratar a escrita como performance.

Curso: Pintando sentimentos: a luz em cena

Docente: Nando Zâmbia

Período: às segundas, quartas e sextas-feiras, sendo de 25 de agosto a 6 de setembro no horário compreendido entre as 18h às 20h, e nos dias 8, 10 e 15 de setembro no horário de 18h às 21h.

Ementa: Voltada para atuantes, diretores, técnicos de luz, iluminadores e fotógrafos a ser realizada de forma virtual, explorará a realidade de criação diante de elementos e fontes de luz acessíveis nas casa dos atuantes, foco primordial para uma realização pratica da oficina em seu resultado. O universo da luz será discutido através de vídeos, fotografias, exemplos práticos e uma série de estratégias para uma fruição, entendimento e relação com a iluminação. A luz não funciona somente no universo proposto como ambientação, mas como interferência na construção da personagem, da voz, dos diálogos e das relações.

 

Artes

Festival Photothings abre convocatória a fotógrafos e artistas visuais do Brasil

Jamile Menezes

Publicado

on

Para essa edição do Festival Photothings, há um compromisso de 60% das vagas serem destinadas a artistas do norte,

O Festival Photothings 2024, que acontece em sua 4ª edição, retorna com a proposta de estimular a produção fotográfica nacional, proporcionando uma plataforma inclusiva e diversificada para artistas visuais de todo o Brasil. A convocatória é aberta a todos os fotógrafos e artistas visuais brasileiros com idade igual ou superior a 18 anos.

Com data marcada para o evento final e premiação para os dias 14 e 15 de setembro na Associação Comunitária Monte Azul, em São Paulo, o Photothings abre as inscrições entre os dias 10 e 23 de junho, com o objetivo de destacar talentos emergentes e promover a arte fotográfica como um meio de expressão cultural.

Para essa edição do Festival Photothings, há um compromisso de 60% das vagas serem destinadas a artistas do norte, nordeste, centro-oeste e sul do país, bem como mulheres, pessoas negras, indígenas, comunidades tradicionais, LGBTQIAPN+, pessoas com deficiência e outros grupos em situação de vulnerabilidade.

Sem um tema pré-estabelecido, a iniciativa busca delinear um panorama plural da fotografia autoral, revelando uma geração de artistas que enfrentam dificuldades de acesso ao mercado – este ainda concentrado em poucas galerias e feiras de arte. Dessa forma, o objetivo do Photothings é “furar a bolha” e mostrar a riqueza da produção fotográfica de diversas regiões do Brasil.

A curadoria deste ano no Festival Photothings está a cargo do fotógrafo Léu Britto e da historiadora Marly Porto. A comissão de seleção que vai selecionar os premiados inclui tanto artistas consagrados como talentos emergentes, com um foco significativo na diversidade e inclusão.

A premiação será composta por três categorias distintas. O primeiro prêmio consiste em cinco fotolivros bilíngues, com 40 páginas no formato 15x19cm, que integrarão a Coleção Photothings, atualmente com 20 títulos. A comissão de seleção para este prêmio inclui Angélica Dass, fotógrafa premiada; Ina Henrique Dias, pedagoga, professora e fotógrafa; Juh Almeida, cineasta e fotógrafa; Marcelo Reis, artista visual e curador; Rogério Reis, fotógrafo; Léu Britto e Marly Porto.

O segundo prêmio é um fotolivro artesanal, cujo projeto gráfico será desenvolvido pelo designer Julio Matos em parceria com o autor selecionado e executado pelo Yume Ateliê, de Eliana Yukawa. A comissão de seleção deste prêmio inclui Eliana Yukawa, Julio Matos, Léu Britto e Marly Porto.

Já o terceiro prêmio é um curso online que resultará na produção de um fotolivro artesanal. Este curso é realizado pelo projeto M.A.L.A. (Morada Andarilha de Livros de Artista) e, ao final, o livro produzido será exposto na França, em 2025. A seleção do participante para este prêmio será definida pela equipe formada por Estela Vilela, integrante do coletivo M.A.L.A, Léu Britto e Marly Porto.


SERVIÇO
Festival Photothings 2024
Abertura das inscrições: 10 a 23 de junho
Divulgação dos selecionados: segunda quinzena de julho
Entrega dos prêmios: 14 e 15 de setembro na Associação Monte Azul
Local: Associação Comunitária Monte Azul (Rua Francisco Xavier de Abreu, 483, Jardim Monte Azul – SP, 05836-180)
Horário: das 14h às 19h
Entrada gratuita
Continue Reading

Artes

“Arte de Rua nas Escolas” leva inspiração e criatividade para o ambiente educacional

Jamile Menezes

Publicado

on

Arte de Rua nas Escolas

O Coletivo Arte Marginal Salvador e cinco grupos parceiros se reuniram para realizar o projeto “Arte de Rua nas Escolas”. A iniciativa acontece entre junho e novembro, em duas etapas. Na primeira, os coletivos visitam seis escolas públicas com suas produções artísticas, e na segunda, os estudantes são convidados a participarem da programação na Casa do Museu Popular da Bahia, localizada no bairro Fazenda Grande do Retiro.

O projeto reivindica a expressividade da Arte de Rua e difunde a ideia de uma educação cidadã e libertadora.

A primeira etapa do projeto Arte de Rua nas Escolas acontece entre 12 de junho e 14 de agosto e contará com apresentações do Coletivo SOMA (música), Coletivo Arte Marginal Salvador (performance),  Grupo de Arte Popular A Pombagem (teatro), Coletivo Pixo Rua (arte urbana), Click Coletivo (fotografia) e Coletivo da Casa do Museu Popular da Bahia (museu). Todas as apresentações serão seguidas de roda de conversa com os estudantes.

Na segunda etapa, os seis coletivos irão produzir uma exposição colaborativa intitulada “O Museu é a Rua”, na Casa do Museu Popular da Bahia. Todas as linguagens artísticas apresentadas nas escolas também estarão presentes nessa exposição. A ideia é aproximar ainda mais os jovens de uma ideia descentralizada de museu, incentivar a formação artística e combater os estigmas sociais ligados à arte de rua.

PROGRAMAÇÃO Arte de Rua nas Escolas (1ª ETAPA DO PROJETO)

Acompanhe em: @apombagem

12 de junho, às 14h – Coletivo SOMA (música) visita o Colégio Estadual Professor Rômulo Almeida;

19 de junho, às 14h – Coletivo Arte Marginal Salvador (performance) visita o Colégio Estadual de Aplicação Anísio Teixeira;

3 de julho, às 14h – Grupo de Arte Popular A Pombagem (teatro) visita o Colégio Estadual Santa Rita de Cássia;

17 de julho, às 14h – Coletivo Pixo Rua (arte urbana) visita o Colégio Estadual Nelson Mandela;

31 de julho, às 14h – Click Coletivo (fotografia) visita o Colégio Estadual Cesare Casalli;

14 de agosto, às 14h – Coletivo da Casa do Museu Popular da Bahia (museu) visita o Colégio Estadual Dom Avelar.

Continue Reading

Artes

Festival FADAS promove a cultura LGBTQIAPN+ em Valéria

Jamile Menezes

Publicado

on

O Coletivo Banto de Artes Integradas lança nos dias 6, 7 e 8 de junho a Mostra Fotográfica Fios da Memória: Tranças como Resgate Identitário, no Parque São Bartolomeu, Subúrbio Ferroviário de Salvador. A exposição, que é aberta ao público, será o resultado de um editorial fotográfico de 12 fotos, onde serão reproduzidos os penteados de origem Fulani, Banto e Mbalantu, etnias africanas, em contraponto com seu uso contemporâneo, presente no cotidiano das populações negras e periféricas.

O Festival FADAS conta com artistas jovens com gana para ocupar todos os palcos,  mostrando a arte periférica produzida pela comunidade LGBTQIAPN+, no principal espaço cultural de Valéria.

Pela primeira vez reúne no mesmo palco Virus Carinhos; Evylin; Jade Lu; DJ Moura; Raíssa Nizah e o grupo de dança UZARTE. O FADAS tem música, dança, artes visuais, audiovisual e hip-hop em um só lugar de fruição artística. A direção artística é de Fabíola Aquino, cineasta e documentarista da identidade e da diversidade cultural da Bahia.  FADAS é uma celebração à diversidade e à inclusão de artistas LGBTQIAPN+. É uma proposta que inclui a juventude LGBTQUIAPN+ em todas as etapas de produção, desde a concepção, à produção e participação de artistas do meio no palco, a maioria residentes em Valéria.

O Festival FADAS acontece no Espaço Cultural Boca de Brasa de Valéria, dia 01 de junho, sábado, às 16h, com entrada gratuita. As apresentações ocorrem presencialmente e com transmissão ao vivo no Canal Obá Cacauê no Youtube, onde ficará disponível por tempo indeterminado.

Serviço:

O que: FADAS II – FESTIVAL ARTES na DIVERSIDADE SEXUAL

Quando: 01 de junho; às 16 horas, GRATUITO

Onde: Espaço Cultural BOCA DE BRASA – CEU – Centro de Artes e Esportes Unificados – CEU, Rua B, Nova Brasília de Valeria, s/n. VALERIA.

Link ao vivo: https://youtube.com/live/nSmO_v0Q9aY?feature=share  

Continue Reading
Advertisement
Vídeo Sem Som

EM ALTA

Artes

Escola dedicada à arte negra promove cursos livres em agosto

Jamile Menezes

Publicado

on

 

Cachalotte

 

Uma escola dedicada às práticas e estéticas das artes negras. É o resultado da união entre um grupo de artistas de Teatro, Dança e Artes Visuais, que dá vida à Pele Negra – Escola de Teatro(s) Preto(s), concebida em Salvador em abril de 2020.

Em agosto, a escola promove um ciclo de cursos livres em formato on line, com temáticas como Teatro do Oprimido e Negritude, com Licko Turle e Cachalote Mattos, Dança de expressão negra: um novo olhar sobre o tambor, com Edileuza Santos e Bira Monteiro, Pintando sentimentos: a luz em cena Nando Zâmbia, A escrita do artigo científico, com Gustavo Cerqueira Melo e Escrita Criativa, com Mônica Santana.

“Os cursos livres fornecem ao estudante negro e/ou pesquisador da arte e cultura negra, instrumentos para preencher as lacunas que os sistemas educacionais eurocêntricos subtraíram” – Gustavo Cerqueira Melo, coordenador pedagógico da Escola Pele Negra.

 

A Pele Negra – Escola da de Teatro(s) Preto(s) é fruto da inquietação de artistas e pesquisadores negros, que observaram as lacunas na formação nas áreas de Teatro e Dança. A iniciativa foi idealizada pela encenadora Onisajé, o ator e Prof. Dr. Gustavo Melo, o Prof. Dr. Licko Turle, o encenador, dramaturgo e produtor cultural Luiz Antônio Jr e a pesquisadora e atriz Juliane Monique.

Monica Santana  Foto: Priscila Fulô

As atividades formativas integraram nomes da dramaturgia, performance, iluminação, arte drag, encenadoras e encenadores, que atuam no Brasil e exterior. Um expressivo volume de pessoas interessadas e cursos livres, aprofundando temáticas específicas, além de convidados das artes cênicas brasileiras, como Hilton Cobra, Lázaro Ramos, Taís Araújo, Grace Passô, Aldri Anunciação e Elísio Lopes Jr. Entre outros nomes. Os módulos já realizados e aulas-entrevistas estão disponíveis gratuitamente no Canal no Youtube Estudos em Teatro Negro.

Os Cursos Livres são voltados para pessoas interessadas nas artes cênicas e dança, bem como na pesquisa artística e escrita, também nos aspectos técnicos da cena. As inscrições estão abertas até o dia 05 de agosto e poderão ser feitas através do link: https://linktr.ee/escolapelenegra.

OS CURSOS

Curso: A escrita do artigo científico

Docente: Gustavo Melo Cerqueira

Período: 16 a 19 de agosto

Horário: 18h às 20h30min

Ementa: Estruturado em quatro encontros de duas horas e meia cada, o curso aborda estratégias para a escrita de artigos com vistas à publicação em periódicos acadêmicos. Voltado prioritariamente a estudantes e pesquisadores das artes negras da cena e de presença, o curso tem como eixo principal a importância da organização e estruturação de ideias. A publicação de artigos é um dos pilares para uma carreira acadêmica bem sucedida, tanto no Brasil quanto no exterior. Nos Estados Unidos, por exemplo, é comum que pesquisadores recordem uns aos outros sobre a importância da escrita e publicação de artigos acadêmicos através do ditado: “publish or perish”, quer dizer, “publique ou pereça”. Neste curso, abordaremos estratégias de escrita que vão desde a delimitação do tema até a estruturação geral de um artigo científico, com especial atenção às características fundamentais de cada uma de suas seções.

Curso: Teatro do Oprimido e Negritude

Docentes: Licko Turle e Cachalote Mattos

Período: 9 a 14 de agosto

Horário: 9h às 12h30min

Ementa: O curso pretende analisar pela perspectiva afro referenciada em um percurso teórico sobre a metodologia do Teatro do Oprimido desenvolvida pelo teatrólogo Augusto Boal e as suas possíveis aplicações na luta antirracista tendo como referências o grupo Cor do Brasil e o espetáculo O Pregador. Os principais conceitos e fundamentos do método serão abordados e cotejados com outros autores e autoras do Teatro Negro. Ainda, dentro do possível, serão propostos jogos e exercícios da estética do oprimido.

Curso: Dança de expressão negra: um novo olhar sobre o tambor

Docente: Edileuza Santos e Bira Monteiro

Período: 16 a 20 e 23 a 27 de agosto, das 16h às 18h.

Ementa: Estudos acerca do corpo em sua relação com a estética de matrizes negro africanas que visam à integrações teórico praticas, por meio de atividades de laboratórios (experimentações) e por meio de leituras e diálogos (entendimentos conceituais e críticos- interpretativos). Ênfase na investigação da dança de expressão negra propondo um novo olhar sobre o Tambor vinculado aos cincos sentidos, na escuta da embalada na perspectiva da ancestralidade africanas e afro-brasileiras.

Curso: Escrita Criativa

Docente: Mônica Santana

Período: 20, 21, 27 e 28 de agosto, das 19h às 20h30min

Ementa: Oficina de Escrita Criativa objetiva pensar a escrita como ato, como gesto, as pessoas participantes serão provocadas a exercitar a produção a partir do corpo e sua observação. Serão propostos exercícios de escrita a partir da observação do corpo, das águas e da respiração e tratar a escrita como performance.

Curso: Pintando sentimentos: a luz em cena

Docente: Nando Zâmbia

Período: às segundas, quartas e sextas-feiras, sendo de 25 de agosto a 6 de setembro no horário compreendido entre as 18h às 20h, e nos dias 8, 10 e 15 de setembro no horário de 18h às 21h.

Ementa: Voltada para atuantes, diretores, técnicos de luz, iluminadores e fotógrafos a ser realizada de forma virtual, explorará a realidade de criação diante de elementos e fontes de luz acessíveis nas casa dos atuantes, foco primordial para uma realização pratica da oficina em seu resultado. O universo da luz será discutido através de vídeos, fotografias, exemplos práticos e uma série de estratégias para uma fruição, entendimento e relação com a iluminação. A luz não funciona somente no universo proposto como ambientação, mas como interferência na construção da personagem, da voz, dos diálogos e das relações.

 

Artes

Festival Photothings abre convocatória a fotógrafos e artistas visuais do Brasil

Jamile Menezes

Publicado

on

Para essa edição do Festival Photothings, há um compromisso de 60% das vagas serem destinadas a artistas do norte,

O Festival Photothings 2024, que acontece em sua 4ª edição, retorna com a proposta de estimular a produção fotográfica nacional, proporcionando uma plataforma inclusiva e diversificada para artistas visuais de todo o Brasil. A convocatória é aberta a todos os fotógrafos e artistas visuais brasileiros com idade igual ou superior a 18 anos.

Com data marcada para o evento final e premiação para os dias 14 e 15 de setembro na Associação Comunitária Monte Azul, em São Paulo, o Photothings abre as inscrições entre os dias 10 e 23 de junho, com o objetivo de destacar talentos emergentes e promover a arte fotográfica como um meio de expressão cultural.

Para essa edição do Festival Photothings, há um compromisso de 60% das vagas serem destinadas a artistas do norte, nordeste, centro-oeste e sul do país, bem como mulheres, pessoas negras, indígenas, comunidades tradicionais, LGBTQIAPN+, pessoas com deficiência e outros grupos em situação de vulnerabilidade.

Sem um tema pré-estabelecido, a iniciativa busca delinear um panorama plural da fotografia autoral, revelando uma geração de artistas que enfrentam dificuldades de acesso ao mercado – este ainda concentrado em poucas galerias e feiras de arte. Dessa forma, o objetivo do Photothings é “furar a bolha” e mostrar a riqueza da produção fotográfica de diversas regiões do Brasil.

A curadoria deste ano no Festival Photothings está a cargo do fotógrafo Léu Britto e da historiadora Marly Porto. A comissão de seleção que vai selecionar os premiados inclui tanto artistas consagrados como talentos emergentes, com um foco significativo na diversidade e inclusão.

A premiação será composta por três categorias distintas. O primeiro prêmio consiste em cinco fotolivros bilíngues, com 40 páginas no formato 15x19cm, que integrarão a Coleção Photothings, atualmente com 20 títulos. A comissão de seleção para este prêmio inclui Angélica Dass, fotógrafa premiada; Ina Henrique Dias, pedagoga, professora e fotógrafa; Juh Almeida, cineasta e fotógrafa; Marcelo Reis, artista visual e curador; Rogério Reis, fotógrafo; Léu Britto e Marly Porto.

O segundo prêmio é um fotolivro artesanal, cujo projeto gráfico será desenvolvido pelo designer Julio Matos em parceria com o autor selecionado e executado pelo Yume Ateliê, de Eliana Yukawa. A comissão de seleção deste prêmio inclui Eliana Yukawa, Julio Matos, Léu Britto e Marly Porto.

Já o terceiro prêmio é um curso online que resultará na produção de um fotolivro artesanal. Este curso é realizado pelo projeto M.A.L.A. (Morada Andarilha de Livros de Artista) e, ao final, o livro produzido será exposto na França, em 2025. A seleção do participante para este prêmio será definida pela equipe formada por Estela Vilela, integrante do coletivo M.A.L.A, Léu Britto e Marly Porto.


SERVIÇO
Festival Photothings 2024
Abertura das inscrições: 10 a 23 de junho
Divulgação dos selecionados: segunda quinzena de julho
Entrega dos prêmios: 14 e 15 de setembro na Associação Monte Azul
Local: Associação Comunitária Monte Azul (Rua Francisco Xavier de Abreu, 483, Jardim Monte Azul – SP, 05836-180)
Horário: das 14h às 19h
Entrada gratuita
Continue Reading

Artes

“Arte de Rua nas Escolas” leva inspiração e criatividade para o ambiente educacional

Jamile Menezes

Publicado

on

Arte de Rua nas Escolas

O Coletivo Arte Marginal Salvador e cinco grupos parceiros se reuniram para realizar o projeto “Arte de Rua nas Escolas”. A iniciativa acontece entre junho e novembro, em duas etapas. Na primeira, os coletivos visitam seis escolas públicas com suas produções artísticas, e na segunda, os estudantes são convidados a participarem da programação na Casa do Museu Popular da Bahia, localizada no bairro Fazenda Grande do Retiro.

O projeto reivindica a expressividade da Arte de Rua e difunde a ideia de uma educação cidadã e libertadora.

A primeira etapa do projeto Arte de Rua nas Escolas acontece entre 12 de junho e 14 de agosto e contará com apresentações do Coletivo SOMA (música), Coletivo Arte Marginal Salvador (performance),  Grupo de Arte Popular A Pombagem (teatro), Coletivo Pixo Rua (arte urbana), Click Coletivo (fotografia) e Coletivo da Casa do Museu Popular da Bahia (museu). Todas as apresentações serão seguidas de roda de conversa com os estudantes.

Na segunda etapa, os seis coletivos irão produzir uma exposição colaborativa intitulada “O Museu é a Rua”, na Casa do Museu Popular da Bahia. Todas as linguagens artísticas apresentadas nas escolas também estarão presentes nessa exposição. A ideia é aproximar ainda mais os jovens de uma ideia descentralizada de museu, incentivar a formação artística e combater os estigmas sociais ligados à arte de rua.

PROGRAMAÇÃO Arte de Rua nas Escolas (1ª ETAPA DO PROJETO)

Acompanhe em: @apombagem

12 de junho, às 14h – Coletivo SOMA (música) visita o Colégio Estadual Professor Rômulo Almeida;

19 de junho, às 14h – Coletivo Arte Marginal Salvador (performance) visita o Colégio Estadual de Aplicação Anísio Teixeira;

3 de julho, às 14h – Grupo de Arte Popular A Pombagem (teatro) visita o Colégio Estadual Santa Rita de Cássia;

17 de julho, às 14h – Coletivo Pixo Rua (arte urbana) visita o Colégio Estadual Nelson Mandela;

31 de julho, às 14h – Click Coletivo (fotografia) visita o Colégio Estadual Cesare Casalli;

14 de agosto, às 14h – Coletivo da Casa do Museu Popular da Bahia (museu) visita o Colégio Estadual Dom Avelar.

Continue Reading

Artes

Festival FADAS promove a cultura LGBTQIAPN+ em Valéria

Jamile Menezes

Publicado

on

O Coletivo Banto de Artes Integradas lança nos dias 6, 7 e 8 de junho a Mostra Fotográfica Fios da Memória: Tranças como Resgate Identitário, no Parque São Bartolomeu, Subúrbio Ferroviário de Salvador. A exposição, que é aberta ao público, será o resultado de um editorial fotográfico de 12 fotos, onde serão reproduzidos os penteados de origem Fulani, Banto e Mbalantu, etnias africanas, em contraponto com seu uso contemporâneo, presente no cotidiano das populações negras e periféricas.

O Festival FADAS conta com artistas jovens com gana para ocupar todos os palcos,  mostrando a arte periférica produzida pela comunidade LGBTQIAPN+, no principal espaço cultural de Valéria.

Pela primeira vez reúne no mesmo palco Virus Carinhos; Evylin; Jade Lu; DJ Moura; Raíssa Nizah e o grupo de dança UZARTE. O FADAS tem música, dança, artes visuais, audiovisual e hip-hop em um só lugar de fruição artística. A direção artística é de Fabíola Aquino, cineasta e documentarista da identidade e da diversidade cultural da Bahia.  FADAS é uma celebração à diversidade e à inclusão de artistas LGBTQIAPN+. É uma proposta que inclui a juventude LGBTQUIAPN+ em todas as etapas de produção, desde a concepção, à produção e participação de artistas do meio no palco, a maioria residentes em Valéria.

O Festival FADAS acontece no Espaço Cultural Boca de Brasa de Valéria, dia 01 de junho, sábado, às 16h, com entrada gratuita. As apresentações ocorrem presencialmente e com transmissão ao vivo no Canal Obá Cacauê no Youtube, onde ficará disponível por tempo indeterminado.

Serviço:

O que: FADAS II – FESTIVAL ARTES na DIVERSIDADE SEXUAL

Quando: 01 de junho; às 16 horas, GRATUITO

Onde: Espaço Cultural BOCA DE BRASA – CEU – Centro de Artes e Esportes Unificados – CEU, Rua B, Nova Brasília de Valeria, s/n. VALERIA.

Link ao vivo: https://youtube.com/live/nSmO_v0Q9aY?feature=share  

Continue Reading

EM ALTA