Connect with us

Políticas

Afoxé Filhos de Korin Efan promove cortejo em homenagem a Oxalá 

Amanda Moreno

Publicado

on

Afoxé Filhos de Korin Efan promove cortejo cultural em homenagem a Oxalá 
Afoxé Filhos de Korin Efan promove cortejo cultural em homenagem a Oxalá (Foto: Lucas Felipe)

Afoxé Filhos de Korin Efan promove cortejo em homenagem a Oxalá. Em uma iniciativa marcada por cultura, arte e ancestralidade, o Afoxé Filhos de Korin Efan, tradicional manifestação afro-brasileira, está se preparando para realizar um cortejo cultural no Pelourinho, em Salvador, no próximo dia 03 de março. Com concentração no Terreiro de Jesus às 15h, o evento aberto ao público promete reunir elementos significativos da cultura afoxé, desde a musicalidade até os valores e princípios difundidos por essa tradição.

O projeto intitulado “Afoxé, Cultura, Arte e Ancestralidade Viva – Nosso Candomblé de Rua” tem como objetivo central homenagear Oxalá, orixá símbolo da paz e equilíbrio. Além disso, visa combater a violência e a intolerância religiosa no centro histórico de Salvador, promovendo ações que estimulem o respeito e a união na comunidade.

O cortejo percorrerá as ruas do Pelourinho até o Espaço Cultural Korin Efan, contando com a participação de diversos segmentos da sociedade, como alunos de escolas públicas, moradores da comunidade, dançarinos, banda, baianas, clarins, mulheres e jovens envolvidos em projetos sociais, culturais e comunitários da entidade. A presidente do Afoxé, Elisangela Silva, destaca que a ação busca não apenas a celebração musical, mas também o resgate da história ancestral e a influência religiosa no Pelourinho.

O cortejo, que contará com 16 paradas representando aspectos importantes da tradição do candomblé e da caminhada de Oxalá, será marcado por um manifesto em prol da cultura da paz. A relevância dessa temática em um contexto atual é ressaltada, fomentando ações que visam a construção da paz, o combate à intolerância e ao racismo religioso.

As artes plásticas, expressas por adereços e indumentárias, terão destaque, ressaltando detalhes que marcam a personalidade e a história do Afoxé Filhos do Korin Efan. O evento busca valorizar as manifestações populares, identitárias e culturais dos blocos de Afoxés da Bahia, destacando a importância da musicalidade, arte e dança afro-brasileira, com ênfase na representação dos orixás.

Elisangela Silva ressalta que a homenagem a Oxalá é também um pedido de paz, repudiando a violência contra as mulheres e buscando mais respeito religioso. O Afoxé, segundo ela, vai além de uma apresentação musical, sendo um ritual e um cortejo que segue a disciplina da tradição religiosa.

O projeto “Afoxé – Cultura, Arte e Ancestralidade Viva. Nosso Candomblé de Rua” foi contemplado pelo edital Territórios Criativos, recebendo recursos financeiros da Fundação Gregório de Mattos, Secretaria Municipal de Cultura e Turismo, Prefeitura de Salvador, Lei Paulo Gustavo, Ministério da Cultura e Governo Federal. O cortejo do Afoxé Filhos de Korin Efan se apresenta como uma oportunidade única para vivenciar e celebrar a riqueza da cultura afro-brasileira, promovendo a união da comunidade em torno de valores como paz, respeito e ancestralidade.

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

Políticas

Julho das Pretas inscreve atividades pra agenda coletiva

Jamile Menezes

Publicado

on

Julho das Pretas chega em sua 12ª edição e abre inscrições para as atividades que vão compor a agenda coletiva de 2024.

O Julho das Pretas chega em sua 12ª edição e abre inscrições para as atividades que vão compor a agenda coletiva de 2024. Neste ano o tema da agenda segue sendo “Mulheres Negras em Marcha por Reparação e Bem Viver”, com o objetivo de apontar para a Marcha das Mulheres Negras por Reparação e Bem Viver, que acontecerá em Brasília (DF), em 2025.

O tema também propõe o fortalecimento da luta por reparação histórica para a população negra e traz o Bem Viver como um projeto de sociedade que orienta o movimento de mulheres negras no Brasil.

As inscrições podem ser realizadas até o dia 14 de junho através do formulário disponível aqui. As atividades incluem rodas de conversa, festivais, exposições, ciclos de formação política, seminários e marchas, dentre diversas outras ações que dialoguem com o tema da edição.

Podem inscrever atividades organizações e coletivos de mulheres negras, organizações de movimentos negros e organizações sociais em geral que tenham o antirracismo e o combate ao sexismo como perspectiva central de sua atuação, instituições de ensino, grupos de pesquisa, associações de categorias trabalhistas, grupos de empreendedoras negras e empreendedoras negras individuais.

Inscrições realizadas por autarquias e instituições do Estado, partidos políticos e empresas privadas que não sejam de propriedade de mulheres negras serão desconsideradas.

O 12º Julho das Pretas – Mulheres Negras em Marcha por Reparação e Bem Viver é organizado pela Articulação de Organizações de Mulheres Negras Brasileiras (AMNB), Rede de Mulheres Negras do Nordeste e Rede Fulanas – Negras da Amazônia Brasileira.

Continue Reading

Políticas

Movimento Hip-Hop terá comissão estadual para dialogar com entes públicos

Jamile Menezes

Publicado

on

Movimento Hip-Hop da Bahia

Integrantes do movimento Hip-Hop da Bahia vão estabelecer criação de comissão estadual para dialogar com os entes públicos formas de fomento e valorização da cultura. A criação da organização coletiva foi um dos encaminhamentos realizados após mais de quatro horas de discussão na audiência pública promovida pela Ouvidoria Cidadã da Defensoria Pública da Bahia em parceria com a Construção Nacional do Hip-Hop Bahia, realizada na segunda-feira (27), no auditório da Assembleia Legislativa da Bahia (Alba).

O evento reuniu representantes do movimento hip hop de 19 municípios baianos com representantes dos poderes públicos e ressaltou a incidência realizada pela cultura de rua na educação, segurança pública, cultura e saúde mental dos jovens de comunidades. Intitulada “Proteção, Garantia e Promoção Hip Hop”, a audiência foi promovida em parceria com a Construção Nacional do Hip Hop seção Bahia e foi a culminância de uma série de reuniões virtuais e presenciais com a comunidade hip Hop do estado feitas pela Ouvidoria da DPE/BA.

De acordo com a ouvidora-geral, Naira Gomes, a atuação da Ouvidoria busca fomentar espaços culturais nas comunidades marcadas pela guerra às drogas. “Nós temos defendido que as mortes de jovens negros não se resume à física.  Antes disso, acontece a morte simbólica pela interdição de acesso à educação, à cultura, aos direitos. Depois disso, se torna tão pouco matar um jovem negro”, argumentou Naira.

Para Naira, considerando a extensão territorial e diversidade do estado, a criação da comissão deliberada na audiência é um importante passo para fortalecimento da cultura Hip Hop no estado por possibilitar a unificação dos pleitos. A Ouvidoria da DPE/BA é um dos órgãos que vai  constituir a estrutura a ser criada. “Nosso papel será de retaguarda. Vamos continuar abrindo espaços, fortalecendo pedidos, mas garantindo que o movimento tenha protagonismo”, explica a ouvidora-geral da DPE/BA.

Para a rapper Udi Santos, que dividiu a presidência da audiência pública com Naira, a criação da comissão se insere como mais um passo para o fortalecimento do hip hop no estado. No ano passado, junto com a Construção Nacional, foram criados grupos temáticos, inclusive um GT Parlamentar. “Foi esse grupo que nos trouxe aqui hoje, porque ele buscou autoridades e a Defensoria para criarmos um diálogo constante com o poder público para criação de políticas públicas que possam existir por anos e anos”, lembra.

O compromisso de um trabalho conjunto para fortalecimento da incidência promovida pelo hip hop nas comunidades também foi reforçado pela defensora-geral, Firmiane Venâncio. Para ela, a Defensoria e o movimento hip hop possuem uma extrema conexão com seus propósitos e razão de existir. “A Defensoria Pública existe para caminhar juntos daqueles(as) que não foram reconhecidos, que não estão incluídos dentro daquilo que o sistema fez questão de excluir”, reforçou.

Além da defensora-geral, o evento foi prestigiado pelas deputadas Fabíola Mansur e Olívia Santana; pela coordenadora do Escritório da Unicef em Salvador, Helena Oliveira Silva; representantes do Ministério da Cultura; secretarias de Cultura, Política para Mulheres, Promoção da Igualdade Racial; Emprego Trabalho e Renda, entre outros. Todos os órgãos presentes se comprometeram com as demandas do movimento hip hop.

Movimento cultura com incidência social

De acordo com dados das plataformas de streaming apresentados pelo MC Gold CBX, a Bahia é o 7º estado brasileiro que mais consome hip hop no país. “A gente consome muito, mas não consome daqui porque não temos suporte técnico e equipamentos para produzir em nível de competitividade com o eixo Rio-São Paulo”, criticou.
Para ele, o movimento hip hop precisa ser visto como uma expressão da economia criativa, que garante renda não só para DJs e MCs, mas também para designers, fotógrafos e outros profissionais. Já o MC Jotta D, classifica o trabalho realizado nas comunidades como a possibilidade do poder público olhar o hip hop e atingir a segurança pública, a saúde e a cultura.

Continue Reading

Políticas

Deputada Olívia Santana denuncia abordagem policial sofrida em Salvador

Jamile Menezes

Publicado

on

A deputada estadual do PCdoB, Olívia Santana, relatou em suas redes sociais uma abordagem policial violenta sofrida por ela e sua equipe, na última quarta-feira, Dia do Trabalhador,  no bairro do Vale das Pedrinhas, em Salvador. A parlamentar frisou que a abordagem foi “completamente inadequada, daquelas que o nosso povo sofre todos os dias. É preciso garantir urgentemente câmeras nas fardas dos policiais”, disse a deputada.

Confira o vídeo com o relato:

Continue Reading
Advertisement
Vídeo Sem Som

EM ALTA