Connect with us

Audiovisual

Série Nossas Pretas Protagonistas entrevista a tradutora e intéprete Raquel Luciana

Avatar

Publicado

on

Quando pensamos nas vozes diaspóricas que desejamos ouvir, Raquel Luciana se destaca como uma dessas mulheres que, em sua construção silenciosa, assemelha-se à nascente de um rio, desempenhando o papel crucial de conectar o Brasil com as perspectivas raciais interconectadas pelo mundo. Sua trajetória, que transcende o âmbito teórico para se tornar, acima de tudo, subjetiva e corporal, tem nos permitido adentrar no campo da tradução negra de maneira afetiva, com um senso profundo de pertencimento, reconhecimento e ancestralidade, mesmo diante dos desafios apresentados quando se trata de corpos negros neste papel, com seus debates e lutas correspondentes.

Ao longo de mais de 15 anos, Raquel Luciana de Souza tem se destacado como uma intérprete que nos convida a refletir sobre as questões de raça e gênero no espaço da tradução, adotando uma perspectiva interseccional. Ex-bolsista da Fulbright, ela possui doutorado em Antropologia Social com foco em Estudos da Diáspora Africana pela Universidade do Texas em Austin, mestrado em Estudos Americanos pela Universidade de Maryland, Pós-Graduação em Linguística Aplicada à Tradução pela Universidade Federal de Minas Gerais e graduação em tradução pela Universidade Federal de Ouro Preto. Atualmente, é pesquisadora e colaboradora do Projeto Traduzindo no Atlântico Negro da UFBA, coordenado pela professora Denise Carrascosa, doutora pela UFBA.

Estamos diante de uma profissional da área de tradução que, além dos desafios inerentes a sua profissão, assume o papel de intelectual negra, convidando-nos a refletir sobre a tradução a partir das subjetividades, experiências, textualidades e performances negras. Reconhecida por sua habilidade em traduzir simultaneamente referências nacionais e internacionais em prol dos direitos humanos e do combate ao racismo, Raquel é uma mineirana (mineira com baiana) que tem dado voz brasileira a ícones e pensadores feministas como Angela Davis, Malala Yousafzai, embaixadores africanos e intelectuais como o neurocientista Carl Hart, o Prêmio Nobel da Paz Wole Soyinka, primeiro negro a receber o Nobel de Literatura, Nkosinathi Biko (filho mais velho de Bantu Biko, ativista anti-apartheid da África do Sul nas décadas de 1960 e 1970), entre outros.

Raquel teve seus primeiros contatos com a língua inglesa ainda em Minas Gerais, quando estudava tradução na Universidade Federal de Ouro Preto. Para ela, trabalhar com a legendação de filmes era uma de suas metas na vida. De acordo com Raquel, seu desejo de analisar a legendação de filmes estava intrinsecamente ligado à perspectiva de traduzir humor, algo que ainda hoje é considerado uma tarefa complexa, dada a variedade de questões que precisam ser consideradas, como a reflexão sobre a traduzibilidade do humor.

Para a sorte da diáspora negra, Diva Moreira é a ativista que muda essa perspectiva e introduz nossa entrevistada nos primeiros momentos do encontro com a questão racial. Tornando-a responsável por traduzir professores, em sua maioria afro-americanos e afro-americanas, interessados não apenas na pesquisa da implementação da Secretaria de Promoção da Igualdade, sob a coordenação de Diva, mas também no projeto inovador no cenário racial e político que essa se tornava. Trata-se do primeiro projeto formal de uma Secretaria que abordava especificamente a questão racial.

Pioneira ao abordar questões raciais dentro da perspectiva da tradução, Raquel teve que se adaptar à escrita norte-americana devido a sua bolsa do Governo Americano para mestrado e doutorado nos EUA. Ao se especializar em questões raciais no âmbito da tradução e nos processos de implementação de Ações Afirmativas nas universidades norte-americanas, Raquel tem sido uma das vozes que se propõe a dar à tradução mais do que simples palavras. Ela tem construído um caminho de pertencimento e representatividade que nos aproxima e nos conecta com os textos e atores traduzidos.

Ao estabelecer pontes entre sua experiência profissional com questões raciais no Brasil (especificamente em Minas Gerais) e o entendimento comparativo das experiências raciais nos Estados Unidos, Raquel Luciana tem conectado e amplificado vozes que resistem e atuam na construção de uma nova sociedade e na luta pelos direitos garantidos.  Revelando, por meio dos relatos dessas personagens emblemáticas, a diversidade de pensamentos, conhecimentos, histórias e realidades de vida na diáspora, sua tradução tem nos proporcionado acesso a relatos e informações complementares sobre a realidade e as lutas desses povos e ativistas, entre outros, no contexto brasileiro.

Por Luciane Reis

A série “Nossas Pretas – Protagonistas” tem o intuito de dar visibilidade a mulheres baianas que têm feito a diferença em diversas áreas, que vão desde cultura e política até economia, educação e saúde.

Confira a entrevista com Raquel Luciana AQUI.

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Audiovisual

TV Pelourinho inscreve para cursos gratuitos no Audiovisual

Jamile Menezes

Publicado

on

No "Eu Sou a TV Pelourinho”, que oferece 40 vagas, as aulas começarão no segundo semestre e serão realizadas em dois turnos por semana.

A TV Pelourinho está com inscrições abertas para curso gratuito “Eu Sou a TV Pelourinho”, que durante nove meses, a partir de sete disciplinas, proporcionará formação em várias áreas do audiovisual a adolescentes e jovens com idades entre 15 e 29 anos de escolas ou universidades públicas.

No “Eu Sou a TV Pelourinho”, que oferece 40 vagas, as aulas começarão no segundo semestre e serão realizadas em dois turnos por semana. As disciplinas oferecidas são: Áudio, Edição, Fotografia e Novas Mídias, A Identidade no Cinema e Audiovisual Brasileiro, Linguagem do Audiovisual, Produção e Planejamento e Produção Audiovisual / Roteiro e Vodcast.

As inscrições devem ser feitas através do link (AQUI).

Saiba mais sobre o curso “Eu Sou a TV Pelourinho”

Áudio – Ensina os processos básicos de produção do som no cinema e no audiovisual, o emprego de som no filme, as funções da música no cinema e em outros produtos audiovisuais e introduz técnicas para o registro do som com o uso dos equipamentos de captação e processamento do som no audiovisual.

Edição – Dá noções básicas dos conceitos de edição e montagem no cinema, apresenta o estudo das principais teorias da montagem cinematográfica como elemento de construção da narrativa audiovisual e as técnicas de montagem e como utilizar softwares em computares e celulares para a construção da montagem.

Fotografia e Novas Mídias – Trata dos processos de produção em Cinema e Audiovisual relacionados à experimentação de linguagens através de produtos laboratoriais diversos, incluindo as novas mídias. Fala da História da fotografia, das técnicas de registro fotográfico e ensina operar a câmera e a usar celulares para produção de conteúdo audiovisual. Analisa a fotografia no cinema e no audiovisual e discute a direção de fotografia enquanto autoria.

A Identidade no Cinema e Audiovisual Brasileiro – Tem o objetivo de refletir e explorar o impacto e a representação da população negra na produção cinematográfica brasileira, com especial enfoque no protagonismo das mulheres negras. Através da análise de filmes, debates e atividades práticas, os participantes discutirão a auto-representação, combate ao racismo e políticas públicas para o cinema e audiovisual.

Linguagem do Audiovisual – Apresenta noções de estética e linguagens audiovisuais, as especificidades estéticas do Primeiro Cinema, a formação da gramática cinematográfica, o realismo cinematográfico, as convenções da linguagem clássica e as rupturas estéticas do cinema moderno.

Produção e Planejamento e Produção Audiovisual/Roteiro – Mostra o estudo dos processos da direção e produção em Cinema e Audiovisual relacionados à experimentação de linguagens através de produtos laboratoriais. Faz conceituação dos termos técnicos básicos empregados no planejamento, na organização e na operacionalização da produção de Cinema e Audiovisual. Estuda a lógica sequencial da produção, sua configuração e operacionalização. Apresenta as diversas etapas da produção cinematográfica, funções da equipe, terminologia técnica e equipamentos usados, estúdios e laboratórios.

Na Produção Audiovisual/Roteiro, analisa a técnica de roteiro, as estruturas e criação do roteiro cinematográfico e audiovisual, suas regras de formatação para a escrita do roteiro cinematográfico ou audiovisual original e adaptado e trata do desenvolvimento da narrativa.

Mostra também como realizar orçamentos, formação de equipe, elaboração do plano da produção,  mapa de locações e o controle de custos de produção. Trata também da captação de recursos, execução de orçamento e das leis de incentivo. Fala das estratégias de lançamento, distribuição, e estratégias de Marketing.

Vodcast – Oferece uma abordagem abrangente sobre a criação e produção de vodcasts, um formato de mídia em ascensão que combina elementos de áudio e vídeo. Os participantes serão guiados desde os conceitos básicos até técnicas avançadas de produção, com ênfase na criação de conteúdo envolvente e na construção de uma audiência. Através de aulas teóricas e práticas, os alunos terão a oportunidade de adquirir habilidades essenciais para iniciar seus próprios vodcasts.

Continue Reading

Audiovisual

Festival Ferrovias recebe inscrições até 20 de junho

Jamile Menezes

Publicado

on

Trem colorido está parado sobre trilhos de uma ferrovia no subúrbio, sinalizando o tema do Festival Ferrovias.

O Festival Ferrovias é o primeiro festival de cinema voltado para o Subúrbio Ferroviário de Salvador e recebe inscrições até o dia 20 de junho. Voltado para criador audiovisual, diretor ou cineasta do Subúrbio Ferroviário de Salvador, o festival é uma oportunidade de exibir a produção local.

O Ferrovias abre espaço para obras audiovisuais que pensam as questões do território e visa enfatizar a potência criativa dessa região histórica da capital baiana. As inscrições devem ser realizadas mediante o preenchimento de um formulário online, através do site do Festival. Os projetos serão avaliados por uma equipe de curadores com trajetória diversa no audiovisual da região do Subúrbio, da cidade de Salvador e da Bahia.

Podem ser inscritos curtas com até 30 minutos de duração e longas-metragem de até 60 minutos ou mais. Também vale ressaltar que cada cineasta ou produtor audiovisual selecionado no Ferrovias irá receber um prêmio de R$ 400.

O Festival Ferrovias recebe, prioritariamente, obras de nascidos ou moradores do Subúrbio. Entretanto, pessoas de outras regiões de Salvador também podem se inscrever, desde que os filmes submetidos tenham temática voltada para o território ou que tenham sido gravados no Subúrbio.

Da margem ao centro

O Festival Ferrovias estabelece sua relevância ao centralizar artistas e histórias deste território. Na primeira edição do projeto, 80% das obras inscritas contaram com a participação de pelo menos uma pessoa do Subúrbio.

“[A participação no festival] foi importante para mim porque representei parte da comunidade em que eu moro. É importante levar as pessoas daqui da comunidade e [mostrar] esse trabalho que é feito aqui”, destacou Ítalo Rodrigues, que é morador do bairro de Plataforma, sobre a importância do projeto em sua trajetória.

O curta documental “O peixe”, dirigido por Ítalo, foi uma das obras selecionadas na 1ª edição do Ferrovias e já foi exibida em outros festivais de cinema, como os festivais Felino Preta e Latinidades Negras.

INSCREVA-SE!

Continue Reading

Audiovisual

Circuito CINERÊ abre inscrições para novos cineastas negros

Jamile Menezes

Publicado

on

O Circuito CINERÊ está com inscrições abertas para o Lab Cinerê, edital que vai selecionar 10 jovens cineastas da Cidade Baixa, Subúrbio Ferroviário, Mussurunga, Cajazeiras e Brotas para uma formação audiovisual.

Circuito de produção audiovisual para novos cineastas negros, o Lab será dividido entre oficinas e workshops entre os meses de julho e agosto. As pessoas interessadas podem realizar suas inscrições para concorrer às vagas até o dia 10 de junho.

“Nosso principal objetivo é promover e ampliar o alcance de novos cineastas negros em regiões da cidade onde iniciativas como essa ainda são raras. Após a capacitação desses profissionais, que virão a partir da chamada pública, teremos mais duas etapas que resultarão em 15 produtos audiovisuais dos segmentos ficção, documentário e videoclipes”, explica Rafa Martins, gestor do Circuito CINERÊ.

Roteiro, direção de fotografia e direção cinematográfica serão os temas dos workshops, ministrados por nomes do segmento: Ana do Carmo, diretora, roteirista e sócia fundadora da Saturnema Filmes; Rogério Sagui, diretor, roteirista, cineasta e produtor com projetos assinados na Globo, Netflix e HBO e Fabíola Silva, diretora de fotografia que tem, entre seus principais trabalhos, a websérie “Punho Negro” (2021) e o videoclipe “Maré Kawô” (2018).

Já as oficinas contemplarão produção audiovisual, com cineasta, roteirista e fotógrafo Vinícius Eliziário; preparação e direção de atores, com ator, roteirista e diretor Heraldo de Deus, além de edição de montagem com o publicitário e artista visual Del Nunes.

Rafa Martins – Foto Amanda Chung

“Após a conclusão da formação, 10 diretores serão contemplados com um valor em dinheiro para realizar um curta, colocando em prática o que foi aprendido”, completa Martins.

Além das 10 vagas que serão preenchidas através do edital, 30 vagas serão disponibilizadas para o público externo e, para participar, é necessário apenas fazer inscrição através do formulário.

O Cinerê

É um circuito de produção audiovisual idealizado pela Pé de Erê Produções, produtora independente multicultural focada em produções negras que está dando início a sua vertente de produção de audiovisual por meio da Lei Paulo Gustavo. O Cinerê conta com a idealização e direção técnica de Rafa Martins, direção de produção de Juliana Sousa e produção executiva de Tati Gamboa.

Continue Reading
Advertisement
Vídeo Sem Som

EM ALTA