Tem um Projeto sobre os ideais da Revolta dos Búzios? INSCREVA!


revolta dos búzios agosto da igualdade

A Secretaria de Promoção da Igualdade Racial (Sepromi) abriu o prazo de inscrições de projetos para o edital Agosto da Igualdade 2017. Com investimento total de R$ 300 mil, serão apoiados SETE projetos que tenham como referência os ideais da Revolta dos Búzios, fazendo um paralelo com as lutas contemporâneas.

Podem ser apresentadas, até o dia 23 de junho, propostas com valores entre R$ 30 e 60 mil, nas modalidades de oficinas livres; cursos de capacitação; apoio a feiras de inclusão socioprodutiva; oficinas de arte com exposição e capacitação para produção de videodocumentário.

As duas últimas precisam fazer alusão aos legados do Mestre Didi, artista plástico e sacerdote afro-brasileiro que neste ano completa seu centenário.

QUEM PODE

As entidades proponentes devem possuir sede e funcionamento no estado da Bahia, há mais de TRÊS anos, desenvolvendo ações, iniciativas, atividades e projetos com foco na promoção da igualdade racial, combate ao racismo e ao desenvolvimento sustentável de povos e comunidades tradicionais.

COMO FAZER

A entrega da documentação pode ser feita via Correios ou pessoalmente, em horário comercial, no endereço: Secretaria de Promoção da Igualdade Racial do Estado da Bahia (Sepromi) – Avenida Paulo VI, nº 760, Edifício Belmonte Empresarial, 2º e 3º andares – CEP 41. 810-001 – Salvador/Bahia.

Edital aqui. 

MulherPreta – Bazar Desapega terá arte, música, poesia e peças de R$1 a R$20


bazar desapega

Bazar, música, poesia, comida e empoderamento! Tudo isso e um pouco mais será oferecido no próximo sábado (3 de junho), reunindo mulheres negras no “Bazar Desapega”. Será a partir das 14h, em Ondina.

A organização é de Dai Costa, produtora da Auê Entretenimento, junto com outras mulheres ativistas da cidade. O Bazar Desapega está em sua segunda edição, e terá peças de R$1 a R$20. O encontro tem como intuito arrecadar alimentos e material de higiene pessoal para mulheres em situação de rua e em instituições. Com as doações, serão feitos kits para entrega em ações de rua.

bazar desapega

Para comprar, as mulheres terão brincos, sapatos, livros, tecidos para turbantes, e mais, além de poctek-shows e sarau de poesia. 

Bazar Desapega

Quando: 3 de Junho (sábado)
Onde: Rua Helvércio Carneiro Ribeiro – Ondina

Gratuito

#TerçasPretas – “Se Deus fosse preto – o Legado de LHOID” em cartaz no Vila Velha


se deus fosse preto
Foto: Max Fonseca

O ator Sérgio Laurentino (Bando de Teatro Olodum) volta aos palcos do Teatro Vila Velha com seu solo,“Se Deus Fosse Preto – O Legado de LHOID”, que tem como personagem central Lhutam Omí Imbó do Dendê -LHOID, homem negro preso injustamente pelo assassinato de sua filha e de sua esposa.

Ao longo do solo, Lhoid escreve textos baseando e fundamentando uma nova religião universal. Entre ficção e realidade, sua escrita chega aos anos 3 mil, um futuro que prenuncia a queda das religiões vigentes e o surgimento de um novo messias. Em pouco tempo, as ideias de LHOID ganham repercussão absurda e tornam-se a nova religião universal.

Confira aqui crítica sobre o solo, por Ricardo Gonzaga. 

 

O espetáculo integra a programação do projeto “Terças Pretas” do Bando de Teatro Olodum, ocupando o Teatro Vila Velha, em Salvador, com poesia, literatura e espetáculos teatrais.

 

Chegue lá…

Dia 30/05 | terça | 19h

R$ 20 e R$ 10

Sala Principal – Teatro Vila Velha

Classificação indicativa: 16 anos

Duração: 60min

 

Livro “Yorubá: vocabulário temático do Candomblé” será lançado no MAFRO


MAFRO

Celebrando os 35 anos do Museu Afro da Universidade federal da Bahia – o MAFRO -, no dia 2 de junho, será lançado o livro Yorubá: vocabulário temático do Candomblé, escrito por Marcio de Jagun.

O MAFRO/UFBA é um dos únicos Museus no país a guardar elementos materiais, representativos da cultura afrobrasileira. Seu acervo representa aspectos históricos, artísticos e etnográficos, que identificam as sociedades africanas. A atividade é aberta ao público e acontece a partir das 16h30.

Chegue lá…

Lançamento do livro: “Yorubá: vocabulário temático do Candomblé”

Quando: Dia 2 de junho (sexta-feira), 16h30

Onde: MAFRO/UFBA (Largo do Terreiro de Jesus, Pelourinho)

 

 

Revista Barril faz oficina sobre produção de crítica em artes cênicas


arte cênica negra
Teatro Experimental do Negro

Com o intuito de fomentar a produção de crítica em artes cênicas, a revista virtual baiana Barril traz o dramaturgo Ruy Filho, editor e crítico da revista digital Antro Positivo, que oferecerá ferramentas teóricas-práticas aos participantes do II Intercâmbio de Dinamização Crítica, que ocorre de 05 a 09 de junho, das 09h às 13h, no Goethe-Institut Salvador-Bahia/ICBA, no Corredor da Vitória.

O intercâmbio é direcionado a artistas, jornalistas, pesquisadores e pessoas que se relacionem com as artes cênicas, em especial aqueles que desejam se experimentar no âmbito da produção crítica em arte.

As inscrições vão até dia 31, através do site da Barril. A divulgação dos 25 selecionados ocorre no dia 01 de junho no site e no perfil da revista no Facebook.

Projeto

Em 2016, a Barril foi selecionada no Edital Setorial de Teatro, do Fundo de Cultura do Estado da Bahia – Secult-Ba, com o projeto Dinamização Crítica, que busca expandir o público e tornar a produção de pensamento mais acessível. Dentre as ações, a realização de dois intercâmbios com críticos de revistas nacionalmente reconhecidas.

Inscrições abertas para oficinas de percussão samba-reggae, dança afro, tranças e turbantes


escola olodum
Divulgação

As inscrições para oficinas gratuitas da Escola Olodum começam essa semana, no Centro Social Urbano Vasco da Gama. Jovens de 15 a 29 anos podem se inscrever para oficinas de percussão samba-reggae, dança afro, tranças e turbantes. Através das oficinas os alunos serão beneficiados pelas atividades do Projeto Escola Olodum: Pela Paz e Pela Vida – Educação, Cultura e Cidadania nas Comunidades.

Para se inscrever os interessados devem se dirigir ao CSU Vasco da Gama, nos dias 25 e 26 de Maio, entre 13 e 17hrs, portando original e cópia do RG e CPF do candidato e responsável (no caso de menor de 18 anos), foto 3×4 e comprovante de residência. As oficinas ocorrem nos dias 29, 30 e 31 de Maio.

O projeto é fruto de uma ação convergente do Programa Pacto pela Vida, através da Secretaria de Justiça, Direitos Humanos e Desenvolvimento Social (SJDHDS), Governo do Estado. O projeto utilizará o poder da mobilização e conscientização dos tambores do Olodum como ferramenta estratégica para fornecer noções sobre cultura, cidadania, autoestima e defesa de direitos, também integra as ações da campanha Paz Absoluta (Olodum) e do Plano Juventude Viva.

Escola Olodum – Vasco da Gama

Oficinas: Percussão Samba-reggae, Dança Afro, Tranças e Turbantes

Inscrições: 25 e 26 de Maio, das 13h às 17h

Onde inscrever: Rua Pedro Gama, S/N – Federação

Documentos: Original e cópia do RG e CPF do candidato e responsável (no caso de menor de 18 anos), Foto 3×4, comprovante de residência.

Mais Informações: 71 3322-8069

Rede Dandaras debate o tema “Afro-afetividade: Ouvindo e Refazendo histórias”


afetividade negra

Dialogando – Edição 1, um evento promovido pela Rede Dandaras, que nesta sexta-feira (26), vai responder as seguintes questões: Amor preto cura? Quais os desafios e enfrentamentos para manter um relacionamento afetivo entre pessoas negras? Para isso, será realizada a roda de conversa “Afro-afetividade: Ouvindo e Refazendo historias”.

Aberto ao público, a atividade acontecerá na sede do Instituto Mídia Étnica, no Dois de Julho, em Salvador a partir das 16h. A roda será mediada por Tainã Vieira e Laura Augusta, da Rede Dandaras.

O evento tem apoio do Afrodengo, maior grupo virtual de relacionamento entre pessoas negras do Brasil, Instituto de Mídia Étnica e Radio Exu. Terá ainda Feira de Empreendorismo Negro e espaço para apresentações artísticas.

afetividade negra

QUEM FAZ

A Rede Dandaras tem o objetivo contribuir no itinerário de educação, promoção de saúde e identidade de mulheres negras. Propõe a compreensão da multiplicidade de fatores que compõem a saúde, incluindo a interseccionalidade do racismo e machismo que atravessa as mulheres negras.

SERVIÇO

O que: Dialogando (1ª Edição) Afro-afetividade: Ouvindo e refazendo histórias

Quando: Sexta-feira, 26/05, às 16h

Onde: Instituto Mídia Étnica, Rua Areal de Baixo, nº 06, Dois de Julho, Salvador – BA

Quanto: Gratuito

Coletivo Boom Clap prepara o 3º Round – Circuito de Rima Improvisada


3round circuito de rima improvisada
Cosca

Em novembro deste ano, vai rolar o Duelo Nacional de MC’s, em Belo Horizonte – Minas Gerais. E até lá, a Bahia vai precisar eleger seu representante. Este é o objetivo do Coletivo Boom Clap que, pela terceira vez vai organizar no estado o Circuito de Rima Improvisada, uma Curadoria das Batalhas de MCs que acontecem na Bahia.

Já está rolando a catalogação destas Batalhas, e organizadores, Mcs, pessoas envolvidas neste universo aqui na Bahia já podem procurar o Coletivo pra inscrever seus movimentos por meio de formulário online disponibilizado pelo Duelo Nacional. Mas só até o dia 3 de junho!

3round circuito de rima improvisada 2

Neste 3º Round – Circuito de Rima Improvisada, o Coletivo viajará pelo interior para acompanhar as Batalhas, orientar e preparar os Mcs nos meses de julho, agosto e setembro, quando vai rolar o QUALITY – de onde sairá a/o representante da Bahia.

Segundo André Costa (Cosca), idealizador e produtor do Coletivo junto a Lísia Lira, o intuito é que o 3º Round continue sendo o responsável pelo envio do representante baiano ao Nacional.

“Ele ou ela vai com tudo pago pro Nacional. Cada região terá seu representante, que batalhará no 3º Round, aqui em Salvador, em setembro. Queremos, com isso, solidificar uma cena, construir uma harmonia e fortalecimento nas batalhas. É também nosso intento, construir um conjunto de regras que seja usado nas Batalhas, regras anti-machistas, homofóbicas, sexistas e racistas”.

O 3º Round já tem alguns troféus na bagagem: Larício Gonzaga, que faturou o 1º lugar em 2013, Mira Potira, que chegou a vice-campeã em 2012 e, mais recentemente, em 2016, o jovem Black, de apenas 14 anos, que chegou à semifinal, representando bem a Bahia. “Estamos sempre mandando bons MC’s pro Duelo e tendo destaque no nacional”, comemora Cosca.

O Duelo de MC’s em BH é o maior evento de HipHop, ligado às Batalhas de MC’s em todo país e é de eventos destes que saem, muitas vezes, grandes nomes neste cenário musical.

3round circuito de rima improvisada 2
BLACK

“A maioria dos MC’s que hoje estão vivendo da música, desbancando por aí, vieram de Batalhas em suas cidades. Com o 3º Round é um preparatório para estes que estão iniciando no RAP, muitas vezes ainda menores de idade ainda, muito novos, mas já mandando bem”, diz André, lembrando de Black. Último a se inscrever no Round de 2016, apenas 13 anos, o último a rimar na escala, e foi quem representou a Bahia.

Sabe como é uma Batalha de MC?

Freestyle rap (“rap de estilo livre”) é um subgênero do RAP caracterizado por letras improvisadas do rapper. Nelas ele/a expressa o que sente sobre certos temas, mantendo o ritmo da batida. Na Batalha, rappers se enfrentam e o melhor na rima leva o prêmio.

Então, se adiante:

Inscreva sua Batalha de MC’s, CLIQUE AQUI e fale com André Costa.

Banda Aspiral do Reggae une mulheres no show “Elas Cantam Bob”


aspiral do reggae

Neste sábado (27), o mestre do reggae, Bob Marley estará representado nas vozes femininas de cantoras da Bahia e outros estados, que farão o show “Elas Cantam Bob”, no Espaço Cultural da Barroquinha.

O show vem lembrar da grande participação de mulheres na história da música jamaicana.

Nomes como Rita Marley, J.C. Lodge, Aisha, Della Grant, Donna Marie, Sister Carol, Phyllis Dillon, Zema, Dezarie, Althea & Donna, Dawn Penn, Janet Kay, Louisa Marks, The Gaylettes se unem a outros ainda mais históricos.

No palco da Barroquinha serão as vozes de Nelma Markes, Jo Kallado, Jady,Mariza Carvalho,Viviam Caroline e Gabby Célia Sampaio (MA), que serão acompanhadas pela Banda Aspiral do Reggae.

Elas cantam BOB

Dia 27 de Maio (sábado), 19h30

Espaço Cultural da Barroquinha
Entrada: R$ 5 + e 2Kg de alimentos

#Ouriçadas – Hereditariedade e herança. Tal mãe, tal filha?


mae e filha negras

Aproveitando esse mês dedicado as mães, vamos tocar num assunto-chave, no processo de reconhecimento de nossa identidade.

Além da genética e toda carga hereditária que nossa família nos traz, em nossa formação teremos também, além de educação, vivência e costumes como fatores cruciais na forma de como definiremos e veremos “o belo” e nossa própria estética. Sem esquecer, é claro, das informações externas que são grandes influenciadoras das nossas conclusões na vida em sociedade.

O fenômeno da semelhança entre os nossos, nem sempre nos garante a elevada e sonhada autoestima. O que de fato irá nos encaminhar para esse processo de auto aceitação e amor próprio serão as contribuições dadas através da nossa vivência social positiva.

mae e filha negras
Negra Li e sua filha Sofia

Sendo herança, o DIREITO ou condição de herdar ou conquistar algo ou alguma coisa, temos hoje um grande legado a deixar para futuras gerações. Uma evolução comunicativa no que diz respeito a propagar o diverso, ao contrário de gerações anteriores.

Sendo nós (pessoas que conquistaram o direito de assumir uma identidade) os vetores de cobrança e ampliação desse espaço, também somos nós que devemos nos colocar como representantes dessa nova, bela e diversificada estética.

Uma nova geração poderá olhar pra trás e perceber no presente uma “beleza” universal, com liberdade de expressão, sem padrões rígidos a serem seguidos, uma significativa herança conquistada e representada.

coletivo cacheadas e crespas salvador

O Coletivo Cacheadas e Crespas de Salvador, com a coluna “Ouriçadas!”, reúne as soteropretas, Sâmara Azevedo, 35 anos, professora de Língua Portuguesa da Rede pública estadual, Fundadora do Coletivo; Fernanda Borges, 38 anos produtora cultural e coordenadora do Armazém Cenográfico do TCA, é Adm do Coletivo; Ana Paula Couto, 34, administradora, moderadora do Coletivo