Connect with us

Formação

Uma Jornada Com Três Homens Pretos será sobre cura, ancestralidade e futuro da comunidade negra

Jamile Menezes

Publicado

on

Uma Jornada com Três Homens Pretos acontece em Salvador: na foto um homem negro fala ao microfone e faz um gesto com a mão direita. Atrás outro homem negro escuta.

O evento Uma Jornada Com Três Homens PretosTrauma, Ritual & a Promessa do Monstruoso, que será realizado em Salvador, nos dias 01 e 02 de setembro de 2023, contará com a participação de quatro artistas baianos de diferentes áreas culturais. Estarão no encontro a dançarina, coreógrafa, pesquisadora e professora da Escola de Dança da Universidade Federal da Bahia (UFBA), Marilza Oliveira; o cantor e compositor Dão Black; o poeta Lucas de Matos e o grafiteiro Marcos Costa.

O encontro internacional contará com a presença do professor e filósofo, Bayo Akomolafe, do mestre em Pensamento Sistêmico, Orland Bishop, e do escritor e terapeuta, Resmaa Menaken, e promoverá uma série de vivências sobre cura, ancestralidade e o futuro da comunidade negra.

“Somos filhos de África e a cura será a grande saída para todos os seres humanos, sobretudo, para nós, pessoas negras. Porque afirmo isso? Historicamente, ainda carregamos um fardo de sofrimento mesmo contribuindo com a sociedade dia após dia com o nosso legado ancestral seja no campo da culinária, na construção civil, seja dentro dos hospitais. Essas dores são passadas de pai para filho, um espelho que se reflete numa hereditariedade que não nos faz bem”, observa o cantor e compositor Dão Black.

A dançarina e coreógrafa, Marilza Oliveira, vai propor vivências corporais conduzidas pela arte da dança, nomeada por ela de CorpOrixá, durante o evento. “Sou mulher preta, itaparicana, candomblecista, artista da Dança e estarei participando desta intensa e potente jornada movida pela força da ancestralidade negra, juntamente com outras pessoas artistas. Como mulher preta, participante de um encontro proposto, especialmente, para homens pretos, historicamente forjados pelo sistema estruturante branco, regido pelo patriarcado, machismo e pela heterossexualidade, que desconsidera a diversidade e as distintas subjetividades, desejo que o princípio feminino seja permitido aflorar nesses homens pretos tão violentados, oprimidos, silenciados… e que o sentido de ‘Amor Preto’ se estabeleça para qualquer tipo de relação entre pessoas pretas”.

“A minha expectativa é de aprender bastante, trocar experiências e fazer uma arte que toque as pessoas. A minha arte aborda o tema da ancestralidade, uma pesquisa que chamo de Afro Grafite evidenciando o protagonismo da juventude. Muito me interessa ter acesso aos conhecimentos que vão rolar por lá. Quero aprender bastante e difundir ainda mais a minha arte”, diz o grafiteiro Marcos Costa.

O evento contará também com a presença do poeta e comunicador soteropolitano Lucas de Matos, que já realizou diversos trabalhos e participou, recentemente, da Festa Literária Internacional do Pelourinho (Flipelô), quando apresentou o seu livro: ‘Preto Ozado’ uma obra que entrelaça futuro e passado: jovial e ancestral. Segundo Lucas, estar na Jornada é algo inspirador. “Vamos ter manifestações de arte, música e claro, poesia e eu estarei lá participando desse momento que vai ser muito importante”.

SERVIÇO:

O quê:

Participação de artistas da Bahia na Jornada Com Três Homens Pretos – Trauma, Ritual & a Promessa do Monstruoso

Quando:

● 01 de Setembro de 2023 | das 9h às 17h | PARA HOMENS NEGROS E QUE SE IDENTIFICAM COMO HOMENS

Onde: Museu de Arte Moderna da Bahia (MAM) – Av. Lafayete Coutinho, s/n – Comércio, Salvador – BA

Ingressos no Sympla –

● 02 de setembro de 2023 | das 9h às 17h | PARA TODA POPULAÇÃO AFRO-BRASILEIRA

Onde: Senzala do Barro Preto – Rua Direta do Curuzu, 228 – Curuzu, Salvador – BA

Ingressos no Sympla –

Entrada Gratuita

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Formação

Festival Negritudes Globo desembarca em Salvador

Jamile Menezes

Publicado

on

Elisa Lucinda é convidada da Funceb no Escritas em Trânsito
Elisa Lucinda

Nesta quinta (18), na Casa Baluarte (Santo Antônio), acontece o Festival Negritudes Globo, que, pela primeira vez, desembarca na capital baiana, em parceria com a Rede Bahia. Os cantores Larissa Luz e Tatau, o cineasta norte-americano Alrick Brown, os atores Érico Bráz, Jessica Ellen, Amaury Lorenzo e Maria Gal, além de escritores como Bárbara Carine, Elisa Lucinda e a influenciadora Tia Má, entre muitos outros, irão participar de conversas sobre educação, fé, futuros reimaginados, saberes, resistência e música.

O Festival Negritudes faz parte da Agenda ESG da Globo, conjunto de práticas voltadas para preservação do meio ambiente, responsabilidade com a sociedade e transparência empresarial.

Programação Festival Negritudes Globo:

10H | ABERTURA |

10H10 | BOAS-VINDAS | Com Ronald Pessanha (líder do Negritudes), Rita Batista e Vanderson Nascimento

10H20 | FÉ E NARRATIVAS | Para muitos a espiritualidade é refúgio da alma. De que forma as nossas crenças interferem nas narrativas negras? Como podemos retratar nossas diferentes culturas fugindo de estereótipos e deixando nossas tramas únicas e envolventes?

Com Jéssica Ellen (atriz), Kléber Lucas (pastor Evangélico), Ekedy Sinha (ativista e representante do Candomblé) e Padre Lázaro. Mediação de Rita Batista (apresentadora Globo)

11H50 | NARRATIVAS NEGRAS: UMA INFINIDADE DE POSSIBILIDADES | São infinitas as direções pra onde uma história pode rumar. Ao tratar de narrativas negras, fala-se também de ineditismo, já que muito ainda não foi contado. Há um manancial de passado a ser desvendado, de presente a ser discutido e de futuro a ser reimaginado.

Maria Gal (atriz) e Alrick Brown (diretor e professor de cinema e TV na NYU). Mediação de Zileide Silva (jornalista Globo)

13H30 | PAINEL LED: EDUCAÇÃO ANTIRRACISTA | Bárbara Carine (escritora e idealizadora da escola Maria Felipa) e Monique Evelle (empreendedora). Mediação de Larissa Luz (cantora e apresentadora)

15H | FALE DO SEU LUGAR E SEJA UNIVERSAL | Um enredo local se torna global quando sua perspectiva é genuína. Um povoado pode ganhar o mundo quando conta sua própria história. O que falar, então, de uma vasta terra com tantos causos e histórias que até Deus duvida?

Com Tia Má (atriz e influenciadora), Viviane Ferreira (cineasta) e Gabriel Jacome (diretor de Gestão de Conteúdo Globo). Mediação de Felipe Velozo (repórter TV Globo)

16H15 | NARRATIVAS ORAIS COMO FORMA DE RESISTÊNCIA | Quando duas pessoas se juntam, histórias brotam. Como fato, invenção, fofoca ou compartilhamento de saber o que se passa de geração em geração é história, assim como trocas da vida cotidiana. Quanta coisa resistiu graças unicamente à oralidade?

Com Érico Brás (ator), Elisa Lucinda (atriz), Amaury Lorenzo (ator), Valmir Boa Morte (líder sociocultural de Cachoeira). Mediação de Tarsilla Alvarindo (jornalista da rede Bahia)

17H45 | RÉGUA E COMPASSO | Você consegue imaginar a Música Brasileira sem as culturas afrodescendentes? Ritmos, instrumentos, notas, filosofia, dores, paixões… O povo negro desse País é a essência da veia artística que pula há séculos. E, com essa mania de dar régua e compasso, a Bahia sempre está na vanguarda.

Com Tatau (cantor) Ubiratan Maques (maestro). Mediação de Luana Assiz (jornalista da rede Bahia)

Atração Artística: Olodum e Orquestra Afrosinfônica da Bahia

Continue Reading

Formação

Fala, Preta: projeto traz oficina e talk show sobre luta de mulheres negras

Jamile Menezes

Publicado

on

projeto "Fala, Preta!" em comemoração ao "Dia da Liberdade de Pensamento" e ao "Dia Internacional da Mulher Negra Latino-Americana e Caribenha"

Em comemoração ao “Dia Internacional da Mulher Negra Latino-Americana e Caribenha”, nos dias 27 e 28 de julho, a Caixa Cultural Salvador sediará a edição do projeto “Fala, Preta! . Com uma oficina e um talk show, o projeto busca promover a valorização da cultura negra e a luta das mulheres negras, incentivando mudanças de pensamentos e atitudes na sociedade.

A oficina “Fala, Preta!”, conduzida por Mel Campos e Antônio Marques, ensinarão técnicas e estratégias de criação e divulgação de podcasts e videocasts, no dia 27 de julho, às 14h. A oficina tem como objetivo capacitar os participantes para utilizar mídias específicas como ferramentas de comunicação, educação e marketing.

O encontro abordará temas como equipamentos e softwares necessários, planejamento e estratégia, produção e edição, e distribuição e marketing. A troca visa empoderar os participantes a divulgar suas ideias e criar comunidades engajadas em torno de temas diversos e relevantes. As inscrições podem ser feitas pelo link https://forms.office.com/r/GNCVBTq2yc.

O talk show “Fala, Preta!”, apresentado pelas atrizes Denise Correia e Lívia França, no dia 28 de julho, às 15h, contará com a participação de convidadas especiais, como Dra. Laissa Rocha e Mabel Freitas, que compartilharão experiências e conhecimentos sobre o universo feminino negro. As musicistas Riane Mascarenhas e Beatriz Sena ainda realizarão intervenções musicais.

As convidadas discutirão temas relevantes, sobre a luta e resistência das mulheres negras ao longo da história do Brasil. As inscrições podem ser feitas pelo link https://forms.office.com/r/7iGsAfzqmF.

Serviço

Oficina “Fala, Preta!” com Mel Campos e Antônio Marques

Data: 27 de julho

Horário: 14h

Local: Caixa Cultural Salvador (R. Carlos Gomes, 57 – Centro)

Inscrições: https://forms.office.com/r/GNCVBTq2yc

Gratuito

Talk show “Fala, Preta!” com Denise Correia e Lívia França

Convidadas: Dra. Laissa Rocha e Mabel Freitas

Data: 28 de julho

Horário: 15h

Local: Caixa Cultural Salvador (R. Carlos Gomes, 57 – Centro)

Inscrições: https://forms.office.com/r/7iGsAfzqmF

Gratuito

Continue Reading

Formação

Instituto A Mulherada inscreve para curso de Iniciação e Percepção Musical

Jamile Menezes

Publicado

on

Instituto A Mulherada

Em sua segunda turma, o Instituto A Mulherada abre inscrições gratuitas para mulheres e pessoas LGBTQIAP participarem de oficinas de Iniciação e Percepção Musical por meio do projeto “Cultura Entrelaçada Preta”. As inscrições são online e abrem nesta sexta-feira (12/7) até o preenchimento das 30 vagas disponíveis.

O projeto cria um espaço de aprendizado, expressão artística e fortalecimento, promovendo uma conexão profunda com as tradições culturais afrodescendentes.  Com foco no empoderamento feminino, as aulas são voltadas para jovens, mulheres negras e pessoas LGBTQIAP+ interessadas em aprender teoria musical, buscando desenvolver a acuidade auditiva para a apropriação da linguagem musical, por meio de solfejos, atividades rítmicas com o corpo e ditados melódicos e rítmicos.

Ministrada pela professora Letícia Nascimento, que também lecionou a primeira turma, a experiência foi compensadora. “As alunas que vão terminar a primeira turma de Teoria e Percepção Musical são pessoas incríveis, alunas prestativas, disciplinadas e altruístas. Então, ver todas elas se ajudando e buscando sempre aprender mais e mais é o que toda professora quer. Espero que esse curso impulsione e estimule mais ainda a continuidade do aprendizado musical de todas elas”, diz Letícia.

Ela possui graduação em Licenciatura em Música pela Universidade Federal da Bahia (2023), m 2010, ingressou como professora de música na Filarmônica 30 de Junho de Serrinha- BA, lecionando nas turmas de iniciação musical e como regente da orquestra de flautas doce da instituição. Desde 2018, é professora de Arte do Ensino Fundamental II Anos Finais e Ensino Médio da Cooperativa Integral de Educação Serrinhense, em Serrinha-BA.

As aulas acontecerão a partir do dia 20 de julho, aos sábados, das 14h às 16h no Centro de Referência em Desenvolvimento e Humanidade (CRDH – UNEB), no Carmo, onde neste sábado (13), haverá, às 15h, show de encerramento da primeira turma, aberto ao público.

O projeto ainda prevê aulas práticas de percussão afro, cidadania empreendedorismo e redes digitais.

Mulheres cis, lésbicas, bissexuais, travestis, transsexuais e transgêneros, oriundos da comunidade do Centro Histórico e áreas adjacentes, bem como das periferias de Salvador são incentivadas a participar. Além de suas atividades formativas e reflexivas, o projeto oferece a suas participantes a chance de se apresentarem em eventos ao longo do ano em Salvador, e durante o carnaval, no Bloco Afro A Mulherada.

Este projeto foi fomentado pelo Programa Funarte de Apoio a Ações Continuadas 2023 e tem apoio da Fundação Gregório de Mattos e Centro de Referência em Desenvolvimento e Humanidade (CRDH – UNEB).

 

SERVIÇO

O que: aulas de Iniciação e Percepção Musical

Quando: a partir de 20 de julho de 2024

Quanto: Gratuito

Onde: Centro de Referência em Desenvolvimento e Humanidade (CRDH – UNEB)

Inscrição: https://forms.gle/pyNLUdcYxSjSzUjV8

+informações: @institutoamulherada

Continue Reading
Advertisement
Vídeo Sem Som

EM ALTA