Connect with us

Dança

Por que, Zé?: espetáculo volta em cartaz na Sala do Coro

Jamile Menezes

Publicado

on

espetáculo de dança "Por que, Zé?" também é inspirado no pagode baiano
Após 10 anos, o espetáculo “Por que, Zé?” estará em cartaz na Sala do Coro do Teatro Castro Alves com apresentações gratuitas nos dias 31 de maio, 1º e 2 de junho, sempre às 20h.

A montagem conta com a participação de um elenco de bailarinos como Fred Lopes, Lukas Di Jesus, Marcello Santos, Raina Santos e Wania Souza. A direção e coreografia ficam por conta de Brunno de Jesus, bailarino, diretor e coreógrafo, pesquisador das culturas negras e periféricas.

Inspirado no pagode baiano e em manifestações da cultura popular, “Por que, Zé?” utiliza a linguagem da dança para abordar temas como controle, subalternização e hipersexualização dos corpos negros.

Através de imagens de rodeio e paisagens que remetem a confrontos individuais e sociais, a obra propõe uma análise crítica da sociedade atual e do lugar ocupado pelos corpos marginalizados. Um palco para questionamentos e reflexões, o espetáculo levanta, em 40 minutos, questionamentos como: “Somos tratados como bois? Quais caminhos e estratégias são construídas para a sobrevivência de nossos corpos? Será que nossas danças podem ser vistas como uma tecnologia de reconfiguração da cidade? Até onde podemos ir em nossa busca por liberdade? A quem interessa nossa manutenção da vida?”.

A obra desafia e provoca reflexões, convidando o público a se engajar em um diálogo sobre temas urgentes da nossa sociedade.

O diretor & elenco

Brunno de Jesus é artista multilinguagem, bailarino, diretor e coreógrafo, pesquisador das culturas negras e periféricas. Mestre e doutorando em dança pelo PPGDAnça UFBA. Cantor e Compositor. Com mais de 12 espetáculos em sua trajetória profissional. Estreou o espetáculo solo “Sample: e que nem cortar quiabo” no Festival Internacional de Artes Cênicas Kuruche no Chile e na 14º Bienal Internacional de Dança do Ceará.

O elenco é composto por Marcello Santos, bailarino cadeirante, formado em Psicologia pela Faculdade Social da Bahia. Inicia sua experiência em dança em 2008 na Companhia de dança Rodas no Salão (CRS) e em 2014 integra o elenco como interprete criador da ExperimentandoNUS; Fred Lopes, ator, bailarino e produtor cultural, estudante da Escola de Dança da FUNCEB com Formação e pós-graduação em Fisioterapia; Raina Santos é mulher negra, pedagoga, coreografa e bailarina idealizadora do projeto Memória de Brinquedo; Lukas Dijesus é bailarino e coreógrafo, educador do Projeto Axé e formado pela Escola de Dança da Funceb; Wania Souza é Arte-educadora, bailarina, coreógrafa formada pela Fundação Cultural do Estado da Bahia (FUNCEB), com experiência em projetos, ONGs e escolas, atualmente em formação Pedagógica (curando).

Serviço:

Espetáculo: Por que, Zé?

Local: Sala do Coro do Teatro Castro Alves

Datas: 31 de maio, 1º e 2 de junho

Horário: 20h

Entrada: Gratuita

Foto Fabricio Rocha

Dança

Solo “Dona de Si” de Maju Passos estreia no Goethe

Jamile Menezes

Publicado

on

Teatro Goethe-Institut é palco de estreia do Solo “Dona de Si”

O Solo “Dona de Si” é o título do solo de dança da performer e bailarina Maju Passos, que estreia em curta temporada no Teatro Goethe-Institut Salvador, nos dias 18 e 19 de junho. Com direção artística de Edileuza Santos e assistência de Sueli Ramos, o espetáculo é o rito de uma mulher-mãe solo para conectar-se aos ventos que a mantém viva e pulsante.

Tendo como inspiração o itan “Oyá transforma-se em Búfalo” do livro “Mitologia dos Orixás”, do autor Reginaldo Prandi, e o livro “Tornar-se negra”, de Neusa Santos Souza, o Solo “Dona de Si” é sobre caminho de poderamento percorrido por Maju Passos após a maternidade para reconhecer-se e livrar-se das estruturas sociais violentas do machismo associada ao racismo.

“Apresento uma dança rito que evidencia a minha pele, o meu corpo e suas histórias. Tornar-se mãe de uma criança branca me fez buscar uma parte de mim que eu sabia que tinha, mas não assumia. É uma dança para partilhar com o público o meu processo de superação que provocou um olhar mais sereno e compreensivo sobre mim mesma. Um lugar de liberdade, uma pele que não precisa ser legitimada por essa estrutura social misógina”, explica a artista e produtora cultural.

A diretora artística Edileuza Santos reforça que “Dona de Si” é a trajetória de muitas mulheres negras, um caminho de resistência, de luta para se afirmar seja como profissional, como mulher, como mãe.

“Na verdade, isso acontece com qualquer mulher. Para existir neste planeta, precisamos estar atentas e buscando a nossa ancestralidade para nos fortalecer e lidar com tudo que envolve ser mulher. É preciso ter muita resiliência”, afirma a coreógrafa, ao acrescentar que o espetáculo traz o arquétipo e a história da yabá Iansã, a sua metodologia corpo-tambor, a trajetória, a vida profissional e a ancestralidade de Maju.

“Dona de Si” faz parte da pesquisa de mestrado da artista, no Programa de Pós-Graduaçao em Dança da Universidade Federal da Bahia (PRODAN), que aponta a maternidade como dispositivo de criação e identifica a dança quanto uma tecnologia ancestral de conexão com o próprio corpo, com a própria história.

Serviço

O quê – Solo “Dona de Si”, solo de Maju Passos

Quando – 18 e 19 de junho, às 19h

Onde – Teatro Goethe-Institut Salvador (Corredor da Vitória)

Entrada – R$30 (inteira) e R$15 (meia), ingressos pelo Sympla 

Continue Reading

Dança

Mestre Negrizu e Thiago Trad realizam ciclo de oficinas “Corpo Afoxé!”

Jamile Menezes

Publicado

on

Mestre Negrizu

O Mestre Negrizu, “moço lindo do Badauê”, estará no projeto “Corpo Afoxé! Ciclo de Oficinas de Dança Afro Contemporânea”, ciclo de três encontros, acompanhado do multi-instrumentista e percussionista Thiago Trad que acontecerá nos dias 11, 18 e 25 de maio, das 10h às 12h, na Casa Rosa.

As inscrições estão abertas no link https://forms.gle/RtaiQsKnFgsbnZCq8 e custam a partir de R$ 160 pelo ciclo completo.

“Há mais de 15 anos fui impactado pela trajetória artística do mestre Negrizu. O termo ‘Corpo Afoxé’ surge a partir da criação do Memorial Negrizu, como uma denominação de um corpo que traz a história viva dos afoxés e blocos afros da cidade de Salvador. Mestre de uma sabedoria ancestral que tem na dança a sua maior expressão”, comenta o músico Thiago Trad, parceiro de Mestre Negrizu na criação desta oficina.

“Corpo Afoxé!” é uma realização do selo Bahia Experimental, em parceria com o Memorial Negrizu, com codireção artística e pedagógica de Thiago Trad, que será responsável pela percussão tocada ao vivo durante as aulas, utilizando instrumentos como atabaque, pandeiro, berimbau, hangdrum, caxixis, agogô, entre outros.

Thiago Trad

Thiago Trad – Foto Nathalia Miranda

Mestre Negrizu – Os 64 anos trazem no corpo a história dos blocos afros e afoxés de Salvador. Em sua experiência profissional, integrou a Banda Ilú Batá, coordenada pelo professor dançarino Clayde Morgan, onde desenvolveu seus estudos sobre a dança afro-moderna, com apresentações em festivais, feiras e ciclos de dança em vários estados do Brasil. Visitou a África passando por países como Costa do Marfim, Togo e Benin em comitiva de pesquisadores incluindo o antropólogo Pierre Verger. Foi destaque no bloco afro Olodum, onde também atua como professor. Dirigiu o Grupo Deuses em Transe em apresentações na França e Inglaterra sob a coordenação do cantor Gilberto Gil. Dançou no espetáculo “Retratos da Bahia” do Balé Teatro Castro Alves.  Após se destacar com a sua dança afrofuturista, Negrizu ficou conhecido nacionalmente após ser homenageado por Caetano Veloso na canção “Beleza Pura”, como o “moço lindo do Badauê”. Atualmente, se divide entre as atividades de professor, mestre griot e performance das artes.

 Corpo Afoxé! Ciclo de Oficinas de Dança Afro Contemporânea

Com Mestre Negrizu | Participação de Thiago Trad

Quando: 11, 18 e 25 de maio de 2024 (sábados), 10h às 12h

Onde: Casa Rosa (Praça Colombo, 106 – Rio Vermelho – Salvador, Bahia)

Quanto: R$ 160 (inscrições até 7 de maio); R$ 180 (a partir de 8 de maio)

Formulário de inscrição: https://forms.gle/RtaiQsKnFgsbnZCq8

Informações: memorialnegrizu@gmail.com | (71) 99988-5782

Negrizu [Foto por Shai Andrade]

Continue Reading

Dança

Instituto A Mulherada realiza oficinas gratuitas de Música e Dança Afro-Brasileira

Jamile Menezes

Publicado

on

Instituto A Mulherada

Jovens, mulheres e pessoas LGBTQIAP terão oportunidade de participar de oficinas de Música e Dança Afro-brasileira por meio do projeto “Cultura Entrelaçada Preta”, do Instituto A Mulherada. Os cursos começaram em abril e seguirão até o final do ano, são gratuitos e as inscrições para as aulas de Dança Afro já estão abertas, via formulário online. Haverá emissão de certificados às participantes.

O projeto cria um espaço de aprendizado, expressão artística e fortalecimento, promovendo uma conexão profunda com as tradições culturais afrodescendentes.  Com foco no empoderamento feminino, as aulas são voltadas para jovens, mulheres negras e pessoas LGBTQIAP+ interessadas em explorar a percussão e a dança afro que já acontecem na sede do Instituto A Mulherada, no Centro Histórico de Salvador.

Ministradas por instrutoras experientes em música e dança, elas irão abranger uma variedade de ritmos, como samba-reggae, ijexá, maracatu, coco, dentre outros, além de apresentar coreografias que honram a rica cultura afro-brasileira. O programa consistirá em duas turmas, cada uma composta por 40 beneficiárias, totalizando 80 participantes que farão 10 aulas cada.

As aulas da primeira turma de iniciação a teoria musical I já começaram e acontecem aos sábados, das 14h às 16h no Centro de Referência em Desenvolvimento e Humanidade (CRDH – UNEB), no Carmo, e a de Dança Afro serão  às sextas, no mesmo horário, no Espaço Boca de Brasa (Ladeira da Barroquinha) . Interessadas nas de Música poderão se inscrever em breve para nova turma que começa em agosto.

O projeto do Instituto A Mulherada ainda prevê aulas práticas de percussão afro, cidadania empreendedorismo e redes digitais.

Mulheres cis, lésbicas, bissexuais, travestis, transsexuais e transgêneros, oriundas da comunidade do Centro Histórico e áreas adjacentes, bem como das periferias de Salvador são incentivadas a participar.

“Além de atividades fundamentais, o projeto Cultura Entrelaçada Preta tem como objetivo primordial divulgar e enaltecer a riqueza e diversidade da cultura negra, tecida por uma intrincada tapeçaria de influências, tradições, valores e narrativas. Essa missão será promovida através de oficinas, palestras, exposições e performances culturais”, diz Paula Érica, presidente do Instituto A Mulherada. 

Além de suas atividades formativas e reflexivas, o projeto oferece a suas participantes a chance de se apresentarem em eventos ao longo do ano em Salvador, e durante o carnaval, no Bloco Afro A Mulherada.

Este projeto foi fomentado pelo Programa Funarte de Apoio a Ações Continuadas 2023 e tem apoio da Fundação Gregório de Mattos e Centro de Referência em Desenvolvimento e Humanidade (CRDH – UNEB).

 

SERVIÇO

O que: aulas de Música e Dança Afrobrasileira do Instituto A Mulherada

Quando: de abril a novembro/2024

Quanto: Gratuito

Onde: Centro de Referência em Desenvolvimento e Humanidade (CRDH – UNEB) e Espaço Boca de Brasa (Ladeira da Barroquinha).

Inscrição: (Curso de Dança) – https://forms.gle/jT4WhM35wTLu9J2k7

Foto: Cristian Carvalho | @cristiancarvalho__

Continue Reading
Advertisement
Vídeo Sem Som

EM ALTA