Connect with us

AfroEmpreendedorismo

#Opinião – Eureca! E daí se o mercado da comunicação ficar nervosinho e raivoso? – Por Mirtes Santa Rosa

Mirtes Santa Rosa

Publicado

on

Eu sou uma empreendedora da comunicação. Quando eu falo ou penso sobre esse fato, tem dias que nem acredito. Na maioria das vezes, finjo naturalidade e abro aquele sorriso de vencedora. Pensamentos e palavras têm força. Em outros momentos vivo uma crise da impostora, aí preciso conversar com meus botões sobre o caminho que percorri e que esse lugar que estou me pertence. E que eu quero e vou encontrar sempre formas e novas perspectivas para me manter nesse lugar de empreendedora.

Como dizem os mais velhos: lugar de empresária. A mulher que sou hoje e que empreendeu em uma área tão complexa como a comunicação tem suas dúvidas, principalmente quando muitas portas não se abrem. Fazer comunicação social e democrática é instigante e complexo. Os desafios são enormes, mas sempre gostei de resolver problemas, então, entendo que para o que acontecer na busca e prospeção dos clientes, vou encontrar uma saída positiva e com lucro para o meu negócio.

Não vou dizer que sempre sonhei com esse momento/desafio, pois não seria verdade, mas com o passar dos anos o medo de empreender foi diminuindo. Fui percebendo que dinheiro chama dinheiro. Prosperidade chama prosperidade. O rio só corre pro mar e eu quero que o meu rio corra pra um mar de prosperidade, propósito e sucesso. Essa ideia de ser funcionária bem remunerada começou a não encher meus olhos. Eu quero os tumultos e BOs de ser a dona do lojinha. Na terapia me perguntei se eu estava lendo ou vendo muitos vídeos de economia neoliberais. Uma comunista de Iphone como eu não pode ser pega nesse lugar do capitalismo selvagem.

Depois de algumas conversas percebi que eu podia ser uma empreendedora e trazer os meus princípios de sociedade para o dia a dia dessa gestão. Lembrei que é uma decisão de quem empreende a sua forma de viver e ganhar dinheiro. Quem faz a missão, visão e valores é quem faz o negócio. Que é possível gostar de ganhar dinheiro e ter compromisso social verdadeiro. Que assumir esses compromissos não impede que a grana entre. Na maioria das vezes esse compromisso de unir o capital com o social permite novos aprendizados.

E daí que o mercado da comunicação fique nervosinho e raivoso? Eu quero fazer valer a frase de Angela Davis: “Quando uma mulher preta se movimenta, toda a estrutura se movimenta com ela”. Assumo que vou me mexer e botar para andar.

Na última temporada do Umbu Podcast, conversamos com Sérgio Gabrielli e uma das partes que mais me interessou e instigou foi quando ele falou sobre a importância da economia do trabalho para a democracia. Eu nunca tinha pensado sobre esse tema, a partir dessa perspectiva de evolução social dentro da esfera da economia. Ele me ajudou a perceber que tudo é democracia e estar atento ao que o trabalho produz permite mudanças sociais significativas. Que toda e qualquer decisão importa para a melhoria da sociedade no âmbito do trabalho. Minha decisão de criar e apresentar um podcast veio como uma intuição em 2019, mas essa já tinha me visitado e ido embora em outras ocasiões. E ela ia embora por eu me deixar dominar pelo medo do ridículo ou do fracasso.

Eu não via mulheres negras neste lugar. E, quando eu via mulheres líderes na comunicação, a estrutura do mercado sempre fez questão de menosprezar seus ganhos e feitos. Uma mistura de muitos sentimentos confusos é o que se aproxima mais da lembrança que tenho daqueles primeiros pensamentos empreendedores. E esses pensamentos que impediam a minha coragem para empreender algumas vezes se debatiam com um aprendizado que tive em 2005, quando fiz o Empretec do Sebrae. Naquele ano, minha experiência na agência que eu trabalhava oscilava entre me ver sendo uma diretora de atendimento e largando a publicidade e nunca mais olhando pra ela.

Acabei não me tornando uma diretora de atendimento e nem largando a publicidade, mas aquela semana intensa mergulhada sobre conceitos e práticas focadas no empreendedorismo passou a me acompanhar em cada momento de minha trajetória na comunicação. Nunca esqueci que empreender não significa ser patroa e sim entender a importância de uma gestão eficaz e inovadora. Que é possível ser disruptiva e trazer as características de uma empreendedora para qualquer momento ou lugar da cadeia produtiva que você esteja no momento do seu trabalho. O empreendedorismo chegou na minha vida lá atrás, chegou em boa hora, e é interessante como tudo se encaixa no tempo certo.

No primeiro final de semana que sai após parir Marina, foi pra fazer um curso que a empreendedora social Fau Ferreira do Afro Empreendendo realizou chamado Intuições Promissoras, um bate papo com Monique Evelle. Lembro de ter saído daquela conversa com o peito cheio de leite, cheia de ideias e pensando que era possível fazer diferente e ainda assim ganhar os meus reais. A pandemia chegou, muitas demissões. Eu que já tinha receio de ser demitida por ter lido que mulheres com dois filhos são ainda mais desligadas de suas funções, fiquei logo de orelha em
pé. Muitas conversas sobre as novas formas de trabalho que esse assunto nas pautas jornalísticas foi tão importante quanto a busca da vacina ou cura pra Covid.

E, no meio de todo medo e receio sobre meu futuro, a ideia do podcast me visitou novamente e ficou. Em cada momento que eu pensava sobre o que ia fazer no futuro ela tava lá na minha cabeça. Parecia eternamente aquela lâmpada acesa que representa criatividade. Eureca! Tive uma ideia.

Bem, o desfecho dessa ideia até o momento sabemos: Camilla França me ligou pra saber como eu estava, a convenci que tava na hora de empreendermos, ligamos pra Val Benvindo que também topou virar empreendedora. Procuramos parceiros, planejamos, sonhamos e executamos um produto de comunicação com nossa cara e coragem. Cada vez que um possível cliente, parceiro ou alguém que nos segue e escuta diz que somos massa, que nosso podcast tem algo diferente, eu sorrio por dentro e penso que valeu a pena acreditar na intuição que me tomou de assalto para experimentar e inovar na comunicação baiana.

Valeu cada momento dessa jornada da heroína empreendedora que está apenas no começo, mas que vive em mim e no Umbu e que não se assusta com a luta constante para quebrar paradigmas no mundo dos negócios e assumir que uma comunicação antiracista é possível.

Descobri faz poucos dias que 19 de novembro é o Dia Mundial do Empreendedorismo Feminino e esse dia agora também me pertence. Pois eu sou uma empreendedora da comunicação social e democrática de sucesso. Palavras e pensamentos têm força.

 

Mirtes Santa Rosa é publicitária e especialista em Comunicação e Gerenciamento de Marcas e também trabalha com planejamento estratégico comunicacional de projetos culturais, no qual pode mesclar suas duas maiores habilidades profissionais: gestão e comunicação. É umas das idealizadoras e apresentadoras do Umbu Podcast.

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

AfroEmpreendedorismo

Brasil Mais Empreendedor abre vagas no Subúrbio Ferroviário

Amanda Moreno

Publicado

on

Brasil Mais Empreendedor abre vagas

Brasil Mais Empreendedor abre vagas no Subúrbio Ferroviário. Após circular por 10 diferentes bairros de Salvador, desenvolvendo mais de 300 empreendedores com cursos e consultorias gratuitas, o projeto Brasil Mais Empreendedor abre mais 35 vagas para nova turma no bairro de Praia Grande (Subúrbio Ferroviário). As inscrições podem ser realizadas até dia 02 de março, através do site brasilmaisba.conaje.com.br. As aulas começam dia 04 de março, na Comunidade Evangélica de Salvador (Av. Afrânio Peixoto, 53e – Praia Grande). Mais informações podem ser acompanhadas em @ajebahia

Voltado para para pequenos empreendedores de áreas periféricas, o projeto conta com aulas presenciais abordando diferentes áreas do negócio e acompanhamento com especialistas, além de desenvolver a logomarca dos empreendedores selecionados. O projeto é realizado pela Confederação Nacional de Jovens Empresários (Conaje) em parceria, por meio de termo de fomento, com a Secretaria da Micro e Pequena Empresa e Empreendedorismo, vinculada ao Ministério do Empreendedorismo, da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte (MEMP) e conta com a coordenação técnica da Associação de Jovens Empreendedores da Bahia (Aje-Ba)

O Brasil Mais Empreendedor visa contribuir na formação daqueles que estão no estágio inicial de seus negócios ou que possuem uma ideia para empreender e desejam iniciar essa jornada. O público-alvo são jovens entre 17 e 39 anos, preferencialmente mulheres, que residem em áreas periféricas. Para participar não é necessário residir no bairro onde as aulas ocorrerão, mas é fundamental que o candidato atenda aos requisitos apresentados no edital.

SOBRE A CONAJE

A Conaje é uma entidade sem fins lucrativos que atua desde o ano 2000 no fomento do empreendedorismo, fortalecimento, criação e manutenção de novas empresas dirigidas por jovens. Composta por 27 movimentos empresariais presentes em 20 estados brasileiros, a Conaje tem como propósito “Cultivar lideranças que gerem prosperidade para o nosso Brasil”. E para alcançar esse propósito, proporciona aos jovens empresários que fazem parte da sua rede um ambiente de compartilhamento de experiências, capacitação empresarial e networking.

Por meio dessas iniciativas, busca inspirar e capacitar os jovens empresários a alcançarem novos patamares de sucesso em suas trajetórias empresariais. Com uma visão voltada para o futuro, a Conaje entende a importância do desenvolvimento de habilidades empreendedoras e do estabelecimento de conexões e aprendizados sólidos no mundo dos negócios. A Conaje capacita e inspira jovens empresários a serem líderes de transformação para o futuro.

SERVIÇO:

Projeto Brasil Mais Empreendedor

Turma 11 – Praia Grande

Inscrições até 02 de Março no site:brasilmaisba.conaje.com.br

Local: Comunidade Evangélica de Salvador (Av. Afrânio Peixoto, 53e – Praia Grande).

Período de aulas: De 04/03/2024 a 08/03/2024 das 13h às 17h.

Vagas: 35

Realização: Conaje em parceria com Ministério do Empreendedorismo, da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte

Informações: 71 99264-1837 ou @ajebahia

Continue Reading

AfroEmpreendedorismo

Vagas abertas para Curso de empreendedorismo para jovens negros

Amanda Moreno

Publicado

on

Vagas abertas para Curso
Vagas abertas para Curso (Foto: Divulgação)

Vagas abertas para Curso de empreendedorismo para jovens negros. Estão abertas as inscrições para a 2ª edição do curso ORI Empreendedorismo, que desta vez vai destinar 40 vagas para jovens negros de 18 a 29 anos de Salvador.

O projeto é voltado para aqueles que têm interesse em desenvolver o lado empreendedor. Os encontros terão início no dia 19 de fevereiro, no auditório da Biblioteca Central do Estado da Bahia, nos Barris. O curso, com duração de 2 meses de conhecimentos teóricos e práticos.

As inscrições são gratuitas e por sem feitas neste formulário online. Os interessados podem obter mais informações sobre vagas, aulas e turmas entrando em contato pelo WhatsApp: 71 9684-7342 ou pelo telefone (71) 3350-5526.

As aulas acontecerão de segunda a sexta-feira, das 14h às 18h. São oito módulos que oferecerão não apenas conhecimento acadêmico, mas também orientações práticas para a criação de negócios sustentáveis e com impacto social. Dentre as disciplinas estão Gestão Financeira, Economia Criativa e Afroempreendedorismo, Marketing Digital e Inserção do Jovem no Mundo do Trabalho.

Os participantes terão acesso a dicas de negócios, complementada por oficinas de preparação para os pitchs finais. Além disso, será fornecido auxílio transporte e alimentação para facilitar a participação dos alunos. Vagas abertas para Curso de empreendedorismo para jovens negros.

O projeto é uma iniciativa do Instituto de Responsabilidade e Investimento Social – IRIS, em parceria com a Secretaria do Trabalho, Emprego, Renda e Esporte – SETRE, o Fundo de Promoção do Trabalho Decente – FUNTRAD, o Centro Público de Economia Solidária – CESOL e o Governo do Estado da Bahia.

Continue Reading

AfroEmpreendedorismo

Projeto Brasil Mais Empreendedor

Jamile Menezes

Publicado

on

O Brasil Mais Empreendedor visa contribuir na formação daqueles que estão no estágio inicial de seus negócios ou que possuem uma ideia para empreender.

O Projeto Brasil Mais Empreendedor abre mais 35 vagas para nova turma no bairro de Cosme de Farias. As inscrições podem ser realizadas até dia 25 de janeiro, através do site brasilmaisba.conaje.com.br. As aulas começam dia 29 de janeiro, no Colégio Estadual Doutor João Pedro dos Santos (Rua Av. Mário Leal Ferreira, 30 – Cosme de Farias).

Voltado para para pequenos empreendedores de áreas periféricas, o projeto conta com aulas presenciais abordando diferentes áreas do negócio e acompanhamento com especialistas, além de desenvolver a logomarca dos empreendedores selecionados.

O Projeto Brasil Mais Empreendedor visa contribuir na formação daqueles que estão no estágio inicial de seus negócios ou que possuem uma ideia para empreender e desejam iniciar essa jornada. O público-alvo são jovens entre 17 e 39 anos, preferencialmente mulheres, que residem em áreas periféricas. Para participar não é necessário residir no bairro onde as aulas ocorrerão, mas é fundamental que o candidato atenda aos requisitos apresentados no edital.

Mais informações podem ser acompanhadas em @ajebahia

SERVIÇO:

Projeto Brasil Mais Empreendedor

Turma 10 – Cosme de Farias

Inscrições até 22 de Janeiro no site:brasilmaisba.conaje.com.br

Local: Colégio Estadual Doutor João Pedro dos Santos (Rua Av. Mário Leal Ferreira, 30 – Cosme de Farias)

Período de aulas: De 29/01/2024 a 02/02/2024 das 13h às 17h.

Vagas: 35

Realização:Conaje em parceria com Ministério do Empreendedorismo, da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte

Informações: 71 99264-1837 ou @ajebahia

Continue Reading
Advertisement
Vídeo Sem Som

EM ALTA