Connect with us

Opinião

#Opinião – O que o esoterismo nos ensina sobre os Temporais no Rio Grande do Sul

Avatar

Publicado

on

Em 27 de abril de 2024, os Temporais no Rio Grande do Sul (RS) tiveram início[1]. Desde então, 467 cidades foram atingidas, deixando mais de 100 pessoas mortas e pelo menos 65 desaparecidas. Falta energia e água na maioria das cidades. Os principais veículos de comunicação se referem a esse evento como uma tragédia sem precedentes. O sofrimento é incalculável!

Nessas condições, uma reflexão esotérica obrigatoriamente passa pela empatia e solidariedade. Acreditamos na urgente necessidade de intensificar as campanhas de doações, no sentido de socorrer todo o RS. Por outro lado, encontramos nesse evento o “Princípio de Causa e Efeito”, conforme O Caibalion[2]: “toda causa tem seu efeito, todo efeito tem sua causa; tudo acontece de acordo com a lei; o acaso é simplesmente o nome dado a uma lei desconhecida; há muitos planos de causalidade, porém nada escapa à lei”. Por séculos, a atividade humana tem afligido a biodiversidade de maneira tão marcante que as consequências não poderiam ser outras. Em paralelo, a legislação ambiental tem sido continuamente desrespeitada. Nesse sentido, os Temporais no RS também são resultado dos excessos humanos. Durante décadas, assistimos o exponencial desflorestamento, tanto no Brasil, quanto em outros países. Isso desequilibra o planeta, e fenômenos climáticos extremos são constantes.

O “Princípio de Causa e Efeito” nos convoca a encarar a questão climática com a máxima seriedade. O Brasil deve se esforçar para cumprir essa agenda, em conformidade com os compromissos internacionais na redução dos impactos sobre a Natureza, tornando a Terra um planeta sustentável. Disso depende a continuidade das espécies. Viver em amor e harmonia com Gaya[3], nossa Pachamama[4]: essa deve ser a essência humana.

[1] Esse artigo é dedicado ao que denomino de O Renascimento: no início da tarde de 31 de maio de 2022, fui abordado por dois homens armados, nas proximidades da Estação da Lapa. Fiquei sob a mira de um revólver apontado para o meu peito e tive pertences subtraídos. Registrei Boletim de Ocorrência. Desejo que os mesmos tenham abandonado qualquer prática criminosa. Aquele foi um momento de Iluminação. Jamais será esquecido.

[2] Com a mesma raiz da palavra Cabala, mística judaica que indica a origem da espécie humana, indo além do próprio judaísmo, o Caibalion contém os ensinamentos de Hermes Trismegisto, o deus Toth no Kemetismo Egípcio. Suas leis, ensinadas nas Escolas de Mistérios do Antigo Egito explicam os Sete Princípios Herméticos, demonstrando as correlações entre todos os planos da existência.

[3] Na cultura da Antiga Grécia, A Mãe Gaya é a própria Terra, com extraordinárias fertilidade e geração.

[4] No quíchua, língua dos incas, falada na atualidade por aproximadamente 10 milhões de pessoas em diversas etnias na Colômbia, Argentina, no Brasil e no Chile, Pachamama é a Deusa da Terra, que protege os filhos que nela se encontram, sendo cultuada desde os Ritos Ancestrais, há incontáveis eras.

[1] Esse artigo é dedicado ao que denomino de O Renascimento: no início da tarde de 31 de maio de 2022, fui abordado por dois homens armados, nas proximidades da Estação da Lapa. Fiquei sob a mira de um revólver apontado para o meu peito e tive pertences subtraídos. Registrei Boletim de Ocorrência. Desejo que os mesmos tenham abandonado qualquer prática criminosa. Aquele foi um momento de Iluminação. Jamais será esquecido.
[1] Com a mesma raiz da palavra Cabala, mística judaica que indica a origem da espécie humana, indo além do próprio judaísmo, o Caibalion contém os ensinamentos de Hermes Trismegisto, o deus Toth no Kemetismo Egípcio. Suas leis, ensinadas nas Escolas de Mistérios do Antigo Egito explicam os Sete Princípios Herméticos, demonstrando as correlações entre todos os planos da existência.
[1] Na cultura da Antiga Grécia, A Mãe Gaya é a própria Terra, com extraordinárias fertilidade e geração.
[1] No quíchua, língua dos incas, falada na atualidade por aproximadamente 10 milhões de pessoas em diversas etnias na Colômbia, Argentina, no Brasil e no Chile, Pachamama é a Deusa da Terra, que protege os filhos que nela se encontram, sendo cultuada desde os Ritos Ancestrais, há incontáveis eras.

 

Armando Januário dos Santos é Trabalhador da Luz, Mestre em Psicologia, Psicólogo (CRP-03/20912) e Palestrante. Contato: (71) 98108-4943 (WhatsApp).

Opinião

#Opinião – Apropriação cultural e gente preta sofrendo racismo no mesmo lugar! – Por Aline Lisbôa

Avatar

Publicado

on

“Para quem é preconceituoso e diz que branco não pode tocar samba”

Por ironia do racismo, dessa vez, foi numa roda de samba. Em um espaço que se intitulava livre e diverso, mas a funcionária nos vigiava, perseguia e acusava. Esse estado – a Bahia – tem uma faceta do racismo muito viva: apropriação de cultura negra para lucro, em locais que seguem deslegitimando e humilhando negros.

Olhando para um breve histórico do país, enquanto estrutura econômica, nós pessoas pretas, assim como nossos trabalhos e produções, sempre foram a moeda de troca que movimentou e segue movimentando a economia desse lugar. Se já não com escravização explícita, onde vendiam nossos corpos, como antes, camufla-se na diversidade cultural, para continuar transformando em dinheiro a nossa negritude.

Os grandes e pequenos negócios, muito falam sobre diversidade cultural como um alicerce no combate à desigualdade social, mas na verdade, convivendo nesses espaços, percebemos que o termo só enfeita a apropriação da nossa cultura e das nossas lutas, enquanto mantém-se baixíssimos salários, portas fechadas a cargos importantes e, sobretudo, um código de conduta permissível ao racismo.

No posicionamento, muitos desses lugares parecem que estão fazendo o “favor” de acolher a nossa cultura, tornando o lugar mais “livre, diverso e acolhedor”. Mas o racismo e os racistas não descansam, mesmo que a branquitude diga por aí, que são os militantes quem não param, nós negros andamos tentando e, em grande parte das vezes, o racismo nos acorda.

Não é a primeira vez, que esse fenômeno cultura negra x racismo no mesmo local, acontece. A cultura que se constituiu enquanto regional – Cultura Baiana -, na verdade é incondicionalmente nossa, da nossa diáspora, que sempre movimentou o dinheiro do estado.

Enquanto seguimos agredidos pela estrutura que grita mais alto do que nossas músicas nas festas dos brancos. Lembro-me nitidamente de defender o meu bando, que estava sendo constrangido e agredido em meio a uma roda de samba, enquanto os tambores se apropriavam do que chamam muitas vezes de “música baiana” e é música preta!

Vejamos aqui o que de fato é a apropriação cultural, que está longe da discussão das tranças afros sobre peles brancas. Trata-se do esvaziamento da nossa herança cultural enquanto nossa em espaços que não nos toleram, mas apropriam-se das nossas produções para uso e venda, Como se de nós e do nosso fossem donos, perpetuando assim mais uma camada do racismo.

O professor Rodney William, em seu livro “Apropriação cultural”, defende que o baixo índice de representatividade contrasta com a crescente apropriação de quem utiliza nossa estética e técnicas, mas não repassa esse uso em oportunidades de trabalho, incentivos ou ações que engajem o combate ao racismo.

A apropriação cultural não é homenagem, é violência simbólica, de forma sutil ou explícita. Um branco que toca samba e continua destilando o racismo – como escrito por Willia -, é quem esvazia nossa contribuição cultural e apenas se apropria dela para o lucro.

Entendamos que essa roda de samba tinha custo de entrada e todo o consumo incessante do público que o assistia, inclusive o meu, que sofri racismo. Cultura negra para lucro, corpos negros para a humilhação

Vivemos todos os dias o massacre da apropriação cultural na Bahia.

Aline Lisbôa, mulher negra, mãe solo, defensora das possibilidades acadêmicas de mães negras, graduada em Pedagogia- UNEB, pesquisadora em Racismo Estrutural, Educação e Relacões Étnico Raciais e Letramento Racial.

Continue Reading

Opinião

#Opinião – Quem são as pombagiras? Um mistério revelado – Por Armando Januário

Avatar

Publicado

on

Laroyê! A Espiritualidade Maior permite que continuemos[1] escrevendo sobre as Pombagiras, haja vista nosso objetivo ser contribuir para a desconstrução de preconceitos. Além do racismo religioso, encontramos o desconhecimento daquilo que Rubens Saraceni, em As Sete Linhas de Umbanda: a religião dos mistérios, denominou “O Mistério Pombagira”: governado pelo Trono Cósmico Feminino, e irradiando desejo, as Inzilas[2] polarizam horizontalmente com o Trono Cósmico Guardião dos Mistérios do Vigor, complementando-o.

Posicionadas a esquerda dos Orixás, as Pombagiras são o polo negativo, absorvendo tudo o que desequilibra a humanidade. A localização e o termo Pombagira evocam o Seu atributo de mensageiras à esquerda, que giram como o pombo-correio, enviando nossas mensagens de desejo para A Espiritualidade Maior. Logo, são seres que trabalham arduamente para A Luz Suprema, e, portanto, na regra da Umbanda, apenas servem ao Bem.

O trabalho dessas entidades é de fundamental importância, porquanto nos Planos Espirituais, adentram aos territórios inferiores, protegendo o Plano Físico de Espíritos das Trevas. Fica evidente, portanto, mais um dos Seus atributos: Guardiãs da Humanidade, nos ajudando a vencer desafios cotidianos.

Mensageiras, Protetoras e Guardiãs, as Pombagiras estão sempre presentes em nossas vidas. Cada pessoa, independente de crença, é acompanhada por um desses espíritos. Sua Energia de Vitória, irresistível, demonstra a grandiosidade do seu trabalho e denuncia o caráter deletério de quem lhes chama de demônios: muitos desses procuram o trabalho das Pombagiras em sigilo, acreditando que Elas são escravas prontas a atender qualquer pedido, de modo irresponsável. Em sua arrogância e mesquinharia, ao não lograrem êxito em suas solicitações, lançam mão da demonização dessas Nobres Senhoras.

Contudo, em algum momento todas as pessoas compreenderão o significado do tridente e do punhal, se curvando respeitosamente à intensidade das Pombagiras. Laroyê!

[1] Dedico esse artigo a Dona Maria de Padilha.

[2] Esse artigo é a sequência de Quem são as Pombagiras?, disponível em https://portalsoteropreta.com.br/2024/05/20/opiniao-quem-sao-as-pombagiras/

[3] Sinônimo de Pombagira, Inzila é termo do quimbundo pambu ia-njila e literalmente traduzido Encruzilhada.

Continue Reading

Opinião

#Opinião: Quem são as pombagiras?

Amanda Moreno

Publicado

on

Causou indignação certas declarações feitas por uma senhora há alguns dias. Utilizando as redes sociais para responsabilizar as religiões de matriz africana pelo fenômeno climático extremo no Rio Grande do Sul (RS), ela afirmou que Deus teria descarregado a Sua ira sobre aquele Estado, por este ter a maior quantidade de terreiros do Brasil. Além de desconhecer as previsões científicas, ela também parece ignorar a função das entidades cultuadas nos terreiros, entre elas, as Pombagiras. Laroyê!

Quase sempre associadas por religiões cristofascistas[3] à Magia Obscura, as Pombagiras foram mulheres que jamais se submeteram aos caprichos masculinos. Recentemente, a palestrante espírita Maira Rocha (1988-) descreveu as Pombagiras como mulheres para além da sensualidade simplória, que, mesmo tendo sido assassinadas brutalmente neste plano, baixam nos terreiros para ensinar a autoestima[4]. Em suas giras[5], encontramos ajuda para questões materiais, porém, As Corajosas Senhoras vão além: ensinam-nos a acreditar em nossa Vontade de Potência[6]. Na obra As Sete Linhas de Umbanda: a religião dos mistérios, o sacerdote Rubens Sarraceni (1951-2015) menciona as Pombagiras como espíritos que despertam o desejo para muito além do sexo, porquanto desejar é Divino, se constitui em uma energia absorvida por todos os nossos chacras e está presente nas realizações humanas.

Portanto, as entidades cultuadas nos terreiros não têm qualquer relação com o ocorrido no RS. Pelo contrário, as Pombagiras são Seres de Luz que entram em nosso caminho para auxiliar, especialmente em situações desafiadoras. Qualquer definição que discrimina essas entidades é racismo religioso e se distancia dos ensinamentos do Mestre Jesus, que, em Sua Encarnação Crística, deixou a Mensagem Maior: amar a todas as pessoas sem qualquer distinção.

[1]Dedico esse artigo a Dona Maria de Padilha.

[2]Armando Januário dos Santos é Trabalhador da Luz, Mestre em Psicologia, Psicólogo (CRP-03/20912) e Palestrante. Contato: (71) 98108-4943 (WhatsApp).

[3]O conceito de Cristofascismo foi criado pela teóloga alemã Dorothee Sölle (1929-2003) e descreve a ideologia supremacista branca e cristã.

[4]O vídeo pode ser acessado no link: https://www.youtube.com/watch?v=EeQxtbm5vzQ

[5]Gira ou Jira é termo do quimbundo nijra e significa caminho. Se refere a reunião de espíritos de determinada categoria, manifestados pelo fenômeno da incorporação dos médiuns

[6]Vontade de Potência é termo criado pelo filósofo alemão Friedrich Nietzsche (1844-1900) e indica a força maior presente nos humanos para atingir seus objetivos.

Armando Januário dos Santos é Trabalhador da Luz, Mestre em Psicologia, Psicólogo (CRP-03/20912) e Palestrante. Contato: (71) 98108-4943 (WhatsApp).
Continue Reading
Advertisement
Vídeo Sem Som

EM ALTA