Últimas apresentações do evento Eu Brinco, Eu Existo do Amora leva práticas de promoção da igualdade racial


Foto: Magali Moraes

As últimas apresentações da Caravana do Amora com o evento Eu Brinco, Eu Existo, acontecem nos dia 20 e 28 de maio, nos bairros de San Martin e Periperi, respectivamente. Durante três meses, o projeto percorreu escolas públicas da região metropolitana levando representatividade e práticas de promoção de igualdade racial através de atividades lúdicas envolvendo contação de histórias com uma boneca humanizada, abordando questões como estética e cultura afro, diversidade étnica e história africana. Desta vez, a cantora Gilmelândia, madrinha do projeto, participa fazendo números de mágica e levando música e mensagens afirmativas para as crianças.

“Eu amo o Amora porque desde que conheci o projeto fiquei encantada com a valorização que faz da criança, de ensinar a ela a ter autoestima, amar o cabelo dela, amar a cor dela, afinal é muito importante quando o ser humano se ama porque ela vai espalhar esse amor pelo mundo, essa autovalorização, porque a gente só pode amar o outro se a gente primeiro se amar”, observa Gilmelândia, que esteve no último dia 16 junto com o Amora na escola Quingoma, no bairro Caji, em Lauro de Freitas.

Foto: Magali Moraes

Gilmelândia começou a cantar ainda criança. A irreverência e o jeito moleca, características de Gil, marcam a sua carreira nos palcos. A energia contagiante dos shows mostra que a presença dela sempre foi um diferencial. “Tenho uma relação muito forte com o projeto e também estudei em escolas públicas. Sou apaixonada pelo Amora”, completa Gil. O evento Eu Brinco, Eu Existo é parte das ações do “Mais que brinquedos, representatividade”, único projeto baiano selecionado, dentre 172 inscritos, pelo edital Negras Potências realizado em 2018 em parceria entre o Benfeitoria e o Fundo Baobá.

O professor Paulo Henrique, coordenador do Lab Social, ambiente de negócios sociais da Unifacs, onde o projeto Amora foi germinado, pontua que o Amora é o “principal case de inovação social com foco em venda de produtos infantis, porque essa inovação é trabalhada em várias vertentes: criatividade, relacionamento com clientes, canais, parcerias, tornando o negócio sustentável  e contribuinte para a construção de uma política pública de trabalho em escolas municipais, para o enriquecimento sociocultural dessas crianças.”

Por desenvolver brinquedos que auto afirmam a identidade étnica da criança que brinca com eles, o Ateliê ganhou em 2017 o Prêmio International Laureautte de Empreendedorismo Social, que Paulo pontua como “um divisor de águas” na jornada do Amora: “foi para o projeto e foi para nós também, para que percebêssemos o quanto vale confiar no empreendedor que está à frente de um negócio. A parceria entre o Amora e o Lab Social é contínua e vemos o projeto como um importante multiplicador da importância do impacto social.”

“Montamos uma rede com importantes parcerias e apoios para ampliar o alcance da mensagem do Amora como negócio social, que vem resultando no crescimento do projeto, no seu alcance e na aparição dos primeiros resultados”, afirma Ivanna Soutto, Especialista em Gestão Cultural, mentora do projeto há dois anos.

Em 2018, além do Negras Potências, o Amora foi selecionado no primeiro semestre para ser pré-acelerado pela Vale do Dendê, uma holding social que fomenta o ecossistema de inovação e criatividade da cidade de Salvador, com foco no desenvolvimento do protagonismo dos jovens afro-brasileiros. Ainda nesse mesmo ano foi um dos 9 projetos (dentre 230 inscritos, oriundos de 16 países) que recebeu menção honrosa no Here for Good, premiação internacional que reconhece iniciativas de impacto social que conferem um bem à sociedade.

Jaciara Nogueira dos Santos Araújo, diretora da Escola Municipal Saturnino Cabral, uma das 12 escolas selecionadas pelo projeto, fala da sua alegria de ter visto um projeto como o Amora acontecendo na escola localizada no bairro Cosme de Farias: “Estamos aqui em um ambiente humilde, cercado de violência urbana, porém a comunidade acredita na escola, e escola realmente acredita no poder da educação. Aqui os meninos são extremamente interativos e educados, o que desmistifica isso de que a criança pobre é mal educada. Complicado é você ir para o shopping, ir nas lojas e não encontrar um brinquedo que pareça com você: tem que ter representatividade no brinquedo!”.

Criado e gerenciado por Geo Nunes, especialista em Design Estratégico, o Amora Brinquedos Afirmativos, em apenas três anos de atuação, já impactou a vida de centenas de pessoas, envolvendo costureiras e artesãs capacitadas com a tecnologia social de produção de bonecos, crianças impactadas diretamente através das oficinas e aquisição de bonecos e bonecas pretas e pessoas impactadas em palestras e oficinas que discutem representatividade negra infantil. Hoje, a cada peça vendida, uma é doada.

 

Últimas apresentações do evento Eu Brinco, Eu Existo:

_ Dia 20 de maio: Escola Municipal Calafate

Rua Direita do Calafate, 151 San Martim

_ Dia 28 de maio: Escola Municipal Periperi

Rua Rosalvo Barbosa Romeu, Periperi

Confira ações da Amora nas redes sociais:

Instagram: https://www.instagram.com/amorabonecas/

Facebook: https://www.facebook.com/amorabonecas/

Site: www.amorabonecas.com.br

Fotos e vídeos de todas as edições realizadas do Eu Brinco, Eu existo:

http://www.amorabonecas.com.br/eu-brinco-eu-existo-pg-64292

Larissa Luz lança terceiro álbum solo “Trovão”!


Foto: Breno Galtier

A cantora baiana, Larissa Luz, lança seu mais novo álbum, “Trovão”, disponível a partir do dia 17 nos aplicativos de música através da Natura Musical e a Altafonte. Com produção de Rafa Dias, seu terceiro disco solo traz 13 faixas que conta com convidados de peso como a brasiliense Elen Oléria e representantes da Bahia como Lazzo Matumbi, Luedji Luna, Letieres Leite e o alabê Gabi Guedes.

Larissa Luz antecipou para seus fãs a faixa “Gira” – composta por ela em parceria com Bia Ferreira e Doralyce – com direito a clipe conceitual e impactante dirigido por Heitor Dhalia, que assim como a canção, faz uma abordagem moderna e pop da magia original africana. Os shows de lançamento de “Trovão” acontecem nos dias 9 e 16 de maio, na Praça Tereza Batista, em Salvador e na Marina da Glória – Shell Open Air, Rio de Janeiro; e dia 5 e 13 de junho na Agulha, em Porto Alegre e Casa Natura, em São Paulo, respectivamente.

“Esse disco nasceu da necessidade de trazer para nosso cotidiano de forma simples e contemporânea traços da nossa conexão ancestral com os ritos e práticas das religiões de matriz africana. Queria vir com uma abordagem sob uma perspectiva atual, urbana, crítica, divertida, não tão óbvia, não tão direta e com muito respeito, numa releitura tecnológica de ritmos tribais para tirar o público do lugar de conforto e provocar uma percepção interna da nossa ancestralidade”, conta a cantora baiana radicada no Rio, que brilhou como Elza Soares no Musical Elza.

Larissa lembra que este ano, Mãe Stella de Oxóssi e Makota Valdina, duas importantes ialorixás na luta contra o racismo religioso, seguiram para o Orun. Que uma lei discriminalizando o sacrifício de animais nos ritos gerou uma série de polêmicas que para ela evidenciaram a falta de conhecimento de grande parte da população sobre história e práticas dos negros. Um ano com tragédias que demonstraram a importância da valorização da natureza e a aproximação dos elementos sagrados.

Foto: Breno Galtier

“Em tempos difíceis, senti a relevância de evocarmos a nossa fé e fazer dela instrumento de sobrevivência e resistência. Produzir uma música impulsionadora, energizante e eletrizante, que sugere a dança, que é elemento de transe e uma via para alcançarmos lugares elevados espiritualmente. Xirê! Os ritos africanos são grandes celebrações e assim é ‘Trovão'”, define Larissa.

 

Mais sobre o álbum

“Sou de Iansã com Ogum e ideias do mal eu derrubo e corto com a minha espada”, proclama Larissa Luz cheia de axé em “Aceita”, canção de abertura que já determina a força que esse “Trovão” tem. Em seguida, ela deságua em “Lama”, a segunda do disco e a coerência da ordem faz com que “Nanã” – a orixá que veio da lama e ajudou a modelar o ser humano – venha como terceira faixa.

O ritual baile continua com “Macumba”, que tem os atabaques do alabê Gabi Guedes se misturando à modernidade eletrônica, uma assinatura característica de Rafa Dias, líder do grupo “Àttooxxá” que além de produzir, ajudou Larissa na criação de melodias e letras. “Passei para ele o conceito sobre o universo e abordagem do disco, ele foi construindo os beats, fomos colocando letras e vozes”, lembra Larissa.

A “Gira” (faixa cinco) continua com Larissa batendo forte nos pensamentos retrógados e une essa força com Luedji Luna em “Climão” num encontro que reluz como o ouro de Oxum. “Me jogo no rio e deixo ele me levar…”, diz um trecho.

 

 

Assista o vídeo da música GIRA.

II Mostra Itinerante de Cinemas Negros Mahomed Bamba


Foto: Divulgação

Segue até o dia 18 de maio as inscrições para envio de obras cinematográficas à II Mostra Itinerante de Cinemas Negros – Mahomed Bamba. O festival internacional de audiovisual reunirá filmes do cinema negro brasileiro-diaspórico e de obras produzidas em africanos, países latinos, lusófonos, e francófonos, ampliando suas inscrições para conexões mundiais.

A MIMB celebra o sucesso da sua primeira edição, que mobilizou mais 2.500 pessoas entre sessões de filmes, shows, oficinas e rodas de conversas. Foram 131 filmes inscritos no circuito nacional, 30 selecionados; 14 produções internacionais de cineastas da diáspora, distribuídos 14 sessões itinerantes em cinco bairros da cidade de Salvador – Pelourinho, Barris, Cabula, Garcia e Alagados.

Os critérios de seleção dependem de cada categoria, gênero, temática e duração do filme. A Mostra acontecerá entre os dias 14 e 18 de agosto de 2019. Ao todo serão selecionados 50 filmes, trazendo narrativas que abordem questões de gênero, raça, sexualidade, subjetividades, oralidade e memórias de resistência do povo preto, fortalecendo, valorizando e disseminando conteúdos produzidos por realizadorxs negrxs.

O formulário de inscrição e regulamento está disponível e pode ser preenchido no seguinte link

VII Congresso Baiano de Pesquisadorxs Negrxs acontece em julho deste ano


NEGROS_ESTUDANDO
Foto: Divulgação

O VII Congresso Baiano de Pesquisadorxs Negrxs da Bahia (CBPN) traz esse ano o tema ‘Políticas, saberes e tecnologias afro-diaspóricas: insurgências nas contemporaneidades negras’, pretendendo colocar em debate modos de insurgências negras que são produzidos/gestados nos espaços da afro-diáspora, forjando/inspirando/demandando a implementação de políticas públicas, a reinvenção dos saberes e os modelos de reordenamento de ocupação dos territórios físicos e simbólicos. Serão acolhidos trabalhos em perspectiva transdisciplinar que dialoguem com os diversos percursos epistemológicos que compõem as contemporaneidades negras.

Ao reunir pesquisadoras e pesquisadores negros de diferentes áreas de conhecimentos, de diferentes regiões da Bahia, o Congresso participa de um importante momento de luta para sedimentação e ampliação de políticas reparatórias, de fortalecimento do diálogo entre universidade e os movimentos sociais, de apresentação de outras vias de produção de conhecimento, bem como do esforço para garantir um espaço aberto ao debate sobre pesquisas, propostas e reivindicações apresentadas pelas/os pesquisadoras/es negras/os.

O VII CBPN constrói-se no interior de uma conjuntura que exige a ampliação de reflexões e dos debates sobre a inserção qualificada das comunidades negras na sociedade brasileira, sobre reconhecimento do caráter insurgente das produções negras afro-diaspóricas e sobre possibilidade de mudança social que tais produções geraram e podem gerar no desenho de relações étnico-raciais na sociedade brasileira além de buscarem o atendimento às reivindicações dos movimentos sociais e à crescente mobilização de pesquisadoras/es negras/os através de seus estudos em prol da equidade social.

Nesta perspectiva, por exemplo, pela primeira vez, o CBPN organiza um Grupo temático voltado ao estabelecimento de diálogos com movimentos e pesquisas organizados pela Comunidade Negra Surda Brasileira. A ASSOCIAÇÃO DE PESQUISADORES NEGROS DA BAHIA (APNB) é uma instituição civil, sem fins lucrativos, destinada ao incentivo e à valorização de pesquisas realizadas, prioritariamente, por pessoas negras, sobre temas de interesse direto das comunidades negras, a fim de contribuir para a construção e a ampliação do conhecimento humano, numa perspectiva antirracista. Fundada em 06 de novembro de 2004.

Mais informações no link

Professora Ana Flávia Magalhães Pinto lança livro “Escritos de liberdade” dia 21 de maio


Foto: Mídia Ninja

O livro “Escritos de Liberdade: literatos negros, racismo e cidadania no Brasil oitocentista” será lançado no dia 21 de maio, às 17h, na Igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Pretos (Largo do Pelourinho). A autora é Ana Flávia Magalhães Pinto, professora do Departamento História da Universidade de Brasília (UnB), que apresenta um estudo detalhado sobre as articulações diretas e indiretas realizadas por homens negros, livres e letrados atuantes no cenário político-cultural das cidades de São Paulo e do Rio de Janeiro na segunda metade do século XIX.

Luiz Gama, Machado de Assis, José do Patrocínio e mais um grande número de gente livre “de cor” buscaram conquistar e manter espaços no debate público sobre os rumos do país, bem como atuaram na defesa da cidadania de pessoas negras livres, libertas e escravizadas. Indo de encontro às cotidianas práticas de “preconceito de cor” e “ódio de raça”, fizeram da atuação em jornais um meio estratégico para a criação de formas de resistência, de confronto, mas também de diálogo.

De acordo com Martha Abreu, professora titular do Departamento de História da Universidade Federal Fluminense (UFF), o livro “ocupa inestimável lugar no reconhecimento da presença de sujeitos históricos negros nos debates políticos públicos e nas lutas pela cidadania e igualdade no nosso país – já na segunda metade do século XIX!”. Depois de Brasília, São Paulo e Salvador, “Escritos de Liberdade: literatos negros, racismo e cidadania no Brasil oitocentista” será lançado em Porto Alegre, Goiânia e Jataí (GO).

Sobre a autora

Ana Flávia Magalhães Pinto é professora do Departamento História da Universidade de Brasília (UnB); doutora e pós-doutora em História pela Unicamp (2014 e 2017), mestre em História pela UnB (2006), graduada em Jornalismo pelo UniCEUB (2001) e História pela Unip (2017).

Além de “Escritos de Liberdade: literatos negros, racismo e cidadania no Brasil oitocentista” (Editora da Unicamp, 2018), é autora de “Imprensa negra no Brasil oitocentista” (Selo Negro, 2010). Organizou as coletâneas “Pensadores Negros – Pensadoras Negras: Brasil, séculos XIXI e XX”, junto com Sidney Chalhoub (EDUFRB e Fino Traço, 2016); e “Griôs da Diáspora Negra” (Griô, 2017), com Chaia Dechen e Jaqueline Fernandes, entre outras publicações individuais e coletivas.

Desde a primeira graduação, Ana Flávia desenvolve pesquisas articulando conhecimentos das áreas de História, Comunicação, Literatura e Educação, com ênfase em: atuação político-cultural de pensadores/as negros/as, imprensa negra, abolicionismos e experiências de liberdade e cidadania negras no período escravista e no pós-abolição no Brasil e em outros pontos da Diáspora Africana.

Atualmente é também coordenadora nacional do GT Emancipações e Pós-Abolição da Anpuh (2017-2019) e coordenadora da Atividades Formativas do Festival da Mulher Afro-Latino-Americana e Caribenha (Latinidades).

Serviço

Lançamento do livro “Escritos de Liberdade: literatos negros, racismo e cidadania no Brasil oitocentista”

Quando: Dia 21 de maio, 17h, na Igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Pretos (Largo do Pelourinho).

Entrada franca.

Classificação indicativa livre.

O livro também está disponível para compra no link: http://www.editoraunicamp.com.br/produto_detalhe.asp?id=1179 .

 

 

Sarauzinho da Calu volta aos palcos de Lauro de Freitas


Foto: Divulgação

O Sarauzinho da Calu chega a Lauro de Freitas, para única apresentação no dia 19 de maio, às 17h, no Cine Teatro Lauro de Freitas, e utiliza a ferramenta da poesia, música e literatura infantil para falar de representatividade, tradição, memória e identidade.

Foto: Divulgação

Baseado no livro “Calu, uma menina cheia de histórias”, que tem prefácio do ator e escritor Lázaro Ramos e foi vencedor do prêmio APCA – São Paulo em 2017, o livro serviu de inspiração para o espetáculo que é dirigida pela atriz, escritora e dramaturga Cássia Valle do Bando de Teatro Olodum.

O Sarauzinho é um espetáculo que aborda a narrativa de uma menina negra, que a partir das suas histórias contadas no bloquinho cria um universo alternativo carregado de símbolos, afirmando a importância de falar dos sonhos. De forma lúdica, criativa e transformadora, a Performance Literária retrata a transmissão de conhecimento através da oralidade, como contação de histórias, poemas e canções infantis compostas especialmente para o sarauzinho.

O elenco conta com Kelly Ribeiro, Clara Cardoso, Naira da Hora, Juliana Luz, Vagner de Jesus e a atriz mirim Ayana Dantas, além dos artistas colaboradores Merry Batista, Marquinhos Dede, Shirley Sanveja, Nine Vieira. A direção do Sarauzinho é de Cássia Valle, codireção Leno Sacramento, produção da DiPreta, direção musical de Cell Dantas, iluminação Rivaldo Rio e Fotografia de Fafá.

SERVIÇO:

O que: “Sarauzinho da Calu”

Quando: 19 de maio de 2019.

Onde: Cine teatro Lauro de Freitas

Quanto: R$10,00 (inteira) / R$ 5,00 (meia) disponível na bilheteria do teatro.

Classificação: Livre

Realização: Moinhos Giros de Arte Cultura e Comunicação

Cantor Rael se apresenta no Pelourinho pelo projeto Conexões Sonoras


 

Foto: André Fofano

 

O cantor Rael, um dos artistas mais celebrados atualmente no rap nacional, se apresenta sábado (18), no Largo Quincas Berro d’Água, no Pelourinho, às 20h. O cantor junta-se à autenticidade do grupo Zuhri, nome em ascensão na cena musical independente de Salvador, para realizar o terceiro encontro de 2019 do projeto Conexões Sonoras, com apoio do Centro de Culturas Populares e Identitárias (CCPI), da Secretaria de Cultura da Bahia (SecultBA). Ingressos a R$ 40 e R$ 20 reais.

Rael sobe ao palco para trazer a força de um repertório que rendeu a ele o Prêmio da Música Brasileira de Melhor Cantor na categoria Pop/Rock/Reggae/Hip Hop/Funk, além da indicação ao Grammy Latino na categoria música urbana, pelo álbum Coisas do Meu Imaginário.

Rael fez parte por mais de 15 anos do grupo paulistano Pentágono, no qual gravou quatro discos autorais e em 2012, anunciou oficialmente sua saída do Pentágono.

Serviço

Rael + Zuhri – Conexões Sonoras

Data: 18 de maio (sábado)

Local:  Largo Quincas Berro D’Água (Rua do Açouguinho, 12 – Pelourinho)

Horário: 20h

 Ingressos:  R$ 40,00 e R$ 20,00

 Vendas: Sympla (https://bit.ly/2JkPode)

 

Confira o clipe oficial da música Aurora Boreal:

 

Monique Evelle ministra palestra no VTEX DAY em São Paulo


 

Foto: Reprodução / Redes sociais / Pablo Saborido

A ativista e empreendedora social, Monique Evelle será uma das palestrantes do VTEX DAY, que acontece entre os dias 30 e 31 de maio, em São Paulo. O tema será “Quem os empreendedores realmente querem impactar?”. O mesmo evento contará com a presença de ninguém menos que o ex-presidente dos EUA, Barack Obama, conduzindo um bate-papo sobre a sua trajetória política.

Com apenas 24 anos, já figurou na lista “30 Under 30”, da revista Forbes, que aponta os jovens mais influentes antes dos 30. Ela também já foi personagem de uma série da Netflix e ajudou a jovens de comunidades em Salvador a pensarem sobre direitos humanos. 

Monique Evelle é idealizadora e sócia de diferentes negócios da comunicação, educação e empreendedorismo sustentável. Foi repórter do Profissão Repórter, da Rede Globo e fez parte do time de novos negócios da Bossa Nova Group. É criadora do Desabafo Social, organização que trabalha com comunicação e educação para os direitos humanos, com ramificações em 13 estados brasileiros.

5º Chá da Diversidade promove diálogos sobre saúde e bem-estar


Foto: Matheus Thierry

Acontece no sábado, dia 25 de maio, a partir das 16h, na Residência Universitária da UFBA R1, no Corredor da Vitória, o 5º Chá da Diversidade, organizado pelo Grupo de Dissidência Sexual e de Gênero das Residências Universitárias da UFBA (GDR). Nesta edição, o GDR traz o tema “Entre existências e resistências: Diálogos sobre Saúde e Bem-Estar”, convocando toda a sociedade à uma conversa sobre o autocuidado e preservação da saúde de pessoas LGBTQIA+, em Salvador.

Em formato que fez sucesso nas duas últimas edições, o talk show que será apresentado pela drag queen e performer Malayka SN, mediando o bate-papo com convidados do coletivo, quando o chá será servido, às 19h. A arte-educadora e atriz do Coletivo das Liliths, Xan Marçall; o psicólogo e bicha preta, Gabriel Leal; o estudante de Direito, gay e cadeirante, Mauro Rocha e a professora da Escola de Enfermagem da UFBA, Carle Porcino levarão suas contribuições como ativistas e militantes das causas LGBTQIA+ ao debate. 

O bate-papo será musicado pela cantora Keila Paixão, graduanda do curso de Gênero e Diversidade da UFBA e o agito segue com o Dj Roberto Jr, residente da Boate Tropical Club, animando o encerramento do evento com um som eclético que já é tradição nos eventos do GDR. Durante as atividades do Chá da Diversidade, o espaço da histórica casa de estudantes recebe a Feira da Economia Criativa LGBT, também promovida pelo grupo, disponibilizando um espaço para divulgação e venda de produtos e serviços variados aos pequenos empreendedores LGBT da cidade.

Empreendedorismo

O espaço da histórica casa de estudantes recebe a Feira da Economia Criativa LGBT, também promovida pelo grupo, durante as atividades do Chá da Diversidade, disponibilizando um espaço para divulgação e venda de produtos e serviços variados, aos pequenos empreendedores LGBT da cidade que tem até a sexta-feira 17 de maio para se inscrever e podem procurar no instagram @gdr.ufba as instruções para participar. Mais informações no instagram @gdr.ufba e no link

SERVIÇO

O quê: 5° Chá da Diversidade – “Entre existências e resistências: Diálogo sobre saúde e bem-estar”

Quando: Sábado 25 de maio de 2019, a partir das 16:00hs

Onde: Residência Universitária UFBA R1, nª 2382, Corredor da Vitória

Quando: Entrada GRATUITA

Bairro da Paz recebe atividades lúdicas no ‘Dia de Brincar’


Foto: Carlos Casaes

O Dia de Brincar será realizado no próximo sábado, 18 de maio, das 9h às 12h, no Bairro da Paz, aberto para crianças e adultos. Esse é o terceiro ano consecutivo da realização do evento, sucesso entre os moradores do bairro. O objetivo é estimular a importância do brincar através do Programa Avançar, mantido pela Santa Casa da Bahia.

Na programação tem oficina de massinha, pintura de rosto, penteados, slime, karaokê e muitas brincadeiras de rua, como pula corda, baleado e corrida no cesto. A programação inclui abertura com a apresentação da Banda Sinfônica da Paz, fruto da parceria entre a Santa Casa e o NEOJIBA, e encerramento com chuva de pó colorido.

Foto: Carlos Casaes

Roberta Martins, pedagoga da Santa Casa da Bahia, destaca a importância de manter o evento no calendário fixo da entidade. “O objetivo é resgatar esse brincar na vida, tanto para a criança quanto para o adulto, que é envolvido igualmente. Atualmente, não vemos com tanta frequência esse tipo de atividade lúdica sendo praticada pelas crianças e percebemos a grande adesão da comunidade, conectando os participantes de todas as idades”.

Programa Avançar

Fundado em 2009 pela Santa Casa da Bahia, o Programa Avançar – Centro de Referência em Promoção Social e Capacitação desenvolve projetos e programas com o objetivo de contribuir com o desenvolvimento socioeconômico e cultural dos moradores do Bairro da Paz. O espaço oferta gratuitamente cursos e oficinas para geração de emprego e renda, ações de incentivo à cidadania e protagonismo para crianças, jovens e adultos da comunidade. Cerca de 3.000 pessoas são diretamente impactadas todos os anos, com a prestação de mais de 12 mil atendimentos sociais.

Serviço:

O que: Dia de Brincar

Onde: Programa Avançar – Rua Nossa Senhora da Paz, número 15, Bairro da Paz.

Quando: sábado, 18 de maio, das 9h às 12h.