Solar Music Festival traz música popular brasileira neste fim de semana


Bruna Barreto_foto divulgação

Música e gastronomia podem ser usufruídas no Solar Restaurante, no Rio Vermelho, nas noites de quinta e sexta-feira

Neste fim de semana, o Solar Music Festival traz no seu repertório variadas músicas da nossa MPB, na presença de artistas como Horácio Barros Reis e Gel Barbosa, que se apresentam nesta quinta-feira (13) com sua MPB Instrumental, e o duo entre Bruna Barreto e Ricardo Correia, que mesclam canções de Cássia Eller, composições autorais e outros artistas nacionais, na sexta-feira (14). Tudo isso vai ocorrer a partir das 20h no Solar Restaurante – Rua Fonte do Boi, 24 B, Rio Vermelho – com ingressos a R$20,00.

“O Solar quer proporcionar uma experiência dos sentidos. O projeto faz um casamento cuidadoso entre música e gastronomia e contamos com uma curadoria para a escolha de cada artista. A grade de atrações traz excelentes músicos que fazem um som que toca a alma das pessoas”, explica Andréa Nascimento, chef executiva da casa.

Sobre Bruna Barreto e Ricardo Correia

Natural de Jequié (BA), Bruna Barreto trabalha com música desde os 16 anos de idade. Apresenta shows solo em formato acústico e acompanhada de sua banda base. Teve seu talento reconhecido ao participar do programa The Voice Brasil 2 e foi premiada como melhor intérprete no Prêmio Caymmi de Todas as Músicas (2015), em edição especial de 100 anos. Ricardo Correia nasceu em Salvador e é um artevista comunitário, instrumentista, compositor e cantor. Iniciou a carreira profissional no início dos anos 90.  Trabalhou por 10 anos com o artista Edson Gomes. Hoje atua com seus projetos: Cabuloso Trio, Banda Cativeiro, Som na Praça e Revotrio. No Solar, ambos se unem para um show com vasto repertório de música nacional e canções autorais.

Sobre Horácio Reis e Gel Barbosa

Horácio Reis é violonista, compositor e arranjador. Natural de Salvador, é mestre em Execução Musical pela Escola de Música da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atualmente é professor do curso de Licenciatura em Música do Instituto de Música da Universidade Católica do Salvador e atua como arranjador, diretor musical e instrumentista em gravações e apresentações diversas. Natural da cidade de Serra da Raiz, na Paraíba, a 107 km da capital, João Pessoa, Gel Barbosa aprendeu a tocar sanfona aos 12 anos de idade. Produtor musical, compositor, cantor, arranjador e sanfoneiro, já acompanhou e gravou com artistas como Elba Ramalho, Xangai, Targino Gondim e Carlos Pitta. Juntos, irão apresentar ao público do Solar Restaurante um repertório voltado à MPB Instrumental.

Sobre o Solar

Há mais de 15 anos, o Solar atua na área da gastronomia, atendimento a la carte e eventos de pequeno e grande porte. Com o cardápio da chef, Andréa Nascimento, que possui mais de 27 anos de experiência, o Solar tem sua marca reconhecida pela qualidade no atendimento e foi eleito pela Revista Veja Comer e Beber Salvador por oito anos consecutivos como um dos destaques gastronômicos de Salvador. Também ganhou título de destaque no Guia 4 Rodas e no Bahia International Guide. Andréa integra o time de Embaixadoras do Festival Donas do Sabor, do site Visit Salvador da Bahia.

Estacionamento e segurança

Os Hoteis Ibis e Mercure, vizinhos ao Restaurante Solar, possuem estacionamento privativo aberto ao público. Ainda dentro dos protocolos de segurança, o evento possui limite de vagas, sujeito a lotação do espaço. Seguindo as determinações do DECRETO ESTADUAL Nº 21.027/22, a partir do dia 11/01/2022, será exigido a apresentação do documento fornecido no momento da imunização ou do Certificado COVID fornecido pelo aplicativo “Conect Sus”, para adentrar, sentar ou consumir em qualquer área do nosso estabelecimento.

SERVIÇO

O quê: Solar Music Festival

Onde: Restaurante Solar – Rua Fonte do Boi, 24 B – Rio Vermelho

Quando: Dia 13 (quinta) – Horácio Barros Reis e Gel Barbosa; Dia 14 (sexta) – Bruna Barreto e Ricardo Correia

Horário: A partir das 20h

Quanto: Couvert artístico R$ 20,00 (vinte reais).

Informações e reservas: (71) 99658-8870 / 3012-9360 – [email protected]

 

Solar Music Festival apresenta show de jazz nesta quinta-feira (23)


Saravá Jazz Bahia_ft divulgação

 

Na quinta-feira (23) que antecede o Natal, Solar Restaurante leva música e gastronomia ao Rio Vermelho

Uma ótima opção para curtir a noite do Rio Vermelho antes do Natal é o Solar Music Festival, que nesta quinta-feira (23), leva o som do jazz e elementos da cultura afro-brasileira ao Restaurante Solar – Rua Fonte do Boi, 24 B, Rio Vermelho. Trata-se do Saravá Jazz Bahia, que se apresenta a partir das 20h, com ingressos a R$20,00.

O objetivo é unir artistas dos mais variados estilos como jazz, blues, pop rock e MPB. Os prazeres gastronômicos ficam a cargo da chef executiva da casa, Andréa Nascimento. “O Solar quer proporcionar uma experiência dos sentidos. A ideia é fazer um casamento cuidadoso entre música e gastronomia, trazendo excelentes músicos que fazem um som que toca a alma e que não tem tanto espaço na cena cultural baiana, como o jazz e o blues”, explica.

Sobre Saravá Jazz Bahia

Fundado em 2010 pelo guitarrista, violonista, compositor e arranjador, Márcio Pereira, o trabalho apresenta fundamentos de jazz e elementos da cultura afro-brasileira e baiana como ijexá, samba-de-roda, ritmos de candomblé e criados pelos blocos afro de Salvador. Integram o sexteto os músicos Ângelo Santiago (contrabaixo acústico), Carlos Careca (bateria), Mateus Aleluia Filho (trompete), Bruno Nery (trombone), e Vinicius Freitas (saxofone). No repertório, músicas do primeiro CD, lançado em dezembro de 2017, dentre outras.

Sobre o Solar

Há mais de 15 anos, o Solar atua na área da gastronomia, atendimento à la carte e eventos de pequeno e grande porte. Com o cardápio da chef, Andréa Nascimento, que possui mais de 27 anos de experiência, o Solar tem sua marca reconhecida pela qualidade no atendimento e foi eleito pela Revista Veja Comer e Beber Salvador por oito anos consecutivos como um dos destaques gastronômicos de Salvador. Também ganhou título de destaque no Guia 4 Rodas e no Bahia International Guide. Andréa integra o time de Embaixadoras do Festival Donas do Sabor, do site Visit Salvador da Bahia.

Estacionamento

A Rua Fonte do Boi possui Zona Azul. Os Hoteis Ibis e Mercure, vizinhos ao Solar Restaurante, possuem estacionamento privativo aberto ao público. Ainda dentro dos protocolos de segurança, o evento possui limite de vagas, sujeito a lotação do espaço.

SERVIÇO

O quê: Solar Music Festival

Onde: Restaurante Solar – Rua Fonte do Boi, 24 B – Rio Vermelho

Quando: Saravá Jazz Bahia, quinta-feira (23)

Horário: Às 20h

Quanto: Couvert artístico R$ 20,00 (vinte reais).

Informações e reservas: (71) 99658-8870 / 3012-9360 – [email protected]

 

Solar Music Festival une música e gastronomia neste fim de semana


Mário Soares Duo_foto Heder Novaes

 

Com programação variada, o Solar Restaurante promove momentos de animação às noites do Rio Vermelho

Clássicos do blues, música popular, étnica e de concerto compõem o repertório dos artistas que se apresentam neste fim de semana no Solar Music Festival, evento que acontece no Solar Restaurante – Rua Fonte do Boi, 24 B, no Rio Vermelho. As atrações são Mário Soares Duo convida Daniel Santana na quinta-feira (16) e Júlio Caldas Trio na sexta-feira (17). Os shows começam a partir das 20h, com ingressos a R$20,00.

“O Solar quer proporcionar uma experiência dos sentidos. O projeto faz um casamento cuidadoso entre música e gastronomia e contamos com uma curadoria para a escolha de cada artista. A grade de atrações traz excelentes músicos que fazem um som que toca a alma das pessoas”, explica Andréa Nascimento, chef executiva da casa.

Sobre Mário Soares Duo

Mário Soares é violinista, compositor e mestre em performance pela Universidade Federal da Bahia (Ufba). Seu trabalho propõe influências musicais e artísticas cujas referências partem dos ritmos e estética afro diaspóricos, juntando música de concerto e elementos da música étnica através do violino e seus desdobramentos. O músico convidado será Daniel Santana, que é violonista/guitarrista, compositor, diretor, arranjador musical, mestre em performance e professor da Ufba. Seu estilo é marcado pela versatilidade na forma de tocar os diversos gêneros musicais, passeando pela música clássica e popular.

Julio Caldas_foto divulgação

Sobre Júlio Caldas Trio

Composto pelo multi-instrumentista baiano, Júlio Caldas (guitarra, guitarra baiana, viola caipira e voz) e os músicos Eric Dutra (bateria) e Gilmario Celso (baixo), o Trio traz no repertório clássicos do blues com releituras de artistas clássicos como Robert Johnson, BB King, Jimi Hendrix, Freddie King e Muddy Waters. Também integram o show músicas que irão integrar o seu novo CD, ‘Ibero Blues de Quarentena’, e do seu último álbum, ‘Blues, Baiões e Psicodelia’, lançado em 2015.

Sobre o Solar

Há mais de 15 anos, o Solar atua na área da gastronomia, atendimento à la carte e eventos de pequeno e grande porte. Com o cardápio da chef, Andréa Nascimento, que possui mais de 27 anos de experiência, o Solar tem sua marca reconhecida pela qualidade no atendimento e foi eleito pela Revista Veja Comer e Beber Salvador por oito anos consecutivos como um dos destaques gastronômicos de Salvador. Também ganhou título de destaque no Guia 4 Rodas e no Bahia International Guide. Andréa integra o time de Embaixadoras do Festival Donas do Sabor, do site Visit Salvador da Bahia.

Estacionamento

Os Hoteis Ibis e Mercure, vizinhos ao Restaurante Solar, possuem estacionamento privativo aberto ao público. Ainda dentro dos protocolos de segurança, o evento possui limite de vagas, sujeito a lotação do espaço.

 

SERVIÇO

O quê: Solar Music Festival

Onde: Restaurante Solar – Rua Fonte do Boi, 24 B – Rio Vermelho

Quando: Quintas e sextas-feiras de dezembro, a partir das 20h

Atrações: Quinta-feira (16) – Mário Soares Duo convida Daniel Santana

Sexta-feira (17) – Julio Caldas Trio

Quanto: Couvert artístico R$ 20,00 (vinte reais).

Informações e reservas: (71) 99658-8870 / 3012-9360 – [email protected]

 

Emoção e reverência marcam primeira edição do Festival Osun Bahia em Salvador!


Repleto de simbolismos e reverências, quem acompanhou toda a programação da primeira edição do Festival Osun Bahia na capital baiana não teve como não se emocionar em algum momento. Criado na Nigéria e presente há oito anos no Rio de Janeiro, Salvador não tinha como ficar de fora de algo tão especial para o povo de santo, sobretudo filhos e filhas de Osun e também de outros Orisas. Durante a manhã de ontem (27), o Terreiro Abassá de Ogun, em Itapuã, abriu os festejos com um café caprichado aos presentes, em paralelo à cerimônia de entrega das moções aos homenageados. A mesa foi formada pela Iyalode Rosângela D’Yewa (Rio de Janeiro), a Iyalorixá Jaciara Ribeiro (Bahia) e o ator, apresentador e Mogba do Ile Ase Opo Aganju, Érico Brás. Depois, dezenas de pessoas seguiram em cortejo pelas ruas do bairro até à Lagoa do Abaeté para oferecer presentes às águas de Osun. “Esse evento não é só uma homenagem, é uma união”, declarou Iyalode Rosângela D’Yewa.

Como o objetivo de conscientizar sobre a importância das Iyalorisas e o seu papel como mulher, “quando uma Iyalorisa está erguida, todas as mulheres estão erguidas”, refletiu a Iyalorisa Jaciara Ribeiro. A honraria continuou em um palco montado na praça principal do parque metropolitano, e contou com representações políticas, como a Secretária de Promoção da Igualdade Racial (Sepromi), Fabya Reis, e a presidente da Associação das Baianas de Acarajé (ABAM), Rita Santos. As Ganhadeiras de Itapuã e o Bloco Afro Bankoma foram as atrações culturais do evento. Um almoço de confraternização foi servido com comida baiana, e logo após foi aberta a roda de conversa sobre Ecologia, Racismo Religioso e Empreendedorismo. Érico Brás abordou o tema ‘Eu me aceito. E você?’, discorrendo sobre a importância em se aceitar, assim como aceitar as suas tradições para o fortalecimento da cultura afrodescendente. “A gente precisa se apropriar do que é nosso”, afirmou o artista.

Dividindo o diálogo, a psicóloga e Iakekerê, Maria da Penha da Costa Machado falou sobre como é formada a autoestima e a sua importância para o combate ao racismo, ao lado da pedagoga e Dofona de Xangô do Terreiro Abatalandê, Jamile Kianda. Para encerrar o bate-papo, a cantora Matilde Charles soltou a voz, animando o público. O grande ato de encerramento desta primeira edição ficou por conta do ritual feito em homenagem à Mãe Gilda em frente ao seu busto, no qual cânticos pela paz e pela vida foram entoados pelas mães e pais de santo. A Feira Ya Lagbara ficou exposta durante o sábado (26) e também o domingo, integrando toda a atividade. Mais de 20 expositores mostraram toda a sua arte e cultura por meio de artesanato indígena, turbantes, tiaras, bolsas, camisas e blusas em tecidos africanos, além de comidas típicas e acessórios. “A sensação que eu tenho é de missão cumprida. Precisamos entender nosso papel na sociedade enquanto pessoa de religião. Não se olha a religião de matriz africana como pilar e ela também é pilar da sociedade”, concluiu Érico Brás.

O evento contou com o apoio do Koinonia, Secretaria de Promoção da Igualdade (Sepromi) e Coordenadoria Ecumênica de Serviço (Cese).

Lançamento da primeira Associação de Umbanda da Bahia acontece em Salvador neste domingo (8)


Foto: Clara Feliciano

A Bahia vai ganhar a primeira Associação de Umbanda (AUMBA), em lançamento que acontece neste domingo (8), no Centro de Umbanda Mística Oxum Apará (CUMOA), em Piatã. O encontro irá reunir dirigentes de diversos terreiros de Salvador e do Estado, além de convidados e imprensa. “A AUMBA nasce tendo como intuito unir, acolher, respaldar e representar as casas de Umbanda da Bahia através da promoção, do respeito mútuo e da compreensão mais profunda dos seus fundamentos”, explica Mãe Zaide  Alencar, presidente da Associação.

A ideia, segundo os representantes da AUMBA, é promover amor, caridade e conhecimento, levando referência e qualidade das práticas religiosas. “Como território mais negro fora da África, a Bahia tem com essa associação mais um importante pilar de defesa de suas raízes, de sua ancestralidade, de sua história e de sua fé”, afirma Pai Leandro, vice-presidente.

Foto: Clara Feliciano

 

SERVIÇO:

Lançamento da Associação de Umbanda da Bahia (AUMBA)

Data: 8 de setembro (domingo)

Local: Centro de Umbanda Mística Oxum Apará (CUMOA) – R. Luciano Pachêco, 212 – Piatã

Horário: A partir das 9h

 

Chef Andréa prepara bacalhau com influências ibéricas e africanas


Foto: Marcus Claussen

De 15 a 25 de agosto de 2019 acontece a terceira edição do Tempero Bahia. Este ano, o tema é “Bahia – África – Portugal – Uma Mistura de Sabores”. A chef do Restaurante Solar, Andréa Nascimento, uma das únicas mulheres a participar, criou para a edição um prato chamado “Mestiço”.

Foto: Marcus Claussen

O prato é composto por lombo de bacalhau com crosta de ervas e pimenta doce, com crisp de coco, acompanhado por vatapá com castanhas.

No período do festival, o prato será servido nas duas unidades do restaurante, no bairro do Rio Vermelho e Graça pelo valor de R$69 (sessenta e nove reais). Nos dias 17 e 18 de agosto, das 11h às 20h, também como parte do festival, a equipe Solar estará no Passeio Público, em Salvador, com diversas delícias para o público como crepes franceses, escondidinho de camarão, feijoada de frutos do mar e quiches.

Últimos dias para se inscrever na 13ª edição da CowParade Brasil!


 

Foto: Ulisses Dumas

Interessados em participar da 13ª edição da CowParade Brasil têm até a próxima sexta-feira (02) para efetuarem a inscrição. Pela primeira vez em Salvador, artistas visuais baianos tanto amadores quanto profissionais terão a oportunidade de pintar uma das 60 esculturas em formato de vaca feitas em fibra de vidro e tamanho natural, disponíveis para receber intervenções de diferentes vertentes artísticas como pintura, colagem, grafitagem, entre outras, e também acessórios.

Após a seleção, as vaquinhas ficarão expostas em vários pontos turísticos da capital baiana. O edital e regulamento podem ser acessados no link www.cowparade.com.br.

No Brasil, cidades como São Paulo, Curitiba, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, Porto Alegre, Goiânia e Belém do Pará já receberam a mostra, que existe há mais de 20 anos e é considerada a maior em arte urbana no mundo. As obras serão espalhadas em locais públicos e privados de acesso público, a partir de 11 de outubro até 09 de novembro. “Salvador já está inserida no roteiro mundial da CowParade e temos certeza que grandes artistas irão retratar a singularidade e a beleza da Bahia”, declara Catherine Duvignau, sócia-diretora da Toptrends, empresa organizadora.

Foto: Ulisses Dumas

Buscando revelar artistas regionais para o grande público, o patrocínio fica por conta da rede de farmácias Extrafarma, responsável por viabilizar a vinda desse evento mundial ao Estado no qual está presente há dois anos. Ao final, será realizada uma exposição pré-leilão no Shopping da Bahia e posteriormente as obras serão leiloadas e o valor arrecadado doado para instituições beneficentes selecionadas. “Nosso apoio ao evento é uma forma de agradecer a boa recepção dos baianos desde que iniciamos nossas atividades na região”, diz Miguel Jarros, diretor de Operações e Marketing da Extrafarma.

Caráter beneficente

Além de expor a beleza e exuberância das obras, a exposição também visa promover a responsabilidade social. No Brasil, o projeto já arrecadou e doou mais de R$ 6 milhões para ações de responsabilidade social como Fundação ABRINQ, Fundação Gol de Letra, SERVAS – Serviço Voluntário de Assistência Social (BH), Rio Inclui (RJ), AVAO – Associação Voluntariado de Apoio à Oncologia (PA), entre outras. Ao redor do mundo, mais de 10.000 artistas já participaram da CowParade e estima-se que mais de 500 milhões de pessoas tenham visto uma das esculturas. No total, mais de US$ 35 milhões foram levantados para entidades beneficentes através do leilão das peças.

Foto: Ulisses Dumas

História de sucesso

A CowParade surgiu em 1998, quando o artista suíço, Pascal Knapp criou diversas esculturas em formato de vaca com a intenção de provocar o riso. Em 2000, os direitos das esculturas de Knapp foram comprados pelo americano Jerry Elbaum que fundou a CowParade Holding Inc. Desde então, foram criadas mais de 5 mil esculturas de vacas em todos os continentes. No país, o evento é idealizado pela Toptrends, empresa brasileira criada, em 2004, com a missão de democratizar a arte e a cultura através de projetos especiais.

Inscrições e regulamento exclusivamente através do site www.cowparade.com.br

 

Nara Couto apresenta força e leveza da mulher negra em palco principal do Teatro Castro Alves!


Foto: Fernanda Maia

Dedicado às ancestrais, o show de estreia do álbum Contipurânea, da cantora baiana Nara Couto, revelou toda a força, luz e leveza da mulher negra no último sábado (27), na sala principal do Teatro Castro Alves (TCA). Repleto de simbolismos, o espetáculo contou com momentos de performance, a exemplo da participação de um artista com traje de policial em ato político, a duetos especiais ao lado do cantor Lazzo Matumbi e da cantora Preta Rara, exaltando a beleza e a luta da mulher preta. Abrilhantando ainda mais o espetáculo, destaque para a presença do bloco afro Ilê Aiyê, que levou todo o seu encanto para o palco.

Foto: Fernanda Maia

Músicas como ‘Linda e Preta’, ‘Deu foi dó’ e ‘Brilho do Mar’ constaram no repertório e integram seu primeiro álbum de carreira, trazendo nas letras temas oprimidos e celebrados, de forma poética, fazendo referência a sua identidade. “Eu gostei muito! Já acompanho e amo o trabalho de Nara. Ela representa essa força de todas nós no palco. Me emocionei no encontro de gerações, com o canto forte e único dela e de Lazo Matumbi. Como além de cantora, ela é dançarina, a expressão da arte dela fica completa, prendendo e emocionando o público. Foi lindo e especial viver e sentir esse momento dela brilhando no palco principal do TCA. Dá orgulho!”, elogiou a engenheira, Márcia Santana.

Foto: Fernanda Maia

A artista se propôs a oferecer ao público uma interpretação afro transcendente, multifacetada, criada por letras, ritmos, melodias, texturas, cores e dança, além de mostrar a matriz que é feita por ritmos puros oriundos da diáspora, relidos e atualizados com a história negra e baiana. O projeto, que é celebrado a partir da movimentação do corpo, foi divido em três blocos: O sagrado, o encontro e o profano. O primeiro pelo culto e celebração aos orixás, o segundo pelo encontro do antigo com o novo e o terceiro é o resultado da multiplicação cultural a partir disso.

1ª Bienal Black Brazil Art está com inscrições abertas até o dia 30 de agosto


Bienal Black Brazil Art
Foto: Giselle Pool
Com o tema “Mulheres (in) Visíveis”, interessadas em inscrever seus trabalhos artísticos para a 1ª Bienal Black Brazil Art. tem até o dia 30 de agosto para o envio das obras, que devem ser realizadas por mulheres ou inspiradas na temática feminina e feminista, principalmente afro-brasileira. A bienal acontece nas cidade de Porto Alegre (RS)Florianópolis (SC) e Curitiba (PR), de 5 de novembro de 2019 a 30 de janeiro de 2020. Artistas, produtores e curadores de qualquer parte do Brasil podem apresentar seus trabalhos, projetos de pesquisa ou curatorial. 

“Em busca de uma conexão da arte brasileira produzida por mulheres ou inspirada nelas, a Bienal Black Brazil Art chega como um evento artístico dedicado às artes visuais e suas diversas interpretações. Buscamos mostrar a força e o potencial criativo de mulheres anônimas ou artistas que tiram estas mulheres do anonimato”, explica a produtora executiva, Patricia Brito. 

Os valores das inscrições variam de R$ 25,00 para artista individual e R$ 45,00 para coletivo. Os trabalhos inscritos deverão se enquadrar nas seguintes categorias: arte visual, arte design, arte digital, arte urbana, vídeo ou vídeo instalação, performance e instalação. Paralelo às exposições, a bienal também promoverá um concurso direcionado à rede pública e privada de ensino, e outro de expressão no formato de vídeo para o público geral. Ambas as atividades são gratuitas e seguem a temática proposta pelo evento.
Cada participante, individual ou em coletivo, poderá inscrever até dois trabalhos que concorrerão aos prêmios previstos no regulamento. A bienal também prevê um concurso voltado a escolas e outro de vídeo para a comunidade em geral. 
Inscrições, taxas e o registro de obras podem ser feitas aqui

Antonio Pitanga e Rocco Pitanga encenam Embarque Imediato na Sala do Coro do Teatro Castro Alves


Foto: Divulgação

Em texto inédito do dramaturgo Aldri Anunciação, o espetáculo Embarque Imediato uniu Antônio Pitanga e seu filho, o ator Rocco Pitanga, pela primeira vez em cena. Um encontro entre um homem mais velho africano e um jovem pesquisador brasileiro ou entre a África e a diáspora ou entre pai e filho que trata a peça, com encenação de Márcio Meirelles. Vivendo estes dois personagens que se encontram num aeroporto internacional e estabelecem um diálogo sobre a História, a estreia para o grande público será no dia 30 de maio, às 20h, na Sala do Coro do Teatro Castro Alves.

“É motivador trabalhar com uma pessoa pela qual eu tenho admiração. E que essa pessoa pela qual eu admiro o talento e o caminho de vida é meu pai. Meu pai e eu moramos em extremos opostos, estávamos morando distantes e esse ano estou indo morar com ele, estamos trabalhando juntos. Passamos texto em casa, mesmo com as agendas corridas e isso está sendo muito bom” revela Rocco, que acredita que o teatro é um espaço de generosidade e criação coletiva, colaborativa.

Embarque Imediato é também a celebração dos 80 anos de Antônio Pitanga, um artista fundamental do cinema, teatro e TV brasileira, além de uma importante voz na defesa dos direitos de negros e negras no país. E esta comemoração se estendeu ao encontro artístico com o filho, Rocco Pitanga e a presença virtual de Camila Pitanga, que dá voz aos textos em off da montagem e aparições em vídeo. A atriz autorizou a exibição do documentário Pitanga, ao qual assinou a direção e que terá exibições no foyer da Sala do Coro, antes das apresentações da peça, permitindo que o público possa ver trechos do filme e conhecer melhor a trajetória do artista. 

A obra promove um debate, seguindo uma poética presente na escrita de Aldri Anunciaçao em que a cena é configurada de modo a apresentar diferentes pontos de vista e permitir que o espectador chegue às suas conclusões, a partir das reflexões e argumentações tecidas ao longo da cena. Marcio Meirelles se encantou pela dramaturgia desde 2016, quando dirigiu uma leitura dramática dentro do Festival Nova Dramaturgia da Melanina Acentuada, já com Pitanga. O diretor incentivou o dramaturgo a finalizar a obra para montar um espetáculo, trazendo para o palco as provocações sobre identidade, política, história e o tempo.

A montagem segue em cartaz até o dia 16 de junho, de quinta a domingo. O espetáculo tem apoio financeiro do Governo do Estado, através do Fundo de Cultura, Secretaria da Fazenda, Centro de Culturas Populares e Identitárias e Secretaria de Cultura da Bahia, conta com patrocínio da Bahiagás e produção da Maré Produções Culturais.

Serviço

Espetáculo Embarque Imediato

De 30 de maio a 16 de junho

De quinta a domingo, às 20h

Sala do Coro do Teatro Castro Alves

Ingressos à venda nas Bilheterias do Teatro Castro Alves, Balcões no SAC e no link