Connect with us

Música

Iuna Falcão lança seu álbum de estreia “Transe”

Jamile Menezes

Publicado

on

Iuna Falcão veste vestido branco esvoaçante e está senstada de lado.

A cantora maranhense radicada na Bahia Iuna Falcão tem mostrado em seus lançamentos o poder da sua voz expressiva, autêntica e contemporânea. Representando a nova MPB – Música Preta Brasileira, a artista lança hoje seu aguardado álbum “Transe”, com um encontro diaspórico entre os gêneros ancestrais maranhenses e as programações do synth-pop.

O projeto chega às plataformas acompanhado de visualizers em seu canal do YouTube, trazendo no repertório trabalhos com Lazzo Matumbi, Theodoro Nagô e Xênia França. O primeiro álbum de Iuna tem direção musical e arranjos de Lucas Cirillo, e já chegou com as canções “Silêncio” e “Segredo Solar” indicadas aos prêmios Multishow e Rádio Educadora, respectivamente.

“O conceito do álbum gira em torno da presentificação de ancestrais vivos, seja através  das letras, ou através das referências musicais expressas na melodia e no arranjo. O tema principal a ser abordado, além da força da mulher negra, é a cultura maranhense. A estética que buscamos trazer está baseada nos instrumentos percussivos maranhenses, mas carrega também referências do hip hop dos anos 90 na bateria, juntamente com os sintetizadores do teclado que trazem uma energia futurística”, diz.

Em uma breve descrição sobre Transe, Iuna disserta que os arranjos foram criados com base no estudo dos sistemas de claves rítmicas do saudoso maestro Letieres Leite, o UPB-Universo Percussivo Baiano. Traduzindo os princípios das claves, oralidade e circularidade para a linguagens contemporâneas, as músicas do álbum assumem uma perspectiva visual, que honra a diversidade cultural de São Luís-MA.

Transe é uma narrativa sonora sobre as referências de vida de Iuna. Na chegada, o som se apresenta como jazz, R&B cibernético maranhense, mas depois segue polifonia das linguagens territoriais. “É o boi do Maracanã e de Leonardo festejados desde sempre, são as aparelhagens da Estrela do Som ou o cacuriá de dona Teté, em outro ponto é a chegança em Salvador, mas também é a lembrança do grave do tambor onça que agora é assumido pelo baixo de Be-Atrz”.

As máquinas de ritmo tocam o batuko de cabo-verde, e o piano eletrônico de Vitor Arantes brinca com os timbres atualizando o tempo-agora. Os arranjos de bateria foram criados tendo como referência as sonoridades do neo-soul, após a revolução rítmica proposta pelas colagens geniais de J-Dilla. O mestre Carlos Bala e os geniais Daniel Pinheiro e Kau Caldas assinam a linguagem da bateria. A percussão é telúrica, no chão, como ponto de aterramento, e as vezes timbrada eletronicamente. O mestre Vihdavice assina todos os instrumentos maranhenses e timbres, e o sotaque baiano em “Silêncio” e “Não Tempo” ficou por conta de Riccardo Braga.

As composições são assinadas por Lucas Cirillo e Iuna Falcão, mas também tem letra de Luedji Luna e Héloa. Refletindo sobre a natureza das coisas  e  concebendo a negritude nesse lugar de criação, o álbum é recortado por interlúdios que contam um pouco sobre as encruzilhadas sonoras percorridas até aqui. Os interlúdios foram pensados para promover uma experiência única para cada pessoa, modificada ao público escolher escutar o álbum faixa-a-faixa ou no modo aleatório.

O álbum começa pela vinheta do Boi de Maracanã, seguido por Feito Duna, primeira faixa do disco, que carrega o nome de Iuna na letra, mas também por ter uma energia de mistério, revelação, algo a ser descoberto. A segunda faixa é o primeiro feat a ser revelado. Escarlate traz o feat com Theodoro Nagô e carrega abertura de vozes, com uma melodia super envolvente que dá a sensação de crescente no disco, mostra que há uma história a ser contada.

A quarta faixa, Segredo Solar, já é conhecida pelo público. É uma das músicas já lançadas que antecedem o disco e que fala sobre o dom de ter poesia no olhar, principalmente quando se trata da natureza, que é algo pelo qual Iuna ama escrever e cantar.

Nessa parte do álbum, outra vinheta como uma fita gravada faz o interlúdio para a próxima canção, Transe, música que nomeia o disco, “justamente por ter esse efeito sobre mim, e conseguir levar o público a sentir esse mesmo transe, sentir envolvimento com todas as faixas, e trazer profundidade as sensações que o disco leva a sentir”.

Outra canção conhecida por estar no EP homônimo, Nosso Jardim é uma música que fala sobre amor, sobre se deixar sentir, se permitir. Tem uma levada gostosa e envolvente, é uma canção muito aclamada pelo público

Vendaval é uma canção escrita em criolo, que carrega toda a potência dos tambores maranhenses, chega a ser uma das canções do disco que mais representa essa musicalidade. Seguido de Estrela, que foi lançada recentemente com uma roupagem diferente e tem participação de Xênia França. É uma canção que fala sobre a força feminina, e o sagrado (através da energia das yabás).

A décima faixa, Silêncio, é composição de Luedji Luna e Héloa, e carregada de significados. “Buscamos trazer ela para o universo baiano, porém sem deixar de mostrar outras referências como o jazz, e outros estilos musicais predominantemente negros”. A faixa foi indicada ao Prêmio Multishow na categoria Brasil.

Em uma vinheta de reggae, abre espaço para Não Tempo, que fala diretamente sobre o tema do disco, a presentificação dos ancestrais vivos, por isso é um feat com Lazzo Matumbi, uma das maiores referências musicais de Iuna, e traz o charme do reggae maranhense.

Fechando Transe, antes da última faixa, a Cantiga Vihdavice abre pra À Maria, que apresenta a energia de canção de ninar. “Fala sobre o acalante de Iemanjá com seus filhos, então utilizamos muito dos synths para trazer essa sensação de água de mar, de leveza e delicadeza”, finaliza Iuna.

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Gastronomia

Afrochefe Jorge Washington celebra 7 anos do Culinária Musical

Amanda Moreno

Publicado

on

Afrochefe Jorge Washington
Afrochefe Jorge Washington celebra 7 anos do Culinária Musical

Afrochefe Jorge Washington celebra 7 anos do Culinária Musical. De volta à Casa do Benin após o Carnaval, o Afrochefe Jorge Washington vai celebrar os 7 anos do Culinária Musical, projeto que vem se tornando um dos eventos mais cobiçados de Salvador. Depois de mais de 100 edições, com a participação de mais de 10 mil pessoas em sete anos, o projeto Culinária Musical já chegou em 2024 se estabelecendo na agenda cultural da cidade.

O encontro será no dia 10 de março (domingo), das 12h às 17h, na Casa do Benin (Pelourinho), e terá como atração principal Dão Black. Esta edição terá duas convidadas especiais: a cantora de jazz Alissa Sanders e a nova voz soteropolitana, Ayana Amorim.

Radicada no Brasil há 23 anos, a cantora estadunidense Alissa Sanders usa sua voz para se reconectar com suas raízes ancestrais africanas, transformando-a na base instrumental de seu trabalho. Em Salvador, Alissa se aproximou da música baiana contemporânea, dos sons de matriz africana e do samba-de-roda. Ayana Amorim é uma multiartista que utiliza diversas linguagens, mostrando as potências de sua corporeidade como corpo político. Com uma voz ancestral, ela traz a nordestinidade em suas pesquisas e musicalidade.

Os pratos do dia serão a premiada Maxixada de Carne Seca, Arrumadinho de Fumeiro e Casquinha de Siri. Pra quem não come proteína animal, o Afrochefe vai preparar uma Moqueca de Maxixe com Banana da Terra e Castanha.

Neste dia, também terá Literatura Negra, com tarde de autógrafos do livro “Que seja mais”, primeira obra solo de Renata Lima, professora, poeta e contista soteropolitana. Graduada em História, é especializada em História e Cultura Afro Brasileira e Mestra em Educação, com participação em antologias poéticas, livros, e-books e revistas digitais.

No Cantinho da Empreendedora, o Afrochefe convia a marca “Beti a Crespa”, linha capilar vegana que utiliza ativos naturais sem química para uma rotina de afroestima e autocuidado. A marca tem a missão de reintegração da autoestima negra, trazendo o empoderamento capilar como simbolo identitário. E terá ainda o lançamento da coleção “Restinga-SE”, da estilista Negra Luz, de Aracaju. A coleção é produto da Casa Negra Luz, e é o resultado da pesquisa de Tatiane Costa, das suas vivências, trocas de saberes e tradições sergipanas.

SERVIÇO
O que: Culinária Musical
Quando: 10 de março (domingo), das 12h às 17h
Onde: Casa do Benin (Pelourinho)
Quanto: entrada R$30 (em espécie); pratos R$70/duas pessoas
Ingressos antecipados: Pix para (71) 99241-7068 (envio de comprovante)

Continue Reading

Formação

Instituto A Mulherada lança oficinas de percussão gratuitas

Amanda Moreno

Publicado

on

Instituto A Mulherada lança oficinas
Instituto A Mulherada lança oficinas

Instituto A Mulherada lança oficinas de percussão gratuitas. O Instituto A Mulherada está com inscrições abertas para oficinas gratuitas de percussão e música afro, com o intuito de capacitar jovens mulheres e LGBTQIAPN+ na arte, além de fomentar o debate sobre violência doméstica e empoderamento. As Oficinas começam nesta segunda-feira (26), na sede do Instituto no Centro Histórico, às 17h. Inscrições limitadas.

A iniciativa visa a equidade de gênero, engajando mulheres, lésbicas, bissexuais, transsexuais, travestis e pessoas não-binárias, promovendo a união de diferentes identidades de gênero. Ela integra as ações da 5ª edição do projeto “Tambores pelo Fim da Violência – Tocar Pode Bater Não”, nos Territórios Criativos do Centro Histórico de Salvador. Com o projeto, o Instituto utiliza a música, a arte como instrumentos de conscientização e empoderamento para combater a violência doméstica e familiar contra mulheres, além de promover sua inclusão no mercado de trabalho.

O projeto, que se inicia com as Oficinas, ainda prevê a realização de rodas de conversa sobre temas relacionados à violência doméstica, direitos das mulheres, igualdade de gênero e cultura afro-brasileira. Esses espaços proporcionarão diálogos abertos, compartilhamento de histórias e troca de experiências.

No encerramento das ações, a banda A Mulherada, formada por mulheres, apresentará show musical gratuito na cidade com a presença de convidadas. O show reforçará a mensagem do Instituto no combate à violência e o fortalecimento das mulheres, atraindo a atenção da comunidade nessa campanha. A abrangência do projeto visa unir pessoas que compartilham o compromisso com a causa e tem como o objetivo criar uma rede de apoio poderosa e eficaz para enfrentar as violências. Todas as ações ocorrem no mês de março.

O Instituto
O Instituto A Mulherada tem por missão lutar pela defesa dos direitos das mulheres vítimas de violência, sem oportunidade de emprego e pela inclusão educacional e profissional das mesmas. Criado em 2001, a partir da identificação das demandas e necessidades da população feminina de Salvador, especialmente mulheres negras em situação de vulnerabilidade, o Instituto vem intervindo na realidade do cotidiano, colaborando para que as mulheres rompam com o ciclo do silêncio que se inicia com a submissão e dependência, culminada muitas vezes no óbito dessas vítima. Por meio da arte e da cultura.

Instituto A Mulherada lança oficinas de percussão gratuitas. Este projeto foi contemplado pelo edital Territórios Criativos, com recursos financeiros da Fundação Gregório de Mattos, Secretaria Municipal de Cultura e Turismo, Prefeitura de Salvador e da Lei Paulo Gustavo, Ministério da Cultura, Governo Federal.

SERVIÇO
Oficinas de Percussão
Quando: 26 de fevereiro, das 17h às 19h
Onde: Sede do Instituto A Mulherada (Rua do Tesouro, 39 – Centro, Salvador) | Em frente à Secretaria Municipal da Fazenda
Quanto: Gratuito | Inscrições online limitadas: https://forms.gle/hMNA7k7RNWA3Bfvz6 
Mais informações: (71) 98820-9529 | Instagram: @institutoamulherada @bandaamulherada

Continue Reading

Carnaval

Quabales e Aila Menezes fazem ressaca do Carnaval

Amanda Moreno

Publicado

on

Quabales e Aila Menezes fazem ressaca do Carnaval
Quabales e Aila Menezes fazem ressaca do Carnaval (Foto: Rafael Paixão)

Quabales e Aila Menezes fazem ressaca do Carnaval. O Pelourinho vai receber neste fim de semana a Ressaca de Carnaval da cantora Aila Menezes. O evento será neste sábado (24), a partir das 19h, no Largo Quincas Berro D’água. O show de abertura será da Quabales Banda. A entrada é gratuita.

Aila, que ganhou projeção nacional ao participar do The Voice Brasil e se firmou como uma das representantes femininas do pagode baiano, vai levar para o público o pagodão pesado e consciente do papel da mulher na cena musical baiana. Ela promete agitar o público com música e dança.

Já a Quabales Banda, que acumula mais de 79 mil execuções em suas músicas só no Spotify, irá misturar no palco música, performance, percussão baiana, hip hop, pagotrap, canto e batida eletrônica. O grupo tem direção do multi-instrumentista baiano Marivaldo dos Santos, único brasileiro no elenco do STOMP, em cartaz há mais de 20 anos na Broadway.

Quabales e Aila já se apresentaram juntos no Festival de Verão deste ano. Quabales e Aila Menezes fazem ressaca do Carnaval. A banda e a artista fizeram a abertura do evento, no dia 27 de janeiro, no Parque de Exposições. No mesmo palco também se apresentaram artistas como Ivete Sangalo, IZA e Ceelo Green.

Continue Reading
Advertisement
Vídeo Sem Som

EM ALTA