Connect with us

Literatura

Mãe de Stella de Oxóssi será tema de expo ao ar livre na Flipelô

Jamile Menezes

Publicado

on

Mãe Stella de Oxossi está sentada à frente de um fundo azul claro, tem turbante dourado simples na cabeça, deixando o início dos cabelos brancos de fora. Ela está por trás de folhas.

Uma inédita exposição ‘Mãe de Stella de Oxóssi’ vai tomar as ruas do Pelourinho com fotografias da homenageada da Festa Literária Internacional do Pelourinho – FLIPELÔ. Será de 9 a 13 de agosto, no Centro Histórico de Salvador.

Serão 30 fotografias de Mãe de Stella de Oxóssi, medindo 1mx1,5m, que ficarão expostas pelas ruas do Pelourinho durante os cinco dias da festa literária. “Em 2013 fiz um vídeo-documentário sobre Mãe Stella, ‘Folhas EnCantadas’, e nasceu uma linda amizade. Nos encontrávamos com frequência, falávamos de tudo e durante estas tardes nasceram também as fotografias”, revela Antonello Veneri, fotógrafo e vídeo-documentarista italiano.

“Nestas rodas de conversas, circulava uma energia suave e sempre surgiam ideias e intuições. Juntos criamos um acervo de imagens delicadas, intensas. São retratos de vida cotidiana que saem do clichê da pose hierática e da distância. O nome de iniciada de Mãe Stella dentro do candomblé é Odé Kayodê, ‘caçador de alegria’. Percorremos o caminho desta alegria profunda, uma alegria espiritual.  Mãe Stella de Oxossi foi inovadora também nisso”, completa.

Antonello Veneri – Antonello Veneri é jornalista, fotógrafo e vídeo-documentarista. Nascido na Itália em 1973,  é formado em Literatura Italiana e História.  Foi jornalista, fotógrafo e editor na revista Questo Trentino (1999-2009) e professor de Literatura e História no Liceu Italiano. Desde 2009 mora e trabalha no Brasil. Colabora regularmente com a Agence France Press (AFP), com a plataforma multimídia Everyday Brasil  e publica em jornais e revistas nacionais e internacionais tais como: National Geographic, The Guardian, El Pais, Washington Post, Le Monde, Liberation, Folha de São Paulo, Estadão e O Globo. Já realizou 14 exposições individuais.

Mãe Stella

Mãe Stella de Oxossi, cujo nome completo era Estelita Ventura do Nascimento, foi uma proeminente líder espiritual e figura religiosa no Brasil. Ela era uma Iyalorixá renomada, que significa alta sacerdotisa no Candomblé, especificamente na tradição Ketu. Mãe Stella nasceu em 2 de maio de 1925, em Salvador, Bahia, Brasil, e faleceu em 27 de dezembro de 2018. Ao longo de sua vida, dedicou-se à prática e divulgação do Candomblé, tornando-se uma figura respeitada e influente em seu comunidade e além. Ela era líder do Ile Axé Opô Afonjá, tradicional casa de candomblé de Salvador. Sob sua liderança, o templo ganhou reconhecimento por seu significado cultural e espiritual. Mãe Stella trabalhou para preservar e divulgar os ensinamentos, rituais e tradições do Candomblé, combatendo preconceitos e equívocos em torno da religião.

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Cultura

Casa Preta 15×15 terá leitura dramática, performance e inauguração de biblioteca

Amanda Moreno

Publicado

on

Casa Preta 15x15 terá leitura dramática, performance e inauguração de biblioteca

Casa Preta 15×15 terá leitura dramática, performance e inauguração de biblioteca. O projeto “CASA PRETA QUINZE POR QUINZE” tem promovido o encontro de artistas do Distrito Cultural do Centro Histórico e Comércio para realização de 15 ações culturais desde janeiro, em comemoração aos seus 15 anos da Casa Preta, espaço cultural localizado no bairro Dois de Julho. Leituras dramáticas, performance e a inauguração de uma mini biblioteca com temas ligados à história da “cidade da Bahia” estão entre os destaques da programação de fevereiro e março.

O projeto tem apoio financeiro da Prefeitura Municipal de Salvador e Fundação Gregório de Mattos através do Edital Territórios Culturais.

Com direção de Caio Rodrigo, a leitura dramática do texto “Os Cachorros”, de Elena Garro, acontecerá 27/02 (terça), às 19h. Já no dia 29/02 (quinta), às 19h. o público confere a Leitura dramática do texto “Foro 4 Tiradentes”, de Mário Lago, com direção de Gordo Neto. No dia 01/03, o projeto realiza a Inauguração do acervo especial “História da Bahia, história do bairro Dois de Julho”, às 16h. No mesmo dia, será apresentada a “poeformance”, com Alex Simões, às 19h. Todos os eventos têm entrada gratuita. Casa Preta 15×15 terá leitura dramática, performance e inauguração de biblioteca.

“Há um caráter comunitário no projeto, por isso também a escolha de uma oficina de jardinagem, para juntar gente em torno do cuidado com as plantas, muito presentes nas casas e mesmo nas ruas e fachadas”, conta o co-gestor da Casa Preta, Gordo Neto.

Leitura dramática “Os Cachorros”, de Elena Garro 

com elenco convidado
27 de Fevereiro (terça), às 19h
Direção: Caio Rodrigo
Gratuito

Leitura dramática “Foro 4 Tiradentes”, de Mário Lago 

com elenco convidado

29 de Fevereiro (quinta), às 19h
Direção: Gordo Neto
Gratuito

Inauguração do acervo especial “História da Bahia, história do bairro Dois de Julho” Dia 01 de Março (sexta), às 16h.

Gratuito

poeformance, com Alex Simões

01 de Março (sexta), às 19h

Gratuito

Café da Manhã, palco aberto e mesa redonda

Dia  03 de Março (domingo) das 09:00 às 12:00.

Gratuito

Ingressos (linktr.ee/Casapreta)

Toda a programação do projeto Casa Preta 15 por 15 está incluída na ação promocional “A Casa Preta em Boa Vizinhança”. 

Moradores dos bairros do Distrito Cultural do Centro Histórico e Comércio pagam meia entrada em quaisquer eventos deste projeto!

+ Informações: https://casapreta.art.br

Continue Reading

Literatura

Circuito de contação de histórias negras está com inscrições abertas

Amanda Moreno

Publicado

on

Circuito de contação de histórias negras está com inscrições abertas
Circuito de contação de histórias negras está com inscrições abertas (Foto: Divulgação)

Circuito de contação de histórias negras está com inscrições abertas. Em sua segunda edição, o Literama Infantil continua a destacar a riqueza da literatura negra infanto-juvenil por meio da contação de histórias. Com um convite aberto para novas Unidades Escolares do ensino público e Organizações Não Governamentais (ONGs).

As inscrições estão abertas até  quinta-feira (29/02) e podem ser feitas através do formulário online: https://forms.gle/kgLQzJBWCXHJrgB97 

Sobre o Literama Infantil

Criado em 2022, o Literama Infantil propõe um envolvente circuito de contação de histórias negras, como forma de aproximar crianças e adolescentes da rica cultura afro-brasileira. O intuito é realizar uma celebração marcante, permeada por afeto, esperança e conhecimento por meio da apresentação de narrativas autênticas e representativas.

A produtora cultural Cris Santana, coordenadora geral do projeto, acredita que é uma oportunidade única para contribuir para o enriquecimento cultural das crianças e adolescentes. "Podemos ver no dia a dia a importância de fomentar uma cultura
mais inclusiva, representativa e diversa, principalmente quando se trata de crianças e adolescentes. O Literama Infantil tem esse propósito de incentivar o consumo da literatura negra infanto-juvenil; e aproximar cada vez mais estudantes de regiões desfavorecidas culturalmente da cidade. O despertar cultural e artístico de uma forma representativa tem capacidade de transformar vidas.

Para participar da seleção, é necessário que a instituição seja uma Unidade Escolardo ensino pú lico ou ONG que trabalhe com o público infantojuvenil (até 12 anos) do Ensino Fundamental I, e esteja localizada na Prefeitura-Bairro IV de Salvador. Os bairros abrangidos incluem Aeroporto, Alto do Coqueirinho, Areia Branca, Bairro da Paz, Boca do Rio, Cassange, Imbuí, Itapuã, Itinga, Jardim das Margaridas, Mussurunga, Nova Esperança, Patamares, Piatã, Pituaçu, São Cristóvão e Stella Maris.

Outras informações: literamainfantil@gmail.com ou @literamainfantiloficial.

O projeto Literama Infantil foi contemplado pelo edital Territórios Criativos, com recursos financeiros da Fundação Gregório de Mattos, Secretaria Municipal de Cultura e Turismo, Prefeitura de Salvador e da Lei Paulo Gustavo, Ministério da Cultura, Governo Federal.

Continue Reading

Cultura

Bárbara Carine fez noite de autógrafos na Biblioteca Central

Amanda Moreno

Publicado

on

Bárbara Carine fez noite de autógrafos na Biblioteca Central

Bárbara Carine fez noite de autógrafos na Biblioteca Central. A chuva deu uma trégua no final desta quinta-feira (22) para o lançamento de mais um livro da educadora, escritora, pesquisadora e ativista, Bárbara Carine. Intitulado “Querido estudante negro” o evento foi realizado no Quadrilátero da Biblioteca Central, nos Barris. Após o sucesso de “Como ser um educador antirracista”, a ativista compartilha experiências pessoais repletas de tensões sociais e raciais.

No novo livro, Bárbara dialoga com dois estudantes negros que, independente das condições financeiras ou sociais, compartilham as experiências vividas em formato de cartas fictícias. “São histórias de ficção, mas, ao mesmo tempo, as histórias narradas pela jovem negra são todas histórias da minha vida, então, na realidade, é uma ficção que eu diria que é autobiográfica”, contou a educadora e influencer.

Bárbara Carine fez noite de autógrafos na Biblioteca Central

Bárbara Carine fez noite de autógrafos na Biblioteca Central (Foto: Henrique Santos)

Para Daudi Akil, estudante oriundo de escola pública e bolsista em escola particular de salvador, existe uma ansiedade de receber o autógrafo da autora e de ler o livro que segura firme nas mãos. “Já tô muito ansioso para ler esse livro. Eu tenho a certeza que vai ter muita batalha aqui dentro, porque hoje em dia viver numa sociedade dessa forma é horrível. Ser negro já é uma coisa difícil, imagina pra uma mulher negra? Aqui tem parte da história de vida dela, então deve ter sido muita batalha, inclusive, pra publicar o livro”, explicou o jovem estudante.

Com quase 400 mil seguidores nas redes sociais, a intelectual conversou com o público que lotou o Quadrilátero da Biblioteca. Ela explicou que no livro a ideia é mergulhar na complexidade da formação de subjetividades negras e que traz a perspectiva de uma psicopedagogia com leitura racial. Ao final Bárbara contou que já tem outro livro no forno, que parou para escrever “Querido estudante negro”, mas já retomou a escrita. Em breve, mais novidades!

Continue Reading
Advertisement
Vídeo Sem Som

EM ALTA